A simplicidade do humano em Pantanal | Taís Kerche | Digestivo Cultural

busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Se a vida começasse agora
>>> 9/11 books
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Cidade de Deus, de Paulo Lins
>>> Humberto Alitto
>>> Orra, meu
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Meu tio
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Tarde, de Paulo Henriques Britto
Mais Recentes
>>> Ilustrado de Miguel Syjuco pela Companhia das Letras (2011)
>>> Revista Viagem e Turismo - Ano 20 – Nº 2 - Quatro Roteiros na Itália Pra Ver Antes de Morrer de Vários Autores pela Abril (2015)
>>> Guia do Executivo Porto Alegre 1998 de Vários Autores pela Gazeta Mercantil (1998)
>>> Guia Quatro Rodas Brasil 2002 de Vários Autores pela Abril (2002)
>>> Éfeso de Naci Keskin pela Keskin Colors (2012)
>>> Clube do Livro, Ser Leitor - que diferença faz? de Luzia de Maria pela Literária (2009)
>>> The Good Life Guide to Sydney de Tessa Mountstephens pela Hark! (1996)
>>> Matemática - 8º Ano - 6º Edição de Edwaldo Bianchini pela Moderna (2006)
>>> Encontro com a Begõnia de Nilza de Oliveira pela Imagem (2014)
>>> Buenos Aires de Boca a River de Joaquim da Fonseca pela Artes e Ofícios (1996)
>>> Brisa Bia, Brisa Bel de Ana Maria Machado pela Record (1999)
>>> Barcelona – Um Ano Com 365 Dias de Marcos Eizerik pela Age (2008)
>>> De Mala e Cuia – Tudo o Que Você Precisa Saber Para Morar, Estudar, Trabalhar e se Divertir na Europa de Adriana Setti pela Jaboticaba (2005)
>>> Quebra de Confiança de Quebra de Confiança Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Viajando pela Europa e Pelo Mundo de José Cretella Júnior pela T. A. Queiroz (1985)
>>> Silêncio na Floresta de Harlan Coben pela Benvirá (2009)
>>> A Nova História Cultural de Lynn Hunt pela Martins Fontes (1992)
>>> O Livro dos Espíritos de Allan Kardec pela Círculo do Livro (1993)
>>> Não Conte a Ninguém de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2003)
>>> O Livro dos Incensos de Steven R. Smith pela Roca (1994)
>>> Confie Em Mim de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Romeu e Julieta - Macbeth - Otelo, O Mouro de Veneza de William Shakespeare pela Nova Cultural (2003)
>>> Consciência Cósmica de Rosabis Camaysar pela Lorenz (1994)
>>> Alta Tensão de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Os Sentidos do Trabalho - Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho de Ricardo Antunes pela Boitempo (2000)
>>> Luta Armada no Brasil do Anos 60 e 70 de Jaime Sautchuk pela Anita Garibaldi (1995)
>>> Jogada Mortal de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Quando Ela Se Foi de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Descartes The Project of Pure Enquiry de Bernard Williams pela Routledge (2005)
>>> Desaparecido para Sempre de Harlan Coben pela Arqueiro (2010)
>>> Seis Anos Depois de Harlan Coben pela Arqueiro (2014)
>>> Estatuto da Criança e do Adolescente de Vários Autores pela Pmpa (2003)
>>> O Inocente de Harlan Coben pela Arqueiro (2013)
>>> A Dama das Camélias de Alexandre Dumas Filho pela Nova Cultural (2003)
>>> Equilíbrio Total Através da Parapsicologia de Miguel Lucas pela Almed (1981)
>>> Casa de Bonecas de Henrik Ibsen pela Nova Cultural (2003)
>>> O Poder da Oração para Mulheres de Jackie M. Johnson pela Povket ouro (2013)
>>> Jesus como Terapeuta - O Poder Curador das Palavras de Anselm Grün pela Vozes (2013)
>>> Manual do Astrônomo Amador de Jean Nicolini pela Papirus (1991)
>>> As Três Irmãs de Anton Tchekov pela Nova Cultural (2002)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Alexandre de Moraes (Org.) pela Atlas (2001)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Vários Autores pela Saraiva (2000)
>>> O Livro Secreto do Banheiro Feminino de Jo Barrett pela Essência/Planeta (2008)
>>> Código de Hamurabi – Código de Manu – Lei das XII Tábuas de Jair Lot Vieira (Superv.) pela Edipro (2002)
>>> Manual de Prática Forense Civil de Edson Cosac Bortolai pela Revista dos Tribunais (2003)
>>> Vade Mecum Método Cívil 2016 de Vários Autores pela Método (2016)
>>> Nossa próxima atração. O interprograma do Canal 3 de Mário Fanucchi pela Edusp (1996)
>>> Evaristo de Moraes Filho – 100 Anos de Vida Contribuição à Sociologia e ao Direito do Trabalho de Eliana Gonçalves da Fonte Pessanha e Outros (Orgs.) pela Ministério do Trabalho (2016)
>>> O tempo e a alma de Jacob Needleman pela Ediouro (1999)
COLUNAS

Quinta-feira, 24/7/2008
A simplicidade do humano em Pantanal
Taís Kerche

+ de 4800 Acessos
+ 7 Comentário(s)

A novela Pantanal está de volta e está sendo uma delícia revê-la depois de 18 anos de sua primeira exibição na TV. Ao mesmo tempo em que a assisto, fico refletindo e procurando os porquês de tanto sucesso e os porquês do sucesso em pleno século XXI. Quero saber o que nos prende em frente à telinha e não nos deixa levantar do sofá, por minutos a fio, sem pausa. E chego à conclusão de que há diversos fatores que se resumem em um único adjetivo: humana.

A novela teve sua primeira exibição no ano de 1990, na extinta TV Manchete. Na época, concorreu diretamente com a TV Globo e chegou a bater o consagrado canal com recordes de audiência, indo além dos estimados 40 pontos. Hoje, exibida pelo SBT, tem ganhado seus merecidos pontos e um bom lugar no ranking. Escrita por Benedito Ruy Barbosa e dirigida por Jaime Monjardim, a novela é sempre lembrada com muito carinho por todos que, na época, tiveram a oportunidade de assisti-la.

Hoje, 2008, todos esses que a assistiram e agora a estão revendo, provavelmente sentem a mesma emoção que tenho sentido diariamente. E agora, com olhos 18 anos mais velhos e, portanto, mais lapidados, consigo enxergar a beleza e a qualidade da novela. Posso enxergar sua inocência, sua humanidade, sua natureza. Posso sentir seu ritmo desacelerado, com imagens e acontecimentos lentos que abrem espaço a reflexões e análises.

Primeiramente, é preciso ressaltar as lindas imagens do Pantanal mato-grossense. São ângulos e luzes que raramente são vistos na TV e que fazem daquela natureza uma personagem, a mais forte de todas. Em seguida, nos enche os olhos a pureza das cenas. É a mãe com sua filha tomando banho no rio, as duas nuas, sozinhas, fazendo parte de toda aquela força. É o curandeiro que faz seu ritual para salvar a mulher de uma picada de cobra. É o desespero de uma mulher que ama seu patrão e o vê nos braços de outra, mas por amá-lo tão fortemente, o respeita. É a saudade que um pai tem de seu filho. É a descoberta de uma paixão. A paixão, um sentimento tão menosprezado hoje em dia e que ganha olhos brilhantes de seus atores durante toda a trama.

Há também, na construção da trama, a simplicidade das relações humanas e da vida, cheia de pequenos prazeres. Essa simplicidade está inserida nas personagens, sejam elas do interior do Pantanal ou do centro do Rio de Janeiro. Todas amam, se apaixonam, se arrependem, morrem, choram, sofrem, sentem prazer, orgulho e magoam-se. Todos os sentimentos são abordados de maneira nobre, ninguém menospreza nenhum deles. E eles são mais valorizados do que posições sociais, cargos em empresas, ou seja, títulos que o homem carrega para ter mais ou menos poder.

Outra particularidade encantadora da novela é que não há ninguém extremamente bom e nem extremamente mal. Não há luta de classes, portanto não há a luta por poder. O único poder quem exerce é a natureza e dela surgem lendas, mitos e sonhos. Ela faz nascer e morrer, é ela quem define o destino das personagens. Já o dinheiro, tão poderoso nos dias de hoje, que faz e acontece nas melhores tramas, em Pantanal é apenas um elemento que faz parte da vida. Ninguém sente desejo por ele, não é um personagem pelo qual todos ambicionam. Portanto, não faz parte do conflito da trama, como acontece nas novelas atuais e também na vida contemporânea.

A primeira fase, que foi veiculada há algumas semanas pelo SBT, é de uma beleza inesquecível. Depois de 18 anos, eu ainda podia lembrar de detalhes, de interpretações magistrais, como a de Cássia Kiss, a Maria Marruá, ao parir a Juma numa canoa no meio do rio; como a felicidade de Paulo Gorgulho, o sr. José Leôncio, com o nascimento do filho; como as conversas entre Marcos Caruso, o Tião, e Ewerton de Castro, o Quim, que carregam como característica principal a total simplicidade; como as cenas de amor e ciúme contido de Tânia Alves, a Filó, pelo patrão. E algo curioso aconteceu na época da primeira exibição: Paulo Gorgulho fez tanto sucesso no papel de José Leôncio que o público pediu a sua volta. Tanto que, na segunda fase da novela, ele volta como filho de Cláudio Marzo, com a personagem José Lucas.

E a segunda fase não deixa a desejar. Cláudio Marzo, Jussara Freira, Marcos Winter, Cristiana Oliveira, Marcos Palmeira e todos os outros atores mostram a paixão com que fizeram a novela e, portanto, podemos ver em suas interpretações a dedicação que foi dispendida. É a imaturidade de Juventino, a ignorância de seu pai José Leôncio, o amor de Filó, a inocência de Tadeu, a revolta de Maria (a Bruaca).

O sucesso de Pantanal está aí, está no humano e na magia que é a vida. Essa novela trouxe e traz à tona a pureza e, nela, a verdadeira natureza do sexo, a felicidade que pode ser vivida no que há de mais simples, o respeito pelos sentimentos, sejam eles os mais rudes ou os mais profundos e pelas escolhas, pelos valores e pelas crenças de cada um. Sem contar o respeito pela natureza que impera tanto nas imagens como na história. São valores que estão bem esquecidos na vida que temos levado neste início do século XXI, por uma sociedade tão carente de sentimentos e simplicidade, carente de histórias como essa, com seus mitos, lendas e verdades.


Taís Kerche
Santo André, 24/7/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dor e Glória, de Pedro Almodóvar de Jardel Dias Cavalcanti
02. O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite de Jardel Dias Cavalcanti
03. O jornalismo cultural na era das mídias sociais de Fabio Gomes
04. Quem é mesmo massa de manobra? de Cassionei Niches Petry
05. Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets de Julio Daio Borges


Mais Taís Kerche
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/7/2008
10h46min
Excelente sua análise a respeito dessa novela. Confesso que me surpreendo ao ficar em frente à telinha presa a essa história tão simples e tão forte. Há uma certa magia que permeia essa novela. Foi um tiro certo de Silvio Santos e bom para todos nós.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
26/7/2008
12h53min
Eu vi minhas impressões em suas palavras! Ontem mesmo, pensei nisso: na beleza das imagens do Pantanal, que relutei tanto em ir conhecer quando meu filho tinha nove anos e era fascinado pelos bichos; fomos! Me apaixonei pelo local (Mato Grosso do Sul) e hoje ele está com 17 e vamos fazer outro passeio por lá. Desta vez vamos para o Mato Grosso. Bom, deixando meu saudosismo da viagem linda que fizemos, quero falar também do quanto me faz bem ver na tela emoções tão verdadeiramente colocadadas. A autora do texto disse bem: a paixão é vista no brilho dos olhos dos atores de cena a cena. A beleza num todo, a pureza e o desprendimento para com tudo que possa levar a sentimentos ruins estão nesse texto lindo de Benedito Ruy Barbosa. Obrigada, Taís, por esse lindo texto que abriu meu final de semana!
[Leia outros Comentários de Silvaninha]
28/7/2008
08h36min
Quando Pantanal foi ao ar pela primeira vez, tinha 13 anos e não me interessei. Outro dia sentei com minha mãe na sala; ela assistia a novela e comecei a acompanhá-la. Quando dei por mim, já estava mergulhado em seu enredo e, principalmente, em seus personagens. A primeira característica que me chamou a atenção foi seu ritmo. Em um tempo em que as novelas globais têm um ritmo alucinante, talvez para encobrir a pobreza de seu mote, uma conversa serena entre dois peões, debruçados à cerca da fazenda, falando sobre as tais coisas simples da vida, sem a preocupação com os índices de audiência nem com o comercial que entra em 2 minutos, surpreende e emociona. Pareciam até dois personagens saídos de "Sagarana". A ausência da obsessão pelo dinheiro e pela ascensão social é outro ponto que destoa das atuais produções do gênero, que chegam a ser inverossímeis mesmo nos tempos de supervalorização do dinheiro que vivemos. Enfim, assistir a novela é algo que se aproxima de uma boa leitura.
[Leia outros Comentários de Fernando Lima]
28/7/2008
17h16min
É isso, Taís; e é isso, Fernando. Pantanal é quase um livro. Guimarães Rosa gostaria de vê-la... E em vez do bobo Benedito ficar brigando na Justiça, deveria escrevê-lo com todos os diálogos que nos emocionam.
[Leia outros Comentários de Norma Nascimento]
29/7/2008
21h35min
Nada poderia descrever tão bem o que sinto toda vez que assisto Pantanal. Quando a novela foi ao ar pela 1º vez, eu tinha 8 anos de idade e relembro alguns trechos, paisagens e músicas da trilha sonora. E agora estou tendo a oportunidade única de rever essa verdadeira MARAVILHA da dramaturgia brasileira. E sempre que vejo a novela me emociono muito. E só palavras como essas suas, Taís, para a ter a certeza de tudo que sinto ao rever esse sucesso.
[Leia outros Comentários de José Olimpio]
11/9/2008
00h42min
Bonito o que foi dito neste espaço sobre a novela. Você retratou exatamente o que penso em relação a Pantanal.
[Leia outros Comentários de Josefa Marijane]
14/1/2009
22h47min
Vida longa a esta novela! Pantanal, Claudio Marzo, vocês são eternos! Claudio Marzo, você transcendeu a arte de interpretar, muito obrigado.
[Leia outros Comentários de Marcio Ferreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BOSS LADY
OMAR TYREE
SIMON E SCHUSTER PAPERBACKS
(2005)
R$ 20,00



A ARTE DE SEPARAR-SE
EDOARDO GIUSTI
NOVA FRONTEIRA
(1987)
R$ 5,00



A FUSÃO DO FEMININO
CHRIS GRISCOM
SICILIANO
(1991)
R$ 5,00



REVISTA MEU PRÓPRIO NEGÓCIO. DESPERDÍCIO. EDIÇÃO 50
VÁRIOS
ONLINE
R$ 13,90



DIOSAS Y PLEBEYAS - COL. VERDAD O CONSECUENCIA
CATHY HOPKINS
V E R
(2003)
R$ 9,87



VARIETÉS ET FANTAISIES SEXUELLES - JOISES ET PLAISIRS
ANNE DALÉS
ANNE DALÉS
R$ 15,00



O GUIA OFICIAL DO CLUB PENGUIN VOL 1
KATHERINE NOLL
MELHORAMENTO
(2010)
R$ 4,32



AS AVENTURAS DO CAPITÃO CUECA
DAV PILKEY
COSACNAIF
(2019)
R$ 22,00



UMA CASA DE BONECAS
HENRIK IBSEN
MOINHOS
(2017)
R$ 42,00



VIOLETAS NA JANELA (VERSÃO POCKET)
VERA LÚCIA MARINZECK DE CARVALHO
PETIT/HARPER COLLINS
(2013)
R$ 22,99





busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês