A simplicidade do humano em Pantanal | Taís Kerche | Digestivo Cultural

busca | avançada
69435 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Gilberto Gil: Cultura Viva
>>> Histórias Extraordinárias, de Edgar Allan Poe
>>> 2006, o ano dos livros
>>> Na toca dos leões
>>> O nome da morte
>>> 7 de Setembro
>>> Sobre Paraíso Tropical
>>> Bernardo Carvalho e a arte da fuga
>>> Uma feira (in)descritível
>>> Quem tem medo do Besteirol?
Mais Recentes
>>> A Educação Sexual de Nossos Filhos- Uma Visão Contemporânea de Ronald Pagnoncelli de Souza pela Mercado Aberto (1993)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Autores Diversos pela Feesp (1991)
>>> O Monge e o Executivo de James C. Hunter pela Sextante (2004)
>>> Quem Mexeu no mau Queijo de Spencer Jonhson, M.D. pela Record (2007)
>>> O Quinto Evangelho de Apóstolo Tomé pela Martin Claret (2005)
>>> Companheiros de Jornada de Anngela Marcondes Jabor pela Mystic (2004)
>>> Curso de Educação Mediúnica 2º Ano de Autores Diversos pela Feesp (1991)
>>> Vendo o Invisível de Argemiro Figueiro pela Adhonep (1998)
>>> Meu Anjo de Fausto Oliveira pela Seame (1996)
>>> Anjos da Caridade de Irmão Virgílio pela Petit (2007)
>>> Sou Exu Eu sou a Luz ... de Joice Piacente pela Madras (2013)
>>> Combatendo o Inimigo de Antonio Carlos Rodrigues de Moraes pela Gente (1999)
>>> Maiores de 40 de Maria Tereza Maldonado e Alberto Goldin pela Saraiva (1995)
>>> A Maior Esperança de Luís Gonçalves E Diego Cavalcanti pela Cpb (2019)
>>> Descubra sua Essência Espiritual de Iyanla Vanzant pela Sextante (2007)
>>> 208 Maneiras de Deixar um Homem Louco de Desejo de Margot Saint- Loup pela Ouro (1999)
>>> Me Apaixonei por um Idiota de Marcelo Puglia pela Matrix (2009)
>>> A Maior Jornada de Todos os Tempos de Amilcar Del Chiaro Filho pela Minas (2002)
>>> Milagres que A Medicina não Contou de Dr. Roque Marcos Savioli pela Ágape (2002)
>>> Gotas de Cura Interior de Pe. Léo, SCJ pela Canção Nova (2006)
>>> Encanto Das Fabulas - V. 2 de Mauricio Heitor pela Base (2012)
>>> De Menina a Mulher de Drica Pinotti pela Alegro (2001)
>>> Dez Amores de Mlacolm Montgomery pela Gente (2000)
>>> Não Leve a Vida tão a Sério de Hugh Prather pela Sextante (2003)
>>> A Hora da Virada de Cyro Masci pela Saraiva (1994)
COLUNAS

Quinta-feira, 24/7/2008
A simplicidade do humano em Pantanal
Taís Kerche

+ de 5100 Acessos
+ 7 Comentário(s)

A novela Pantanal está de volta e está sendo uma delícia revê-la depois de 18 anos de sua primeira exibição na TV. Ao mesmo tempo em que a assisto, fico refletindo e procurando os porquês de tanto sucesso e os porquês do sucesso em pleno século XXI. Quero saber o que nos prende em frente à telinha e não nos deixa levantar do sofá, por minutos a fio, sem pausa. E chego à conclusão de que há diversos fatores que se resumem em um único adjetivo: humana.

A novela teve sua primeira exibição no ano de 1990, na extinta TV Manchete. Na época, concorreu diretamente com a TV Globo e chegou a bater o consagrado canal com recordes de audiência, indo além dos estimados 40 pontos. Hoje, exibida pelo SBT, tem ganhado seus merecidos pontos e um bom lugar no ranking. Escrita por Benedito Ruy Barbosa e dirigida por Jaime Monjardim, a novela é sempre lembrada com muito carinho por todos que, na época, tiveram a oportunidade de assisti-la.

Hoje, 2008, todos esses que a assistiram e agora a estão revendo, provavelmente sentem a mesma emoção que tenho sentido diariamente. E agora, com olhos 18 anos mais velhos e, portanto, mais lapidados, consigo enxergar a beleza e a qualidade da novela. Posso enxergar sua inocência, sua humanidade, sua natureza. Posso sentir seu ritmo desacelerado, com imagens e acontecimentos lentos que abrem espaço a reflexões e análises.

Primeiramente, é preciso ressaltar as lindas imagens do Pantanal mato-grossense. São ângulos e luzes que raramente são vistos na TV e que fazem daquela natureza uma personagem, a mais forte de todas. Em seguida, nos enche os olhos a pureza das cenas. É a mãe com sua filha tomando banho no rio, as duas nuas, sozinhas, fazendo parte de toda aquela força. É o curandeiro que faz seu ritual para salvar a mulher de uma picada de cobra. É o desespero de uma mulher que ama seu patrão e o vê nos braços de outra, mas por amá-lo tão fortemente, o respeita. É a saudade que um pai tem de seu filho. É a descoberta de uma paixão. A paixão, um sentimento tão menosprezado hoje em dia e que ganha olhos brilhantes de seus atores durante toda a trama.

Há também, na construção da trama, a simplicidade das relações humanas e da vida, cheia de pequenos prazeres. Essa simplicidade está inserida nas personagens, sejam elas do interior do Pantanal ou do centro do Rio de Janeiro. Todas amam, se apaixonam, se arrependem, morrem, choram, sofrem, sentem prazer, orgulho e magoam-se. Todos os sentimentos são abordados de maneira nobre, ninguém menospreza nenhum deles. E eles são mais valorizados do que posições sociais, cargos em empresas, ou seja, títulos que o homem carrega para ter mais ou menos poder.

Outra particularidade encantadora da novela é que não há ninguém extremamente bom e nem extremamente mal. Não há luta de classes, portanto não há a luta por poder. O único poder quem exerce é a natureza e dela surgem lendas, mitos e sonhos. Ela faz nascer e morrer, é ela quem define o destino das personagens. Já o dinheiro, tão poderoso nos dias de hoje, que faz e acontece nas melhores tramas, em Pantanal é apenas um elemento que faz parte da vida. Ninguém sente desejo por ele, não é um personagem pelo qual todos ambicionam. Portanto, não faz parte do conflito da trama, como acontece nas novelas atuais e também na vida contemporânea.

A primeira fase, que foi veiculada há algumas semanas pelo SBT, é de uma beleza inesquecível. Depois de 18 anos, eu ainda podia lembrar de detalhes, de interpretações magistrais, como a de Cássia Kiss, a Maria Marruá, ao parir a Juma numa canoa no meio do rio; como a felicidade de Paulo Gorgulho, o sr. José Leôncio, com o nascimento do filho; como as conversas entre Marcos Caruso, o Tião, e Ewerton de Castro, o Quim, que carregam como característica principal a total simplicidade; como as cenas de amor e ciúme contido de Tânia Alves, a Filó, pelo patrão. E algo curioso aconteceu na época da primeira exibição: Paulo Gorgulho fez tanto sucesso no papel de José Leôncio que o público pediu a sua volta. Tanto que, na segunda fase da novela, ele volta como filho de Cláudio Marzo, com a personagem José Lucas.

E a segunda fase não deixa a desejar. Cláudio Marzo, Jussara Freira, Marcos Winter, Cristiana Oliveira, Marcos Palmeira e todos os outros atores mostram a paixão com que fizeram a novela e, portanto, podemos ver em suas interpretações a dedicação que foi dispendida. É a imaturidade de Juventino, a ignorância de seu pai José Leôncio, o amor de Filó, a inocência de Tadeu, a revolta de Maria (a Bruaca).

O sucesso de Pantanal está aí, está no humano e na magia que é a vida. Essa novela trouxe e traz à tona a pureza e, nela, a verdadeira natureza do sexo, a felicidade que pode ser vivida no que há de mais simples, o respeito pelos sentimentos, sejam eles os mais rudes ou os mais profundos e pelas escolhas, pelos valores e pelas crenças de cada um. Sem contar o respeito pela natureza que impera tanto nas imagens como na história. São valores que estão bem esquecidos na vida que temos levado neste início do século XXI, por uma sociedade tão carente de sentimentos e simplicidade, carente de histórias como essa, com seus mitos, lendas e verdades.


Taís Kerche
Santo André, 24/7/2008


Mais Taís Kerche
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/7/2008
10h46min
Excelente sua análise a respeito dessa novela. Confesso que me surpreendo ao ficar em frente à telinha presa a essa história tão simples e tão forte. Há uma certa magia que permeia essa novela. Foi um tiro certo de Silvio Santos e bom para todos nós.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
26/7/2008
12h53min
Eu vi minhas impressões em suas palavras! Ontem mesmo, pensei nisso: na beleza das imagens do Pantanal, que relutei tanto em ir conhecer quando meu filho tinha nove anos e era fascinado pelos bichos; fomos! Me apaixonei pelo local (Mato Grosso do Sul) e hoje ele está com 17 e vamos fazer outro passeio por lá. Desta vez vamos para o Mato Grosso. Bom, deixando meu saudosismo da viagem linda que fizemos, quero falar também do quanto me faz bem ver na tela emoções tão verdadeiramente colocadadas. A autora do texto disse bem: a paixão é vista no brilho dos olhos dos atores de cena a cena. A beleza num todo, a pureza e o desprendimento para com tudo que possa levar a sentimentos ruins estão nesse texto lindo de Benedito Ruy Barbosa. Obrigada, Taís, por esse lindo texto que abriu meu final de semana!
[Leia outros Comentários de Silvaninha]
28/7/2008
08h36min
Quando Pantanal foi ao ar pela primeira vez, tinha 13 anos e não me interessei. Outro dia sentei com minha mãe na sala; ela assistia a novela e comecei a acompanhá-la. Quando dei por mim, já estava mergulhado em seu enredo e, principalmente, em seus personagens. A primeira característica que me chamou a atenção foi seu ritmo. Em um tempo em que as novelas globais têm um ritmo alucinante, talvez para encobrir a pobreza de seu mote, uma conversa serena entre dois peões, debruçados à cerca da fazenda, falando sobre as tais coisas simples da vida, sem a preocupação com os índices de audiência nem com o comercial que entra em 2 minutos, surpreende e emociona. Pareciam até dois personagens saídos de "Sagarana". A ausência da obsessão pelo dinheiro e pela ascensão social é outro ponto que destoa das atuais produções do gênero, que chegam a ser inverossímeis mesmo nos tempos de supervalorização do dinheiro que vivemos. Enfim, assistir a novela é algo que se aproxima de uma boa leitura.
[Leia outros Comentários de Fernando Lima]
28/7/2008
17h16min
É isso, Taís; e é isso, Fernando. Pantanal é quase um livro. Guimarães Rosa gostaria de vê-la... E em vez do bobo Benedito ficar brigando na Justiça, deveria escrevê-lo com todos os diálogos que nos emocionam.
[Leia outros Comentários de Norma Nascimento]
29/7/2008
21h35min
Nada poderia descrever tão bem o que sinto toda vez que assisto Pantanal. Quando a novela foi ao ar pela 1º vez, eu tinha 8 anos de idade e relembro alguns trechos, paisagens e músicas da trilha sonora. E agora estou tendo a oportunidade única de rever essa verdadeira MARAVILHA da dramaturgia brasileira. E sempre que vejo a novela me emociono muito. E só palavras como essas suas, Taís, para a ter a certeza de tudo que sinto ao rever esse sucesso.
[Leia outros Comentários de José Olimpio]
11/9/2008
00h42min
Bonito o que foi dito neste espaço sobre a novela. Você retratou exatamente o que penso em relação a Pantanal.
[Leia outros Comentários de Josefa Marijane]
14/1/2009
22h47min
Vida longa a esta novela! Pantanal, Claudio Marzo, vocês são eternos! Claudio Marzo, você transcendeu a arte de interpretar, muito obrigado.
[Leia outros Comentários de Marcio Ferreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Guerra Submarina
Revista Militar Ciência e Tecnologia, Vol 23
Bibliex
(2006)



Quatro Baianos Porretas: Castro Alves, Carlos Marighella, Glauber
Silvio Tendler
Garamond Universitaria
(2011)



Três Autos
Gil Vicente
Ediouro
(1997)



Que Nossos Olhos Se Abram
Conferência dos Religiosos do Brasil
Nacional
(2011)



A Exclusão Legal da População Carente - Política Públicas Direitos Fun
Alexandre Lobão Rocha
Thesaurus
(2009)



Orientação Educacional - uma Experiência Em Desenvolvimento
Maria Teresa Freitas Ribeiro / Teresinha de Pai...
E. P. U.
(1984)



Negative Schizophrenic Symptoms: Pathophysiology and Clinical Imp
John F. Greden, Rajiv Tandon (edited) Capa Du
American Psychiatric Press
(1990)



La France Communiste: un Etat Dans Letat
Jean Montaldo
Albin Michel (paris)
(1978)



Dona Flor da Cidade da Bahia
Benedito Veiga
7 Letras
(2006)



Perdas & Ganhos
Lya Luft
Record
(2004)





busca | avançada
69435 visitas/dia
2,6 milhões/mês