Visitação ao desenho de Jair Glass | Blog da Mirian

busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 9/11 books
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Cidade de Deus, de Paulo Lins
>>> Humberto Alitto
>>> Orra, meu
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Meu tio
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Tarde, de Paulo Henriques Britto
>>> Curitiba
Mais Recentes
>>> Ilustrado de Miguel Syjuco pela Companhia das Letras (2011)
>>> Revista Viagem e Turismo - Ano 20 – Nº 2 - Quatro Roteiros na Itália Pra Ver Antes de Morrer de Vários Autores pela Abril (2015)
>>> Guia do Executivo Porto Alegre 1998 de Vários Autores pela Gazeta Mercantil (1998)
>>> Guia Quatro Rodas Brasil 2002 de Vários Autores pela Abril (2002)
>>> Éfeso de Naci Keskin pela Keskin Colors (2012)
>>> Clube do Livro, Ser Leitor - que diferença faz? de Luzia de Maria pela Literária (2009)
>>> The Good Life Guide to Sydney de Tessa Mountstephens pela Hark! (1996)
>>> Matemática - 8º Ano - 6º Edição de Edwaldo Bianchini pela Moderna (2006)
>>> Encontro com a Begõnia de Nilza de Oliveira pela Imagem (2014)
>>> Buenos Aires de Boca a River de Joaquim da Fonseca pela Artes e Ofícios (1996)
>>> Brisa Bia, Brisa Bel de Ana Maria Machado pela Record (1999)
>>> Barcelona – Um Ano Com 365 Dias de Marcos Eizerik pela Age (2008)
>>> De Mala e Cuia – Tudo o Que Você Precisa Saber Para Morar, Estudar, Trabalhar e se Divertir na Europa de Adriana Setti pela Jaboticaba (2005)
>>> Quebra de Confiança de Quebra de Confiança Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Viajando pela Europa e Pelo Mundo de José Cretella Júnior pela T. A. Queiroz (1985)
>>> Silêncio na Floresta de Harlan Coben pela Benvirá (2009)
>>> A Nova História Cultural de Lynn Hunt pela Martins Fontes (1992)
>>> O Livro dos Espíritos de Allan Kardec pela Círculo do Livro (1993)
>>> Não Conte a Ninguém de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2003)
>>> O Livro dos Incensos de Steven R. Smith pela Roca (1994)
>>> Confie Em Mim de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Romeu e Julieta - Macbeth - Otelo, O Mouro de Veneza de William Shakespeare pela Nova Cultural (2003)
>>> Consciência Cósmica de Rosabis Camaysar pela Lorenz (1994)
>>> Alta Tensão de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Os Sentidos do Trabalho - Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho de Ricardo Antunes pela Boitempo (2000)
>>> Luta Armada no Brasil do Anos 60 e 70 de Jaime Sautchuk pela Anita Garibaldi (1995)
>>> Jogada Mortal de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Quando Ela Se Foi de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Descartes The Project of Pure Enquiry de Bernard Williams pela Routledge (2005)
>>> Desaparecido para Sempre de Harlan Coben pela Arqueiro (2010)
>>> Seis Anos Depois de Harlan Coben pela Arqueiro (2014)
>>> Estatuto da Criança e do Adolescente de Vários Autores pela Pmpa (2003)
>>> O Inocente de Harlan Coben pela Arqueiro (2013)
>>> A Dama das Camélias de Alexandre Dumas Filho pela Nova Cultural (2003)
>>> Equilíbrio Total Através da Parapsicologia de Miguel Lucas pela Almed (1981)
>>> Casa de Bonecas de Henrik Ibsen pela Nova Cultural (2003)
>>> O Poder da Oração para Mulheres de Jackie M. Johnson pela Povket ouro (2013)
>>> Jesus como Terapeuta - O Poder Curador das Palavras de Anselm Grün pela Vozes (2013)
>>> Manual do Astrônomo Amador de Jean Nicolini pela Papirus (1991)
>>> As Três Irmãs de Anton Tchekov pela Nova Cultural (2002)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Alexandre de Moraes (Org.) pela Atlas (2001)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Vários Autores pela Saraiva (2000)
>>> O Livro Secreto do Banheiro Feminino de Jo Barrett pela Essência/Planeta (2008)
>>> Código de Hamurabi – Código de Manu – Lei das XII Tábuas de Jair Lot Vieira (Superv.) pela Edipro (2002)
>>> Manual de Prática Forense Civil de Edson Cosac Bortolai pela Revista dos Tribunais (2003)
>>> Vade Mecum Método Cívil 2016 de Vários Autores pela Método (2016)
>>> Nossa próxima atração. O interprograma do Canal 3 de Mário Fanucchi pela Edusp (1996)
>>> Evaristo de Moraes Filho – 100 Anos de Vida Contribuição à Sociologia e ao Direito do Trabalho de Eliana Gonçalves da Fonte Pessanha e Outros (Orgs.) pela Ministério do Trabalho (2016)
>>> O tempo e a alma de Jacob Needleman pela Ediouro (1999)
BLOGS >>> Posts

Sexta-feira, 11/10/2019
Visitação ao desenho de Jair Glass
Mirian de Carvalho (e-mail: [email protected])

+ de 5500 Acessos

De autoria do desenhista Jair Glass, o livro intitulado Breviário de Decomposições , Ed. Pantemporâneo, foi lançado na Casa das Rosas, em São Paulo, em setembro deste ano de 2019. Sobre a produção artística de Jair Glass, trago aos leitores este conjunto de poemas que giram em torno do processo criativo observado por mim nos seus desenhos.
Meu pai era desenhista.
Lápis de todas as cores e texturas. Papéis de gramaturas e cores várias. Até papel colorido de balão e bandeirinhas. O onirismo habitava a prancheta e, antes das refeições, revestia a mesa. Na verdade, o desenho habitava aquele tempo. O brinquedo preenchia a casa.
Revivendo a experiência dos materiais que conheci na infância, visitei os desenhos de Jair. Me reencontrei na poética desses materiais. Por isso me desviei da gramática. Por isso a poesia. E não um texto teórico. Eis meu breviário poético.


BREVIÁRIO DO ENCONTRO ÍNTIMO

Para Jair Glass

I
sob cores noturnas
em angustiado sossego,
caminho sem chão
ante o princípio das coisas
não havidas

dentro desse hiato, me reencontro,
oscilante prumo de instável amanhecer
longe da razão acorrentada

“diante do pensamento repetido
a girar em torno do próprio umbigo,
acolho o delírio que nos salva
da razão doente”

visitante do espaço que habita dentro de mim
faço acertos com minhas dúvidas;
meu respirar insiste em percorrer
as arestas do chão

à persistência do náufrago de pulmões de aço,
entrego-me inteira às decomposições do mundo

eu, fragmento desse jogo,
como não me reconhecer
lavrando terras de papel?

diante do espelho quebrado por Narciso,
vejo-me além da objetividade

no bolso, um pedacinho de lápis azul


II
ao desmonte das coisas acabadas,
sorvo transformações do anoitecer
porque a noite tem infinitas luzes

ao desmonte da infinitude,
delineio progressivo ir e vir
enquanto meus dedos deslizam
pelas entranhas da angústia
agregada ao papel

matéria viva, o papel,
tecido de fibras do lume poente:
tensos e lassos fios distendendo-se
de desprazer e gozo

ao impulso das mãos,
ressalto o mundo das coisas que pulsam
antes do pouso no papel

desdobrando traços, linhas, cores,
preencho vazios em meu percurso
ao fundo da Terra

seleiro dos trajetos originários,
a Terra é meu quintal


III
da Terra inteira, faço meu quintal
que me traz de volta ao inesperado

quando desdobro nervuras de papel,
meu cosmos agrega ossos, paredes,
águas, nuvens, manchas

quando redobro fibras de papel,
irrompem versos conduzindo
imagens, segredos e águas

alheia aos desígnios da nascente,
delineio rios sem margens

não mais que vazadouro, a poesia
não mais que vazadouro, o desenho

então me reencontro lavando papéis e objetos
e logo me reconheço mão sonhadora
ao plantio e ao cuidado desse meu quintal

meu quintal, também jardim das metamorfoses

sempre me reconheço
na sedutora indefinição das manchas,
nos cortes e recortes ressuscitando matizes
em meu solo fecundado

então, me reconheço no cultivo do impossível
então, me reencontro costurando hastes d’água
e bordando teias invisíveis na pele das cores

ao entrelace do bordado e da costura,
devolvo à terra o que um dia será terra
presenteio a terra com jornais e revistas
acalento a terra com o madrigal das folhas secas

numa caixa mágica,
minhas provisões do vindouro
reunindo e igualando bichos e humanos,

assim me reencontro arando a ante-linguagem
incontida na palavra

por isso me reencontro no desenho


IV
a germinar tessituras na folha inerte,
meus dedos redobram luzes do dia,
meus olhos abrem-se ao estranhamento
perambulando pela casa

caminhante dos espaços velados,
meu lúgubre enlevo não esmorece,
minha vertigem me reanima na queda,
meu grito alcança o fundo do solo

atravessando a neutralidade da superfície,
meu corpo escorre pelas crateras do encontro
indo frutificar onde a terra nasce da terra
sob raízes da árvore-matriz

quando desdobro nervuras de papel,
meu ânimo irrompe múltiplo de motivos
agregando raiz, tronco, folha, fruto

ao devaneio do papel,
humanizado vegetal enlaça meu corpo
e preserva minha carne
que se recusa a morrer


reencontro-me na luz que veste o tempo
reencontro-me no tempo que despe a noite

o mundo, não mais que terra,
me oferece as tetas do leite primevo

à imensidão da vida
o nada reluz


V
nas cores, me reencontro
tingindo sombras e mistérios

porque assim se mostra a vida
porque assim o tempo jorra
porque retornaremos à terra
porque somos terra

atravessam a planície de fibras
semi-luzes dispersas no papel

o desenho ilumina o parto das coisas,
das coisas vistas pela primeira vez

primeiro olhar
primeiro gesto
primeiro ato

junto aos cadernos da escola,
minha caixinha de lápis de cor

nas coisas que me aguçam a memória,
me reconheço

nas coisas que me falam aos sentidos,
me encontro e me reencontro
sempre sempre sempre


VI
também me entrevejo
assustadora face que é minha

à densidade das cores tingindo meu rosto,
meu fôlego irrompe entre crateras vegetais
para lutar contra moinhos de vento

disposta a caminhar pelo “impossível chão”
jogo no lixo meus sapatos


para onde irei?
quem sou?


os fantasmas que me assombram
são os mesmos que me acalentam

na árvore originária, desenho a raiz,
desenho o fruto que proverá meu alimento


idealizo enfim a árvore do pecado

E o paraíso perdido


VII
aos abismos das cores
nada pergunto do inesperado visitante

sem alarde, Eros rompe as fibras do papel
e, recluso, declara-se à espera do outro

sensual,
o corpo não se permite reclusão permanente

exilado,
o corpo não aceita a infinitude


quanto ao Amor,
Eros permanece calado


no xadrez do jogo
ou no cruzamento das grades de grafite,
a vida sempre desdobra seu recomeço

sobre inesgotável campo de transformações
a pele se reconhece tessitura de papel

meu ânimo desperta ofegante

apercebo-me agora
o que não serei depois

muito além de mim

ao alcance das mãos,
um pedacinho de lápis azul

à explosão da vida,
o passado se aproxima
e se afasta da memória

o que virá depois
resguarda-se num esboço


Postado por Mirian de Carvalho (e-mail: [email protected])
Em 11/10/2019 às 20h37


Mais Blog da Mirian
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O BRANCO E A ROSA
SCHERING DO BRASIL
LIMAY
(2003)
R$ 5,00



O ABC DA EMPRESA DE SERVIÇOS
ROSALVO LIMA
FUTURA
(2006)
R$ 18,00



A VERDADE QUE EU DESCONHECIA
STELLA FERNANDES RIBEIRINHA
NOTRYA
(1993)
R$ 24,28



A FILOSOFIA ATRAVES DOS TEXTOS
ALEXANDRE CABALLERO
CULTRIX
(1980)
R$ 9,90



GIBRAN KHALIL FILÓSOFO DOS PROFETAS, PROFETA DOS FILÓSOFOS
ASSAD ZAIDAN
ESCRITURAS
(2008)
R$ 26,51



O HOMEM E A SOCIEDADE-UMA INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
M B L DELLA TORRE
CIA. NACIONAL
(1971)
R$ 8,00



O BICHO HOMEM - UM ESTUDO BEM HUMORADO SOBRE O ANIMAL MAIS COMPLEXO...
CRISTINA MOUTELLA & GLICIA VAN LINDEN
OBJETIVA
(1997)
R$ 6,90



AS POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA NA ESPANHA DEMOCRÁTICA - COL. ORELLANA
ANTONIO IBAÑEZ RUIZ
CONSEJA DE EDUCACION EN BRASIL
(2007)
R$ 9,87



UMBANDA: UMA RELIGIAO SEM FRONTEIRAS - 1ª EDIÇÃO
FLAVIO PENTEADO
NOVA SENDA
(2015)
R$ 30,96



KISS - GUISE TO SELLING
KEN LLOYD
DORLING KINDERSLEY BOOK
(2001)
R$ 100,00





busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês