Animismo | Marina Marcondes Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
38448 visitas/dia
955 mil/mês
Mais Recentes
>>> MANU LAFER APRESENTA SHOW NOBODY BUT YOU - TRIBUTO A KIKA SAMPAIO
>>> Sesc Belenzinho recebe a banda E a Terra Nunca me Pareceu Tão Distante
>>> Sesc Belenzinho recebe a atriz e cantora Zezé Motta
>>> Psicólogo lança livro de preparação para concurseiros usando a Terapia Cognitiva-Comportamental
>>> O Sertão na Canção: Guimarães Rosa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
Últimos Posts
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
>>> Nem só de ilusão vive o Cinema
>>> As Expectativas de um Recrutador e um Desempregado
>>> A Independência Angolana além de Pepetela
>>> Porque dizer adeus?
>>> Direções da véspera IV
>>> Direções da véspera IV
>>> A pílula da felicidade
>>> Dispendioso
>>> O mês do Cinemão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Humor: artigo em extinção
>>> Armandinho, o subversivo, versus o Cabeça de Melão
>>> Por que ler poesia?
>>> O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou
>>> Woody Allen
>>> The Second Coming of Steve Jobs, by Alan Deutschman
>>> Como detectar MAVs (e bloquear)
>>> Como detectar MAVs (e bloquear)
>>> 89 FM, o fim da rádio rock
>>> Crítica à arte contemporânea
Mais Recentes
>>> Postal de Alice Springs - um Romance Entre Mulheres de Diana Simmonds pela Gls (1996)
>>> A Linguagem do Meu Filho de Regina Celi Machado Cupello pela Revinter (1993)
>>> Acima de Qualquer Suspeita de Scott Turow pela Record
>>> Pensão Riso da Noite de José Condé pela Record (1987)
>>> Corcovado de Jean-paul Delfino pela Record (2005)
>>> A Ideologia Alemã I Crítica da Filosofia Alemã mais Recente de Karl Marx e Friedrich Engels pela Martins Fontes (1980)
>>> Pássaros de Vôo Curto de Alcione Araújo pela Record (2008)
>>> Metamorfoses do Pássaro - Vol. 3 de Alcione Araújo (autografado) pela Civilização Brasileira (1990)
>>> O Paraíso é uma Questão Pessoal de Richard Bach pela Record (2003)
>>> A Trajetória de um Brabo de Stalin a Giacominho de Evado Diniz pela Record (1984)
>>> O Galo Músico de Fernando Sabino pela Record (1999)
>>> Meio Século de Presença Literária (1919-1969) de Tristão de Athayde pela José Olympio (1969)
>>> O Rei das Estrelas de Edmond Hamilton pela Sabiá (1971)
>>> Um Céu numa Flor Silvestre de Rubem Alves pela Verus (2010)
>>> As Atribulações de uma Caixa de Supermercado de Anna Sam pela Record (2009)
>>> Administração de recursos humanos de Idalberto Chiavenato pela Atlas (1999)
>>> Iracema de José de alencar pela Panda books (2015)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Melhoramentos (2014)
>>> Cultura Brasileira, Temas e situações de Alfredo Bosi pela Ática (2008)
>>> O escravo dos escravos de Rosa freua de carvalho pela Feesp (2012)
>>> Obras completas - volume 7 - O cancioneiro de Dante Alighieri pela Das Américas
>>> Obras completas - volume 9 - O banquete, Da monarquia de Dante Alighieri pela Das Américas
>>> Obras completas - volume 10 - Da monarquia, Da linguagem vulgar, Epístolas, A questão da água e da terra de Dante Alighieri pela Das Américas
>>> Minha Formação de Joaquim Nabuco pela W.M. Jackson (1948)
>>> Deus um Fracasso Amoroso de E. L. Doctorow pela Record (2003)
>>> Os carneiros de Panúrgio de Bezerra de menezes pela Feesp (2012)
>>> Obras completas - volume 5 - A Divina Comédia - O purgatório de Dante Alighieri pela Das Américas
>>> Obras completas - volume 4 - A Divina Comédia - O inferno de Dante Alighieri pela Das Américas
>>> Memórias de um Delegado de Polícia de Renato Augusto de Lima pela Do Autor (1972)
>>> Obras completas - volume 3 - A Divina Comédia - O inferno de Dante Alighieri pela Das Américas
>>> Obras completas - volume 2 - A Divina Comédia - O inferno de Dante Alighieri pela Das Américas
>>> O Pai do Vento - Cordel de Chico Salles pela Graúna
>>> Obras completas - volume 1 - A Divina Comédia - O inferno de Dante Alighieri pela Das Américas
>>> Vie et Règne de l'Amour de Søren Aabye Kierkegaard pela Aubier
>>> Rumo à Cultura de L. Riboulet pela Globo (1960)
>>> No lar e no magistério de Esther Menna Barreto Costa pela Não consta
>>> Amor sem Fim de Ian McEwan pela Companhia das Letras (2001)
>>> Rei Édipo, antígone, Prometeu Acorrentado (Tragédias gregas) de Sófocles, Ésquilo pela Ediouro
>>> OMC Manual Prático da Rodada Uruguai de Ligia Maura Costa pela Saraiva (1996)
>>> Contos de I. L. Peretz de J. Guinsburg pela Perspectiva (2001)
>>> RS: Modernização & Crise na Agricultura de Elomar Tambara pela Mercado Aberto (1983)
>>> Terra: Planeta Em Perigo de Vinícius Bertoletti pela Chiado (2016)
>>> Sociedade e Estado Volume X - Número 2 de Vicente de Paula Faleiros e Outros pela Unb (1995)
>>> Antimémoires de André Malraux pela Gallimard (1967)
>>> Da Matéria dos Sonhos de Rosana Rios pela Saraiva (1995)
>>> O Último Portal de Eliana Martins e Rosana Rios pela Companhia das Letras (2003)
>>> Hqs Quando a Ficção Invade a Realidade de Rosana Rios pela Scipione (2007)
>>> A Pequena Dorrit de Carlos Dickens pela Bruguera (1969)
>>> Jacare-de-papo-amarelo de Rosana Rios pela Scipione (2003)
>>> La Divina Comedia - 2 volumes de Dante Alighieri pela Sopena (1942)
COLUNAS

Sexta-feira, 22/2/2002
Animismo
Marina Marcondes Machado

+ de 11500 Acessos
+ 4 Comentário(s)

O animismo, dito de maneira bem simples, é uma palavra que designa, na psicologia infantil, um modo de ver as coisas do mundo pelas crianças pequenas: trata-se de dar vida aos objetos, de enxergar e se relacionar com a alma das coisas.

Desde o final do ano passado que os publicitários brasileiros, na onda das vendas de Natal, Verão e Carnaval, vêm se utilizando exageradamente de um novo-velho recurso, baseado no animismo. São exemplares: a campanha das Casas Bahia, que apresenta dancinhas e dizeres de "eletrodomésticos vivos" – ou, do ponto de vista do adulto, com homenzinhos fantasiados de eletrodomésticos – e a da cerveja Bavária, onde os copos têem rosto, pés e mãos, e falam a favor daquela cerveja; se é servida dentro dele outra cerveja, o Copo se suicida, o Copo grita, o Copo esperneia, afirma que passará mal... Curiosamente os atores desses comerciais parecem sempre os mesmos, em todo tipo de produto: são pessoas usando touca e com aquela cara de ator de teatro infantil da pior qualidade... o que talvez signifique que foram cadastrados nas agências como: "animistas", ou "homens-coisa", ou os "caras-de-dedo" ! (Já os publicitários das Lojas Marabrás foram mais espertos e não pagaram cachês: na campanha do "Carnaval do Amor", no "Carnaval da Paz", através de uma animação, os eletrodomésticos dançam mesmo, de verdade – não tem um hominho dentro não!!!).

Afinal de contas, com quem este tipo de campanha dialoga? Com a cabeça e o bolso de qual consumidor?

Desconfio que pretenda falar com "a criança interior", com o pequeno animista que haveria em cada marmanjo bebedor de cerveja e em cada marmanja dona de casa; mas o faz de maneira porcalhona, porque direta demais, não se aproximando nem um pouco da criança imaginativa. Muitas crianças revelam um "animismo" cheio de sofisticação, detalhes e matizes – são elas verdadeiras cineastas, pois amam as imagens e compreendem o poder simbólico dos objetos da vida cotidiana. Já os publicitários empobreceram ao máximo esse dom da criança pequena, demonstrando no seu fazer marqueteiro imaturidade maior e inteligência menor que a dos pré-escolares – fizeram daquele dom algo tão padronizado quanto um Carnê do Baú.

Pois, se observarmos de perto a criança e seu modo "animista", compreenderemos que a vida que é dada por ela aos objetos vêem de algo único, pessoal, não generalista; vêem da possibilidade de brincar a vida: sem pragmatismos, tendo todo o tempo do mundo para enxergar, talvez, o sobrenatural que a envolve no vento, na chuva, no sol a pino, no buraco da areia da praia... Mas não é com essa criança-poetiza que o publicitário conversa; ele conversa com "o menino que há no homem" do ponto de vista mercadológico.

O publicitário fala à criança que habita cada adulto e que teria vivido uma infância datada, consumista; conversa com alguém que fez uso de infantilismos para, por exemplo, pedir pro papai comprar aquele boneco que fala e aquele carrinho que anda sozinho... Assim os marqueteiros pressupõem que seus consumidores foram crianças idiotizadas, que já assistiam nas tevês propagandas tolas, feitas inclusive pelos mesmos marqueteiros (ou pelos seus pais? ou avôs?) e que achariam, hoje em dia, delicioso mesmo "imaginar" que tem um hominho no copo das "Bavááárias" que estão tomando.

Mas penso que esta campanha e seu animismo tosco não devem funcionar nem mesmo para aqueles que já estão consumindo cerveja diante da tevê de cada dia: eles que já encheram bem a cara no momento em que entra em cena O Copo, e então aí tomam mesmo "Qualquer Uma" e "A Que Tiver" – pois "Tanto Faz"... E será apenas porque já tomaram todas que essas últimas vão descer quadrado.

Depois, seu filho caçula virá desligar a televisão, e mandará o papai belo adormecido ir dormir na caminha. O caçula é compreensivo com a bebedeira e o cansaço do pai. Sua mãe foi hospitalizada sofrendo uma reação alérgica terrível, no sábado de Carnaval, depois de se masturbar utlizando o sabão em pó Ariel - caixa e pó - com milhares de maridos ideais em seus grãos. Os publicitários teriam esquecido de redigir bula explicitando efeitos colaterais.


Marina Marcondes Machado
São Paulo, 22/2/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As crianças do coração do Brasil de Elisa Andrade Buzzo
02. O que vai ser das minhas fotos? de Ana Elisa Ribeiro
03. Conto de amor tétrico ou o túmulo do amor de Jardel Dias Cavalcanti
04. Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
05. O Hobbit - A Desolação de Smaug de Duanne Ribeiro


Mais Marina Marcondes Machado
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/2/2002
23h05min
Cara Marina O que você chama de animismo também pode ser chamado de prosopopéia, quando no contexto do discurso. Assim não é só a publicidade, mas outros tipos de discurso também utilizam este recurso. Prosopopéia é atribuir características humanas, não necessariamente infantis, a seres inanimados. Alguns dos comerciais que você citou eu conheço. Outros, não. Mas acho um pouco temerário generalizar, atribuindo a todos um caráter idiotizante. O publicitário fala à criança, ao adolescente, enfim, às várias personas que habitam cada ser humano. Mas nem por isso essas personas são "datadas" e sua época essencialmente consumista. Os publicitários falam exatamente aquilo que as pessoas querem ouvir. E quando isso é bem feito, o consumidor sente-se bem e compra - um produto, uma idéia, uma causa social... O recurso da prosopopéia é utilizado há muito mais tempo do que o fim do ano passado. Talvez você não tenha percebido ele antes. Mais ainda: diria que você sentiu essa aversão tão grande por não ser exatamente o público-alvo desses comerciais que citou. Não conheço o desempenho dessas marcas em função da campanha publicitária, mas a maioria delas conta com bons profissinais, e acredito que deram bons resultados aos anunciantes. Me inquieta um pouco essa crítica generalizada à publicidade e aos publicitários. Assim como existe má publicidade e maus publicitários, existem maus psicólogos, maus médicos, maus dentistas... Quando os publicitários erram, pelo menos o dano é menor do que quando um dos outros profissionais acima comete um engano. Já imaginou uma psicóloga radical, que estrago não faz na cabeça de seu paciente? Só para finalizar, não acredito que o sabão Ariel vá levar as mulheres a um desejo de se masturbar. Acredito que esse é um dos poucos comerciais que realmente mostra a realidade feminina atual: apesar de toda liberação, de toda independência, a mulher vive um eterno conflito para manter o equilíbrio entre o relacionamento com o companheiro e a necessidade (e direito) que tem de ter a ajuda dele. O comercial do Ariel é muito realista: seu marido não ajuda em casa? Você quer se separar dele? É claro que não! Você quer fazer tudo sozinha? É claro que não! Ariel passa a mensagem de que é a solução para esse impasse. Como já disse antes, provavelmente você não é o público-alvo desse comercial, e por isso sentiu tanta aversão, mas talvez esteja sendo um pouco radical. Gostaria de lembrar que as regressões, as brincadeiras, as dinâmicas de grupo utilizadas pelos psicólogos, e que são essencialmente animistas, também acabam sendo ridículas e "forçam a barra". Mas a psicologia se atribui um fundamento científico, que muitas vezes é o mesmo da publicidade. Para você saber mais, se for do seu interesse, leia sobre comportamento do consumidor. Você vai ver como tudo tem a mesma origem. Só a título de curiosidade: "marqueteiro" (apesar de o termo ser meio pejorativo) é o profissional que trabalha com marketing. O profissional que trabalha com publicidade chama-se publicitário. Publicidade é uma das ferramentas do marketing, não são a mesma coisa.
[Leia outros Comentários de Adriana]
23/2/2002
10h27min
Adriana, Penso que os artigos no “Digestivo...” devem gerar conversa entre as pessoas que circulam pelo site. Por isso é muito bom que você tenha escrito sobre meu texto intitulado “Animismo”. Com esse texto eu não pretendia fazer análises profundas sobre publicidade, mas, antes, queria falar sobre -- justamente -- o que você nomeoou “público-alvo”. Minha pretensão era chamar a atenção do leitor sobre a criança (que eu penso que de fato habita cada pessoa) e a criança específica com a qual aqueles comerciais se comunicavam. De certo ponto de vista, sim, os comerciais falarão com a criança “certa” do público-alvo “certo”, mas, você não acha importante que tanto o consumidor “certo” quanto o “errado” possam ter visão crítica daquilo que o intervalo comercial está lhe propondo consumir? O negócio é pensar, e fazer pensar, e existem peças publicitárias bastante “pensadoras”, é como eu penso, mas essas aí que eu citei... e se comento sobre a mulher que vai se masturbar com o sabão em pó, é apenas para colocar o leitor noutro lugar, noutro ponto de vista, e brincar com ele... Mas há algo no que você diz que eu realmente discordo: a meu ver hoje estamos numa “época consumista”, sim, e fazê-la diferente faz parte da vida de algumas pessoas. Eu mesma exerço a Psicologia como profissão para tentar mudar isso, e não “creio” nas pesquisas sobre consumo e consumidores, simplesmente porque são realizadas com o foco no consumo (aumentar as vendas e transformar os produtos) e não no consumidor (fazer do consumidor uma pessoa crítica??!!). Devo dizer, para terminar, que “dinâmicas” propostas por psicólogos geralmente forçam mesmo a barra: da mesma forma que afirmar que a psicologia é científica é forçar uma barra também, no meu modo de pensar -- a psicologia é muito incerta e desconhece muitas de suas variáveis... Você não concordaria?
[Leia outros Comentários de Marina M. Machado]
26/2/2002
22h24min
Entendo seu ponto de vista, e concordo quando você fala na necessidade de desenvolver uma postura crítica tanto na criança quanto no adulto. Sou contra o oba-oba na TV, mas acho que a construção dessa postura deve vir da educação básica, dentro de casa, e depois das instituições que teoricamente estão preparadas para isso. Assim como as pessoas sempre estarão em contato com outras que talvez não representem uma boa influência, também estarão sujeitas à manipulação dos livros, das revistas, dos jornais, da política, de maus profissionais, e também da propaganda. Também concordo que a época é consumista, mas a época é perniciosa em outros aspectos. Acredito que a publicidade, exercida com ética, não prejudica ninguém. Até porque, você sabe, ninguém faz o que não quer. Mas vai da estrutura de cada um ser mal influenciado ou não pela publicidade, pelos meios de comunicação, pelas pessoas, etc.
[Leia outros Comentários de Adriana]
27/2/2002
09h05min
Adriana, Será mesmo que “ninguém faz o que não quer”?? (Você acompanhou nos jornais a trajetória da secretária do Hitler, que acabou de falecer, e que filmou um longa metragem pouco antes??) No meu ponto de vista, a “estrutura de cada um” é construída, tijolo sobre tijolo, da gravidez da mãe até a própria morte --. E a estrutura da cidade, do estado, do país e do planeta...também é processual, até o fim. Por isso é bom ter antenas e captar tudo que for possível, filtrar o que se acha interessante, “deletar” toda a merda, etc e tal -- mas só dá prá ter atitude crítica para deletar a merda quando se arquitetou os tijolos e o cimento de uma maneira mais ou menos sólida: se não vem o lobo mau e assopra a casa de palha, e a outra de madeira também... Como fazê-lo? Como não fazê-lo??
[Leia outros Comentários de Marina M. Machado]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CAMBIO: FORMACIÓN Y SOLUCIÓN DE LOS PROBLEMAS HUMANOS (2308)
PAUL WATZLAWICK E OUTROS
HERDER
(2007)
R$ 90,00



A UNIFICAÇÃO DA EUROPA
VAMIREH CHACON
SCIPIONE
(1992)
R$ 6,00



LIVRO NADA A PERDER 1
EDIR MACEDO
PLANETA
(2012)
R$ 12,00



NOVO TESTAMENTO
D. VICENTE M. ZIONI E PE. E. TINTORI
EDIÇÕES PAULINAS
(1969)
R$ 80,00
+ frete grátis



TEOLOGIA DO CATIVEIRO E DA LIBERTAÇÃO
LEONARDO BOFF
CÍRCULO DO LIVRO
(1989)
R$ 24,00



LA PSYCHOLOGIE DIFFERENTIELLE
HENRI PIERÓN
PRESSES UNIVERSITAIRES
(1949)
R$ 26,82



REPRESENTAÇÕES E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS PARA AS ESCOLAS DE FRONTEIRA
GREICI LENIR REGINATTO CAÑETE
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



COMO A MÚSICA FICOU GRÁTIS - O FIM DE UMA INDUSTRIA... 1ª EDIÇÃO
STEPHEN WITT
INTRÍNSECA
(2015)
R$ 18,00



SUPERE-SE SEXUALMENTE
SARAH BREWER
MANOLE
(1998)
R$ 10,00



HOMENS DE NEGÓCIO, COMPANHIAS E COMÉRCIO
CLARA DE A. FARIAS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00





busca | avançada
38448 visitas/dia
955 mil/mês