Hoje é dia de Maria | Marcelo Maroldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 100 homens que mudaram a História do Mundo
>>> Entrevista com Ruy Castro
>>> Um conto-resenha anacrônico
>>> Um parque de diversões na cabeça
>>> Rindo de nossa própria miséria
>>> História da leitura (V): o livro na Era Digital
>>> Duas crises: a nossa e a deles
>>> As pessoas estão revoltadas
>>> Eu sou fiscal do Sarney
>>> Vamos sentir saudades
Mais Recentes
>>> Livro - A Arqueologia Passo a Passo de Raphael de Filippo; Joana Angelica Davila Melo pela Claroenigma (2011)
>>> O Homem que Sabia Javanês de Lima Barreto pela Dimensão (2015)
>>> Livro - Educação Como Práxis Política de Francisco Gutiérrez pela Summus (1988)
>>> Livro - Upstairs Mouse, Downtairs Mole de Não Específicado pela Não Especificada (2005)
>>> Montanha Russa de Martha Medeiros pela L&Pm (2018)
>>> Livro - Multiletramentos na Escola de Rojo, Roxane Helena R. pela Parábola (2012)
>>> Piadinhas Infames de Ana Maria Machado pela Salamandra (2000)
>>> Livro - Biografias - Salvador Dali de Jose Moran pela Girassol
>>> A Escrita Dos Saberes Corporais no Ensino Fundamental de Alice Maria Corrêa Medina pela Pucpress (2017)
>>> Educação Mediunica Curso Aperfeiçoamento Tomo IV de Feesp pela Feesp (1980)
>>> Moby Dick Ou a Baleia (Coleção os Imortais da Literatura Universal 43) de Herman Melville pela Abril Cultural (1972)
>>> Curso de Direito Natural de Luís Taparelli D'Azeglio, Sj;Nicolau Rosseti pela Anchieta (1945)
>>> Tiro no coração de Mikal Gilmore pela Companhia das Letras (1996)
>>> A Crise Do CapitalismoA de A Crise Do Capitalismo pela A Crise Do Capitalismo (1999)
>>> Histórias de Fadas de Oscar Wilde pela Saraiva (2015)
>>> Eu, Robô de Isaac Asimov pela Ediouro (2004)
>>> Gramatica de la lengua espantola de Emilio Alarcos Llorach pela Espasa (2015)
>>> A costureira de Dachau de Mary Chamberlain pela HarperCollins (2014)
>>> Grande Sertão. Veredas de Guimarães Rosa pela Nova Fronteira (2010)
>>> The India-Rubber Men de Edgar Wallace pela London hodder & stoughton limited (1940)
>>> Flash Mx Com Actionscript - Orientado A Objetos de Francisco Tarcizo B. Junior pela Érica (2002)
>>> Destros e canhotos de José Quadros Franca pela Melhoramentos (1969)
>>> História da riqueza do homem de Leo Huberman pela Zahar (1971)
>>> Sentimentos Modernos de Maria Angela D'incao pela Brasiliense (1996)
>>> A Criança Saudável de Wilhelm Zur Linden pela Brasiliense (1977)
COLUNAS

Segunda-feira, 17/10/2005
Hoje é dia de Maria
Marcelo Maroldi
+ de 12200 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Hoje é dia de Maria. Iniciou-se a segunda jornada da menina. Quando esta coluna for publicada, a jornada já estará encerrada. As crianças de bem não puderam assisti-la, pois o dia da menina começa muito tarde, quando nossas crianças já dormem o sono dos pequenos, bem antes da minissérie invadir minha televisão. Alguns adultos dormem também, o dia da Maria não os atrai. Os intelectuais também não assistem, só gente burra vê TV. É uma pena... coitado do Câmara Cascudo. Todos os dias deveriam ser dias de Maria. Esse foi, certamente, o melhor programa que assisti em toda a minha vida.

Hoje estou com muita dificuldade em escrever essa coluna. Mas não importa!, hoje é dia de Maroldi, eu preciso escrever... Em 30-40 minutos essa coluna necessariamente deve estar finalizada. Essa semana eu selecionei vários assuntos para comentar, e esse deve ser o mal dos escritores menores: não saberem selecionar um tema.Tem tanta coisa interessante acontecendo por aí, meu Deus, como decidir? Minha cabeça gira, eu não sei o que fazer. De novo.

