A simplicidade do humano em Pantanal | Taís Kerche | Digestivo Cultural

busca | avançada
71230 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 24/7/2008
A simplicidade do humano em Pantanal
Taís Kerche

+ de 4500 Acessos
+ 7 Comentário(s)

A novela Pantanal está de volta e está sendo uma delícia revê-la depois de 18 anos de sua primeira exibição na TV. Ao mesmo tempo em que a assisto, fico refletindo e procurando os porquês de tanto sucesso e os porquês do sucesso em pleno século XXI. Quero saber o que nos prende em frente à telinha e não nos deixa levantar do sofá, por minutos a fio, sem pausa. E chego à conclusão de que há diversos fatores que se resumem em um único adjetivo: humana.

A novela teve sua primeira exibição no ano de 1990, na extinta TV Manchete. Na época, concorreu diretamente com a TV Globo e chegou a bater o consagrado canal com recordes de audiência, indo além dos estimados 40 pontos. Hoje, exibida pelo SBT, tem ganhado seus merecidos pontos e um bom lugar no ranking. Escrita por Benedito Ruy Barbosa e dirigida por Jaime Monjardim, a novela é sempre lembrada com muito carinho por todos que, na época, tiveram a oportunidade de assisti-la.

Hoje, 2008, todos esses que a assistiram e agora a estão revendo, provavelmente sentem a mesma emoção que tenho sentido diariamente. E agora, com olhos 18 anos mais velhos e, portanto, mais lapidados, consigo enxergar a beleza e a qualidade da novela. Posso enxergar sua inocência, sua humanidade, sua natureza. Posso sentir seu ritmo desacelerado, com imagens e acontecimentos lentos que abrem espaço a reflexões e análises.

Primeiramente, é preciso ressaltar as lindas imagens do Pantanal mato-grossense. São ângulos e luzes que raramente são vistos na TV e que fazem daquela natureza uma personagem, a mais forte de todas. Em seguida, nos enche os olhos a pureza das cenas. É a mãe com sua filha tomando banho no rio, as duas nuas, sozinhas, fazendo parte de toda aquela força. É o curandeiro que faz seu ritual para salvar a mulher de uma picada de cobra. É o desespero de uma mulher que ama seu patrão e o vê nos braços de outra, mas por amá-lo tão fortemente, o respeita. É a saudade que um pai tem de seu filho. É a descoberta de uma paixão. A paixão, um sentimento tão menosprezado hoje em dia e que ganha olhos brilhantes de seus atores durante toda a trama.

Há também, na construção da trama, a simplicidade das relações humanas e da vida, cheia de pequenos prazeres. Essa simplicidade está inserida nas personagens, sejam elas do interior do Pantanal ou do centro do Rio de Janeiro. Todas amam, se apaixonam, se arrependem, morrem, choram, sofrem, sentem prazer, orgulho e magoam-se. Todos os sentimentos são abordados de maneira nobre, ninguém menospreza nenhum deles. E eles são mais valorizados do que posições sociais, cargos em empresas, ou seja, títulos que o homem carrega para ter mais ou menos poder.

Outra particularidade encantadora da novela é que não há ninguém extremamente bom e nem extremamente mal. Não há luta de classes, portanto não há a luta por poder. O único poder quem exerce é a natureza e dela surgem lendas, mitos e sonhos. Ela faz nascer e morrer, é ela quem define o destino das personagens. Já o dinheiro, tão poderoso nos dias de hoje, que faz e acontece nas melhores tramas, em Pantanal é apenas um elemento que faz parte da vida. Ninguém sente desejo por ele, não é um personagem pelo qual todos ambicionam. Portanto, não faz parte do conflito da trama, como acontece nas novelas atuais e também na vida contemporânea.

A primeira fase, que foi veiculada há algumas semanas pelo SBT, é de uma beleza inesquecível. Depois de 18 anos, eu ainda podia lembrar de detalhes, de interpretações magistrais, como a de Cássia Kiss, a Maria Marruá, ao parir a Juma numa canoa no meio do rio; como a felicidade de Paulo Gorgulho, o sr. José Leôncio, com o nascimento do filho; como as conversas entre Marcos Caruso, o Tião, e Ewerton de Castro, o Quim, que carregam como característica principal a total simplicidade; como as cenas de amor e ciúme contido de Tânia Alves, a Filó, pelo patrão. E algo curioso aconteceu na época da primeira exibição: Paulo Gorgulho fez tanto sucesso no papel de José Leôncio que o público pediu a sua volta. Tanto que, na segunda fase da novela, ele volta como filho de Cláudio Marzo, com a personagem José Lucas.

E a segunda fase não deixa a desejar. Cláudio Marzo, Jussara Freira, Marcos Winter, Cristiana Oliveira, Marcos Palmeira e todos os outros atores mostram a paixão com que fizeram a novela e, portanto, podemos ver em suas interpretações a dedicação que foi dispendida. É a imaturidade de Juventino, a ignorância de seu pai José Leôncio, o amor de Filó, a inocência de Tadeu, a revolta de Maria (a Bruaca).

O sucesso de Pantanal está aí, está no humano e na magia que é a vida. Essa novela trouxe e traz à tona a pureza e, nela, a verdadeira natureza do sexo, a felicidade que pode ser vivida no que há de mais simples, o respeito pelos sentimentos, sejam eles os mais rudes ou os mais profundos e pelas escolhas, pelos valores e pelas crenças de cada um. Sem contar o respeito pela natureza que impera tanto nas imagens como na história. São valores que estão bem esquecidos na vida que temos levado neste início do século XXI, por uma sociedade tão carente de sentimentos e simplicidade, carente de histórias como essa, com seus mitos, lendas e verdades.


Taís Kerche
Santo André, 24/7/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
02. Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila de Jardel Dias Cavalcanti
03. Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
04. Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto de Jardel Dias Cavalcanti
05. A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Taís Kerche
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/7/2008
10h46min
Excelente sua análise a respeito dessa novela. Confesso que me surpreendo ao ficar em frente à telinha presa a essa história tão simples e tão forte. Há uma certa magia que permeia essa novela. Foi um tiro certo de Silvio Santos e bom para todos nós.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
26/7/2008
12h53min
Eu vi minhas impressões em suas palavras! Ontem mesmo, pensei nisso: na beleza das imagens do Pantanal, que relutei tanto em ir conhecer quando meu filho tinha nove anos e era fascinado pelos bichos; fomos! Me apaixonei pelo local (Mato Grosso do Sul) e hoje ele está com 17 e vamos fazer outro passeio por lá. Desta vez vamos para o Mato Grosso. Bom, deixando meu saudosismo da viagem linda que fizemos, quero falar também do quanto me faz bem ver na tela emoções tão verdadeiramente colocadadas. A autora do texto disse bem: a paixão é vista no brilho dos olhos dos atores de cena a cena. A beleza num todo, a pureza e o desprendimento para com tudo que possa levar a sentimentos ruins estão nesse texto lindo de Benedito Ruy Barbosa. Obrigada, Taís, por esse lindo texto que abriu meu final de semana!
[Leia outros Comentários de Silvaninha]
28/7/2008
08h36min
Quando Pantanal foi ao ar pela primeira vez, tinha 13 anos e não me interessei. Outro dia sentei com minha mãe na sala; ela assistia a novela e comecei a acompanhá-la. Quando dei por mim, já estava mergulhado em seu enredo e, principalmente, em seus personagens. A primeira característica que me chamou a atenção foi seu ritmo. Em um tempo em que as novelas globais têm um ritmo alucinante, talvez para encobrir a pobreza de seu mote, uma conversa serena entre dois peões, debruçados à cerca da fazenda, falando sobre as tais coisas simples da vida, sem a preocupação com os índices de audiência nem com o comercial que entra em 2 minutos, surpreende e emociona. Pareciam até dois personagens saídos de "Sagarana". A ausência da obsessão pelo dinheiro e pela ascensão social é outro ponto que destoa das atuais produções do gênero, que chegam a ser inverossímeis mesmo nos tempos de supervalorização do dinheiro que vivemos. Enfim, assistir a novela é algo que se aproxima de uma boa leitura.
[Leia outros Comentários de Fernando Lima]
28/7/2008
17h16min
É isso, Taís; e é isso, Fernando. Pantanal é quase um livro. Guimarães Rosa gostaria de vê-la... E em vez do bobo Benedito ficar brigando na Justiça, deveria escrevê-lo com todos os diálogos que nos emocionam.
[Leia outros Comentários de Norma Nascimento]
29/7/2008
21h35min
Nada poderia descrever tão bem o que sinto toda vez que assisto Pantanal. Quando a novela foi ao ar pela 1º vez, eu tinha 8 anos de idade e relembro alguns trechos, paisagens e músicas da trilha sonora. E agora estou tendo a oportunidade única de rever essa verdadeira MARAVILHA da dramaturgia brasileira. E sempre que vejo a novela me emociono muito. E só palavras como essas suas, Taís, para a ter a certeza de tudo que sinto ao rever esse sucesso.
[Leia outros Comentários de José Olimpio]
11/9/2008
00h42min
Bonito o que foi dito neste espaço sobre a novela. Você retratou exatamente o que penso em relação a Pantanal.
[Leia outros Comentários de Josefa Marijane]
14/1/2009
22h47min
Vida longa a esta novela! Pantanal, Claudio Marzo, vocês são eternos! Claudio Marzo, você transcendeu a arte de interpretar, muito obrigado.
[Leia outros Comentários de Marcio Ferreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CARTILHA DA PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIOS
GOMES
INTERCIÊNCIA
(2001)
R$ 5,00



HEROES VINGANÇA - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - CAPA DURA - ENCADERNAÇÃO DE LUXO
SEAMUS FAHEY, ZACH CRALEY, RUBINE
PIXEL
(2016)
R$ 44,90
+ frete grátis



MECÂNICA VECTORIAL PARA ENGENHEIROS - DINÂMICA (6ª ED.)
FERDINAND P. BEER ET AL
MCGRAW-HILL
(1998)
R$ 24,90



4 ASES & 1 CURINGA
NATALINO MARTINS
SARAIVA
(1998)
R$ 4,90



O MENOR EM DEBATE
ESPAÇO CADERNOS E CULTURA USU, Nº 11 DE 1985
UNIVERSIDADE SANTA ÚRSULA
(1985)
R$ 31,82



MARKETING PARA O SÉCULO XXI
PHILIP KOTLER
FUTURA
(2007)
R$ 9,80



DIREITO TRIBUTÁRIO: QUESTÕES DA ESAF COM GABARITO COMENTADO.
SERGIO KARKACHE
ELSEVIER
(2009)
R$ 30,00
+ frete grátis



CONTOS
MACHADO DE ASSIS
SOL
R$ 7,00



A INVISÍVEL MÁQUINA DO MUNDO
MARIANNE WIGGINS
EDIOURO
(2005)
R$ 10,00



NUEVO PAÍS, NUEVA POBREZA
MARÍA DEL CARMEN FEIJOÓ
FONDO DE CULTURA ECONOMICA
(2003)
R$ 47,28





busca | avançada
71230 visitas/dia
1,4 milhão/mês