Batchan, elas são lindas... | Daniela Mountian | Digestivo Cultural

busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O escritor pode
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> Os 60
>>> Tico-Tico de Lucía
>>> Abdominal terceirizado - a fronteira
>>> Cinema é filosofia
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Mulher no comando do país! E agora?
>>> YouTube, lá vou eu
>>> YouTube, lá vou eu
Mais Recentes
>>> A Alma do Poeta (Vinicius de Moraes) de Revista Bravo - Janeiro 2009- Ano 11 - nº 137 pela Abril Cultural (2009)
>>> Jardim Botânico de São Paulo de Juan Esteves & Maria Guimarães pela Terceiro Nome (2012)
>>> Música Faz - vol. 1 - A arte musical na prática escolar - Ensino médio de Yara Alves- Larissa Vitorino pela Htc (2011)
>>> Teimosia da imaginação. Dez artistas brasileiros de Maria Lúcia Montes pela Martins Fontes (2012)
>>> Panoramas. A paisagem brasileira no acervo do Instituto Moreira Salles de Carlos Martins pela Ims (2012)
>>> Andanças de Um Cavaleiro e Outras Novelas de Tennesse Williams pela Espressão e Cultura (1970)
>>> Tributação de Bens Digitais: a Disputa Tributária ... de Tathiane Piscitelli/Fernando Rezende pela FGV Direito (2018)
>>> Caiapó Metutire. Os guerreiros pintados de negro. de Paulo Pinagé & Vito D'Alessio pela Dialeto (2004)
>>> Inglês Sem Mistério Para Concursos de Robson Machado pela Fortium (2005)
>>> Carnaval Brasileiro - O Vivido e o Mito de Maria Isaura Pereira de Queiroz pela Brasiliense/ SP (1992)
>>> Treinamento da Argumentação: Persuadir Em Vez de Contrariar... de Tom Werneck e Reinhard Grasse pela Ediouro/ RJ. (1982)
>>> O encanto das aves. The magic of birds de Ricardo Martins pela Fm (2009)
>>> Portoghese Dizionario essenzaiale Portoghese-Italiano - Italiano-Portoghese de Zanichelli pela Zanichelli (1997)
>>> Princípios de Organização Japoneses: Melhor Produtividade ... de Peter Engel pela Ediouro/ RJ. (1982)
>>> O Dom de Voar de Richard Bach pela Record/ RJ.
>>> O Dom de Voar de Richard Bach pela Record/ RJ.
>>> O Dom de Voar de Richard Bach pela Record/ RJ.
>>> Licença de Marca - Aspectos Jurídicos e Econômicos de Um Contrato ... de Thiago Jabur Carneiro pela Juruá (2012)
>>> O Aleijadinho Arquiteto e Outros Ensaios Sobre o Tema/ Inclui CD de André Guilherme Dornelles Dangelo (e outro) pela Ed. da Escola de Arquit. da UFMG./ Belo Hte. (2008)
>>> Concerto Carioca de Antonio Callado pela Nova Fronteira (1985)
>>> Imperialismo / Discutindo a História de Héctor H. Bruit pela Atual/ Sp. (2001)
>>> Imperialismo / Discutindo a História de Héctor H. Bruit pela Atual/ Sp. (1995)
>>> Imperialismo / Discutindo a História de Héctor H. Bruit pela Atual/ Sp. (1995)
>>> Prêmio FCW 2004 de Fotografia Publicitária Fundação Conrado Wessel de Diversos Autores pela Fcw (2005)
>>> A Questão dos Livros - Passado Presente e Futuro de Robert Darton pela Companhia das Letras (2010)
>>> Mar de homens de Roberto Linsker pela Terra Virgem (2005)
>>> Arte de Perto - Volume Único de Maurílio Andrade Rocha e outros pela Leya (2016)
>>> Palco Paulistano. São Paulo Stage de Vânia Toledo pela Imprensa Oficial (2009)
>>> Todo Paciente Tem Uma Historia Para Contar - Mistérios médicos e a arte do diagnóstico de Dra. Lisa Sanders pela Zahar (2010)
>>> Da Ação direta de declaração de Inconstitucionalidade no Direito Brasileiro de Alfredo Buzaid pela Saraiva (1958)
>>> Ações Cominatórias no Direito Brasileiro de Moacyr Amarral Santos pela Max Limonad (1962)
>>> Do Mandado de Segurança e de Outros meios de Defesa Contra atos do poder público de Castro Nunes pela José Aguiar Dias (1967)
>>> Estudos e pareceres de direito processual Civil de Alfredo Buzaid pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Corinthians é preto no branco de Washington Olivetto e Nirlando Beirão pela Dba (2002)
>>> Do Mandado de Segurança Volume 1 de Alfredo Buzaid pela Saraiva (1989)
>>> Estudos de Direito de Alfredo Buzaid pela Saraiva (1972)
>>> Da Ação Renovatória de Alfredo Buzaid pela Saraiva (1981)
>>> Projeção do Corpo Astral de Sylvan J. Muldoon e Hereward Carrington pela Pensamento
>>> Atribuições dos juízes municipaes de Orphãos e Ausentes na Republica de José Tavares Bastos pela Livraria Garnier (1914)
>>> Novo Dicionário de Processo Civil de Eliézer Rosa pela Livraria Freitas Bastos S.A (1986)
>>> O Novo processo Civil Brasileiro de José Carlos Barbosa Moreira pela Forense (2005)
>>> Manual do Advogado de Valdemar P. da Luz pela Sagra (1999)
>>> Teoria e prática do Despacho Saneador de Jônatas Milhomens pela Forense (1952)
>>> Código de processo Civil Anotado de Sálvio de Figueiredo Teixeira pela Saraiva (1993)
>>> Novo processo Civil Brasileiro de José Carlos Barbosa Moreira pela Forense (1998)
>>> A Prova Civil de José Mendonça pela Livraria Jacintho (1940)
>>> A Morte de Rimbaud de Leandro Konder pela Companhia das Letras/SP. (2000)
>>> Prova Civil Legislação Doutrina Jurisprudência de Raphael Cirigliano pela Forense (1939)
>>> Código do Processo Civil e Commercial para Districto Federal de J. Miranda Valverde pela Impresa Nacional (1927)
>>> De Pessoa a Pessoa - Psicoterapia Dialógica de Richard Hycner pela Summus (1995)
COLUNAS >>> Especial Literatura

Terça-feira, 13/11/2001
Batchan, elas são lindas...
Daniela Mountian

+ de 9500 Acessos
+ 10 Comentário(s)

Yara Mitsuishi

Seu Zé Flaviano. Um amigo ouropretano. Ele mora na Rua João XXIII...

“Oh, Seu Zé, diz como ir?”
“Filha, vai gingando...”
“Seu Zé, não consigo mais...”

Seu Zé na ladeira, ladeando mais um bocadinho de sonho. Olhos de sangue, escorrendo vida.

“É cedo, é cedo...”
“Quero fuzaquiar também, me leva daqui.”
“Tá tudo pronto, olha ali sua ladeira!”
“Eu não to vendo...”
“Não precisa de vê não!”

Seu Zé era o dono de todas as ladeiras do mundo. Pois então que eu senti como era ser um procurador de sonho, buscador do nada, sentidor do tudo. Está tão escuro, escuridão entranhada. Essa escuridão é diversa de todas as outras. Escuridão alumiada, uma estrelinha sonsa e molenga. Pois meus olhos acabaram de nascer e ainda não sabem ver direito, mas de todo sabem como sentir. Olhos que sentem e não enxergam.

1995 - Ver
Eu não sei falar bonito, nem entendo de nada... Por isso vou deixando livre, vocês que me lerem, vão ficando confusos não, é do Guimarães Rosa que queria saber dizer, mais de Miguilim, nos Campos Gerais...

Falar do Rosa...Tudo que é pretensão minha se ajuntou aqui. A única forma de lidar com o medo é escrevendo de verdade, assim. Foi que me falaram que Seu Guimarães escrevia como em transe, de uma vez, tinha era que reler tudo, pois já já esquecia da estória. Acho que só assim que dá para entender esse homem, era grande. Porque fala de vida, de sonho, de morte, de sorte, de gente, de bicho, de mato, de música, de feiura...E de tudo fala de verdade, “importante de repente, como uma estória”. Foi que entendi num instante, assim como Miguilim, que “entendeu tudo tão depressa, que custou para entender”, sua mãe gostava era do tio. Mas de castigo, “de pelourim”, sabia que não devia de aceitar a licença do tio, fosse melhor continuar brincando de pensar. Foi que Miguilim nunca entendeu porque seu pai deu sua cachorra cega, Cuca Pingo-de-Ouro, com seu filhotinhozinho para uns tropeiros, ela já tava era cega. Por quê? E Miguilim gostava mais, mesmo, antes de tudo, do irmão Dito.

“Um certo Miguilim...” “Miguilim bobo...” Uma família, “mãe, o Dito, as Meninas, Tomezinho, o Pai, Vovó Izidra, até os cachorros também, o gato Sossõe, Rosa, Mãitina, vaqueiro Salúz, o vaqueiro Jé, Maria Pretinha...”. O Dito “era menor mas sabia o sério”. Drelina era linda, como uma santa. Tomezinho, o menorzinho, sonhava com o esquecido. Miguilim bobo. Chica sabia as brincadeiras todas, “mariolinha”, “tão engraçadinha”... Ah, Seu Guimarães, queria saber falar do senhor...No meio de tantas veredas, no Mutum, nos Campos Gerais. Toda violência de uma vida, de uma gente, de uma miséria igualzinha de toda gente, no meio de um sertão, num buraco de terra. Mas o nome da estória é Campo Geral, parece mais que está tudo aberto, vastidão. Um Campo Geral no Mutum. E está tudo lá mesmo. Tudo de pertim na imensidão...que nem o Grande Sertão: Veredas, tudo oposto, tudo grudado, tudo em tudo.

E o moço que narra a estória, tudo engraçado, mais parece que está junto de Miguilim, embaralhado. Vai contando e se funde todo, parece quase que um personagem. Faz até pergunta. Nunca vi narrador de estória fazendo pergunta. Como se a estória fosse maior, tomando conta. Tudo se construindo, tudo movimentado, melodioso. Parece mais que o autor está entranhando no Mutum. Como é mesmo o palavrão? Subjetividade? Pode ser isso? É tanto... O menino Miguilim, no fim não enxergava era nada, tudo via deformado, precisava de um par de lentes para perder de vista o sonho. E tudo que via, era assim, defeito de olho? Subjetividade? Pois que o narrador era mais que narrador... Não sabia de tudo - a gente fica livre...E tava tão juntinho de Miguilim... E os sonhos, as lembranças, tudo misturadinho na cabeça do Miguilim, só tinha oito sonhos, oito anos.

Tudo escrevi foi de memória...Para misturar, ver tudo deformado, exagerado...“... conservava outras recordações, tão fugidas, tão afastadas, que até formavam sonho...”.

Daniela Mountian

2001- Rever
Pois que vi tudo de novo, tudo fresco na memória, fui lá no Mutum, e tava tudo diferente. E eu nem precisei de óculos para enxergar o diverso. Acho que tudo quanto é gente nasce míope. Só o Dito que não. Miguilim “bebeu um golinho de velhice”. Foi-se tudo indo, a Cuca Pingo-de-Ouro, Dito, o Pai. Dito, bendito, carregava todo juízo do mundo. Ditinho morre, ele que já sabia do tudo, nem desse mundo fazia parte, só não queria morrer menino pequeno, mas pr’aquelas bandas não é estranho menininho dormir cedo. Miguilim sempre tropeçava, caía, não fazia nada direito, só sabia inventar estórias. “Miguilim bobo”. Mas só depois mesmo é que se descobre, no bom que é todo fim: “Miguilim, você é piticego...” E é tanta coisa de pensar... Uma imensidão de pontinhos brilhantinhos que persistem, e insistem. Todo o universo se concentrou foi muito cedo no menino Miguilim. E ele foi embora, mas pediu, por um momento, os óculos para o moço que o levara, queria olhar tudo assim, da última vez, era tudo diferente. Tanta ternura ajuntada à violência de tudo. Miguilim. Acho mais que encontrei ele mais velho, num livro outro. Miguel.

E tudo que era morte cercava Miguilim, desde menino neno, quando pequenino quase mesmo tinha morrido. Depois já ficava era danado se qualquer irmãozinho comesse galinha, porque ele lembrava que achava que morria, num engasgo com um ossinho. E um homem que falava engraçado disse que ele tava era muito magrinho...Miguilim também pensou que fosse...Fez dez dias, um acordo com Deus - se em dez dias não morresse, não poderia morrer mais...Também achava que dois irmãos podiam se matar, feito Caim e Abel...Pai e Tio... “Tudo morte de ida-e-volta...” Mas foi mesmo o Dito embora...Dito não brigava com ninguém, todos respeitavam, nem nunca de castigo ficava... E Miguilim teve que aprender a morrer... Seu Manuelzão, que achava sinal de morte em tudo, da estória seguinte, devia de saber viver...Pois o menino de oito anos devia de saber da morte para entender a vida...O Dito já sabia mais é isso tudo, morrer e viver...Só ele mesmo já podia morrer...Mas como sabia do certo? O Dito era o personagem mais velho de todos, mas ele era menor, bem menor do que Miguilim.

Seu Guimarães pode tudo, ele sabe brincar de imaginar na realidade. Foi que ele mesmo fica falando de um olhar, pula nele como num poço, pode também ser o mais delicado, o mais bruto. Acho que esse homem, que era médico, não “devia de”, deve de ser pecado segurar tanta verdade na mentira. Porque ele sabe ser simples de verdade...Duas belezuras diferentes: uma era “bela”, outra “bonita”, duas mulheres...num livro outro. É em tudo que sabe ser muito. Diz que é em alemão que Rosa pode ser lido de outra forma melhor, das outras línguas assim...Tudo engraçado...

E foi que a Maya, dessas amigas que mais parece irmã, me contou de um Miguilim registrense. Contou assim, de leve, como o moço que disse a Miguilim que o Mutum era lugar bonito de se ver. E se é de leve, sem querer, é que é para acreditar mesmo. Um japonesinho pequenino que apanhava todo dia de sua batchan, todo dia, todo dia, porque todo dia quebrava um prato. Foi que num dia qualquer, batchan andarolava com seu netinho, de mãos grudadas:

“Olha como a lua está linda...”
“Batchan, elas são lindas!”


Daniela Mountian
São Paulo, 13/11/2001


Mais Daniela Mountian
Mais Especial Literatura
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/11/2001
11h59min
Ah, Daniela, Queria que o Digestivo tevesse mais poesia, cheguei mesmo a pedir isto, mesmo sabendo que poeta é bicho difícil de achar. Daí vem você. Este texto é um presente. Uma prosa-poesia. Dá gosto de ler. Ainda mais pra mim, que adoro Seu Guimarães. E terminar com a batchan e o japinha foi uma graça a parte. Repita-se. Abraços, Ana.
[Leia outros Comentários de Ana Veras]
13/11/2001
17h00min
realmente esse texto é um presente ... diz do prazer de se beber das imagens criadas e da leveza crua que nossos olhos acompanham no dançar das palavras .Seja benvinda neste presente . Lúcia
[Leia outros Comentários de LÚCIA CORDEIRO]
13/11/2001
19h23min
que previlégio poder ler textos que alimentam nossa alma. Obrigada por existir
[Leia outros Comentários de Ivete M Proença]
13/11/2001
21h41min
What wonderful writing. I only wish that I understood Portuguese better to be able to fully appreciate it! Congratulations!
[Leia outros Comentários de Peter Pas]
13/11/2001
22h23min
Apesar de entender português melhor que o Peter, ainda tenho dificuldade para apreciar o Guimarães Rosa. Mais uma coisa é certa - seu talento, Daniela, me fez sentir a beleza da escrita que você gosta tanto.
[Leia outros Comentários de Anatoli Mountian]
13/11/2001
22h26min
Daniela, Que agradável surpresa! Que bom reencontrar o Rosa através de alguém como vc.Reencontrar Minas... Quero mais, Um beijo, Magda
[Leia outros Comentários de Magda Antuña]
14/11/2001
02h31min
Vou ficar distraída...toda sorriso...boba, boba...Esses comentários tão bonitos de doer, quase um crime... Agradeço, muito, a todos, que conheço e não conheço... Tudo com graça...tudo bom de sentir...:)
[Leia outros Comentários de Daniela Mountian]
14/11/2001
10h19min
Que belo texto! Daqueles que tocam a alma... Percorre e faz viver a linguagem de Rosa ao mesmo tempo que inaugura um campo novo, já outro, próprio e então original! Parabéns Daniela, um beijo grande
[Leia outros Comentários de Ana ]
24/11/2001
14h03min
Daniela, como é bom criar asas e voar, estimulando nossos sentidos com a riqueza de um texto como o teu! É uma verdadeira “viagem”! Fico muito feliz por reconhecer em você um talento realmente surpreendente. Parabéns por essa revelação e siga sempre em frente! Abraços, Adelma
[Leia outros Comentários de Adelma Seri]
2/2/2002
13h30min
Daniela, Parabéns pelo belíssimo texto, foi de emocionar, meus olhos se encheram d'água... Um pouquinho de lição de vida meio Guimarães, meio Daniela... Muito sucesso pra essa pessoa especial que você é! Beijos, Iara
[Leia outros Comentários de Iara Terzi Ito]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UM AMOR DO OUTRO MUNDO
GANYMEDES JOSÉ
ATUAL
(1994)
R$ 7,00



TERRA SEM MAL
JACY DO PRADO BARBOSA NETO
PLANETA
(2013)
R$ 17,00



THE COMPLETE IDIOTS GUIDE TO DRAWING PEOPLE ILLUSTRATED
BRENDA HODDINOTT
ALPHA
(2004)
R$ 45,00



JOANINHA VIDA DE JOANA D'ARC PARA CRIANÇAS
NINA SALVI
MELHORAMENTOS
(1953)
R$ 12,00



DIVINDADE EGÍPCIAS EDIÇÃO Nº4
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2005)
R$ 6,90



BACK AGAIN
RICHARD H. DAVIS
FTD
(1994)
R$ 9,78



CENTRO DE ARTE CONTEMPORÂNEA INHOTIM - CACI
LISETE HANNA RACHED
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 419,00



BEDA FOMM: LA VICTORIA CLÁSICA (EM ESPANHOL)
KENNETH MACKSEY
SAN MARTIN (MADRID)
(1975)
R$ 14,82



GUINÉ - BISSAU, O AMBIENTE AGRÍCOLA, O HOMEM E O USO DA TERRA
CARLOS COSTA E MAURO RESENDE
CLÁSSICA
(1994)
R$ 27,50



OS LUSÍADAS CLASSICOS JACKSON VOL. VII
CLASSICOS JACKSON
SAO PAULO
R$ 25,00





busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês