A essência de Aldous Huxley | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
Mais Recentes
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Senado Federal pela Senado Federal (2006)
>>> Eterna Sabedoria de Ergos pela Fraternidade Branca Universal do Arcanjo Mickael (1974)
>>> Leasing Agrário e Arrendamento Rural como Opção de Compra de Lucas Abreu Barroso pela Del Rey/ Belo Horizonte (2001)
>>> Contratos Internacionais de Seguros de Antonio Marcio da Cunha Guimarães pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
>>> O Espião que saiu do Frio de John Le Carré pela Abril cultural (1980)
>>> A Primeira Reportagem de Sylvio Pereira pela Ática (1988)
>>> Distúrbios Psicossomáticos da Criança de Haim Grunspun pela Atheneu
>>> Aprenda Xadrez com Garry Kasparov de G. Kasparov pela Ediouro (2003)
>>> Poemas para Viver de P. C. Vasconcelos Jr. pela Salesiana Dom Bosco (1982)
>>> A Casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Círculo do livro (1976)
>>> Warcraft Roleplaying Game de Christopher Aylott e outros pela Blizzard / Arthaus / wizards (2004)
>>> A Dama do Lago de Raymond Chandler pela Abril cultural (1984)
>>> ABC do Vôo Seguro de Manoel J. C. de Albquerque Filho pela O Popular (1981)
>>> A Relíquia de Eça de Queirós pela Klick (1999)
>>> Manual Completo de Aberturas de Xadrez de Fred Reinfeld pela Ibrasa (1991)
>>> Para Sempre - Os Imortais - volume 1 de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> A Máscara de Dimítrios de Eric Ambler pela Abril cultural (1984)
>>> Rômulo e Júlia - Os Caras-Pintadas de Rogério Andrade Barbosa pela Ftd (1993)
>>> O Nariz do Vladimir de José Arrabal pela Ftd (1989)
>>> Perigosa e Fascinante de Merline Lovelace pela Nova Cultural (2002)
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Nova Cultural (2001)
>>> O Grande Conquistador de Rita Sofia Mohler pela Escala (1978)
>>> Comédias para se Ler na Escola de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> As 21 Irrefutáveis Leis da Liderança de John C. Maxwell pela Agir (2007)
>>> Dungeon master guide de Jonathan Tweet / Skip Williams pela Core Rulebook II (2000)
>>> Disfunção Cerebral Mínima de Antonio Branco Lefévre - Beatriz Helena Lefevre pela Sarvier (1983)
COLUNAS

Terça-feira, 14/9/2004
A essência de Aldous Huxley
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 5400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Sobre o escritor inglês Aldous Huxley (1894-1963), boa parte dos leitores conhece aquele que é um dos livros mais emblemáticos do século XX, o romance Admirável Mundo Novo, publicado originalmente em 1932. Nele, o autor discorre sobre um hipotético futuro de avanços científicos que resultariam numa sociedade totalitária e absolutamente desumanizada. Além deste, sua obra é composta por ensaios, como o não menos célebre As portas da percepção, e livros de contos. Uma faceta menos conhecida do autor é a de roteirista de cinema. Em 1937, para tratar de sua cegueira, Huxley mudou-se para a Califórnia, nos Estados Unidos. Lá, assinou alguns roteiros para cinema (experiência em que não foi muito bem-sucedido, conforme escrevem seus biógrafos). Mesmo assim, não parou com a literatura. O livro que agora é lançado pela Editora Globo, O macaco e a essência, é fruto dessa fase americana do autor. E aqui, mais uma vez, os principais temas da obra de Huxley, como a política e a crítica aos abusos das descobertas científicas, ganham destaque, sempre com um tom que mescla a ironia com uma visão apocalíptica do futuro.

No prefácio, o professor da USP João Alexandre Barbosa anota um dado relevante no que se refere à composição deste romance: o livro é um misto de sátira com roteiro de cinema. Explico. A obra se divide em duas partes. Na primeira, intitulada "Tallis", há uma apresentação feita pelo narrador dos momentos que precedem o encontro de um roteiro (cujo título é "O macaco e a essência") esquecido nos corredores dos estúdios de Hollywood. A partir do momento em que encontram o texto, Bob Briggs e seu amigo deixam a conversa para segundo plano e saem à procura do autor do texto, que se chama William Tallis. Chegando ao endereço, não encontram o autor, de quem, talvez, buscariam mais informações sobre o roteiro em si. Nesse ponto, o narrador reaparece: "Bem, isso foi o mais que nos aproximamos de Tallis em matéria. No que se segue o leitor poderá descobrir o reflexo de sua mente. Reproduzo o texto de 'O macaco e a essência' tal como o encontrei, sem alterações e sem comentários".

Desse modo, na segunda parte deste romance-roteiro, a trama de William Tallis é apresentada. Cabe dizer que é a parte mais complexa do livro. Isso porque, como peça literária, o roteiro não possui a mesma fluência que um romance, por exemplo, muito embora os dois "gêneros" sejam pertencentes ao campo da prosa, e, nesse caso em específico, da prosa de ficção. Assim, é fundamental que o leitor não desvie sua atenção e não perca de foco a abrangência da obra, isto é, o fato de que o roteiro, apesar de ser a peça-chave deste romance, está dentro de um conjunto e que foi precedido por um excerto não apenas introdutório como essencial para a compreensão de toda a narrativa.

Assim, o script inicia por apresentar quais seriam os elementos precedentes aos diálogos. Como todo roteiro, além do texto, há uma preocupação com o ambiente que cerca esse cenário. Nesse sentido, num trecho que precede a entrada do narrador constam os apontamentos que detalham, com o acréscimo de comentários, qual música deveria ser colocada na cena seguinte. Trata-se, no caso, de uma peça de música clássica. "A música muda de caráter e, se Debussy fosse vivo para escrevê-la, quão delicada seria, quão aristocrática, quão cristalinamente pura de toda a lubricidade e arrogância wagnerianas, de toda a vulgaridade straussiana!".

A partir de então, o leitor é levado para o ano de 2018, quando o planeta está dilacerado pela Terceira Guerra Mundial. Nesse contexto, o único lugar não alcançado pela destruição é a Nova Zelândia. A propósito, é da Nova Zelândia que parte uma expedição de redescobrimento da América. Dessa maneira, o leitor passa a acompanhar, página após página, a mudança na escala de valores dessa nova sociedade. Pois, na América "do ano luminoso de 2018", são os babuínos que estão no comando, escravizando os cientistas, a fim de que estes sejam executores de um único propósito: a guerra.

É preciso ressaltar, ainda, a "voz" do narrador ao longo do roteiro, uma espécie de testemunha ocular dos fatos. Trata-se de uma isenção participativa que, no entanto, proporciona uma análise no mínimo aguçada sobre o que ele observa, como a que segue: "A cena escurece; ouve-se o estrondejar de um canhoneio. Quando a luz retorna, lá está, de cócoras, o Dr. Albert Einstein, atado a um cabresto, atrás de um grupo de babuínos uniformizados". Em outros trechos, de igual surrealismo, é espantoso perceber como Huxley tenha conseguido ser tão profético: "Tudo o que se tem a fazer é simplesmente ameaçar o vizinho com qualquer das armas de destruição em massa. O seu próprio pânico fará o resto. Lembrem-se do que o processo psicológico fez em Nova York, por exemplo. As irradiações em ondas curtas de além-mar, os cabeçalhos nos vespertinos. E no mesmo instante oito milhões de pessoas espezinhando-se nas pontes e nos túneis".

Nesses excertos, pode-se perceber como os temas do autor são atuais, sem mencionar o fato de que é triste perceber como a ficção do roteiro se assemelha à realidade do mundo em 2004, quando o temor de ataques terroristas faz com que as pessoas passem a agir (e reagir) com medo. A propósito desse sentimento, o narrador analisa: "O amor elimina o medo; mas reciprocamente o medo elimina o amor. E não apenas o amor. O medo elimina a inteligência, elimina a bondade, elimina todo o pensamento de beleza e verdade. Só persiste o desespero mudo ou forçosamente jovial de quem pressente a obscena Presença no canto do quarto e sabe que a porta está trancada, não há janelas".

Embora não seja um dos livros mais celebrados de Huxley, O macaco e a essência traz ao público algumas obsessões do autor, como a preocupação com o futuro da humanidade sob a constante perspectiva de um conflito nuclear. No roteiro, o escritor exagera, abusando do surreal e das metáforas, o que faz com que a obra se transforme em um libelo político. Essa feição absurda, para o bem e para o mal, é o modo como Aldous Huxley enxergava não o avanço tecnológico ou científico em si, mas a maneira que os humanos viriam a se comportar a partir desses avanços. Nesse aspecto, é preciso ressaltar que esta obra de Huxley, se não é importante do ponto de vista literário, é, graças à sua atualidade, de suma importância política e ideológica.

Para ir além






Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 14/9/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. On the Road, 60 anos de Luís Fernando Amâncio
02. Quem é mesmo massa de manobra? de Cassionei Niches Petry
03. Suicídio de Marta Barcellos
04. Dark (k)night rises de Marilia Mota Silva
05. Os sapatos confessam de Adriana Baggio


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2004
01. Desonra, por J.M. Coetzee - 21/12/2004
02. Teoria da Conspiração - 10/2/2004
03. Cem anos de música do cinema - 8/6/2004
04. Eleições Americanas – fatos e versões - 9/11/2004
05. Música instrumental brasileira - 12/10/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/9/2004
16h58min
É fundamental ressaltar que a obra de Huxley é sim muito importante do ponto de vista literário. Tanto pelo emblemático "Admirável Mundo Novo", como pela novela "Ponto Contraponto". "Ponto Contraponto" é obra de 1928, quatro anos antes de "Admirável Mundo Novo". Marca o apogeu e o fim de uma fase acidamente crítica, e o início de uma fase preocupada com o futuro da humanidade e as possibilidades de uma nova sociedade. Não me recordo de nenhum outro livro que tenha retratado a sua própria época com tanta lucidez, abrangência ou corrosão. Uma corrosão isenta, despojada de intenções ideológicas ou de declarações apaixonadas por quaisquer certezas. Tudo o que Huxley fez em "Ponto Contraponto" foi relatar minuciosa e argutamente os ridículos e as inconsistências da sociedade, expondo com implacabilidade fria as fragilidades e as mesquinhezas do ser humano, dessa criatura que, a despeito das empáfias de sua presumida "racionalidade" ou "intelectualidade" (somente em poucos raros autêntica!), é apenas uma criatura insignificante, à mercê dos condicionamentos sociais e de suas fraquezas individuais - como a carência afetiva e a vaidade, o principal de todos os ridículos humanos. Inexiste a figura do protagonista. A preocupação de Huxley é montar um painel de sua sociedade, focando ora um ora outro grupo de personagens, flagrando suas mazelas, incertezas e certezas (sempre muito mais graves do que as primeiras, porque arrastam o indivíduo ao definitivo erro de enxergar o mundo sob uma perspectiva estreita). Os personagens fazem estritamente aquilo que devem fazer, nem mais nem menos. Suas capacidades são limitadas e orientadas, portanto plenamente previsíveis - previsíveis ao sarcasmo onisciente do autor. Previsíveis ao deus-autor, mas surpreendentes ao leitor. Este vê-se como testemunha atônita das fraquezas dos homens e das inconsistências de suas vidas sem sentido, vulneráveis aos crivos das incongruências existenciais e dos equívocos ideológicos. Inadvertidamente o leitor pode vir a sentir o gosto amargo de ter sido flagrado, apanhado em retrato cruel de suas próprias fraquezas. São muitos os capuzes distribuídos: pelo menos um deles pode muito bem ajustar-se à cabeça do leitor. É bem mais difícil encontrar alguma verdade onde não queremos encontrá-la. Ponto Contraponto não é complacente nem elogia ninguém (a não ser Bach). Essa é a sua grande virtude.
[Leia outros Comentários de Roberto Valderramos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESCOLHAS ESCOLARES, HERANÇAS SOCIAIS: ORIGENS, EXPECTATIVAS
CRISTINA GOMES DA SILVA
CELTA
(1999)
R$ 4,00



CINQUENTA TONS MAIS ESCUROS
E. L. JAMES
INTRÍNSECA
(2012)
R$ 35,90



UM NOVO AMANHECER
RITA DE CÁSSIA
EMC
(1998)
R$ 4,07



DICIONÁRIO ESCOLAR INGLÊS-PORTUGUÊS PORTUGUÊS-INGLÊS
OSWALDO SERPA
FAE
(1992)
R$ 18,00



AS HORAS DO DECLÍNIO VOL 173 COL . CAMINHO FICÇÃO CIENTÍFICA
JOÃO BOTELHO DA SILVA
CAMINHO
(1996)
R$ 44,00



CÁLCULO VETORIAL
R. BRICARD
AO LIVRO TÉCNICO
(1958)
R$ 28,82



LEONARDO DA VINCI
TONY HART & SUSAN HELLARD
CALLIS
(2007)
R$ 27,00



O DESENVOLVIMENTO DO SER HUMANO
ERIC RAYNER
EDIÇÕES 70
(2000)
R$ 11,00



TARO O JOGO DA VIDA FELICIDADE DESTINO E DIVINACAO
MANTOVANNI,ANDRE
GHEMINI - ALFABETO
(2017)
R$ 23,94



AMOR E SEXUALIDADE
MOACIR COSTA
GENTE
(1994)
R$ 4,98





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês