Observações sobre o Fórum Social Mundial | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Maria a Vida Toda de Paulo Castelo Branco pela Dom Quixote (2004)
>>> Sociedades tribais de Marshall D. Sahlins pela Zahar (1983)
>>> União soviética: Há socialismo nisto? de Vladimir Palmeira pela Marco zero (1982)
>>> Nacionalismo, Retórica "socialista" e Marxismo na América Latina de Juan Dal Maso pela Iskra (2013)
>>> Gringo de Airton Ortiz pela Record (2012)
>>> Veronika decide morrer de Paulo Coelho pela Klick (1998)
>>> O outro davos de François Houtart e François Polet pela Cortez (2002)
>>> Brasília Ideologia e Realidade Espaço Urbano Em Questão de Aldo Paviani pela Cnpq (1985)
>>> Brasil: Radiografia de um modelo de Nelson Werneck Sodré pela Vozes (1975)
>>> Trabalhadores pobres e cidadania de Nair Heloisa Bicalho de Sousa pela EDUFU (2007)
>>> País brilhantes, professores fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> I Fratelli Karamàzov Vol Primo de Fedor M Dostoevskij pela Club Degli
>>> A semana II - Obras completas de Machado de Assis pela Globo
>>> Um reformismo quase sem reformas de Valério Arcary pela Sundermann (2011)
>>> A esquerda e o movimento operário 1964-1984 volume 3 de Celso Frederico pela Oficina de livros (1991)
>>> Casório?! de Marian Keyes pela Bertrand Brasil (2005)
>>> As esquinas perigosas da história de Valério Arcary pela Xamã (2004)
>>> O Zahir de Paulo Coelho pela Rocco (2005)
>>> Marxismo Soviético - uma Análise Crítica de Herbert Marcuse pela Saga (1969)
>>> A Fortaleza de Sharpe de Bernard Cornwell pela Record (2005)
>>> O demônio e a srta. Prym de Paulo Coelho pela Rocco (2003)
>>> A carga de Mary Westmacott pela Nova fronteira (1956)
>>> A energia do dinheiro de Glória Maria Garcia Pereira pela Gente (2001)
>>> O Combate Sexual da Juventude Comentado de Gilson Dantas pela Iskra/centelha Cultural (2011)
>>> As armas da crítica de Emir Sader e Ivana Jinkings pela Boitempo (2012)
COLUNAS

Segunda-feira, 21/2/2005
Observações sobre o Fórum Social Mundial
Lucas Rodrigues Pires

+ de 3000 Acessos

Estive no Fórum Social Mundial em Porto Alegre no final de janeiro. Era uma coisa que já vinha programando há dois anos e que agora se concretizou. É difícil imaginar o que é o Fórum se você não está lá. Pela televisão, aqueles que acompanharam devem ter a impressão de uma reunião de doidos, saudosos do comunismo e o local ideal para cruzar com figuras excêntricas e pitorescas que chamam a atenção, típicas presenças em reportagens de televisão. Isso quando não se resumem a falar apenas das vaias que o presidente recebeu, ou então calar-se mesmo.

Fato é que fui para lá com o receio dos céticos e com a boa vontade dos sonhadores. Duas questões me cutucavam e era como a pergunta que não quer calar dentro de mim: para que serve o Fórum? Sairá algo de concreto dali ou vamos ter apenas uma semana de discussões inócuas, discursos recheados de chavões e muito protesto contra o imperialismo e o capitalismo? Considero-me minimamente de esquerda e meu desejo era que aqueles reunidos na capital gaúcha pudessem mostrar aos poderosos que de fato um outro mundo é possível. Aliás, esse talvez seja o questionamento que deveria ser o cerne de qualquer debate no Fórum: ainda é possível visualizar um outro mundo??? Concordo que na década de 1960 esse outro mundo estava muito perto de se tornar realidade, mas todos sabem o que aconteceu com aqueles que lutaram por ele - alguns foram mortos, outros exilados e há aqueles que se resignaram e hoje vivem de criticar o Lula afirmando ser ele um ignorante. Felizmente, houve aqueles que fugiram disso e continuam na luta. Muitos destes estiveram no Fórum.

O espaço do Fórum é imenso e percorrer todas suas 11 tendas atrás de debates e palestras não é tarefa fácil, ainda mais se contarmos que era ao ar livre (à beira do rio Guaíba), sobre asfalto, terra e grama, e um sol de 35 graus batendo incessantemente em nossas cabeças. Não à toa que o maior sucesso do Fórum foram a água mineral e o boné. Filtro solar e protetor labial também fizeram a festa. Sem contar o Shopping Praia de Belas com seu ar condicionado convidativo... O cansaço e a preguiça foram meus maiores obstáculos, mas pelo que pude ver não foram os de muitos jovens que ali estavam para tentar construir algo melhor. Ou mesmo se divertir.

A utopia do mundo sempre foi a paz, tratada como algo possível e aconselhável. Mas não podemos esquecer que ela nunca esteve presente entre os homens, desde os brutamontes das cavernas até os homens evoluídos que hoje habitam arranha-céus e constroem aviões cada vez mais rápidos. Mesmo a mão que faz arte é capaz de terríveis violências (vide Hitler, um caso extremo de amor pelas artes que foi capaz de gerar o Holocausto). E se refletirmos um pouco, perceberemos que talvez essa tal de paz não passe mesmo de uma pomba branca no céu à mercê de qualquer águia que dela queira se alimentar... Prova disso é que os grandes personagens da história da humanidade foram grandes guerreiros e nunca pacifistas elegantes que se opunham à violência (não me venham citando Gandhi, por favor).

O caderno da programação do FSM era assustador. Maior que o Estadão de domingo, e isso para três dias de evento. Sessões às 8h30, 12h30, 15h30 e às vezes 19 hrs. Eram onze tendas e em cada uma acontecia pelo menos uns dez eventos simultaneamente. Calculando podemos chegar facilmente a mais de 100 encontros/palestras/debates por horário, ou seja, mais de 300 sessões por dia. A única alternativa viável era rastrear o que de mais importante ou interessante aconteceria e tentar chegar a tempo. Os medalhões foram o alvo preferido de todos. Por isso que nem ousei ir ao Gigantinho ver o pronunciamento do presidente Lula. Imagina como estaria aquilo de gente querendo ver a nossa estrela política, gente querendo arrancar o couro dele, gente querendo fazer um auto-de-fé ali mesmo e pôr fim ao mandato do herege do PT. Além disso, as câmeras de TV estrategicamente instaladas para registrar qualquer coisa que pudesse ser notícia no dia seguinte. Tido como um espaço democrático, Lula no Fórum era notícia quente em potencial, pois a possibilidade de algum danado expressar sua opinião aprontando para cima dele era bastante grande. Mas, pelo que vi posteriormente, os arautos do comunismo, novos comedores de criancinhas, souberam se comportar e só atacá-lo verbalmente.

A diversidade humana que desfilou por Porto Alegre com certeza foi gritante. Tinha gente de todo lugar - cruzei com ingleses, muitos latinos e até japoneses. Vi um grupo de indianos cantando e tocando em favor de seu povo (que não recordo o nome) e chamando as pessoas a participarem de sua tenda. A manifestação em favor da Palestina foi das melhores. Um caminhão de som em que lideranças de trabalhadores rurais discursavam contra a guerra, contra Israel e se diziam no mesmo barco dos palestinos. Bandeira da Palestina esteve pau a pau com camisetas do Che. Terminavam sempre com gritos de guerra em prol da Palestina, entoados com um tambor e muitos jovens cobriam a cabeça com o pano similar ao que Iasser Arafat usava. "O palestino/ é meu amigo/ mexeu com ele/ mexeu comigo!". O ritmo era bom, o batuque também. A carreata, não muito numerosa, se dirigiu à Casa da Palestina, onde na sua frente foi improvisado um muro para ser derrubado pelos manifestantes (foto abaixo). Pelo menos em Porto Alegre, o muro de Sharon não existe mais.

Os medalhões do Fórum não ficavam nas tendas normais. Os eventos com eles eram em locais maiores em que multidões pudessem se acomodar. Assim foi a com José Saramago, Eduardo Galeano, Ignácio Ramonet e outros. Entre esses outros estava Luiz Dulci, do governo Lula. Como foi muito cedo o início da sessão, só cheguei no final, quando anônimos faziam comentários, perguntas e até protestos diante da mesa. Pois não é que cheguei num momento quente do dia não apenas em relação ao clima? Um rapaz carioca peitou Luiz Dulci e afirmou que era falta de respeito com a platéia "esse senhor" vir aqui e falar aquele monte de coisa (pelo que entendi, ele defendia as ações do governo e, com números, citava o desenvolvimento do Brasil). A platéia, claro, foi ao delírio, como é típico dos jovens. A exaltação não é privilégio dos jovens, mas não erroneamente podemos dizer que nessa idade ela está instalada nos poros, e para desabrochar pouca coisa basta. Lá, bastou um Luiz Dulci se pronunciar.

Em termos de política, creio que o FSM de nada ajudou para a luta por um mundo melhor. Sim, pois a diferença entre Fórum Social Mundial e Fórum Econômico Mundial é que neste último se encontra quem manda, naquele, quem não quer mais ser mandado. Ou seja, se pensarmos bem, Marx teria tal fato perfeitamente dentro de sua teoria de classes. Meu receio era (é ainda) que quem manda - os donos do poder, do capital, de tudo - continue a mandar e quem obedece continue a sofrer. Nesse sentido, parece-me que o(s) Fórum(ns) é(são) um fiasco, pois no último dia de Fórum, 31 de janeiro, um cenário de abandono pairava no ar. Cadê as pessoas? Cadê os protestantes que apoiavam os palestinos, o MST, o PSTU e aquele bando de jovem sorridente que caminhava com fervor por meio da multidão e embaixo do sol? Nada, quase ninguém... Cansaram-se os corpos ou os ânimos?

O Fórum é, sem dúvida, mais um local de protesto, palanque para diversas idéias se proliferarem, do que um espaço de construção efetiva de alternativas. Muitas possibilidades foram levantadas, poucas com potencial para concretização. Li recentemente que o Fórum rendeu 352 propostas para um outro mundo possível. Vejo também o Manifesto de Porto Alegre, uma carta com 12 ações formuladas por intelectuais. As intenções e idéias contidas nelas são as melhores e mais sinceras por um mundo melhor. Tenho certeza que se fossem adotadas, o mundo seria outro, e muito melhor. Assim, o foco deveria ser não mais o conteúdo das utopias, mas suas formas de implantação. Se é para sonhar, utopia por utopia, nada melhor que a de Thomas More. Mas o pragmatismo humano hoje exige mais que o sonho, quer transformações, e diante disso eu pergunto: Quem vai pôr em prática tais propostas? Como fazê-las sair do papel e se instaurar na política mundial? Talvez esta seja mais uma utopia, a utopia da qual dependem todas as outras, a utopia pela qual devemos de fato lutar. Afinal, utopias teóricas há de monte, precisamos de uma utopia que realize algo, que nos dê a oportunidade de sonhar com outras utopias e sentir que o mundo está mudando para melhor.



Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 21/2/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Estudo das Teclas Pretas, de Luiz Faccioli de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires
01. Olga e a história que não deve ser esquecida - 30/8/2004
02. Os narradores de Eliane Caffé - 5/2/2004
03. Babenco traz sua visão do país Carandiru - 17/4/2003
04. Quem tem medo de Glauber Rocha? - 19/7/2004
05. A Barsa versus o Google - 16/3/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Teorias e Políticas de Gênero na Contemporaneidade
Marlene Tamanini
Ufpr
(2017)



Start a craft - Decoupage
Lesley Player
Apple
(1996)



A ladeira da saudade
Ganymédes José
Moderna
(1983)



Os cadernos de don Rigoberto
Mario Vargas Llosa
Companhia das Letras
(1997)



A Qualificação da Escola
F. Javier Murillo
Artmed
(2007)



The Puppy Place - Maggie and Max
Ellen Miles
Scholastic
(2007)



Clássicos da Democracia 12 - a Democracia Em Ação
Francis Hankin
Ibrasa
(1963)



Fora de Série
Morris West
Círculo do Livro



O Que é Capital Internacional - Coleção Primeiros Passos
Rabah Benakouche
Brasiliense
(1982)



7 Orações Que Vão Mudar Sua Vida
Stormie Omartian
Thomas Nelson Brasil
(2007)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês