Ascese, uma instalação do artista Eduardo Faria | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 29/6/2010
Ascese, uma instalação do artista Eduardo Faria
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 7900 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Entre 13 de maio e 18 de junho deste ano a Casa de Cultura de Londrina (PR) expôs a instalação Ascese, do artista plástico Eduardo Faria. A obra é composta por dois grossos cadernos repletos de desenhos do artista, instalados numa espécie de cenário religioso, sustentado por um céu colocado ao chão e por um crucifixo na parede, situado acima de sabonetes onde se vê gravada a palavra "puro". Há ainda frases ao lado e desenhos coloridos do osso sacro.

No sentido que lhe empresta o dicionário, ascese é a prática da renúncia ao prazer ou mesmo a não satisfação de algumas necessidades primárias, é um processo de santificação pessoal, mortificação. Ascese cristã é o esforço que fazemos para dominarmos os nossos sentidos, corrigirmos as nossas más tendências e vivermos um processo de libertação interior. A Igreja propõe aos seus fiéis como prática para a ascese o jejum e a abstinência sexual, as penitências, o louvor e a adoração ao Senhor.

O indivíduo que pratica ascese é partidário de uma filosofia de vida na qual são refreados os prazeres mundanos e se propõe a austeridade em todos os sentidos. O que se persegue é uma vida regida pela espiritualidade. Acredita-se que com a purificação do corpo consiga-se a purificação da alma e uma compreensão da divindade que levaria o ascético a encontrar a paz interior. Isto pode ser obtido com a automortificação, rituais, e uma severa renúncia ao prazer.

O artista plástico Eduardo Faria com certeza está sendo irônico ao usar para a sua instalação o título de Ascese. Quer brincar com os signos dessa prática da mesma forma com que o desejo brinca com os nossos corpos e almas, mesmo quando tentam viver asceticamente. Ou da mesma forma com que a arte brinca com a nossa imaginação, mesmo quando queremos ter total controle racional sobre o seu significado.

A palavra erotismo, contrário impertinente de ascese, é a palavra que surge imediatamente quando pensamos nessa instalação. E existe uma dialética entre o desejo erótico, "o que não tem juízo, nem nunca terá", e as preocupações inquietantes que alimentam a arte de Eduardo Faria, como veremos mais abaixo.

A inquietude do erotismo é a inquietude do desconhecido. A arte, como o desejo, é sempre o que não se sabe, o que não se havia notado, o não dito, o pouco usual, o insólito. É também, como o erotismo, o dificilmente disciplinável, canalizável, definitivamente dominável. Duas potências inquietantes que nos levam ao risco e que nos fazem entrever o maravilhoso, o extraordinário, o emocionante, o sublime, como também o diferente, o desconhecido e o perigoso.

Na poética de Eduardo Faria, o desejo envolve múltiplos objetos: cadeiras, mesas, paredes, roupas, palavras, a pintura clássica, partes do corpo do outro. Todos estão presos a um movimento de aparição/desaparição, formando um ornato para o leve perfume do erotismo que se advinha a cada momento de sua obra.

Se o desejo está em suspensão aqui, como no desenho de uma cadeira solitária, ali, um pouco à frente, garante sua vitalidade no encontro carnal dos corpos que se fundem virilmente em um só, na busca do prazer, do amor e da volúpia. Nesse transe imagético, a arte de Eduardo Faria realiza a crença de uma possível convivência inata entre o desejo e o objeto.

No seu trabalho, o desejo flutua sobre tudo (cores, peças, corpos), mantendo viva a ideia de um jardim suspenso entre a arte e os obscuros caminhos da sexualidade, que também atinge o espectador de forma sensorial (já que os cadernos foram feitos para serem manipulados). Sem que haja distinção entre uma coisa e outra (arte e eros), a mão daquele espectador que toca os desenhos é como a daquele que toca no corpo alheio ou em tinta para pintar.

O tema na maioria dos desenhos é o homoerotismo. Mas não se trata de uma paródia grosseira do que seria o desejo homoerótico. Ao contrário, desenha-se como uma possibilidade de revelação do que seja o erotismo para além das codificações medianas embutidas no jogo social da sexualidade vigiada pelo superego (seja homo ou hetero). Estamos talvez mais próximos da criança "perversa polimorfa", como anunciava Freud, cujo desejo se direciona para tudo no mundo e não apenas para a sua genitalização.

Pois na obra de Eduardo Faria cadeiras copulam com mesas, pinturas com corpos, espaços com objetos, e estes com a memória e com a subjetividade presente, na visível percepção dos encontros entre esses objetos que se fundem e se invadem uns aos outros e fazem parte da instância onde o desejo explode. E esta perversão polimorfa, da qual na arte somos todos partícipes, é o contraponto à sexualidade industrial, comercial, de vitrine, asséptica e programada para ser mercadoria.

O enlace amoroso é, na obra de Eduardo Faria, excêntrico, isto é, fora do centro. É por isso que não existe lugar, hora, postura vertical, horizontal, movimento, velocidade que seja definida por uma perspectiva única ou a priori esperada. As folhas do caderno se desdobram como outras epidermes, outras peles, a desdobrar-se ao espectador/fruidor num convite para outros estados de sensualidade. O tom e a forma de uma cadeira, por exemplo, são tão sensuais quanto a mera ilustração de um cópula e nos remetem à ilha dos nossos desejos secretos com mais intensidade que dois corpos enlaçados. O desenho é, de per si, fonte de sensações.

Aqui não se está em busca de uma liberdade sexual imaginária, como precisaria uma certa quinquinharia psicanalítica. O que acontece é um mergulho num exercício do metamorfosear-se mútuo da arte e do desejo, a fim de que se possa experimentar os mil estados da matéria numa espécie de canibalismo plástico-amoroso.

Não é possível entrar impunemente nesse jogo do folhear-se os cadernos, beber suas imagens, fruir sua sensualidade: quadris de seda, volúpia de volutas de móveis, falos latejantes, cores sangrentas ou doces (vermelhos, rosas, azuis), grafites a nos sujar as mãos, músculos tesos, carnes convulsivas, dedos penetrantes, ânus abertos e oferecidos, balés de penetrações, abraços fraternos, evasão e gozo, divindade e sacralidade, anjos e cristos, Da Vinci e Michelangelo, sabonete e esperma, tinta, plástico e seda, sofás e mesas, volúpia e descanso celeste.

O percurso libidinal derrama-se de uma folha a outra, de uma cor a outra, de um corpo para os objetos, realizando uma ligação interna entre os elementos sutilmente arranjados de forma rizomática no conjunto dos desenhos dentro do caderno.

A forma com que os desenhos se apresentam dentro dos cadernos pode se adequar ao termo "rizoma" (Deleuze/Guatarri): não possuindo centro nem periferia, nem mesmo saída, cada caminho pode, desde então, conectar-se indefinitivamente um a outro, num espaço com certeza cercado, mas potencialmente infinito.

As transparências de algumas folhas, que fazem imagens atravessarem de um local a outro, configura-se como essa abertura rizomática de interpenetrações que cria relações infindáveis entre as cenas que se desenrolam nos desenhos do caderno.

Os corpos que aparecem são representações do corpo erótico viril, evidentemente macho, potente, e não o corpo afeminado, tal como vemos nos trejeitos de uma homossexualidade por vezes folclórica. Nesse sentido, nos faz pensar nas robustas figuras de Michelangelo e na escultura clássica, tradição com a qual o artista faz conexão, ou nas descrições literárias de um Jean Genet, mais particularmente em seu Querelle, filmado por Fassbinder.

Existe nos desenhos a revelação das partes e o desejo do todo, a matéria e a memória que se incrustam, a lembrança e o cheiro que a permeia, as massas de grafite que delineiam e compõem a forma e o sutil fluir das linhas que desaparecem nos corpos apenas insinuados, como se fossem a lembrança da doce entrega que apaga nossas mentes no momento do gozo. O componente orgânico dos desenhos é importante para que da ascese se passe ao desejo e sua realização.

A instalação não é outra coisa que um cenário religioso onde o corpo se glorifica, onde se insurge e se vivifica no prazer e não se mortifica na dor. As interrupções de uma página para outra são como o prazer represado aqui, mas em seguida liberado ali.

Nesse santuário de corpos, os genitais são tão apetitosos que dá vontade de cortar com faca a parte que nos cabe de direito. Eles são o contraponto visível à ascese. São a fonte vibrante do desejo tornado visível, enquanto em outros lugares o desejo se insinua secreto, prodigioso em rondar os móveis, os espaços, as figuras da arte do passado, como fantasmas esperando novos corpos para possuir.

O arranjo da instalação revela aquilo que se camufla por trás da ascese. A palavra "puro", gravada no sabonete, nos remete à ideia de espiritualidade, mas ao mesmo tempo, depois de um passeio pelos desenhos escondidos nos cadernos, o mesmo sabonete ganha outro sentido, o do banho pós-coito. O céu abaixo sustenta nos desenhos dos cadernos um mundo aéreo de fellatio, cunnilingus e luxúria. O crucifixo sacraliza não mais o espírito, mas o corpo, obra de perfeição divina, tal qual pregava Michelangelo, um dos mestres da escultura da beleza masculina. Os desenhos do osso sacro nos trazem a dupla significação do sagrado e profano. Como no próprio caderno, a Santa Ceia se coloca ao lado de uma vertiginosa posse física entre dois homens que fantasmagoricamente invadem a cena.

Do ponto de vista da própria arte, os desenhos carregam uma impureza contrária à busca platônica da "forma pura", da linha espiritual, tão cara a Rafael e à cultura clássica. O uso do lápis lambuza os limites da representação, com o grafite contaminando os corpos, os objetos e o cenário.

A instalação de Eduardo Faria é a revelação da verdadeira terra prometida, onde o ascético deseja entrar, mas o faz pela porta errada.

Nota do Autor
Fotos gentilmente cedida pelo fotógrafo Rei Santos.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 29/6/2010


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
03. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/6/2010
07h49min
Para o artista-asceta, a falsidade é a arma dos homens lúcidos, não a dos mentecaptos. E ele, em qual lado se encontra? Ao lado dos reis, é isso o que sente. Veja você essa selva de canibais enfrentando-se por um preço. Tudo se vende, tudo se compra, tudo se converte à cidadania do mercado. A segunda opção é daqueles homens que venceram esse distúrbio por conta de uma ciência pessoal, mesmo que assolados por fatos casuais. Seu broto ainda permanece fincado em algum caule, mesmo que não dê flor. A dor do artista acontece 365 dias ao ano, amando um amor manco, que se alista à tropa dos guardiões de madrugadas, em seresta dividida com o lobo que faz serenatas para a lua. Como enquadrar isso diante de uma objetiva assimétrica, cujos desenhos não passam de minúsculos quadros somados entre si. Impossível!!! Para ser um artista-asceta, ou pelo menos tentar compreendê-lo é, antes de tudo, preciso muita renúncia.
[Leia outros Comentários de ROBERTO ESCRITOR]
13/7/2010
12h23min
A falta de imaginação e criatividade é o responsável pela miséria artística da dita (ou maldita) arte contemporânea. Temos aí mais um "belo" exemplo.
[Leia outros Comentários de Gil Cleber]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MULHERES PODEROSAS NO TRABALHO
ELIZABETH HILTS
ACADEMIA
(2013)
R$ 14,00



EDUCAÇÃO E REFLEXÃO
PIERRE FURTER
VOZES
(1976)
R$ 4,00



A SENHA DO MUNDO
CARLOS DRUMOND DE ANDRADE
RECORD
(2006)
R$ 25,90



BALA NA AGULHA
MARCELO RUBENS PAIVA
SICILIANO
(1992)
R$ 15,00



A VIAGEM
JOÃO DUARTE DE CASTRO
EME
(1989)
R$ 7,90



IMPOSTO DE RENDA DAS EMPRESAS
HIROMI HIGUCHI FÁBIO HIROSHI HIGUCHI ET AL...
ATLAS
(2011)
R$ 15,00



PRINCÍPIOS DA FÍSICA 2
PEDRO CARLOS DE OLIVEIRA

(1993)
R$ 5,50



HISTÓRIA DA LITERATURA BRASILEIRA, VOLUME 1
SÍLVIO CASTRO
ALFA
(1999)
R$ 26,40



O ORÁCULO DE JAMAIS
ALTINO DO TOJAL
INCM
(2005)
R$ 44,70



HOMEM-ARANHA SUPERIOR - SEM SAÍDA! - JUNTE-SE À REVOLUÇÃO - Nº 006
MARVEL
PANINI COMICS
(2014)
R$ 10,00





busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês