Curiosidades da Idade Média | Pedro Paulo Rocha | Digestivo Cultural

busca | avançada
38609 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FÁBRICA DE CALCINHA, PARTE DA MOSTRA CENA SUL, EM TRÊS APRESENTAÇÕES NO SESC BELENZINHO
>>> PROJETO MÚSICA EXTREMA, DO SESC BELENZINHO, TRAZ EM MARÇO A BANDA REFFUGO, DE DEATH METAL
>>> ESPETÁCULO DE DANÇA ENCHENTE, COM DIREÇÃO DE FLAVIA PINHEIRO (PE), EM TRÊS DATAS NO SESC BELENZINHO
>>> EU e MÁRIO DE ANDRADE Livro de Anotações para Viagens Reais e Imagin
>>> Atom Pink Floyd Tribute retorna ao Rio Grande do Sul
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Latitudes & Longitudes
>>> Renovação
>>> Prefácio
>>> Descendências
>>> Nem mais nem menos
>>> Profissão de fé
>>> Direções da véspera III
>>> Mirante
>>> In Albis
>>> Mulher, ontem hoje e sempre
Blogueiros
Mais Recentes
>>> LONDON LONDRES
>>> Lembrando a Tribo
>>> A grama do vizinho
>>> Um raio-x da violência
>>> Sobre o som e a fúria
>>> Comic Riffs
>>> Picasso versus Duchamp e a crise da arte atual
>>> Meu assassino
>>> Circo Roda Brasil
>>> Música do acaso
Mais Recentes
>>> To The Lighthouse de Virgina Woolf pela Wordsworth Classics (2002)
>>> La Jeune Fille À La Perle de Tracy Chevalier pela Folio (2014)
>>> Le Petit Nicolas de Sempé-Goscinny pela Folio (2012)
>>> The Rise of The Islamic State de Patrick Cockburn pela Verso (2015)
>>> The Wonderful Wizard of Oz de L. Frank Baum pela Barnes & Noble (2005)
>>> Gaudy Night de Dorothy L. Sayers pela Bourbon St Books (2012)
>>> The Murder of Roger Ackroyd de Agatha Christie pela Harper (2002)
>>> Dicionário de Sonhos de Zolar pela Nova Era (2009)
>>> PODEROSA - Diário de Uma Garota que Tinha O Mundo Na Mão de Sérgio Klein pela Fundamento (2006)
>>> Um Plano Simples de Scott Smith pela Companhia das Letras (1993)
>>> Ruth Rocha Conta a Odisséia de Ruth Rocha pela Companhia das Letrinhas (2006)
>>> Ruth Rocha Conta a Ilíada de Ruth Rocha pela Companhia das Letrinhas (2007)
>>> As Aventuras do Barão de Munchausen de Rudolf Erich Raspe pela Iluminuras (2010)
>>> O Fantástico Mistério de Feiurinha de Pedro Bandeira pela FTD (1999)
>>> Lisbela e o Prisioneiro de Osman Lins pela Planeta (2015)
>>> Mídia - Propaganda Política e Manipulação de Noam Chomsky pela Martins Fontes (2013)
>>> Reinações de Narizinho de Monteiro Lobato pela Brasiliense (2001)
>>> Caçadas de Pedrinho de Monteiro Lobato pela Brasiliense (2004)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca (2007)
>>> As Brumas de Avalon 4 - O Prisioneiro da Árvore de Marion Zimmer Bradley pela Imago (2008)
>>> As Brumas de Avalon 3 - O Gamo-Rei de Marion Zimmer Bradley pela Imago (2008)
>>> As Brumas de Avalon 2 - A Grande Rainha de Marion Zimmer Bradley pela Imago (2008)
>>> As Brumas de Avalon 1 - A Senhora da Magia de Marion Zimmer Bradley pela Imago (2008)
>>> Política Para Não Ser Idiota de Mario Sergio Cortella, R. Janine Ribeiro pela Papirus (2007)
>>> Penelope de Marilyn Kaye pela Galera Record (2008)
>>> Memórias de Um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela BestBolso (2010)
>>> Eu Sou Malala de Malala Yousafzai pela Companhia das Letras (2013)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Martin Claret (2010)
>>> Histórias Brasileiras de Verão de Luis Fernando Verissimo pela Objetiva (2002)
>>> Minhas Memórias de Lobato de Luciana Sandroni pela Companhia das Letrinhas (2002)
>>> Diários do Vampiro - O Confronto de L. J. Smith pela Galera Record (2012)
>>> Diários do Vampiro - O Despertar de L. J. Smith pela Galera Record (2009)
>>> Minha Luta 1 - A Morte do Pai de Karl Ove Knausgaard pela Relógio D'Água (2009)
>>> Viagem ao Centro da Terra de Júlio Verne pela L&PM POCKET (2006)
>>> A Volta ao Mundo em 80 Dias de Júlio Verne pela L&PM POCKET (2005)
>>> As Mil e Uma Noites (Adaptação) de Julieta de Godoy Ladeira pela Scipione (2000)
>>> A Biblioteca Mágica de Bibbi Bokken de Jostein Gaarder & Klaus Hagerup pela Companhia das Letras (2003)
>>> Doidinho de José Lins do Rego pela José Olympio (2007)
>>> Til de José de Alencar pela Martin Claret (2012)
>>> A Viuvinha de José de Alencar pela FTD (1999)
>>> Iracema de José de Alencar pela Árica (2009)
>>> Capitães da Areia de Jorge Amado pela Companhia das Letras (2008)
>>> O Gênio do Crime de João Carlos Marinho pela Global (2009)
>>> O Gênio do Crime de João Carlos Marinho pela Global (2005)
>>> Segredos da Minha Vida em Hollywood de Jen Calonita pela Galera Record (2007)
>>> O Apanhador no Campo de Centeio de J. D. Salinger pela Editora do Autor
>>> Ilusões Perdidas de Honoré Balzac pela Companhia das Letras (2002)
>>> Minha Vida de Menina de Helena Morley pela Companhia das Letras (2005)
>>> O Mistério das Bolas de Gude de Gilberto Dimenstein pela Papirus (2006)
>>> Pietr, O Letão de Georges Simenon pela Companhia das Letras (2014)
COLUNAS