A primeira jornada da minissérie foi no início deste ano e, apenas agora, muitos meses depois, encontrei alguém que a tenha assistido, além de mim. Embora o ibope tenha sido alto (cerca de 30 pontos), eu não encontrava representantes desse ibope. Ninguém tinha assistido, parecia. Em principio, pensava eu, só pessoas com algum nível cultural - e, portanto, social - se interessariam pela minissérie, afinal, é um produto tão diferente dos produtos televisivos tradicionais que consome a massa, como novelas e programas de auditório. Além disso, na região sudeste do país, pelo menos, o folclore e cultura popular é quase que totalmente ignorado. Por aqui, praticamente ninguém se interessa por literatura de cordel, por literatura regionalista fantasiosa (com exceção dos "consagrados"), ninguém se importa muito com a cultura popular nordestina, a matéria-prima da minissérie. Outra coisa: uma minissérie desse tipo, recheada de poesia, música (cantigas, na verdade) e fantasia não é o tipo de produto que costuma atrair grandes platéias. Tinha tudo, portanto, para ser um fracasso de "bilheteria" (aliás, a Globo esperava isso também) e um sucesso de crítica. Os poucos que assistissem iriam gostar. E, então, acabaria ali o espetáculo, a jornada da Maria. Mas, não foi isso que ocorreu. Felizmente.

É, não houve fracasso, e agora estou pensando no primeiro episódio dessa segunda jornada, a da confirmação do sucesso. Eu gostei tanto daquele pato, marreco, ou o que for aquele bicho! Vejam só: ele queria muito, muito saber voar, até se esborrachou no chão tentando... Mas a menina Maria, sapientíssima, explicou para ele que pato não sabe voar mesmo, não tem jeito, algumas coisas não são para todos! Ela talvez pudesse ter dito que "a pessoa é para o que nasce"... Pato é assim, não voa. Quem nasceu para Paulo Coelho jamais será Érico Veríssimo, seu pato, sinto muito. Aceite a sua condição de pato, seu pato.

Com o sucesso de público, a Globo resolve lançar a segunda jornada. Aproveitadores!, pensei. Bom, eles estão corretos, a Globo é uma empresa e precisa ser lucrativa, fazendo produtos que gerem dinheiro. Eles não são aproveitadores!, pensei. Mas, então, duvido que vão conseguir manter o mesmo nível do primeiro. Na primeira jornada, palpitou um amigo meu, havia novidade, havia surpresa, esse era o encanto. Na segunda, também, não caiu o nível. Os atores foram mantidos, evidente. Eles são parte fundamental de um triunvirato demolidor: história, cenário e interpretação. Os cenários são belíssimos, incríveis mesmo. Para começo de conversa, eles são intencionalmente artificiais, não reproduzem fielmente o nosso mundo. É justamente o contrário: ele acentua os detalhes artificiais (na primeira jornada, por exemplo, via-se os fios que conduziam os pássaros voando), mas que fazem parte do imaginário, naquele contexto. Eles evidenciam as fantasias do cenário. Funciona como um reforço intermitente do conto de fadas. A interpretação completa a fantasia. Os sinais propositadamente exagerados, os gestos repetitivos, às vezes forçados, a entonação da voz, o figurino, tudo é perfeito. Mesmo quando os atores cantam - e estes não são cantores - não há uma preocupação extrema em "consertar" a voz de quem canta, é tudo muito natural. É por isso, inclusive, que algumas vezes o som não é perfeito e deixa a desejar. Por vezes chega a ser difícil entender o que se fala ou canta.

A minha coluna não pode ser artificial como o cenário da minissérie, embora eu o seja quando escrevo. Ora, eu sou um escritor, posso mentir quanto quiser, não devo satisfação pra ninguém. Eu quero mentir! Quero escrever absurdos tão grandes que vão me achar um gênio! Se eu não puder ser artificial, de que vale a minha escrita? Mas, mas, bem, aqui é jornalismo, aqui é diferente. Preciso falar a verdade, ainda que inúmeros jornalistas não o façam. Eu preciso inovar, feito a minissérie. Não posso ser mais um. É sempre (muito) mais fácil escrever o trivial, o comum, escrever sobre algo que outros já falaram, já escreveram. A novidade exige talento,coragem. Verdade!, a Globo foi ousada em produzir a minissérie... devo admitir. A minha ousadia vou guardar mais um pouco.

A história é o eixo central da trama. Diferentemente de novelas, por exemplo, que se apóiam mais em celebridades do que no enredo, mais na beleza dos atores que na narrativa, nos diálogos. É fantasia pura, ao estilo infantil (confirma isso o fato de ter sido escolhida a semana da criança para passar a série, embora as crianças não a estejam vendo). Como a idéia central da maioria dos contos de fadas, sempre existe uma mensagem a ser transmitida. Eu não vou arriscar dizer qual é esta mensagem, até mesmo porque este tipo de mensagem é totalmente subjetiva, cada um entende como quiser, e elas são inúmeras no Hoje é dia de Maria.

Eu adoro conto de fadas, em especial se houver menos fadas e mais contos. Embora haja vários psicólogos que os critiquem, eu não ligo! Ainda mais agora, nessa era de superproduções Hollywoodianas, os caras fazem cada coisa, meu amigo! Mas eu gosto mais dos livros de contos de fadas. Aqueles desenhinhos bonitinhos, as letras grandes, é tudo ótimo! Foi a minha porta de entrada para a literatura, e suponho que para outras pessoas também. Eu lembro que o primeiro livro que eu peguei em uma biblioteca na minha vida era um livro de histórias infantis, feito as da Maria. Mas eu não li, não sabia ler... Fiquei olhando as figuras e pensando se um dia iria conseguir decifrá-los. Mas eu logo vi que eu gostava de fantasia, de mundos que não parecem existir, de animais que falam, bonecos mentirosos, viagens para outros mundos, todas essas invenções malucas que alguns chamam de magia.

Hoje é dia de Maria justifica ter em casa uma televisão. Não irei retomar aquela velha discussão sobre televisão e nem mencionar os que não a assistem por dizerem que nela só temos lixo. Hoje é dia de Maria desmente essas pessoas, fez valer a pena ficar acordado até mais tarde e fez eu me orgulhar da nossa cultura e da nossa criatividade.

Eu não assisto muito a televisão, ainda que sempre escreva sobre ela. Às vezes, tem umas coisas excelentes, como a minissérie que foi o mote dessa coluna. Ah, a minissérie foi sensacional, como é bom sonhar. Sonhos feitos de histórias inacreditáveis e jamais acordar para o mundo feio e cinza. Eu queria sonhar mais. Só sonhar.

Suspiro

Estou cansado demais para escrever alguma coisa. Eu tenho que fechar os olhos, respirar longamente e torcer por algum suspiro aparecer. Somente um ruído poético já me serve. O ar inspirado irriga a mente. Qualquer semente de poesia, de nostalgia ou esperança, melancolia ou alegria, verdade ou mentira. Eu sou o que eu escrevo, se não minto. Mas eu minto, e ainda sou o que escrevo. Eu sempre me autorizo ser o que não sou. E finjo não ser o que sou quando quero adormecer. É durante a noite que a taquicardia se apresenta. Eu abro os olhos para afastá-la. Conheço bem sua imagem. Caço a palavra, já alcancei o sentimento. As letras vão se juntando. Às vezes me sinto bobo, mas não é sempre. Às vezes me sinto importante, mas não é sempre. As horas passam para o mundo. O tempo nunca existiu para mim. Eu me refugio em mim mesmo. Eu me distraio me escondendo de mim. Quando eu me acho já é tarde. É sempre tarde depois que o sol se põe. Enquanto o galo não cantar ainda posso ser eu mesmo. Depois não! Lavo a cara para ser mais ordinário. Comum mesmo. E visto a farda transparente sobre a roupa. As palavras estão distantes agora. Até penso que nunca as tive. Passei pela noite como quem passa pela rua deserta...Talvez tenha escrito as palavras mentirosas.

Marcelo Maroldi
São Carlos, 17/10/2005

Mais Marcelo Maroldi
Mais Acessadas de Marcelo Maroldi em 2005
01. Como escrever bem — parte 1 - 13/6/2005
02. Como escrever bem — parte 2 - 27/6/2005
03. Como escrever bem – parte 3 - 11/7/2005
04. A ousadia de mudar de profissão - 28/11/2005
05. O que é ser jornalista? - 22/8/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/10/2005
16h28min
Também fiquei fascinado com Hoje é Dia de Maria. Nunca vi nada algo assim na televisão brasileira, tão ambicioso, luxuriante, caprichado, atrevido. Visualmente é irretocável. A música de Tim Rescala é sofisticada, repleta de instrumentos como trompa, oboé e violinos, cheia de climas e crescendos adequados. A trama mistura conto de fadas, Dom Quixote, Homero, Chaplin, Fellini, Bíblia e literatura de cordel. Há várias cenas fantásticas, muito bem dramatizadas. Como no primeiro capítulo, quando Osmar Prado "ressuscita" a boneca vivida por Inês Peixoto. Ou Maria conversando com seu pai através da chama de um fósforo. Ou quando Dom Chicote é julgado em praça pública, numa cena que mistura circo e paranóia comunista: ele reclama da falta de poesia no mundo, a câmara abre e aparece a equipe de filmagem, como se a lição do personagem se estendesse para quem fez a série e também para o telespectador. O tempo todo a série fica no limiar entre onírico e real, urbano e rural, humano e cruel. A direção de Luiz Fernando Carvalho utiliza todos os meios possíveis. Nenhum, nenhum ângulo é óbvio. A edição abusa de efeitos de fast e slow, da possibilidade da repetição como recurso. E o mais incrível é que, ao contrário de quase cem por cento do que passa na telinha hoje, a série não é sentimental, moralista ou edificante. Em uma conversa com amigos surgiu a idéia de que Hoje é Dia de Maria poderia ter sido feita para o cinema. Discordo. Uma rara chance de ver inteligência na televisão não pode ser desperdiçada. Parabéns pelo texto, Marcelo.
[Leia outros Comentários de Jonas Lopes]
18/10/2005
08h56min
Marcelo, também assisti à primeira exibição de Hoje é Dia de Maria. E como você, simplesmente, me encantei. A riqueza dentro da simplicidade; a realidade com sutileza; o sonho na intensidade dos anseios. O elenco mais que especial. ATORES! Encantadores de imaginação. À segunda jornada não consegui assistir. O único pecado da Globo foi exibir uma maravilha dessas tão tarde. Acho até que eles poderiam substituir o programinha da Xuxa por seriados como Hoje é Dia de Maria. Há tantos contos a serem acrescentados às nossas vidas... muito do que aqueles desenhos e quadros insignificantes. Se precisarem de um abaixo assinado de fã desse espetáculo, contem comigo. Adriana Nogueira, fã do D. Cult.
[Leia outros Comentários de Adriana Nogueira]
19/10/2005
13h34min
Caro escritor Marcelo Maroldi, seu texto sobre a minissérie foi maravilhoso descreve tudo o que eu senti ao assistir a tamanha beleza, realmente como vc mesmo disse, esta série fez valer a pena ter televisão em casa, parabéns 'a Rede Globo, Regina/Unicamp
[Leia outros Comentários de Regina]
29/10/2005
11h15min
em casa ficamos acordadas para ver a microsérie. São horas ganhas em beleza, que enfeitam o sono.
[Leia outros Comentários de Simone]
6/11/2005
02h55min
Meu Adorável Mentiroso! A mentira só tem utilidade na criação de sonhos. É um ensaio que de tanto ser amado acaba virando e revirando a realidade. Sou bem burrinha também pois vi e achei genial O dia de Maria, principalmente a mímica, e a introdução das explosões da guerra que me fez cair dos sonhos cor-de-rosa, das fadas ingênuas para um cenário ultra real, quase profético. Não sei se me fiz entender, pois não sei e não posso mentir, já que não sou escritora. Gostei da primeira e fiquei feito pateta diante dos cenários da segunda. Concordo em tudo que diz sobre a série. Outro programa genial foi Ética, da 2 filmes, transmitido ha' vários anos na TV Educativa: Marilena Chauí e José Américo Motta Pessanha deram um show. As fitas são vendidas na Fundação Anchieta. Se tiver oportunidade não deixe de ver. Você deve ser uma pessoa linda, pelo jeito gostoso de "mentir" e agradar! E não pare de me contar seus sonhos! Uma bobina de mentiras lhe desejo todo dia. Um grande abraço, Adheir
[Leia outros Comentários de Adheir]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Sucesso Em Suas Mãos
Paulo Santos
Scortecci
(2000)



Dieta da Sopa 6ªed(2005)
Vários Autores
Melhoramentos
(2005)



Livro - A Revolução Inglesa - Col. Tudo é História - Volume 82
José Jobson de Andrade Arruda
Brasiliense
(1990)



Manual de Redação Cbn
Mariza Tavares
Globo
(2011)



Livro - Clássicos da Poesia Brasileira - Ler É Aprender 19
Coletânea
Klick
(1997)



Como Viver Sob Pressão (2003)
Philippa Davies
Publifolha
(2003)



Museu Pushkin Moscou N 19
Simonetta Pelusi
Folha de S Paulo
(2009)



Marketing Contra-intuitivo - o Que Realmente Provoca Decisões De....
Kevin J. Clancy, Peter C. Krieg
Campus
(2002)



O Príncipe Errante
R L Stevenson
Clube do Livro Spaulo
(1955)



Livro - Os Grandes Líderes - Danton
Frank Dwyer
Nova Cultural
(1987)





busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês