O Adultério | Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida

busca | avançada
27903 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOGS >>> Posts

Domingo, 13/12/2015
O Adultério
Raul Almeida

+ de 400 Acessos

A minha intenção era espairecer, divagar um pouco, aproveitar o dia sem aquele calorão típico do Rio de Janeiro. Assim, peguei a barca logo depois do movimento da manhã, ali pelas 10 horas, quando um assento perto da janela é quase garantido.

Atravessei a Praça Quinze caminhando pela lateral do prédio dos Correios, outrora Paço Imperial e segui pela rua São José, com o objetivo escancarado de encontrar o meu amigo, frequentador assíduo daqueles bares com cadeiras na calçada. Então dei conta de que era muito cedo.

Antes de meio-dia ninguém fica ali olhando para nada, tomando chope, fumando e deixando a vida passar.

As mesas e cadeiras continuavam empilhadas, os empregados dos restaurantes e assemelhados, começando as rotinas pré-funcionamento, os fornecedores mais atrasados descarregando seus triciclos. Aquela bagunça organizada, com gente passando para lá e para cá.

Segui em frente e fui até o largo da Carioca, hoje um acampamento de marreteiros e camelôs, melhor dizendo, "comerciantes independentes".

Apertei o passo ao notar as mudanças do lugar que conheci na minha juventude. Tive a impressão de um cenário medieval com o majestoso convento acima da vila, formada pelas tendas dos mercadores de qualquer coisa.

Fui para os lados da rua Uruguaiana. Procurei o largo do Rosário, depois o Mercado das Flores e segui perambulando, tentando buscar referências do meu tempo de rapaz. Atingi a avenida Rio Branco e segui em direção a Cinelândia.

Fiquei quase quarenta anos fora e agora estava tudo mudado.

Lojas, prédios, bancos, quase nada sobrou. Novas marcas, letreiros, edifícios e muito buraco nas calçadas. O Museu de Belas Artes assim como o Teatro Municipal, passando por reformas. A Biblioteca, com sua fachada de quartel francês, impávida e cheia de dignidade, o Tribunal e suas portas de madeira de lei magnificamente entalhadas.

Senti alguma coisa faltando: O palácio Monroe, o antigo Senado. O prédio quase um monumento, foi transformado em jardim com um chafariz e um estacionamento embaixo.

Constatei o fim dos cinemas, travestidos em templos de igrejas milagreiras.

O Cordão da Bola Preta, um dos clubes carnavalescos de maior tradição, despejado, leiloado, sei lá. O Amarelinho de cara nova, parecendo bar de boulevard francês. Novidades, novidades. Novamente a paisagem mutilada para a realidade que eu tinha na memória.

Voltei e fui almoçar no Restaurante Ulrich, na rua São Jose. Estiquei o almoço para que meu amigo chegasse no seu escritório vespertino. Paguei a conta e sai, lembrando dos companheiros do passado.

Deu certo. Caminhei uns passos para a esquerda, olhei para o outro lado do calçadão e lá estava ele, de costas, olhando em direção a estação das barcas.

Cheguei e, como de costume, puxei a cadeira, na certeza da recepção favorável. Meu amigo ameaçou levantar-se para o abraço, esticou a mão, sorriu e disse:

-Parece mentira, mas desde cedo que estou pensando em você e, eis que apareces!

-Transmissão de pensamento, respondi. Vim, para te encontrar, bater um papo, trocar idéias. Já estava com saudades das tuas tiradas e historias!

Ele sorriu, chamou o atendente, pediu o tradicional chope, perguntou se eu queria comer algo, e começou:

-Você nem imagina o que aconteceu.

-Um amigo meu matou a mulher, depois de uma união de décadas! Uma coisa horrível, impressionante. Um drama terrível, uma desgraça total.

Fiquei surpreso com tanta dor, assim, logo de cara, sem qualquer preparação, fora do seu estilo.

-Rapaz! Que tristeza, como foi, perguntei.

-Imagine só, a mulher era uma pessoa tranquila, recatada, suave, dedicada a família e aos afazeres domésticos, uma pessoa simples, muito séria. Bem, até que ele escutou dela, dela mesma, que tinha um namorado.

-Mas deixa eu te falar dele: O cara era boa gente, trabalhador, esforçado, lutador. Entretanto, boêmio, bregueiro, aquela coisa que não é novidade para ninguém.
Trabalhava, depois dava uma esticada, tomava umas e outras, vez por outra chegava em casa de manhã.