Quarta-feira, 4/12/2002
Curiosidades da Idade Média
Pedro Paulo Rocha

+ de 36800 Acessos
+ 9 Comentário(s)

Durante a idade média, a maioria se casava no mês de junho (início do verão, para eles), porque, como tomavam o primeiro banho do ano em maio, em junho o cheiro ainda estava mais ou menos suportável.

Entretanto, como já começavam a exalar alguns "odores", as noivas tinham o costume de carregar buquês de flores junto ao corpo, para disfarçar. Daí termos em maio o "mês das noivas" e a origem do buquê explicadas.

Os banhos eram tomados numa única tina, enorme, cheia de água quente. O chefe da família tinha o privilégio do primeiro banho na água limpa.

Depois, sem trocar a água, vinham os outros homens da casa, por ordem de idade, as mulheres, também por idade e, por fim, as crianças. Os bebês eram os últimos a tomar banho.

Quando chegava a vez deles, a água da tina já estava tão suja que era possível perder um bebê lá dentro. É por isso que existe a expressão em inglês "don't throw the baby out with the bath water", ou seja, literalmente "não jogue fora o bebê junto com a água do banho", que hoje usamos para os mais apressadinhos...

Os telhados das casas não tinham forro e as madeiras que os sustentavam eram o melhor lugar para os animais se aquecerem; cães, gatos e outros animais de pequeno porte como ratos e besouros. Quando chovia, começavam as goteiras e os animais pulavam para o chão. Assim, a nossa expressão "está chovendo canivetes" tem o seu equivalente em inglês em "it's raining cats and dogs".

Para não sujar as camas, inventaram uma espécie de cobertura, que se transformou no dossel.

Aqueles que tinham dinheiro possuíam pratos de estanho. Certos tipos de alimentos oxidavam o material, o que fazia com que muita gente morresse envenenada - lembremo-nos que os hábitos higiênicos da época não eram lá grande coisa...

Isso acontecia freqüentemente com os tomates, que, sendo ácidos, foram considerados, durante muito tempo, como venenosos.

Os copos de estanho eram usados para beber cerveja ou uísque. Essa combinação, às vezes, deixava o indivíduo "no chão" (numa espécie de narcolepsia induzida pela bebida alcoólica e pelo óxido de estanho). Alguém que passasse pela rua poderia pensar que ele estava morto, portanto recolhia o corpo e preparava o enterro. O corpo era então colocado sobre a mesa da cozinha por alguns dias e a família ficava em volta, em vigília, comendo, bebendo e esperando para ver se o morto acordava ou não. Daí surgiu a vigília do caixão.

A Inglaterra é um país pequeno, e nem sempre houve espaço para enterrar todos os mortos. Então, os caixões eram abertos, os ossos tirados e encaminhados ao ossário, e o túmulo era utilizado para outro infeliz.

Às vezes, ao abrir os caixões, percebiam que havia arranhões nas tampas, do lado de dentro, o que indicava que aquele morto, na verdade, tinha sido enterrado vivo. Assim, surgiu a idéia de, ao fechar os caixões, amarrar uma tira no pulso do defunto, tira essa que passava por um buraco no caixão e ficava amarrada num sino.

Após o enterro, alguém ficava de plantão ao lado do túmulo durante uns dias. Se o indivíduo acordasse, o movimento do braço faria o sino tocar. Assim, ele seria "saved by the bell", ou "salvo pelo gongo", como usamos hoje..."


Pedro Paulo Rocha
Curitiba, 4/12/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
02. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês de Jardel Dias Cavalcanti
03. Nunca fomos tão vulgares de Julio Daio Borges
04. Regras de civilidade (ou de civilização) de Julio Daio Borges
05. Apresentação - Luís Fernando Amâncio de Luís Fernando Amâncio


Mais Pedro Paulo Rocha
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/12/2002
09h10min
Normalmente se associa este período da história como algo tenebroso, sofrido ao extremo e que não vale a pena ser lembrado a não ser como um mote para pilhérias rizíveis do "modo atrasado" de vida. Para aqueles que só "relatam" e enfatizam este lado desta trama complexa que é a vida, o medievo é tão "medieval" que passa a ser um indivíduo pré-histórico; para os "historiadores" não havia nada de bom, muito menos de aproveitável. Concordo com as dificuldades da vida daqueles tempos, o que questiono é que NUNCA vi alguém falar sobre algo diferente disso! Que tal falar da cavalaria? Das universidades? Da produção intelectual? Da Igreja? (com relação a este último ítem, não vale o manjadísimo "instituição opressora": já está muito "manjado"! Para uma salutar desintoxicação sugiro Jan Huizinga com o seu "Outono da Idade Média", qualquer obra de Sto Tomás, São João da Cruz, Sta Tereza D"Ávila ou o "moderno" Chesterton com as suas biografias de São Francisco e Sto Tomás. Antres de rir poderíamos questionar: será que o período moderno, só por ser mais "atual" é o juiz e padrão de toda a história?
[Leia outros Comentários de marcus m l pimenta]
9/12/2002
13h55min
Será que o período moderno, só por ser mais "atual" é o juiz e padrão de toda a história? Sim, é.
[Leia outros Comentários de Bob Dobbs]
10/12/2002
13h22min
"Salvo pelo gongo" me reportava a uma luta de boxe na qual um pugilista, prestes a ser nocauteado era salvo pelo sino que indicava tempo esgotado. Coincidência?
[Leia outros Comentários de Júlio César Ramos]
13/12/2002
18h50min
Caro Bob, só agora encontrei a sua postagem nos comentários ao texto. Peço desculpas pela demora. Com todo o respeito que lhe devo vou lhe fazer uma pergunta: Porque? A "autoevidência" cronotótipa e "umbigocêntrica" de nós contemporâneos no julgamento de tudo e todos não vale! A pretença superioridade "moderna" com algo de "final [ou seria, finada?] de evolução precisa ser melhor explicada. Um "sim" não justifica. Um abraço fraterno; MARCUS PIMENTA
[Leia outros Comentários de marcus m l pimenta]
13/12/2002
5. Ypon
18h59min
Caro Julio, minhas desculpas extensíveis ao outro amigo por só agora ter visto a sua postagem. Os grandes campeões de lutas - principalmente os de artes marciais - estudam as lutas dos "antigos" campeões para aprimorar suas técnicas de combate. Olhando e aprendendo com os "mestres de sempre", isto é, de TODOS os tempos, eles melhoram na Arte da luta. Uma técnica de projeção, uma pegada, uma empunhadura, um ataque, uma defesa, um contra-golpe... tudo pode-se aprender com respeito e humildade para quem tem tanto para nos ensinar.
[Leia outros Comentários de marcus m l pimenta]
23/3/2006
07h21min
Nossa... que história estranha e esquisita! Nós achamos muito engraçada também. Entramos neste site porque estamos na aula de computação de história. É legal sabermos que, na Idade Média, as coisas eram desse jeito. E é bem legal, também, saber que hoje existem pessoas que se preocupam em passar esse tipo de informação... Parabéns!!!
[Leia outros Comentários de Marina e Lizandra]
23/3/2006
10h05min
Colegas da aula de computação, aproveitem bem! Pois, na prova, pode cair este conteudo...
[Leia outros Comentários de maria karoline cris]
23/3/2006
10h08min
estamos em um grupo de estudos, todos gostaram mt! teve horas q rimos tb mt! gostaria de ver mais coisas engraçadas, como essas!thauzim
[Leia outros Comentários de camila e flávia]
23/3/2006
10h11min
Muito legal mas uma nojeira... Achamos que não conseguiriamos viver naquela época. Lorena e Fernanda
[Leia outros Comentários de Lorena e Fernanda]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O MONOPÓLIO DO CRIME: OS ESTRANHOS LAPSOS DE LARRY LOMAN
EDGAR WALLACE
FRANCISCO ALVES
(1993)
R$ 21,28



SCENE DESIGN - A GUIDE TO THE STAGE (EM INGLÊS) - TEATRO - CENOGRAFIA
HENNING NELMS
DOVER PUBLICATIONS, INC. NEW YORK
(1970)
R$ 50,00



AMOR ALÉM DA VIDA
RICHARD MATHESON
BUTTERFLY
(2018)
R$ 13,00



EXPLICANDO A ARTE BRASILEIRA
LUCÍLIA GARCEZ & JÔ OLIVEIRA
EDIOURO
(2003)
R$ 20,00



VIVENDO O EVANGELHO - 2 VOLUMES
ANTONIO BADUY FILHO, ANDRE LUIZ
IDE
(2010)
R$ 50,00



O CAÇADOR DE PIPAS
KHALED HOSSEINI
NOVA FRONTEIRA
(2003)
R$ 10,00



A LEITURA DO JORNAL NA SALA DE AULA: DIALOGISMO E ALTERIDADE
EDILAINE VIEIRA LOPES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



O CRIME DO PADRE SÓRIO: MAÇONARIA E IGREJA CATÓLICA NO RIO GRANDE DO
LUIZ EUGÊNIO VÉSCIO
UFSM
(2001)
R$ 22,90



A ROUPA E A MODA (UMA HISTÓRIA CONCISA)
JAMES LAVER
COMPANHIA DAS LETRAS
(1989)
R$ 45,00



DIÁLOGO INTER-RELIGIOSO: FUNDAMENTO À PRÁTICA NO ENSINO RELIGIOSO
RUDINEI LASCH
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 167,00





busca | avançada
38609 visitas/dia
1,1 milhão/mês