Curiosidades da Idade Média | Pedro Paulo Rocha | Digestivo Cultural

busca | avançada
64351 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
>>> BATA ANTES DE ENTRAR
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O humor é como as marés, ora sobe ora desce
>>> Guimarães Rosa em Buenos Aires
>>> Festival de Curitiba 2010
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
>>> O INVISÍVEL
>>> Meu reino por uma webcam
>>> De louco todos temos um pouco
>>> Doces Cariocas
>>> A imaginação educada, de Northrop Frye
>>> Weezer & Tears for Fears
Mais Recentes
>>> O Profissional Competitivo de Carlos Roberto Faccina pela Elsevier (2006)
>>> Gerenciamento de Riscos Em Projetos de Carlos Alberto Corrêa Salles Jr. e Outros pela Fgv (2009)
>>> A Barcarola de Pablo Neruda pela L&pm (1983)
>>> A História da Educação Através dos Textos de Maria da Glória de Rosa pela Cultrix (1980)
>>> Maria de Cada Porto de Moacir C. Lopes pela Quartet (2002)
>>> Despertar de Amanda Hocking pela Planeta (2012)
>>> Minidicionário Italiano de Michaelis pela Melhoramento (2004)
>>> O Cosmos das Cores de Gunter Kollert pela Goethe
>>> Diário de um Cucaracha o Edição Especial para Mulheres de Henfil pela Record
>>> Os Tempos do Coração de Willy Pasini pela Rocco (2003)
>>> Auto da Barca do Inferno de Gil Vicente pela Atelie (1996)
>>> O Brasil Que da Certo: o Novo Ciclo de Crescimento, 1994-2005 de Stephen C Kanitz pela Makron Books (1994)
>>> As Minhas Ilhas de Felipe Daiello pela Age (2006)
>>> O Cidadão De Papel de Gilberto Dimenstein pela Ática (1997)
>>> Casamento Aberto as Novas Relações Conjugais de O Neill Nena e George pela Artenova
>>> Home Remedies What Works de Gale Maleskey; Brian Kaufman pela Rodale
>>> Dragon En El Tazon, Un de Roser Rius; Maria Isabel San Martin pela Bruno Arg (2006)
>>> Manual de Direito Penal V. 3 de Julio Fabbrini Mirabete; Renato N. Fabbrini pela Atlas (2007)
>>> Acupuntura de Terapia Alternativa a Especialidade Médica de Dr. Hongg Jin Pai pela Ceimec (2005)
>>> Os Pensadores - Maquiavel de Nova Cultural pela Nova Cultural (1999)
>>> Como Falar Corretamente e sem Inibições de Reinaldo Polito pela Saraiva
>>> Les Songes Superbes de Théodore Sturgeon pela Presses Pocket (1978)
>>> A História dos Bancos no Brasil de Alexis Cavicchini pela Cop (2007)
>>> A Alma de uma Cidade de Renato Sérgio pela Ediouro (2000)
>>> The Theory of Incentives: the Principal Agent Model de Jean Jacques Laffont; David Martimort pela Princeton University (2002)
COLUNAS

Quarta-feira, 4/12/2002
Curiosidades da Idade Média
Pedro Paulo Rocha

+ de 40000 Acessos
+ 9 Comentário(s)

Durante a idade média, a maioria se casava no mês de junho (início do verão, para eles), porque, como tomavam o primeiro banho do ano em maio, em junho o cheiro ainda estava mais ou menos suportável.

Entretanto, como já começavam a exalar alguns "odores", as noivas tinham o costume de carregar buquês de flores junto ao corpo, para disfarçar. Daí termos em maio o "mês das noivas" e a origem do buquê explicadas.

Os banhos eram tomados numa única tina, enorme, cheia de água quente. O chefe da família tinha o privilégio do primeiro banho na água limpa.

Depois, sem trocar a água, vinham os outros homens da casa, por ordem de idade, as mulheres, também por idade e, por fim, as crianças. Os bebês eram os últimos a tomar banho.

Quando chegava a vez deles, a água da tina já estava tão suja que era possível perder um bebê lá dentro. É por isso que existe a expressão em inglês "don't throw the baby out with the bath water", ou seja, literalmente "não jogue fora o bebê junto com a água do banho", que hoje usamos para os mais apressadinhos...

Os telhados das casas não tinham forro e as madeiras que os sustentavam eram o melhor lugar para os animais se aquecerem; cães, gatos e outros animais de pequeno porte como ratos e besouros. Quando chovia, começavam as goteiras e os animais pulavam para o chão. Assim, a nossa expressão "está chovendo canivetes" tem o seu equivalente em inglês em "it's raining cats and dogs".

Para não sujar as camas, inventaram uma espécie de cobertura, que se transformou no dossel.

Aqueles que tinham dinheiro possuíam pratos de estanho. Certos tipos de alimentos oxidavam o material, o que fazia com que muita gente morresse envenenada - lembremo-nos que os hábitos higiênicos da época não eram lá grande coisa...

Isso acontecia freqüentemente com os tomates, que, sendo ácidos, foram considerados, durante muito tempo, como venenosos.

Os copos de estanho eram usados para beber cerveja ou uísque. Essa combinação, às vezes, deixava o indivíduo "no chão" (numa espécie de narcolepsia induzida pela bebida alcoólica e pelo óxido de estanho). Alguém que passasse pela rua poderia pensar que ele estava morto, portanto recolhia o corpo e preparava o enterro. O corpo era então colocado sobre a mesa da cozinha por alguns dias e a família ficava em volta, em vigília, comendo, bebendo e esperando para ver se o morto acordava ou não. Daí surgiu a vigília do caixão.

A Inglaterra é um país pequeno, e nem sempre houve espaço para enterrar todos os mortos. Então, os caixões eram abertos, os ossos tirados e encaminhados ao ossário, e o túmulo era utilizado para outro infeliz.

Às vezes, ao abrir os caixões, percebiam que havia arranhões nas tampas, do lado de dentro, o que indicava que aquele morto, na verdade, tinha sido enterrado vivo. Assim, surgiu a idéia de, ao fechar os caixões, amarrar uma tira no pulso do defunto, tira essa que passava por um buraco no caixão e ficava amarrada num sino.

Após o enterro, alguém ficava de plantão ao lado do túmulo durante uns dias. Se o indivíduo acordasse, o movimento do braço faria o sino tocar. Assim, ele seria "saved by the bell", ou "salvo pelo gongo", como usamos hoje..."


Pedro Paulo Rocha
Curitiba, 4/12/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dilbert de Nemo Nox


Mais Pedro Paulo Rocha
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/12/2002
09h10min
Normalmente se associa este período da história como algo tenebroso, sofrido ao extremo e que não vale a pena ser lembrado a não ser como um mote para pilhérias rizíveis do "modo atrasado" de vida. Para aqueles que só "relatam" e enfatizam este lado desta trama complexa que é a vida, o medievo é tão "medieval" que passa a ser um indivíduo pré-histórico; para os "historiadores" não havia nada de bom, muito menos de aproveitável. Concordo com as dificuldades da vida daqueles tempos, o que questiono é que NUNCA vi alguém falar sobre algo diferente disso! Que tal falar da cavalaria? Das universidades? Da produção intelectual? Da Igreja? (com relação a este último ítem, não vale o manjadísimo "instituição opressora": já está muito "manjado"! Para uma salutar desintoxicação sugiro Jan Huizinga com o seu "Outono da Idade Média", qualquer obra de Sto Tomás, São João da Cruz, Sta Tereza D"Ávila ou o "moderno" Chesterton com as suas biografias de São Francisco e Sto Tomás. Antres de rir poderíamos questionar: será que o período moderno, só por ser mais "atual" é o juiz e padrão de toda a história?
[Leia outros Comentários de marcus m l pimenta]
9/12/2002
13h55min
Será que o período moderno, só por ser mais "atual" é o juiz e padrão de toda a história? Sim, é.
[Leia outros Comentários de Bob Dobbs]
10/12/2002
13h22min
"Salvo pelo gongo" me reportava a uma luta de boxe na qual um pugilista, prestes a ser nocauteado era salvo pelo sino que indicava tempo esgotado. Coincidência?
[Leia outros Comentários de Júlio César Ramos]
13/12/2002
18h50min
Caro Bob, só agora encontrei a sua postagem nos comentários ao texto. Peço desculpas pela demora. Com todo o respeito que lhe devo vou lhe fazer uma pergunta: Porque? A "autoevidência" cronotótipa e "umbigocêntrica" de nós contemporâneos no julgamento de tudo e todos não vale! A pretença superioridade "moderna" com algo de "final [ou seria, finada?] de evolução precisa ser melhor explicada. Um "sim" não justifica. Um abraço fraterno; MARCUS PIMENTA
[Leia outros Comentários de marcus m l pimenta]
13/12/2002
5. Ypon
18h59min
Caro Julio, minhas desculpas extensíveis ao outro amigo por só agora ter visto a sua postagem. Os grandes campeões de lutas - principalmente os de artes marciais - estudam as lutas dos "antigos" campeões para aprimorar suas técnicas de combate. Olhando e aprendendo com os "mestres de sempre", isto é, de TODOS os tempos, eles melhoram na Arte da luta. Uma técnica de projeção, uma pegada, uma empunhadura, um ataque, uma defesa, um contra-golpe... tudo pode-se aprender com respeito e humildade para quem tem tanto para nos ensinar.
[Leia outros Comentários de marcus m l pimenta]
23/3/2006
07h21min
Nossa... que história estranha e esquisita! Nós achamos muito engraçada também. Entramos neste site porque estamos na aula de computação de história. É legal sabermos que, na Idade Média, as coisas eram desse jeito. E é bem legal, também, saber que hoje existem pessoas que se preocupam em passar esse tipo de informação... Parabéns!!!
[Leia outros Comentários de Marina e Lizandra]
23/3/2006
10h05min
Colegas da aula de computação, aproveitem bem! Pois, na prova, pode cair este conteudo...
[Leia outros Comentários de maria karoline cris]
23/3/2006
10h08min
estamos em um grupo de estudos, todos gostaram mt! teve horas q rimos tb mt! gostaria de ver mais coisas engraçadas, como essas!thauzim
[Leia outros Comentários de camila e flávia]
23/3/2006
10h11min
Muito legal mas uma nojeira... Achamos que não conseguiriamos viver naquela época. Lorena e Fernanda
[Leia outros Comentários de Lorena e Fernanda]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Fidalgos da Casa Mourisca
Júlio Dinis
Europa América
(1972)



O Toró: Col. Bum - Bum - Que - Te - Bum - Bum - Bum / 2ª Ed
Ivan Zigg; Regina Siguemoto
Do Brasil
(2008)



Isso ninguém me tira
Ana Maria Machado
Ática
(1996)



O Maior Segredo do Mundo
Og Mandino
Record
(1979)



Box Teologia do Corpo + Livreto: o Papa das Multidões e a Loja do Ouri
São João Paulo II
Minha Biblioteca Católica
(2021)



Nova Guiné - As Regiões Selvagens do Mundo
Time Life
Time Life
(1975)



TOC: transtorno obsessivo-compulsivo
Dan J. Stein / Maomi A. Fineberg
Med
(2009)



Coleção de Olho no Mundo Meios de Transporte (2000)
Abril
Abril
(2000)



Marketing no Setor Público
Philip Kotler - Nancy Lee
Bookman
(2008)



A Mulher Muçulmana Segundo o Alcorão
Paulo Eduardo Oliveira
Palavras & Imagem
(2001)





busca | avançada
64351 visitas/dia
1,8 milhão/mês