- Então, matou a mulher assim sem mais nem menos. Por certo era uma pessoa violenta.

-Não! Nada disso. O cara era uma moça, nunca vi dizer um palavrão, nunca vi metido em confusão, escaramuça, gritaria, empurra-empurra, nada. Manso, calmo, conciliador.

-Tinha amante! Exclamei e continuei: Sabe como é, mulher tem aquela coisa de dar o troco. Sofre calada, mas morde na canela, que nem cobra.

- Não, não tinha amantes, só que era mulherengo. Se fosse fazer um cadastro, quebrava os três dígitos. Boa aparência, boa charla, dançava bem, voz de locutor de rádio, vestia-se com elegância, e... Casado.

-Foi preso. Pegou um flagrante, perguntei.

-Pior, se matou.

Pendurou-se no cano do chuveiro, chutou o tamborete, e ficou de língua de fora.

-Que coisa horrível! Você não perde uma... Murmurei com cara de nojo.

Ele sorriu, pegou mais um cigarro, deu um gole, mantendo aquela gesticulação medida e ensaiada por anos a fio.

-A coisa foi muito triste mesmo.

Viajaram para uma pousada de praia no nordeste, aproveitando o feriadão. No segundo dia, foram para uma festa popular, e conheceram outras pessoas. Até aí, nada de errado, mas o capeta estava espreitando.

Tomaram bebidinhas, deram muita risada, etc., a mulher foi ao banheiro uma vez, duas, aquelas coisas e depois se recolheram. No meio da noite ele acordou, a procurou e nada.

Ainda havia barulho no local da festa e ele foi ate la dar uma olhada. Então a viu conversando, bem chegadinha, com um outro sujeito.

Não entendeu nada. Achou que estava bêbada Chamou-a, insistiu e terminou por leva-la de volta na marra. Ai a coisa desandou.

Ela debochou, disse que sabia das patifarias, da mulherada, da falta de respeito com ela e que ele pensava que era o bom, mas... Tome risadas.

Ele implorou, pediu que parasse, disse que era mentira o que ela estava dizendo, que a amava desesperadamente, que ela era a vida dele, mas nada adiantou.

Então, agarrou-a pelo pescoço e a esganou. Ela rindo e ele chorando.

- Mas pera aí! Como é que você sabe de tantos detalhes, parece até que estavas espiando.

Meu amigo pigarreou, cuspiu no chão, deu uma olhada para mim, outra para o maço de cigarros, pegou o copo deu mais um gole e respondeu:

- Foi nada.

Tive um pesadelo esta noite, e estou sem dormir até agora.

- Mas você nem é casado, respondi com espanto.

E, tomando o resto de chope quente do meu copo, dei um sorriso e me despedi, atordoado com humor tão sinistro.



Postado por Raul Almeida
Em 13/12/2015 às 10h17


Mais Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O VERDE VIOLENTOU O MURO
IGNÁCIO DE LOYOLA BRANDÃO
GLOBAL
(2000)
R$ 8,01



LIVRO DOS SABERES: DIÁLOGOS COM OS GRANDES INTELECTUAIS DE NOSSO TEMPO
CONSTANTIN VON BARLOEWEN
NOVO SÉCULO
(2010)
R$ 11,00



EM BUSCA DE CÉZANNE
PETER MAYLE
ROCCO
(2000)
R$ 6,00



TÓPICOS ESPECIAIS EM HIPERTENSÃO ARTERIAL
EMÍLIO FRANCISHETTI E ANTONIO SANJULIANI
SOHERJ
(2005)
R$ 10,00



CARTAS DO MEU MOINHO
ALPHONSE DAUDET
GLOBAL
(1984)
R$ 12,50



JUSTIÇA SELVAGEM
PHILLIP MARGOLIN
ROCCO
(2002)
R$ 10,00



AMARGA HERANÇA DE LEO
ISABEL VIEIRA
FTD
(1999)
R$ 5,00



PERÓN 1895-1974
JOSÉ EDUARDO DE FARO FREIRE
TRÊS
(1974)
R$ 5,14



PENSE RÁPIDO: CRISE
ROS JAY
MANOLE
(2003)
R$ 7,00



A PALAVRA SAGRADA PARA O REAVIVAMENTO MATINAL
WITNESS LEE
LIVING STREAM MINISTRY
(2014)
R$ 5,00





busca | avançada
27903 visitas/dia
1,3 milhão/mês