Tom Wolfe | Julio Daio Bløg

busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
>>> Conheça Carácolis (parte 1)
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> Mob Flash
>>> A Geração Paissandu
>>> História de um papagaio de papel
>>> Saleté S.A.
>>> YouTube: a história (trailer)
>>> Gran Torino, de Clint Eastwood
Mais Recentes
>>> Operação Thermos Amazônia de Carlos Araujo pela Nordica (1990)
>>> O Pequeno Livro da Verdadeira Felicidade de Anselm Grun pela Loyola (2003)
>>> O Incêndio de Troia de Marion Zimmer Bradley pela Círculo do Livro
>>> Biblioteca Vida e Missão - Carta Pastoral do Colégio Episcopal de N/d pela Imprensa Metodista
>>> Mais Feliz Que Deus de Neale Donald Walsch pela Agir (2009)
>>> Escola de Equitação para Moças de Anton Di Sclafani pela Intrínseca (2014)
>>> A Salamandra de Morris West pela Record (1973)
>>> The Company of Ghosts de Berlie Doherty pela Andersen Press
>>> Tarot Hipocampo (sem Baralho) de Beatriz Vilela pela Hipocampo
>>> A Terra do Deus Dará de João Batista de Andrade pela Atual (1991)
>>> Indomada - Série House of Night - Livro 4 de P. C. Cast e Kristin Cast pela Novo Século (2010)
>>> As Regiões Selvagens do Mundo - Coleção Completa 18 Vol. de N/d pela Cidade Cultural (1984)
>>> A Profetisa de Barbara Wood pela Record
>>> Neuroanatomia Funcional de Angelo Machado pela Atheneu (1993)
>>> Legislação Previdenciária Centro de Estudos da Seguridade Social de Anfip / Centro de Estudos da Seguridade Social pela Anfip (1998)
>>> O Milagre de Nicholas Sparks pela Agir (2010)
>>> The Red Balloon de Eduardo Amos e outros pela Richmond (2005)
>>> Revista Playboy n133 Renée de Vielmond de Civita pela Abril (1986)
>>> Dulcina e o teatro de seu tempo de Sérgio Viotti pela Lacerda (2000)
>>> Meditações para reavivar a esperança 1 e 2 de Dom Irineu Roque Scherer pela Fazenda da Esperança
>>> A Morte de Ivan Ilitch de Leon Tolstói pela L&Pm Pocket (2013)
>>> Um deus na contamão de Costanzo pela Cidade Nova (2013)
>>> Terapia de Vidas Passadas - Uma viagem no tempo para desatar os nós do inconsciente de Célia Resende pela Nova Era (1999)
>>> Construindo um Mundo Onde Todos Ganhem de Hezeel Henderson pela Cultrix (2003)
>>> E o Sol Voltou a Brilhar de Petrucio pela Livree (1996)
BLOGS >>> Posts

Quarta-feira, 16/5/2018
Tom Wolfe
Julio Daio Borges

+ de 1300 Acessos

Tom Wolfe era um daqueles jornalistas “maior que o jornalismo”. *Ele* era o assunto - tanto quanto o assunto sobre o qual escrevia...

Embora a comparação não seja justa - e nenhum dos dois talvez concorde -, eu o aproximo do Paulo Francis. Ambos escrevendo num estilo “apimentado”; ambos personalidades transbordantes; ambos com grande presência cênica; e ambos se metendo em polêmicas e criando inimizades “para a vida inteira”...

Leio que Plauto, o comediógrafo romano, quando escrevia uma peça, tinha de competir com toda a sorte de “atrações”, inclusive gladiadores... E como chamar a atenção do público senão exagerando bastante?

Foi o que a New Yorker escreveu sobre Tom Wolfe. Como competir com os anos 60, a música, as revoluções, a televisão... Como - sem carregar nas tintas?

Repare que o mesmo vale para Paulo Francis, que “apareceu” criticando teatro, apanhando do marido da Tônia Carrero, depois criticando Carlos Lacerda na televisão, sendo preso pela Ditadura, se auto-exilando em Nova York, metendo o pau no Brasil, acabando processado, e talvez morto, pela Petrobras...

Nelson Rodrigues, outro “exagerado” - com estilo apimentado, presença cênica, polêmicas e inimizades também -, repetia que o que é dito apenas uma vez, permanece inédito. Era uma flor de obsessão. E tinha lá as suas razões...

A diferença entre Francis e Wolfe é que o último conseguiu nos deixar mais livros, diria Piza. Francis tinha um grande efeito imediato; mas dialogava mal com a posteridade.

A crítica de Wolfe deve ficar. Não é preciso nem ler os livros para saber do que se trata - os títulos falam por si (mesmo em nossa língua): “Da Bauhaus ao nosso caos”; “A Palavra Pintada”; “Fogueira das Vaidades”...

Ele tentou ficar sério com os romances. Ou ser levando a sério. Ou ambos. Mas já era tarde demais...

Norman Mailer - um desafeto - explicou que algumas características o romancista só adquiria na juventude. Wolfe começou tarde. O Wolfe romancista, portanto, não merecia atenção...

Seja como for, a descrição da recepção oferecida aos Panteras Negras, por Leonard Bernstein, em “Radical Chique”, nunca mais saiu da minha cabeça - a ponto de eu não conseguir mais encarar Bernstein sem pensar no “Lenny” de Wolfe...

Lendo “Ficar ou não ficar”, aprendi a repetir vogais, e pontos de exclamação e interrogação, sempre em número ímpar. Fora outros truques que me ajudaram, mas que, com o tempo, eu abandonei, procurando um estilo mais sóbrio...

Sempre penso que os autores da antiguidade - os que nos chegaram - não abusavam dos pontos de exclamação, dos itálicos, das maiúsculas, nem das onomatopéias...

Ao mesmo tempo, conheci tanta gente que foi “mexer” com jornalismo por causa do Paulo Francis. (Eu, inclusive.)

Às vezes, falta uma personalidade. (Olha a nossa política...)

Para ir além
Compartilhar


Postado por Julio Daio Borges
Em 16/5/2018 às 09h57


Mais Julio Daio Bløg
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Falando Pelos Cotovelos
Lucia Pimentel Goes, Negreiros
Moderna
(2002)



O Baú do Medo Coletânea de Cordéis de Suspense e Terror
Zeca Pereira Org
Nordestina
(2019)



Literatura do Minarete
Monteiro Lobato
Brasiliense
(1959)



Tem Carta pra Mim?
Fanny Abramovich
Scipione
(1994)



Cultura - Ano I - N. 3
Ministério da Educação e Saúde
Não Informado
(1949)



Literatura Comentada - Mario de Andrade
João Luiz Lafetá
Nova Cultura
(1990)



Brasil Aspectos da Cultura Brasileira
1993
Empresa das Artes



Recetario Industrial: Fórmulas, Secretos, Recetas, Trabajos Lucrativos
G D Hiscox; a a Hopkins
Gustavo Gili
(1961)



O Evangelho Que nos Cura - Diálogos Sobre a Não-violência
Bernhard Haring e Valentino Sa
Paulinas
(1992)



Emoções Em Familia
Silvia Bruno Securato
Oficina do Livro
(2008)





busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês