Em noite de lua azul | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Caetano, não seja velho coronel
>>> Vento Bravo, com Edu e Tom
>>> Como o Google funciona
>>> A boa literatura brasileira
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> História da leitura (III): a imprensa de Gutenberg
>>> Talk Show
>>> Para ler o Pato Donald
>>> Isto é um experimento
>>> Em quem a Tropicália vai votar
Mais Recentes
>>> Novíssimo Aulete - Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa de Caldas Aulete - Paulo Geiger ( Org. ) pela Lexikon (2011)
>>> O Laptop de Leonardo de Ben Shneiderman pela Nova Fronteira (2006)
>>> História da Paz de Demétrio Magnoli ( Org. ) pela Contexto (2008)
>>> O amor jamais te esquece de André Luiz Ruiz pela Ide (2003)
>>> Nosso Livro de Francisco Cândido Xavier pela Lake (2005)
>>> Direito Penal 1 Parte Geral de Sophie Kinsella pela Record (2010)
>>> Em Espírito e Em Verdade de Andy Park pela Vida
>>> Mente e Cérebro Poderosos de Conceição Trucom pela Cultrix (2010)
>>> Todo Ar Que Respiras de Judith Mcnaught pela Bertrand Brasil (2009)
>>> Tudo Bem Ser Diferente de Todd Parr pela Panda Books # (2002)
>>> Sonho Oriental Sabores e Receitas de Editora Caras pela Caras
>>> O Que Fazer? Falando de Convivência de Liliana Iacocca pela Ática
>>> O Homem Que Roubava Horas de Daniel Munduruku e Janaina Tokitaka pela Brinque Book (2010)
>>> Mulheres Inteligentes, Relações Saudáveis de Augusto Cury pela Academia
>>> Ana Karênina Volume 1 de Tolstoi pela Nova Cultural (1997)
>>> A Bíblia do Otimismo de R. Stanganelli pela Tríade
>>> Coleção na Luz da Verdade 1, 2 e 3 de Abdruschin pela Ordem do Graal na Terra (1999)
>>> O Rapto do Garoto de Ouro Série Vaga-lume de Marcos Rey pela Atica
>>> Como Fazer Qualquer Pessoa Se Apaixonar por Você! de Leil Lowndes pela Record
>>> A Sombra do Vulcão de Malcom Lowry pela L&pm Pocket (2007)
>>> Manual de Direito Penal Parte Especial Vol II 27ª Edição de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (2010)
>>> Do Outro Mundo - Coleção Ana Maria Machado de Ana Maria Machado pela Ática (2002)
>>> Dicionário Jurídico Brasileiro Acquaviva - Edição de Luxo de Marcus Claudio Acquaviva pela Jurídica Brasileira (1995)
>>> A Tecnologia Acima do Bem e do Mal de José Rubens Salles Toledo pela Itafi (2016)
>>> Cómo Pintar a óleo de Jose Maria Parramon pela Parramón
COLUNAS

Quinta-feira, 6/8/2015
Em noite de lua azul
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3200 Acessos

Que abraços são esses? que olhares? que fatos
acontecem, fluidos, entre a lua e a terra,
entre a lua e o sol, entre o sol e o tempo,

Cecília Meireles


Na falta de um ângulo propício para observar a claridade da lua cheia, olhamos para outros pontos iluminados artificialmente. Se não procuramos por janelas, telas, frestas, portas, corredores brilhosos, antes eles se dirigem a nós com a ansiedade, o desejo último e necessário da iluminação. Como a própria iluminação pública que adentra as residências baixas da cidade, e fere os olhos, fere a própria noite ao lhe incutir suas garras de gás e metal. Que medo da escuridão é esse, podemos perguntar. Mas a vulnerabilidade da escuridão citadina pode deixar em pânico os habitantes traumatizados pela violência. Ilumina-se, também, para o outro não dormir ao relento, e assim, da mesma forma atrapalha-se os desavisados moradores dos andares baixos. Hoje, em céu vermelho pousa a lua azul. E dignamente precisamos buscar outros pontos, porque o ponto e o facho de luz são os apoios dos desavisados e claudicantes, para mergulhar na claridade concentrada da vida burguesa. Por trás das grades, vemos uma festa infantil que acaba de começar. Há balões coloridos, pessoas sentadas no salão de festas, gritos de criança ultrapassando o limite da rua. Pela parede de vidro do salão exala uma doce luz no início de noite. Os prédios simples formam um quadriculado aleatório de amarelos baços, cortinados alvos, poses e perfis negros de moradores contemplativos. Aquela janela recortada traz um lustre de cristais fulgurando o espaço. Grandiosas salas envidraçadas mostram ambientes aconchegantes por detrás da fluidez de cortinas, abajures tépidos, ricas folhagens descaindo-se em amplitude enamoradas; são cenários que se esbanjam solitários, onde não se encontra humana presença. A lua, entretanto, cheia de graça repousa solene, envolta em nuvens de gaze. Eleva-se aos sobrados do início de séculos distantes, diáfana, já pouco mais visível. E então recordamos que o luar nos foi da vida retirado como as matas decepadas, como os rios cimentados, os índios em bugres transformados. Companheira dos tristes, mais fácil vê-la poetizada por simbolistas, parnasianos e românticos; a mesma que fora e ainda é hoje. Nua, ela não precisa de aparatos tantos, das distantes musas a mais próxima; e esquecida.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 6/8/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O dia em que não conheci Chico Buarque de Elisa Andrade Buzzo
02. Do inconveniente de ter escrito de Cassionei Niches Petry
03. O cinema de fronteira de Theo Angelopoulos de Wellington Machado
04. Sua majestade, o ator de Guilherme Conte
05. Tristezas tropicais de Daniela Sandler


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2015
01. Rugas e rusgas - 15/1/2015
02. Viagem aos baixos do Viaduto do Chá - 5/2/2015
03. 50 tons de Anastasia, Ida e outras protagonistas - 26/2/2015
04. Quero ser Marina Abramović - 7/5/2015
05. Em noite de lua azul - 6/8/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Lheure de Jesus
Abbé Gaston Coutois
Fleurus
(1952)



Quilombo no Leblon, um - 1ª Edição
Luciana Sandroni
Pallas
(2011)



Direito Eleitoral Descomplicado
Rodrigo Martiniano Ayres Lins
Ferreira
(2012)



Os Sete Passos para a Calma
A. M. Mattews
Ediouro Publicações
(1999)



Perspectivas Em Fisica Vol 2
Daniel Braz / Reginaldo Tadeu dos Santos
Escala Educacional
(2010)



Curso de Direito Comercial Direito de Empresa Volume 3
Fábio Ulhoa Coelho
Saraiva
(2007)



Balanço Encerramento e Análise Volume 1
Roque Jacintho e Eduardo Jacintho
Brasiliense
(1983)



Eletricidade Básica: Teoria e Prática I
Wilson e Kaufman
Rideel



A Casa dos Blessings
Anna Quindlen
Objetiva
(2003)



Curso Direito Internacional Público- Vol 2
Celso D. de Albuquerque
Freitas Bastos
(1982)





busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês