A essência de Aldous Huxley | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Além do mais
>>> Adeus, Orkut
>>> Sabe como é, pode rolar...
>>> Zeitgeist
>>> 9° Festival Internacional do Documentário Musical
>>> Até Faustão apoia os protestos
>>> Zastrozzi
>>> Direita, Esquerda ― Volver!
>>> Como os jornais vão se salvar
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> Freud e a Educação - O Mestre do Impossível de Maria Cristina Kupfer pela Scipione (1997)
>>> Freud Antipedagogo de Catherine Millot pela Jorge Zahar (1987)
>>> Formação de professores indígenas: repensando trajetórias de Luis Donizete Benzi Grupioni (Org.) pela Unesco/Secad (2006)
>>> O Freudismo de Mikhail Bakhtin pela Perspectiva (2001)
>>> De Piaget a Freud - A (Psico)Pedagogia Entre o Conhecimento e o Saber de Leandro de Lajonquière pela Vozes (1998)
>>> Uma Breve História do Mundo de Geofrey Blainey pela Fundamento (2007)
>>> Piaget - O Diálogo com a Criança e o Desenvolvimento do Raciocínio de Maria da Glória Seber pela Scipione (1997)
>>> Cem Anos Com Piaget – Substratum Artes Médicas – Volume 1, Nº 1 de Ana Teberosky e Liliana Tolchinsky pela Artes Médicas (1997)
>>> Você e eu- martin buber, presença palavra de Roberto Bartholo Jr. pela Garamond (2001)
>>> Piaget - Experiências Básicas Para Utilização Pelo Professor de Iris Barbosa Goulart pela Vozes (1998)
>>> Revisitando Piaget de Fernando Becker e Sérgio Roberto K. Franco (Org.) pela Mediação (1998)
>>> Eu e Tu de Martin Buber pela Centauro (2001)
>>> Jean Piaget Sobre a Pedagogia - Textos Inéditos de Silvia Parrat e Anastasia Tryphon (Org.) pela Casa do Psicólogo (1998)
>>> Cinco Estudos de Educação Moral de Jean Piaget, Maria Suzana de Stefano Menin, Ulisses Ferreira de Araújo, Yves de La Taille, Lino de Macedo (Org) pela Casa do Psicólogo (1996)
>>> Percursos Piagetianos de Luci Banks-Leite (Org.) pela Cortez (1997)
>>> Piaget e a Intervenção Psicopedagógica de Maria Luiza Andreozzi da Costa pela Olho D'Água (1997)
>>> Fazer e Compreender de Jean Piaget pela Melhoramentos (1978)
>>> Dicionário do Renascimento Italiano de John R. Hale pela Jorge Zahar (1988)
>>> A Tomada de Consciência de Jean Piaget pela Melhoramentos (1978)
>>> Psicologia e Pedagogia de Jean Piaget pela Forense Universitária (1998)
>>> Dicionário Temático do Ocidente Medieval de Jacques Le Goff & Jean-Claude Schmitt pela Edusc (2002)
>>> Como Orientar a Criança Excepcional - vol. 8 - Curso de Orientação Educacional de Jay Aruda Piza pela Pontes (2020)
>>> O Estruturalismo de Jean Piaget pela Difel (1979)
>>> Higiene Mental das Crianças e Adolescentes- vol. 7 - Curso de Orientação e Educacional de Dep. de Instrução Pública de Genebra pela Ponte (1972)
>>> O Pós-dramático de J. Guinsburg e Silvia Fernandes pela Perspectiva (2009)
>>> Poesia soviética de Lauro Machado Coelho pela Algol (2007)
>>> Pétala Soletrada pelo Vento de Mariayne Nana pela Urutau (2018)
>>> Tomidez e Adolescência vol. 6 - Curso de Orientação Educacional de Jean Lacroix pela Pontes (1972)
>>> Ensaios Reunidos (1946-1971), V. 2 de Otto Maria Carpeaux pela Topbooks (2005)
>>> Como compreender seu Potencial de Myles Munroe pela Koinonia Comunidade (1995)
>>> Louvai a Deus Com Danças de Isabel Coimbra pela Profetizando Vida (2000)
>>> A missão de Interceder de Durvalina B. Bezerra pela Descoberta (2001)
>>> O Contrabandista de Deus de Irmão André. John e Elizabeth Sherrill pela Betânia (2003)
>>> Ensaios Reunidos 1942 - 1978 Vol. 1 de Otto Maria Carpeaux pela Topbooks (1999)
>>> O Dízimo e o Sábado não são Cristãos de Fernando César Roelis Padilha pela Xxxxxxxxxxxx (1995)
>>> Socorro, Temos Filhos! de Dr. Bruce Narramore pela Mundo Cristão (1992)
>>> Fale a verdade consigo mesmo de Willian Backus Marie Chapian pela Betânia (1989)
>>> Como controlar as Tensões no Camento de Bill e Vonette Bright pela Candeia (1990)
>>> Satanás está vivo e Ativo no planeta terra de Hal Lindsey pela Mundo Cristão (1981)
>>> Venha O Teu Reino de David W. Dyer pela Ministério Grão de trigo (1985)
>>> Eu, um Servo? Você está Brincando! de Charles Swindoll pela Betânia (1983)
>>> Que Há Por Trás Da Nova Ordem Mundial? de E. G. White pela Vida Plena (1995)
>>> Cerco de Jericó a caminho da vitoria de Pe. Alberto Gambarini pela Ágape (2005)
>>> Comunicação a Chave para o Seu Camento de H. Norman Wright pela Mundo Cristão (1983)
>>> Princípios de Interpretação da Bíblia de Walter A. Henrichsen pela Mundo Cristão (1983)
>>> Apocalipse versículo por versículo de Severino Pedro da Silva pela Cpad (1985)
>>> Boas Esposas de Louisa May Alcott pela Principis (2020)
>>> O que o Ato Conjugal significa para o Homem de Tim e Beverly LaHaye pela Betânia (2020)
>>> Crime e Castigo de Fiódor Dostoiévski pela Principis (2020)
>>> Satanismo de Daniel e Isabela Mastral pela Xxxxxxxxxxxx (2001)
COLUNAS

Terça-feira, 14/9/2004
A essência de Aldous Huxley
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 5700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Sobre o escritor inglês Aldous Huxley (1894-1963), boa parte dos leitores conhece aquele que é um dos livros mais emblemáticos do século XX, o romance Admirável Mundo Novo, publicado originalmente em 1932. Nele, o autor discorre sobre um hipotético futuro de avanços científicos que resultariam numa sociedade totalitária e absolutamente desumanizada. Além deste, sua obra é composta por ensaios, como o não menos célebre As portas da percepção, e livros de contos. Uma faceta menos conhecida do autor é a de roteirista de cinema. Em 1937, para tratar de sua cegueira, Huxley mudou-se para a Califórnia, nos Estados Unidos. Lá, assinou alguns roteiros para cinema (experiência em que não foi muito bem-sucedido, conforme escrevem seus biógrafos). Mesmo assim, não parou com a literatura. O livro que agora é lançado pela Editora Globo, O macaco e a essência, é fruto dessa fase americana do autor. E aqui, mais uma vez, os principais temas da obra de Huxley, como a política e a crítica aos abusos das descobertas científicas, ganham destaque, sempre com um tom que mescla a ironia com uma visão apocalíptica do futuro.

No prefácio, o professor da USP João Alexandre Barbosa anota um dado relevante no que se refere à composição deste romance: o livro é um misto de sátira com roteiro de cinema. Explico. A obra se divide em duas partes. Na primeira, intitulada "Tallis", há uma apresentação feita pelo narrador dos momentos que precedem o encontro de um roteiro (cujo título é "O macaco e a essência") esquecido nos corredores dos estúdios de Hollywood. A partir do momento em que encontram o texto, Bob Briggs e seu amigo deixam a conversa para segundo plano e saem à procura do autor do texto, que se chama William Tallis. Chegando ao endereço, não encontram o autor, de quem, talvez, buscariam mais informações sobre o roteiro em si. Nesse ponto, o narrador reaparece: "Bem, isso foi o mais que nos aproximamos de Tallis em matéria. No que se segue o leitor poderá descobrir o reflexo de sua mente. Reproduzo o texto de 'O macaco e a essência' tal como o encontrei, sem alterações e sem comentários".

Desse modo, na segunda parte deste romance-roteiro, a trama de William Tallis é apresentada. Cabe dizer que é a parte mais complexa do livro. Isso porque, como peça literária, o roteiro não possui a mesma fluência que um romance, por exemplo, muito embora os dois "gêneros" sejam pertencentes ao campo da prosa, e, nesse caso em específico, da prosa de ficção. Assim, é fundamental que o leitor não desvie sua atenção e não perca de foco a abrangência da obra, isto é, o fato de que o roteiro, apesar de ser a peça-chave deste romance, está dentro de um conjunto e que foi precedido por um excerto não apenas introdutório como essencial para a compreensão de toda a narrativa.

Assim, o script inicia por apresentar quais seriam os elementos precedentes aos diálogos. Como todo roteiro, além do texto, há uma preocupação com o ambiente que cerca esse cenário. Nesse sentido, num trecho que precede a entrada do narrador constam os apontamentos que detalham, com o acréscimo de comentários, qual música deveria ser colocada na cena seguinte. Trata-se, no caso, de uma peça de música clássica. "A música muda de caráter e, se Debussy fosse vivo para escrevê-la, quão delicada seria, quão aristocrática, quão cristalinamente pura de toda a lubricidade e arrogância wagnerianas, de toda a vulgaridade straussiana!".

A partir de então, o leitor é levado para o ano de 2018, quando o planeta está dilacerado pela Terceira Guerra Mundial. Nesse contexto, o único lugar não alcançado pela destruição é a Nova Zelândia. A propósito, é da Nova Zelândia que parte uma expedição de redescobrimento da América. Dessa maneira, o leitor passa a acompanhar, página após página, a mudança na escala de valores dessa nova sociedade. Pois, na América "do ano luminoso de 2018", são os babuínos que estão no comando, escravizando os cientistas, a fim de que estes sejam executores de um único propósito: a guerra.

É preciso ressaltar, ainda, a "voz" do narrador ao longo do roteiro, uma espécie de testemunha ocular dos fatos. Trata-se de uma isenção participativa que, no entanto, proporciona uma análise no mínimo aguçada sobre o que ele observa, como a que segue: "A cena escurece; ouve-se o estrondejar de um canhoneio. Quando a luz retorna, lá está, de cócoras, o Dr. Albert Einstein, atado a um cabresto, atrás de um grupo de babuínos uniformizados". Em outros trechos, de igual surrealismo, é espantoso perceber como Huxley tenha conseguido ser tão profético: "Tudo o que se tem a fazer é simplesmente ameaçar o vizinho com qualquer das armas de destruição em massa. O seu próprio pânico fará o resto. Lembrem-se do que o processo psicológico fez em Nova York, por exemplo. As irradiações em ondas curtas de além-mar, os cabeçalhos nos vespertinos. E no mesmo instante oito milhões de pessoas espezinhando-se nas pontes e nos túneis".

Nesses excertos, pode-se perceber como os temas do autor são atuais, sem mencionar o fato de que é triste perceber como a ficção do roteiro se assemelha à realidade do mundo em 2004, quando o temor de ataques terroristas faz com que as pessoas passem a agir (e reagir) com medo. A propósito desse sentimento, o narrador analisa: "O amor elimina o medo; mas reciprocamente o medo elimina o amor. E não apenas o amor. O medo elimina a inteligência, elimina a bondade, elimina todo o pensamento de beleza e verdade. Só persiste o desespero mudo ou forçosamente jovial de quem pressente a obscena Presença no canto do quarto e sabe que a porta está trancada, não há janelas".

Embora não seja um dos livros mais celebrados de Huxley, O macaco e a essência traz ao público algumas obsessões do autor, como a preocupação com o futuro da humanidade sob a constante perspectiva de um conflito nuclear. No roteiro, o escritor exagera, abusando do surreal e das metáforas, o que faz com que a obra se transforme em um libelo político. Essa feição absurda, para o bem e para o mal, é o modo como Aldous Huxley enxergava não o avanço tecnológico ou científico em si, mas a maneira que os humanos viriam a se comportar a partir desses avanços. Nesse aspecto, é preciso ressaltar que esta obra de Huxley, se não é importante do ponto de vista literário, é, graças à sua atualidade, de suma importância política e ideológica.

Para ir além






Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 14/9/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meus livros, meus tablets e eu de Ana Elisa Ribeiro
02. A vez dos veteranos de Jonas Lopes
03. É Natal! de André Pires


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2004
01. Desonra, por J.M. Coetzee - 21/12/2004
02. Teoria da Conspiração - 10/2/2004
03. Cem anos de música do cinema - 8/6/2004
04. Eleições Americanas – fatos e versões - 9/11/2004
05. Música instrumental brasileira - 12/10/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/9/2004
16h58min
É fundamental ressaltar que a obra de Huxley é sim muito importante do ponto de vista literário. Tanto pelo emblemático "Admirável Mundo Novo", como pela novela "Ponto Contraponto". "Ponto Contraponto" é obra de 1928, quatro anos antes de "Admirável Mundo Novo". Marca o apogeu e o fim de uma fase acidamente crítica, e o início de uma fase preocupada com o futuro da humanidade e as possibilidades de uma nova sociedade. Não me recordo de nenhum outro livro que tenha retratado a sua própria época com tanta lucidez, abrangência ou corrosão. Uma corrosão isenta, despojada de intenções ideológicas ou de declarações apaixonadas por quaisquer certezas. Tudo o que Huxley fez em "Ponto Contraponto" foi relatar minuciosa e argutamente os ridículos e as inconsistências da sociedade, expondo com implacabilidade fria as fragilidades e as mesquinhezas do ser humano, dessa criatura que, a despeito das empáfias de sua presumida "racionalidade" ou "intelectualidade" (somente em poucos raros autêntica!), é apenas uma criatura insignificante, à mercê dos condicionamentos sociais e de suas fraquezas individuais - como a carência afetiva e a vaidade, o principal de todos os ridículos humanos. Inexiste a figura do protagonista. A preocupação de Huxley é montar um painel de sua sociedade, focando ora um ora outro grupo de personagens, flagrando suas mazelas, incertezas e certezas (sempre muito mais graves do que as primeiras, porque arrastam o indivíduo ao definitivo erro de enxergar o mundo sob uma perspectiva estreita). Os personagens fazem estritamente aquilo que devem fazer, nem mais nem menos. Suas capacidades são limitadas e orientadas, portanto plenamente previsíveis - previsíveis ao sarcasmo onisciente do autor. Previsíveis ao deus-autor, mas surpreendentes ao leitor. Este vê-se como testemunha atônita das fraquezas dos homens e das inconsistências de suas vidas sem sentido, vulneráveis aos crivos das incongruências existenciais e dos equívocos ideológicos. Inadvertidamente o leitor pode vir a sentir o gosto amargo de ter sido flagrado, apanhado em retrato cruel de suas próprias fraquezas. São muitos os capuzes distribuídos: pelo menos um deles pode muito bem ajustar-se à cabeça do leitor. É bem mais difícil encontrar alguma verdade onde não queremos encontrá-la. Ponto Contraponto não é complacente nem elogia ninguém (a não ser Bach). Essa é a sua grande virtude.
[Leia outros Comentários de Roberto Valderramos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LA CIUDAD DEL DIABLO AMARILLO Y OTRO ENSAYOS - MÁXIMO GÓRKI (MEMÓRIAS)
MÁXIMO GÓRKI
EDITORIAL PROGRESSO - MOSCOU
R$ 10,00



RAÍZES DA IDEOLOGIA DO PLANEJAMENTO: NORDESTE 1889-1930
JANICE THEODORO DA SILVA (AUTOGRAFADO) - 8581
CIÊNCIAS HUMANAS
(1978)
R$ 12,00



VIC - COLEÇÃO BARCO A VAPOR
CRISTIANE DANTAS
SM
(2016)
R$ 9,00



RUA DE DESILUSÃO
JACQUELYN MITCHARD
RECORD
(2007)
R$ 9,90



NUEVAS TÉCNICAS EN LA CONSTRUCCION
ERIC DE MARE (CAPA DURA)
ALSINA (PERU E BUENOS AIRES)
(1954)
R$ 23,82



ESTOU ENVELHECENDO E AGORA?
HELENA S. KANDELMAN
ENLEVO
(2009)
R$ 13,50



PAIS BRILHANTES PROFESSORES FASCINANTES
AUGUSTO CURY
SEXTANTE
(2003)
R$ 29,00



OS TRABALHADORES DO MAR - CLÁSSICOS JUVENIS
VICTOR HUGO
NOVA CULTURAL
(1987)
R$ 14,00



ARCADAS DO TEMPO - O LICEU TECE 100 ANOS DE HISTÓRIA - (AUTOGRAFADO)
ANA MARIA MELO NEGRÃO
DBA
(1997)
R$ 17,00



LIVRO DAS CORTESÃS
VÁRIOS AUTORES
LPM POCKET
(2004)
R$ 5,00





busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês