A ABSTRATA MARGEM | Impressões Digitais

busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As mulheres e o futebol
>>> São Luiz do Paraitinga
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Road Warrior
>>> O crime da torta de morango
>>> PT saudações
>>> Oscar Wilde, dândi imortal
>>> 30 de Novembro #digestivo10anos
>>> Uma história do Jazz
>>> Quando morre uma paixão
Mais Recentes
>>> O Hobbit de J R R Tolkien pela Martins Fontes (2012)
>>> A herdeira livro 4 serie a seleção de Kiera Cass pela Seguinte (2015)
>>> Tratado Elementar de Magia Prática de Papus pela Pensamento
>>> Os sonhadores de Karen Thompson Walker pela Alfaguara (2020)
>>> Escola de contos eroticos para viuvas de Balli Kaur Jaswal pela Planeta (2019)
>>> o Budismo Esotérico de Sinnett pela Pensamento
>>> O sol mais brilhante de Adrienne Benson pela Tag (2020)
>>> Minha adorável esposa de Samantha Downing pela Tag (2020)
>>> Uma mulher no escuro de Raphael Montes pela Companhia Das Letras (2019)
>>> Volume 2: Proncípios de Auditoria 1ª edição. de R K Mautz pela Atlas (1976)
>>> O Dia do Chacal - capa. dura. de Frederick Forsyth pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Bruxa de Portobello de Paulo Coelho pela Planeta (2007)
>>> História do Marxismo no Brasil Volume 3: Teorias. Interpretações de João Quartim de Moraes pela Unicamp (2007)
>>> A Bíblia dos cristais - O Guia definitivo dos cristais de Judy Hall pela Pensamento (2008)
>>> O Martelo das feiticeiras de Malleus Maleficarum pela BestBolso (2015)
>>> Tao Te King de Lao Tsé pela Attar (1995)
>>> As mulheres primeiro de Ian Kerner pela Sextante (2020)
>>> Calibã e a Bruxa de Silvia Federici pela Elefante (2017)
>>> Assim falou Zaratustra de Friedrich Nietzsche pela Companhia De Bolso (2020)
>>> 10% Mais Feliz de Dan Harris pela Sextante (2015)
>>> A Nova Sociedade Brasileira de Bernardo Sorj pela Jorge Zahar Editor (2006)
>>> Four weddings and a funeral C/CD áudio de Richard Curtis pela Penguin Readers (2008)
>>> O Livro da Tranquilidade de Olivia Benhamou pela Martins Fontes (2003)
>>> A Loucura dos Reis: História de Poder e Destruição , de Calígula a Saddam Hussein de Vivian Green pela Ediouro (2006)
>>> The turn of the screw Steage 4 de Henry james D15b4 pela Hub (2011)
BLOGS >>> Posts

Sábado, 27/8/2016
A ABSTRATA MARGEM
Ayrton Pereira da Silva

+ de 5700 Acessos

Sinto o mar lamber meus pés, acariciando-me com sua língua aveludada. Sua lâmina imóvel reflete a cor do céu e fico achando que dessa associação deve ter nascido a expressão espelho d’água. É uma dessas manhãs de aquarela, irretocáveis. A certa distância, à esquerda, duas canoas de pesca dormitam ao sol, parecendo não se incomodar com as gaivotas pousadas e imóveis sobre elas.

Deixo a praia com a sensação de que o mar está completo e desembarco no meu quarto sem ter molhado meus pés, nem ter dado um passo sequer. É um aposento austero com área suficiente para as divagações de um velho octogenário, guarnecido pelo mobiliário que se resume a uma escrivaninha pequena, dessas com tampo corrediço, uma cama de solteiro e uma cadeira de braços para visitas que jamais chegaram. Um exíguo banheiro com chuveiro e vaso sanitário estabelece os limites de meu território privado, no qual se entra obviamente por uma porta entreaberta por onde diariamente passa Joana, uma espécie de anjo de avental, sempre com um sorriso atarraxado nos lábios e uma bandeja com minhas frugais refeições. Quando estou de bom humor, chego a pensar que sorri para mim, mas a impressão mais comum que tenho é de que sorri de mim...

Somos as únicas presenças de vida nesta casa, na verdade um cubículo.

Valquíria vem visitar-me, de quando em quando, à noitinha, mas ela não precisa passar pela porta nem saltar a janela. Chega em silêncio, senta-se na borda cama e parece segurar minha mão. Sempre foi uma mulher de poucas palavras e agora menos ainda, mas seus olhos interrogadores pedem que lhe diga como vou indo. Tenho muitas saudades, Val, de você e de mim mesmo. Até hoje não sei por que você partiu assim de súbito, assumindo uma postura de estátua. Seus olhos então me respondem de um modo um tanto oblíquo, reticencioso, sei lá, parecendo dar a entender que havia outros caminhos a seguir até chegar à abstrata margem, e não me dá maiores explicações.

Ontem fiz um poema para você, e ela me diz com os olhos que quer ouvi-lo, mas a audição é interrompida antes mesmo de começar, pois Joana chega com o meu jantar. Bom apetite, ela me diz gentilmente, como se fosse possível degustar uma tisana daquelas. Se ela tivesse um miligrama de massa cinzenta eu seria capaz de pensar mal dela, mas, não, seria impossível, dali só saíam mesmo gestos mecânicos: Joana definitivamente não se definira entre ter nascido uma pessoa ou um robô. Alguma coisa falhara na sua estrutura genética, a mãe natureza dera um cochilo ao projetá-la.

Sabedora de minha contumaz inapetência, Valquíria, com sua mão de vento, me ajuda a segurar a colher que a contragosto levo à boca, incentivando-me a tomar aquele líquido gosmento, de um verde catarroso. Olhe, Val, sei muito bem que, à medida que o círculo da vida se vai fechando, os extremos se aproximam, mas ainda não cheguei à segunda infância. Mas você precisa se alimentar para chegar à longínqua margem, dizem seus olhos.

O tempo me embruteceu, vivi dias maravilhosos e dias horrorosos, estes em maior número; ou você pensa que minha vida se resume nessa praia elegíaca que sempre emoldurou minhas melhores recordações e que até hoje frequento com os passos da imaginação?

Sou um homem sem raízes, embora paradoxalmente arraigado a esta cela franciscana. Ando com dificuldade e quando a artrite generalizada me permite mover-me dentro do meu quarto, ensaio penosamente uns poucos passos com a ajuda desse par de muletas postado à minha cabeceira como duas sentinelas de prontidão. Sabe, já não escrevo mais. Até aquele poema interrompido não foi escrito por mim, (devo confessar-lhe), e ficou bem melhor que ficasse assim pelo meio, como um aborto de filho indesejado.

Você nunca me descreveu essa abstrata margem e nada posso fazer quando seus olhos se calam.

São assim os meus diálogos com Valquíria.

O fim da estrada muitas vezes é assim mesmo. A nossa história pessoal morre conosco e em alguns casos até antes, quando o denso nevoeiro apaga a memória. Não sei afinal de contas o que vem a ser a tal de abstrata margem e nem ousei perguntar a Joana cujo sorriso alvar denuncia um cérebro de formiga. Certa feita, indaguei de um pescador se ele conhecia a abstrata margem, mas ele laconicamente respondeu que era um homem do mar e não de água doce...

Há manhãs em que com muito esforço vou até a praia pendente de um quadro na parede de meu quarto, mas até isso me cansa enormemente. Então começo a divagar, engolfado em meus pensamentos que me atordoam, sentindo-me à deriva, como um náufrago em seco sem esperança de salvação.

Ayrton Pereira da Silva



Postado por Ayrton Pereira da Silva
Em 27/8/2016 às 15h22


Mais Impressões Digitais
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Arcanjo Jofiel e os Anjos da Iluminação
Elizabeth Clare Prophet
nova era
(2009)



O Guarani - 8ª Ed.
Jose de Alencar
De Ouro
(1970)



O Guia dos Curiosos
Marcelo Duarte
Cia Das Letras
(1999)



Até Quando - Ensaios sobre Dilemas da Atualidade
Dioclécio Campos Junior
manole
(2008)



A Cura do Colesterol em 8 Semanas
Robertbt E Kowalski
Cultura
(1987)



A Terceira Guerra Mundial Agosto 1985
Arnold B Barach
Melhoramentos
(1980)



Eu & os Outros
Liliana Iacocca e Milhele Iacocca
Ática
(2003)



Conheça Seu Alimento Tenha Saude 5ªed(1987)
Erni Kohler
Instituto Adventista de Ensino
(1987)



Muito Além do nosso Eu
Miguel Nocolelis
Companhia das Letras
(2011)



A Importancia de Ser Esposa
Anne Kingston
Record
(2005)





busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês