Comentários de Roberto Valderramos | Digestivo Cultural

busca | avançada
62879 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Um Recital para Ariano - com Antônio Nóbrega
>>> Coletiva de Arte Naïf | Galeria Jacques Ardies
>>> Cia O Grito evoca os fantasmas do teatro em nova peça
>>> Meu Reino por um Cavalo faz temporada online a partir de 2 de dezembro
>>> Rosas Periféricas apresenta espetáculos sobre memórias e histórias do Parque São Rafael
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As novas estantes virtuais
>>> Minha história com Philip Roth
>>> O momento do cinema latino-americano
>>> Jovens blogueiros, envelheçam
>>> Escritor e Fisiculturista
>>> Aforismos com juízo
>>> Encontros (e desencontros) com Daniel Piza
>>> Quando uma moto se apaixona
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> A Serbian Film: Indefensável?
Mais Recentes
>>> Know-how (lacrado) de Ram Charan pela Campus (2019)
>>> 100 Textos de Historia Chinesa de Andre Bueno pela União da Vitoria (2011)
>>> Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários a Prática Educativa de Paulo Freire pela Paz & Terra (2019)
>>> A Guerra Particular de Lenin (lacrado) de Lesley Chamberlain pela Record (2008)
>>> Para uma Nova Ciência de Steven Rose pela Gradiva (1989)
>>> A Rede de Amigos de Stefan Zweig - Sua Última Agenda de Alberto Dines, Israel Beloch Kristina Michaelles pela Memoria Brasil (2014)
>>> Principes Mathematiques de La Philosofihe Naturelle 2vol de Issac Newton pela Albert Blanchard (1966)
>>> Educação e Emancipação de Theodor W. Adorno pela Paz & Terra (2008)
>>> Filosofia e Literatura - o Trágico de Hans U. Gumbrecht e Outros pela Jorge Zahar (2001)
>>> Empresas Fora de Série (lacrado) de Rosabeth Kanter pela Alta Books (2017)
>>> O Problema do Populismo : Teoria, Política e Mobilização de Felipe Ziotti Narita pela Paco (2019)
>>> Épouvante et Surnaturel En Littérature de Hp Lovecraft / Trad Bernard da Cost pela Christian Bourgois (1969)
>>> Religião e Sociedade (volume 21 - Número 1 de Vários Autores pela Iser (1977)
>>> A Experiencia da Lei e a Lei da Experiencia - Ensaios Sobre Práticas de Mériti de Souza - Autografado pela Revan (1999)
>>> Governança Democratica e Poder Local de Sergio de Azevedo e Outros pela Revan (2004)
>>> O Liberalismo na Península Ibérica-século XIX de Estudos de História Contemporânea Portuguesa pela Sa da Costa (1981)
>>> Mechanics in the Seventeenth Century de Rene Dugas pela Griffon (1958)
>>> Entretien Entre D Alembert et Diderot de Denis Diderot pela Flamarion (1965)
>>> Impiedosas de Sara Shepard pela Rocco (2012)
>>> L Ethique et La Vie de France Quere pela Points (1991)
>>> A Manha do Barão (lacrado) de Ipojuca Pontes pela Girafa (2008)
>>> Ensayo de una Nueva Teoria de La Vision de Berkeley pela Aguilar (1973)
>>> A Teoria do Delito e o Código Penal Brasileiro de Ronaldo Tanus Madeira pela Liber Juris (1994)
>>> Bioética de Claudio Cohen pela Edusp (1995)
>>> O Homem, os Espíritos e o Espiritismo de Stela de Oxumarê, Ricardo do Oxossi pela Sulina (1997)
COMENTÁRIOS >>> Comentadores

Quarta-feira, 22/9/2004
Comentários
Roberto Valderramos


minha aventura pessoal
Como autêntico outsider - pior ainda, outsider individualista e um tanto arrogante - observo que essa carência toda que compele as pessoas a se esforçarem por ser aceitas parece-me uma lamentável fraqueza. Mais do que patética, considero desprezível essa atitude da pessoa que não busca sua própria afirmação individual, seu próprio crescimento peculiar e único, mas, pelo contrário, busca amoldar-se passivamente às regras, aos conceitos e às modas que lhe abram as portas da aceitação e do convívio fácil proporcionado pelo corte de asas. Nada me convém seguir as opiniões ou as posições de qualquer grupo, por maior ou por mais influente que seja. Primeiro porque não expressam a minha individualidade, a minha idiossincrasia, a minha experiência. Segundo porque acredito que devo prosseguir a minha aventura pessoal, intransferível, muito mais fascinante do que qualquer filiação a aventuras coletivas despidas do senso e do mérito da individualidade. Terceiro porque quanto mais representativa for a opinião ou o conceito de qualquer maioria, mais certamente essa opinião ou conceito se afirma como a expressão da mediocridade. Todo consenso é medíocre. As grandes correntes que transformaram o mundo nasceram na cabeça de homens privilegiados, únicos, geniais, outsiders. Aquele que segue a onda é um fraco, é um pusilânime, é um medíocre, é um descerebrado, é uma ovelha, é gado. Aquele que busca seu próprio caminho pode cometer erros terríveis, mas sua atitude sempre será a de um desbravador. E os grandes caminhos, as grandes descobertas, as grandes intuições... somente podem ser atingidas pelos aventureiros solitários. O exercício de sua própria individualidade é uma conquista para a qual poucos estão preparados. A falta de auto-apreço e de coragem física e intelectual conduz a maioria das pessoas a levar vidas sem sentido, sem identidade, sem conquistas, sem mérito. O medo da solidão parece ser forte demais. Eu afirmo: "Diz-me que segues atrás de muitos, e te direi que ninguém és. Diz-me que segues atrás de poucos, e te direi que algo és. Diz-me que a ninguém segues, e te direi que alguém és".

[Sobre "Outsider: quem não se enquadra"]

por Roberto Valderramos
22/9/2004 às
17h50 200.184.161.120
 
a obra de Huxley
É fundamental ressaltar que a obra de Huxley é sim muito importante do ponto de vista literário. Tanto pelo emblemático "Admirável Mundo Novo", como pela novela "Ponto Contraponto". "Ponto Contraponto" é obra de 1928, quatro anos antes de "Admirável Mundo Novo". Marca o apogeu e o fim de uma fase acidamente crítica, e o início de uma fase preocupada com o futuro da humanidade e as possibilidades de uma nova sociedade. Não me recordo de nenhum outro livro que tenha retratado a sua própria época com tanta lucidez, abrangência ou corrosão. Uma corrosão isenta, despojada de intenções ideológicas ou de declarações apaixonadas por quaisquer certezas. Tudo o que Huxley fez em "Ponto Contraponto" foi relatar minuciosa e argutamente os ridículos e as inconsistências da sociedade, expondo com implacabilidade fria as fragilidades e as mesquinhezas do ser humano, dessa criatura que, a despeito das empáfias de sua presumida "racionalidade" ou "intelectualidade" (somente em poucos raros autêntica!), é apenas uma criatura insignificante, à mercê dos condicionamentos sociais e de suas fraquezas individuais - como a carência afetiva e a vaidade, o principal de todos os ridículos humanos. Inexiste a figura do protagonista. A preocupação de Huxley é montar um painel de sua sociedade, focando ora um ora outro grupo de personagens, flagrando suas mazelas, incertezas e certezas (sempre muito mais graves do que as primeiras, porque arrastam o indivíduo ao definitivo erro de enxergar o mundo sob uma perspectiva estreita). Os personagens fazem estritamente aquilo que devem fazer, nem mais nem menos. Suas capacidades são limitadas e orientadas, portanto plenamente previsíveis - previsíveis ao sarcasmo onisciente do autor. Previsíveis ao deus-autor, mas surpreendentes ao leitor. Este vê-se como testemunha atônita das fraquezas dos homens e das inconsistências de suas vidas sem sentido, vulneráveis aos crivos das incongruências existenciais e dos equívocos ideológicos. Inadvertidamente o leitor pode vir a sentir o gosto amargo de ter sido flagrado, apanhado em retrato cruel de suas próprias fraquezas. São muitos os capuzes distribuídos: pelo menos um deles pode muito bem ajustar-se à cabeça do leitor. É bem mais difícil encontrar alguma verdade onde não queremos encontrá-la. Ponto Contraponto não é complacente nem elogia ninguém (a não ser Bach). Essa é a sua grande virtude.

[Sobre "A essência de Aldous Huxley"]

por Roberto Valderramos
20/9/2004 às
16h58 200.184.161.120
 
Kasparov
Além dos prodígios Paul Morphy, Raúl Capablanca e Bobby Fischer, outro ídolo que cultuei foi Alexandre Alekhine. Alekhine foi uma máquina de precisão. Depois da derrota para o Deep Blue, a aura de Kasparov exauriu-se. Mas a verdade é que ele foi um dos grandes, um dos maiores. Quando era ainda um Grande Mestre molecão com cara de mau, fazia os seus experientes adversários perderem os olhares no vazio insondável das 64 casas, queimando os neurônios desesperadamente para encontrar alguma jogada salvadora. Kasparov parecia invencível.

[Sobre "Quando éramos reis, bispos, cavalos..."]

por Roberto Valderramos
22/7/2004 às
16h48 200.184.161.120
 
Filmes de saiote
Sérgio, o que me parece delicioso, estimulante como exercício de divagação (aplicável à criação ficcional), é imaginar como teriam sido as conversas íntimas entre Caio Júlio César e Cleópatra (Cleopatra, sem acento, certo?), por exemplo. Como teria sido o "approach"? Qual teria sido a atitude de um em relação ao outro, quando havia tanto a jogar, a perder e a ganhar? Como cada um dos peões nesse jogo político encarava o "affair" e dele partia para o discurso público, para a atuação política? Consta que o debilitado e decadente Napoleão Bonaparte, na iminência da derrota em Waterloo, teria dito isto aos seus ordenanças: "Reforços! Como esperam que eu lhes dê mais soldados? Esperam que eu possa... pari-los?". O Cinema "épico" ou "histórico" procura trazer ao público (tantas vezes de modo assumidamente desonesto ou apenas irresponsável) exatamente a maneira como personagens históricas agiam, interagiam, como se comportavam, como falavam, e principalmente qual era a força que movia ou motivava as suas vidas. Em um sentido mais abrangente, essas personagens notáveis ajudavam a traçar os parâmetros para um modelo de comportamento aplicável aos seus sucessores, quem sabe à posteridade. Um filme épico cujas falas e cuja atmosfera me pareciam mais elaboradas (The Warlord, direção de Franklin Schaffner), foi impiedosamente arruinado na edição, por imposição dos produtores, que pretendiam vender um filme "movimentado, um filme de ação". Toda vez que revejo esse filme verdadeiramente medieval, fico me perguntando como teria sido se tantas cenas e tantos diálogos não tivessem sido criminosamente eliminados. A lembrança da cena em que a Cleó(o)patra de Elizabeth Taylor faz sua entrada triunfal em Roma deve merecer o meu comentário bem particular. Desde ainda criança, fiquei extasiado, abismado com esse prodígio kitsch de Hollywood. Nenhuma cena poderia ser mais bombástica, majestosa, espetacular. Como se fosse uma alegoria carnavalesca em versão peso-pesado, dezenas de escravos musculosos carregavam nos ombros o peso de uma liteira descomunal em forma de esfinge. Dessa esfinge que parecia de chumbo, pontificava em traje de ouro puro a soberana do Egito, e de certa forma, naquele exato momento, a soberana da própria Roma. A música de Alex North para essa cena é inesquecível. Primeiro as trombetas anunciam em notas clamantes e triunfantes de fanfarra a chegada do séquito real do Egito. Flores são atiradas à passagem veloz dos carros de guerra, e tem iníci

[Sobre "Filmes de saiote"]

por Roberto Valderramos
6/7/2004 às
20h35 200.184.161.120
 
Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tendencias Atuais da Linguistica e Filologia no Brasil
Anthony Julius Naro / J Mattoso Camara e Outros
Francisco Alves
(1976)



Contos Com Monstros
Antonio (padre) Vieira
Globo
(2001)



Eles Encontram a Felicidade e Você?
Pe. Alberto Gambarini
Ágape



Inocêncio e o Início da Jornada
Valdi Ercolani
Selene
(2011)



Lacrimosa
Helton Cenci
Novo Século
(2010)



Palavras de Amor
Antologia Literaria
Casa do Novo Autor
(2000)



Temas de Filosofia
Maria Lucia de Arruda Aranha & Maria Helena Pires
Moderna
(1997)



Vitimas do Silencio
Edson Fontes
Universo dos Livros
(2009)



Dor psíquica, dor corporal. Uma abordagem multidisciplinar
Victoria Regina Béjar (organizadora)
Blucher
(2017)



Amar Pode Dar Certo
Roberto Shinyashiki
Gente
(2006)





busca | avançada
62879 visitas/dia
1,9 milhão/mês