Batchan, elas são lindas... | Daniela Mountian | Digestivo Cultural

busca | avançada
84229 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Afrofuturismo: Lideranças de de Angola, Cabo Verde e Moçambique debatem ecossistemas de inovação
>>> Ibraíma Dafonte Tavares desvenda preparação e revisão de texto
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
>>> Museu de Arte Sacra de São Paulo - Imagens de ROCA e de VESTIR
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A proposta libertária
>>> Semana da Canção Brasileira
>>> Mashup Camp Day One
>>> Estranha coincidência
>>> Aula com Suassuna
>>> O pingente que deu certo
>>> Fidelio, primeira parte
>>> Um brasileiro no Uzbequistão (III)
>>> Os gatos, as bibliotecas e a literatura
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
Mais Recentes
>>> Quase Memória de Carlos Heitor Cony pela Alfaguara (2006)
>>> Vença o Tigre de Jim Lawless pela Best Business (2015)
>>> Exclusivo - Confissões - Vol 4 de Kate Brian pela Galera Record (2013)
>>> Eu, Brasileiro, Confesso Minha Culpa e Meu Pecado de Frederico Oliveira Coelho pela Civilização Brasileira (2010)
>>> Idéias Próprias de Cordelia Fine pela Difel (2008)
>>> Rim por Rim de Julio Ludemir pela Record (2008)
>>> O Líder Em Você de Michael A. Crom, Stuart R. Levine pela Best Seller (2010)
>>> No Começo Eram os Deuses de Jean Bottero pela Civilização Brasileira (2011)
>>> Minha Guerra Alheia de Marina Colasanti pela Record (2010)
>>> Sociedade Secreta - Escolhas de Formatura - Vol 4 de Diana Peterfreund pela Galera Record (2012)
>>> A Legitimidade e Outras Questões Internacionais de Gelson Fonseca Junior pela Paz & Terra (2005)
>>> Encurtando a Adolescência de Tania Zagury pela Record (1999)
>>> Acenos e Afagos de João Gilberto Noll pela Record (2008)
>>> O Fio da Palavra de Gavin Menzies pela Galera Record (2012)
>>> Vovó Benuta de Sonia Rosa pela Galera (2012)
>>> Horizonte Azul de Wilbur Smith pela Record (2006)
>>> Reencontros de Linda Howard pela Bertrand Brasil (2006)
>>> Odd Thomas de Dean Koontz pela Record (2009)
>>> Um Toque na Estrela de Benoite Groult pela Record (2008)
>>> O Fim do Verão de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasil (2002)
>>> Diferente - Quando a Exceção Dita a Regra de Youngme Moon pela Best Business (2011)
>>> A Máquina de Alicia Klein pela Best Seller (2008)
>>> Yoga Anatomy - Em Ingles - Esoterico de Leslie Kaminoff e Amy Matthews pela Human Kinetics (2012)
>>> Luz Sobre Yoga Yoga Dipika - Esoterico de B.K.S. Iyengar pela Integral (2016)
>>> Asana Pranayama Mudra Bandha - Esoterico de Swami Satyananda Saraswati pela satyananda Yoga Center (2009)
>>> Autoperfeição Com Hatha Yoga - Um classico sobre saude e qualidade de vida - Esoterico de Hermogenes pela Best Seller (2017)
>>> Anatomy Of Hatha Yoga - Em Ingles - Esoterico de H.David Coulter pela Body & Breath (2001)
>>> Só Tem Insônia Quem Quer de Celso Rausch pela Matrix (2009)
>>> Educando no Século XXI: Protagonismo Responsabilidade Social Formação de Esther Carvalho pela Cla (2017)
>>> Corpo Sem Idade, Mente Sem Fronteiras de Deepak Chopra pela Rocco (1994)
>>> Versos e Alguma prosa de Luís de Camões de Luis de camões pela Moraes (1977)
>>> Um Dono Para Buscapé de Giselda Laporta Nicolelis pela Moderna (1985)
>>> Um Dono Para Buscapé de Giselda Laporta Nicolelis pela Moderna (1985)
>>> Os Telecaramujos de Maria Heloisa Penteado pela FTd (1991)
>>> Bom Remédio de Tatiana Belinky pela Ediouro (1995)
>>> Rúdin de Ivan S. Turgueniev pela Global (1983)
>>> Livro Quem convece Enriquece de Napoleon Hll pela Cdg (2021)
>>> Livro Quem pensa enriquece de Napoleon hill pela Cdg (2021)
>>> FLAGRANTES - Poemas em Busca de um Alvo de Rosivaldo do Nascimento pela Artner (2020)
>>> Formação Econômica do Brasil de Celso Furtado pela Companhia Edit. Nacional (1976)
>>> A Gorda e a Volta por Cima de Carlos Heitor Cony pela Ediouro
>>> Matemática Aula Por Aula 2° Série Ensino Médio. de Benigno Barreto Filho - Cláudio Xavier da Silva pela Ftd (2005)
>>> Quarto de despejo de Carolina Maria De Jesus pela Atica (2001)
>>> Che guevara por ele mesmo de Vários Autores pela Martin Claret (2005)
>>> O amor me trouxe de volta de Carol Bowman; Simone Lemberg Reisner pela Sextante (2010)
>>> Ramsés - a Batalha de Kadesh (vol. 3) de Christian Jacq pela Bertrand (1999)
>>> O Jogo do Anjo de Carlos Ruiz Zafón pela Suma de Letras (2008)
>>> O Físico - a Epopéia de um Médico Medieval de Noah Gordon pela Rocco (1988)
>>> A Dama Azul de Planeta do Brasil pela Planeta do Brasil (2009)
>>> Fort of Apocalypse - Vol. 9 de Yu Kuraishi pela Jbc (2017)
COLUNAS >>> Especial Literatura

Terça-feira, 13/11/2001
Batchan, elas são lindas...
Daniela Mountian

+ de 10200 Acessos
+ 10 Comentário(s)

Yara Mitsuishi

Seu Zé Flaviano. Um amigo ouropretano. Ele mora na Rua João XXIII...

“Oh, Seu Zé, diz como ir?”
“Filha, vai gingando...”
“Seu Zé, não consigo mais...”

Seu Zé na ladeira, ladeando mais um bocadinho de sonho. Olhos de sangue, escorrendo vida.

“É cedo, é cedo...”
“Quero fuzaquiar também, me leva daqui.”
“Tá tudo pronto, olha ali sua ladeira!”
“Eu não to vendo...”
“Não precisa de vê não!”

Seu Zé era o dono de todas as ladeiras do mundo. Pois então que eu senti como era ser um procurador de sonho, buscador do nada, sentidor do tudo. Está tão escuro, escuridão entranhada. Essa escuridão é diversa de todas as outras. Escuridão alumiada, uma estrelinha sonsa e molenga. Pois meus olhos acabaram de nascer e ainda não sabem ver direito, mas de todo sabem como sentir. Olhos que sentem e não enxergam.

1995 - Ver
Eu não sei falar bonito, nem entendo de nada... Por isso vou deixando livre, vocês que me lerem, vão ficando confusos não, é do Guimarães Rosa que queria saber dizer, mais de Miguilim, nos Campos Gerais...

Falar do Rosa...Tudo que é pretensão minha se ajuntou aqui. A única forma de lidar com o medo é escrevendo de verdade, assim. Foi que me falaram que Seu Guimarães escrevia como em transe, de uma vez, tinha era que reler tudo, pois já já esquecia da estória. Acho que só assim que dá para entender esse homem, era grande. Porque fala de vida, de sonho, de morte, de sorte, de gente, de bicho, de mato, de música, de feiura...E de tudo fala de verdade, “importante de repente, como uma estória”. Foi que entendi num instante, assim como Miguilim, que “entendeu tudo tão depressa, que custou para entender”, sua mãe gostava era do tio. Mas de castigo, “de pelourim”, sabia que não devia de aceitar a licença do tio, fosse melhor continuar brincando de pensar. Foi que Miguilim nunca entendeu porque seu pai deu sua cachorra cega, Cuca Pingo-de-Ouro, com seu filhotinhozinho para uns tropeiros, ela já tava era cega. Por quê? E Miguilim gostava mais, mesmo, antes de tudo, do irmão Dito.

“Um certo Miguilim...” “Miguilim bobo...” Uma família, “mãe, o Dito, as Meninas, Tomezinho, o Pai, Vovó Izidra, até os cachorros também, o gato Sossõe, Rosa, Mãitina, vaqueiro Salúz, o vaqueiro Jé, Maria Pretinha...”. O Dito “era menor mas sabia o sério”. Drelina era linda, como uma santa. Tomezinho, o menorzinho, sonhava com o esquecido. Miguilim bobo. Chica sabia as brincadeiras todas, “mariolinha”, “tão engraçadinha”... Ah, Seu Guimarães, queria saber falar do senhor...No meio de tantas veredas, no Mutum, nos Campos Gerais. Toda violência de uma vida, de uma gente, de uma miséria igualzinha de toda gente, no meio de um sertão, num buraco de terra. Mas o nome da estória é Campo Geral, parece mais que está tudo aberto, vastidão. Um Campo Geral no Mutum. E está tudo lá mesmo. Tudo de pertim na imensidão...que nem o Grande Sertão: Veredas, tudo oposto, tudo grudado, tudo em tudo.

E o moço que narra a estória, tudo engraçado, mais parece que está junto de Miguilim, embaralhado. Vai contando e se funde todo, parece quase que um personagem. Faz até pergunta. Nunca vi narrador de estória fazendo pergunta. Como se a estória fosse maior, tomando conta. Tudo se construindo, tudo movimentado, melodioso. Parece mais que o autor está entranhando no Mutum. Como é mesmo o palavrão? Subjetividade? Pode ser isso? É tanto... O menino Miguilim, no fim não enxergava era nada, tudo via deformado, precisava de um par de lentes para perder de vista o sonho. E tudo que via, era assim, defeito de olho? Subjetividade? Pois que o narrador era mais que narrador... Não sabia de tudo - a gente fica livre...E tava tão juntinho de Miguilim... E os sonhos, as lembranças, tudo misturadinho na cabeça do Miguilim, só tinha oito sonhos, oito anos.

Tudo escrevi foi de memória...Para misturar, ver tudo deformado, exagerado...“... conservava outras recordações, tão fugidas, tão afastadas, que até formavam sonho...”.

Daniela Mountian

2001- Rever
Pois que vi tudo de novo, tudo fresco na memória, fui lá no Mutum, e tava tudo diferente. E eu nem precisei de óculos para enxergar o diverso. Acho que tudo quanto é gente nasce míope. Só o Dito que não. Miguilim “bebeu um golinho de velhice”. Foi-se tudo indo, a Cuca Pingo-de-Ouro, Dito, o Pai. Dito, bendito, carregava todo juízo do mundo. Ditinho morre, ele que já sabia do tudo, nem desse mundo fazia parte, só não queria morrer menino pequeno, mas pr’aquelas bandas não é estranho menininho dormir cedo. Miguilim sempre tropeçava, caía, não fazia nada direito, só sabia inventar estórias. “Miguilim bobo”. Mas só depois mesmo é que se descobre, no bom que é todo fim: “Miguilim, você é piticego...” E é tanta coisa de pensar... Uma imensidão de pontinhos brilhantinhos que persistem, e insistem. Todo o universo se concentrou foi muito cedo no menino Miguilim. E ele foi embora, mas pediu, por um momento, os óculos para o moço que o levara, queria olhar tudo assim, da última vez, era tudo diferente. Tanta ternura ajuntada à violência de tudo. Miguilim. Acho mais que encontrei ele mais velho, num livro outro. Miguel.

E tudo que era morte cercava Miguilim, desde menino neno, quando pequenino quase mesmo tinha morrido. Depois já ficava era danado se qualquer irmãozinho comesse galinha, porque ele lembrava que achava que morria, num engasgo com um ossinho. E um homem que falava engraçado disse que ele tava era muito magrinho...Miguilim também pensou que fosse...Fez dez dias, um acordo com Deus - se em dez dias não morresse, não poderia morrer mais...Também achava que dois irmãos podiam se matar, feito Caim e Abel...Pai e Tio... “Tudo morte de ida-e-volta...” Mas foi mesmo o Dito embora...Dito não brigava com ninguém, todos respeitavam, nem nunca de castigo ficava... E Miguilim teve que aprender a morrer... Seu Manuelzão, que achava sinal de morte em tudo, da estória seguinte, devia de saber viver...Pois o menino de oito anos devia de saber da morte para entender a vida...O Dito já sabia mais é isso tudo, morrer e viver...Só ele mesmo já podia morrer...Mas como sabia do certo? O Dito era o personagem mais velho de todos, mas ele era menor, bem menor do que Miguilim.

Seu Guimarães pode tudo, ele sabe brincar de imaginar na realidade. Foi que ele mesmo fica falando de um olhar, pula nele como num poço, pode também ser o mais delicado, o mais bruto. Acho que esse homem, que era médico, não “devia de”, deve de ser pecado segurar tanta verdade na mentira. Porque ele sabe ser simples de verdade...Duas belezuras diferentes: uma era “bela”, outra “bonita”, duas mulheres...num livro outro. É em tudo que sabe ser muito. Diz que é em alemão que Rosa pode ser lido de outra forma melhor, das outras línguas assim...Tudo engraçado...

E foi que a Maya, dessas amigas que mais parece irmã, me contou de um Miguilim registrense. Contou assim, de leve, como o moço que disse a Miguilim que o Mutum era lugar bonito de se ver. E se é de leve, sem querer, é que é para acreditar mesmo. Um japonesinho pequenino que apanhava todo dia de sua batchan, todo dia, todo dia, porque todo dia quebrava um prato. Foi que num dia qualquer, batchan andarolava com seu netinho, de mãos grudadas:

“Olha como a lua está linda...”
“Batchan, elas são lindas!”


Daniela Mountian
São Paulo, 13/11/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A crise da pauta de Débora Costa e Silva
02. Se a literatura subisse o morro... de Marcelo Spalding
03. Information Society e o destino da mídia de Ram Rajagopal
04. Flip 2005 de Julio Daio Borges
05. Apocalípticos, disléxicos e desarticulados de Julio Daio Borges


Mais Daniela Mountian
Mais Especial Literatura
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/11/2001
11h59min
Ah, Daniela, Queria que o Digestivo tevesse mais poesia, cheguei mesmo a pedir isto, mesmo sabendo que poeta é bicho difícil de achar. Daí vem você. Este texto é um presente. Uma prosa-poesia. Dá gosto de ler. Ainda mais pra mim, que adoro Seu Guimarães. E terminar com a batchan e o japinha foi uma graça a parte. Repita-se. Abraços, Ana.
[Leia outros Comentários de Ana Veras]
13/11/2001
17h00min
realmente esse texto é um presente ... diz do prazer de se beber das imagens criadas e da leveza crua que nossos olhos acompanham no dançar das palavras .Seja benvinda neste presente . Lúcia
[Leia outros Comentários de LÚCIA CORDEIRO]
13/11/2001
19h23min
que previlégio poder ler textos que alimentam nossa alma. Obrigada por existir
[Leia outros Comentários de Ivete M Proença]
13/11/2001
21h41min
What wonderful writing. I only wish that I understood Portuguese better to be able to fully appreciate it! Congratulations!
[Leia outros Comentários de Peter Pas]
13/11/2001
22h23min
Apesar de entender português melhor que o Peter, ainda tenho dificuldade para apreciar o Guimarães Rosa. Mais uma coisa é certa - seu talento, Daniela, me fez sentir a beleza da escrita que você gosta tanto.
[Leia outros Comentários de Anatoli Mountian]
13/11/2001
22h26min
Daniela, Que agradável surpresa! Que bom reencontrar o Rosa através de alguém como vc.Reencontrar Minas... Quero mais, Um beijo, Magda
[Leia outros Comentários de Magda Antuña]
14/11/2001
02h31min
Vou ficar distraída...toda sorriso...boba, boba...Esses comentários tão bonitos de doer, quase um crime... Agradeço, muito, a todos, que conheço e não conheço... Tudo com graça...tudo bom de sentir...:)
[Leia outros Comentários de Daniela Mountian]
14/11/2001
10h19min
Que belo texto! Daqueles que tocam a alma... Percorre e faz viver a linguagem de Rosa ao mesmo tempo que inaugura um campo novo, já outro, próprio e então original! Parabéns Daniela, um beijo grande
[Leia outros Comentários de Ana ]
24/11/2001
14h03min
Daniela, como é bom criar asas e voar, estimulando nossos sentidos com a riqueza de um texto como o teu! É uma verdadeira “viagem”! Fico muito feliz por reconhecer em você um talento realmente surpreendente. Parabéns por essa revelação e siga sempre em frente! Abraços, Adelma
[Leia outros Comentários de Adelma Seri]
2/2/2002
13h30min
Daniela, Parabéns pelo belíssimo texto, foi de emocionar, meus olhos se encheram d'água... Um pouquinho de lição de vida meio Guimarães, meio Daniela... Muito sucesso pra essa pessoa especial que você é! Beijos, Iara
[Leia outros Comentários de Iara Terzi Ito]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Marana Pabeima Guerra Infinita
Arlindo Freire
Maninbu
(2013)
R$ 50,00



ensaios de philosophia do direito autografado
josé mendes
nd
(1905)
R$ 218,00



Cliente Nunca Mais! 500 Dicas para Irritar Ou Perder Clientes...
Sérgio Almeida
Casa da Qualidade
(1994)
R$ 10,00



Hot Wheels Atividades Radicais - Livro de Colorir e de Atividades
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2016)
R$ 11,52



Os Maus Repazes de Bagdad, Diário de Guerra
Alfonso Rojo
Inquérito
(1991)
R$ 18,00



Pirâmdes, Esfinges e Faraós - Coelção Descoberta do Mundo
Kurt Lange
Itatiaia
(1964)
R$ 20,00



As Histórias de Ana e Ivan - Boas Experiências Em Liberdade Assistida
Maria de Lourdes Trassi Teixeira
Fundação Abrinq
(2006)
R$ 10,00



Sistemas Agroflorestais no Semiárido Brasileiro...
André L. R. Gonçalves
Sabiá
(2016)
R$ 13,00



Sketcbook
Will Conrad
Criativo
(2013)
R$ 40,00



A família de que se fala E a família de que se sofre (O livro negro da família, do amor e do sexo) José Angelo Gaiarsa (Psicologia, comportamento)
José Angelo Gaiarsa
Ágora
(1986)
R$ 10,00





busca | avançada
84229 visitas/dia
2,4 milhões/mês