Comentários de Irã Dudeque | Digestivo Cultural

busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cia Fragmento de Dança lança seminário “Amor Mundi – Pensando com Hannah Arendt”
>>> Realidade e ficção na Terça Aberta na Quarentena de agosto
>>> OBMJazz: OBMJ lança primeiro clipe de novo projeto
>>> Serginho Rezende é entrevistado por Zé Guilherme na série EntreMeios
>>> TOGETHER WE RISE TRAZ UMA HOMENAGEM ÀS PESSOAS QUE FIZERAM PARTE DA HISTÓRIA DO GREEN VALLEY
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> A Rainha da Moda - Como Maria Antonieta se vestiu para a Revolução de Caroline Weber pela Zahar (2008)
>>> A Historia da Ciência para Quem Tem Pressa de Nicola Chalton / Meredith Mac Ardle pela Valentina (2017)
>>> Manual Prático do Horóscopo Chinês de Minami Keizi pela Traço (1988)
>>> Caos: a Criação de uma Nova Ciência de James Gleick pela Campus (1990)
>>> As Noites das Grandes Fogueiras - Uma História da coluna Prestes de Domingos Meirelles pela Record (1995)
>>> O aguilhao--abrindo picadas na densa mata. de Carlos de maio pela Virtualbooks (2014)
>>> A essencia dos anjos de Martin claret pela Martin claret
>>> Desobsessao pelo espírito andre luiz de Francisco candido xavier e waldo vieira pela Feb
>>> Os 100 segredos das pessoas felizes--descobertas simples e uteis dos estudos cientificos sobre a felicidade. de David niven pela Sextante (2001)
>>> Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas de Dale Canergie pela Companhia Nacional (2012)
>>> O desafio de amar de Stephen & alex kendrick pela Bv books (2009)
>>> A Mulher Lagarto E Outras Histórias de Fernando Luiz Cipriano pela Annablume (2011)
>>> Sem padecer no paraiso--em defesa dos pais ou sobre a tirania dos filhos. de Tania zagury pela Record (1992)
>>> Planeta--41--como desenvolver nosso sexto sentido. de Editora tres pela Tres (1976)
>>> Planeta especial--o povo eleito--uma interpretaçao revolucionaria da origem dos judeus. de John allegro pela Tres (2020)
>>> Os caminhos de Mandela de Richard Stengel pela Principium (2013)
>>> Vencer a Crise - Lições para superar as dificuldades financeiras de Herbert Kimura pela Do Autor (2019)
>>> 1984 de George Orwell pela Companhia das Letras (2009)
>>> Resistência de Agnes Humbert pela Nova fronteira (2008)
>>> Questões do Coração de Emily Giffin pela Novo Conceito (2011)
>>> Elimine a Sua Energia Negativa - Com Fé ou sem Fé, acreditando ou Não de Kika Miranda pela Corus (2006)
>>> O Mar de John Banville pela Nova Fronteira (2007)
>>> The golden of morocco--english edition--160 colour illustrations. de Bonechi pela Bonechi (1998)
>>> Pedraria e bijurerias extra--mais de 260 fotos. de Escala pela Escala
>>> Marley e Eu A vida e o amor ao lado do pior cão do mundo de John Grogan pela Prestígio (2006)
>>> Maria na terra de meus olhos de Oscar Araripe pela Rocco (1975)
>>> A Bruxa de Portobello de Paulo Coelho pela Planeta (2006)
>>> Descartes - Biblioteca de Filosofia de Pierre Guenancia pela Zahar (1991)
>>> A Fada e o Bruxo As Crônicas de Ivi de F Medina pela Hamelin (2012)
>>> Para Sempre Contigo de Evanice Maria Pereira pela Petit (2012)
>>> Globo Rural--Ele faz a terra dar de tudo de Editora globo pela Globo (1989)
>>> O Milagre da Manhã com Deus de Padre Reginaldo Manzotti pela Petra (2018)
>>> Globo rural--107--flores/especial--explosao no ar. de Editora globo pela Globo (1994)
>>> Cuidar & ser Cuidado de Lluis Segarra pela Cultor de Livros (2019)
>>> O Poder da Mulher que Ora de Stormie Omartian pela Mundo Cristão (2003)
>>> Pesquisa Princípio Científico e Educativo de Pedro Demo pela Cortez (1996)
>>> O Maravilhoso Mágico de Oz de L Frank Baum pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Peter Pan de James M Barrie pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Pinóquio de Carlo Collodi pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Globo rural--39--descoberto um tesouro:a mandioca. de Editora globo pela Globo (1989)
>>> Galerie des offices--guide officiel toutes les ceuvres. de Gloria fossi pela Giunti (2004)
>>> Em Meu Próprio Caminho de Allan Watts pela Siciliano (1992)
>>> Cama de Gato de Kurt Vonnegut pela Record (1991)
>>> A História Secreta de Donna Tartt pela Companhia das Letras (1995)
>>> Os Invictos de William Faulkner pela Arx (2003)
>>> Paralelo 42 de John dos Passos pela Rocco (1987)
>>> Para onde você vai com Tanta Pressa de Christiane Singer pela Martins Fontes (2005)
>>> Carta Sobre o Comércio do Livro de Denis Diderot pela Casa da Palavra (2002)
>>> Rimas da Vida e da Morte de Amos Óz Amós Oz pela Companhia das Letras (2008)
>>> Uma Desolação de Yasmina Reza pela Rocco (2001)
COMENTÁRIOS >>> Comentadores

Quarta-feira, 20/11/2002
Comentários
Irã Dudeque


Os donos do campo e da bola
Antes, o colunista Alexandre Silva tentou me desqualificar para o debate devido ao meu nome (cf. comentário 39). Agora, lendo o comentário do acreditável Felipe Ortiz, percebo que fui censurado. Diante de tais atitudes, percebo que neste "Digestivo" a liberdade de opiniões funciona em apenas um sentido. Assim sendo, retiro-me deste debate, entregando-o às louvações recíprocas e ao pensamento único.

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Irã Dudeque
20/11/2002 às
07h55 200.213.80.5
 
fingimentos e imitações
Enfim, Hélion, ao deixar tudo sem resposta, esses caras estão, tacitamente, aceitando que são trogloditas, sub-intelectualizados, "literatos" semi-alfabetizados, irresponsáveis, pré-iluministas, que escrevem sobre o que não entendem e que - o pior dos piores nessas alturas - sequer conhecem a obra do Francis. Não existe programa de idéias. Nem idéias. Só frases soltas, desconexas, citações sacadas a esmo e sem a menor necessidade. Na falta de talento e capacidade para formular análises estruturais, submergem num mundo de arremedos, de simulacros, paródias e caricaturas. E isso só pode ser entendido como um "programa" se tomarmos a palavra "programa" no mesmo sentido em que é utilizada por prostitutas. Ou seja, um conjunto de posições definidas ad hoc e cujo objetivo é um êxtase momentâneo e, quiçá, bem-remunerado.

[Sobre "Filhos de Francis"]

por irã dudeque
19/11/2002 às
20h46 200.213.80.5
 
Programa de idéias?
Helion, você diz que "é bom que a direita se manifeste e demonstre ter um programa de idéias". Programa de idéias? Esses caras? Eles podiam estar citando intelectuais conservadores e requintadíssimos como o Raymond Aron, por exemplo, mas estão fazendo o que? Prometendo murros nos dentes, guilhotina, limpeza étnica, bomba nuclear em cada capital árabe, chutes entre as pernas, fechamento de tribunais, mão na fuça, fechamento das Universidades Públicas. Isso é um "programa de idéias"? Isso aí é uma baderna mental que mistura positivismo, impressionismo intelectual e esnobismo. E além do mais, são uns sujeitos muito esquisitos. Afirmou-se por aqui que os caras são trogloditas, sub-intelectualizados, "literatos" semi-alfabetizados, irresponsáveis, pré-iluministas, que escrevem sobre o que não entendem, que sequer leram o Francis, e eles se fixam no quê? No adjetivo invertido (adjetivo, aliás, que eu aprendi com o Francis, que o usava a torto e a direito).

[Sobre "Filhos de Francis"]

por irã dudeque
19/11/2002 às
20h01 200.213.80.5
 
Sou fã do Francis
Sou fã do Francis e, por recomendação de um amigo, dei uma olhada nesse debate e nos blogs dos "intelectuais" citados. E aí quase caí da cadeira. Veja-se, por exemplo, o blog de Rafael Azevedo e sua coleção de aberrações: para quem ia votar no Lula, Rafael Azevedo prometia "um murro nos dentes". Para os magistrados, Rafael Azevedo propõe a guilhotina (ou ainda que sejam "pendurados de ponta cabeça numa árvore"). Para resolver as divergências do "ocidente civilizado" com o oriente, Rafael Azevedo propõe uma "limpeza" étnica e mais "uma bomba nuclear em cada capital desses caras". Para quem gostou do filme "Cidade de Deus", Rafael Azevedo promete "um murro no meio da boca, e um chute entre as pernas." Para Rafael Azevedo, as pessoas "mais repulsivas" do mundo são advogados e defensores dos direitos humanos; estes são "a escória do universo" (abaixo dos neo-nazistas, por exemplo - afinal, Rafael Azevedo defende uma "limpeza" no oriente). Quanto à democracia, o pensador político Rafael Azevedo é anglófilo no seu parecer "Thank God I'm outta here!". Além disso, Rafael Azevedo é contra TODOS os advogados. Agora, naquilo que foi um debate sobre o Paulo Francis, Rafael Azevedo comete mais uma série de atos "intelectuais": Primeiro, destrata o debatedor Marcelo porque este escreve em revistas como Geek e Hacker, enaqunto "eu [Rafael Azevedo] tenho que me contentar com fatos e argumentos". Só isso já seria suficiente para situar a posição intelectual de Rafael Azevedo, pois a invocação peremptória a "fatos e argumentos" guarda um quê do ranço positivista. Depois Rafael Azevedo parte para um ataque pessoal contra um "sujeito chamado Irã", pois com um nome desses (árabe?), ele seria indigno de um debate. Ao que tudo indica, Rafael Azevedo (belo nome!) defende que só pessoas com nomes apropriados tenham direito ao debate. Num primeiro momento, devemos banir alguém chamado Irã, depois talvez devamos abolir as opiniões e os escritos de pessoas intituladas Ezra, Millôr ou ainda o pobre indiano Vikran Seth (ainda bem que eu me chamo Leonardo!). Feita a restrição ao nome de Irã (árabe?) Rafael parte para a agressão de fato, e convoca o dito cujo para um duelo (São Paulo, dezembro), quando promete-lhe "enfiar a mão na fuça". Intelectualizadíssimo, o Rafael Azevedo. Porém, apesar de tão disparatadas idéias, Rafael Azevedo é ídolo de Alexandre Soares Silva, que, aparentemente, considera-o um grande pensador. Talvez porque Rafael Azevedo seja mais furioso nas suas soluções de "limpeza", enquanto Alexandre Soares Silva sai-se com ideiazinhas irresponsáveis como as que "os fuscas e os mavericks [dos anos 70] enfeiavam mais a orla de Ipanema do que todos os prédios atuais juntos" (viva a especulação imobiliária, por ser menos nociva que os mavericks!). Então, que tal juntar admirados e admiradores numa campanha, digamos, em prol da volta da dinastia Bourbon ao trono da França, com direito a um rei que curasse escrófula? Talvez sobrasse algum viscondado para gente como Rafael Soares. Ou uma campanha pelo reconhecimento público de Torquemada? Talvez sobrasse algum cargo de inquisidor para gente como Rafael Soares, adepto de "limpezas". Ou ainda, que tal a criação de um centro para a divulgação das idéias de Adolf Hitler? Peço desculpas aos outros escritores citados nesta página se cito em demasia o nome de Rafael Azevedo. Divulgo tal nome para essas nobres ocupações, pois entendo que nelas Rafael Azevedo poderia mostrar um resumo dos seus argumentos "intelectuais", argumentos que envolvem murros nos dentes, guilhotina, limpeza étnica, bomba nuclear, chutes entre as pernas, mão na fuça e, the last but not the least, música erudita (ah, o efeito cenográfico de bombas atômicas atiradas ao som da Cavalgada das Valquírias; Rafael Azevedo é um esteta). Divulgo o nome de Rafael Azevedo pois ele tem a cabeça talhada para tanto. Uma cabeça dividida entre o Ocidente pré-Iluminismo e Munique, 1936 (música erudita, por favor!). Ou, talvez, eu esteja sendo meio genérico. Tomo o irabundo Rafael Azevedo como exemplo, por ser o exemplo mais aberrante. O mais provável é que não só a cabeça de Rafael Azevedo, mas as de todos os outros produtores de blogs citados nesta página, estejam situadas em um endereço mais específico: Rua Maranhão, em São Paulo, sede da TFP. Ou, ainda, em algum Centro Positivista. Eu, da minha parte, continuarei lendo revistas como Geek, e me preocuparei com nazistinhas agressivos e semi-alfabetizados como Rafael Azevedo, apenas para evitar que um reacionário vulgar como ele faça alguma outra coisa na vida além de redigir suas insanidades num blog.

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Leonardo Marques
18/11/2002 às
11h18 200.213.80.5
 
Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EM CHAMAS.
SUZANNE COLLINS
ROCCO
(2011)
R$ 19,00



A CRIANÇA DADA POR MORTA - RISCOS PSÍQUICOS DA CURA - 1ª EDIÇÃO
DANIÈLE BRUN
CASA DO PSICÓLOGO
(1996)
R$ 71,00



O ADIANTADO DA HORA
CARLOS HEITOR CONY
OBJETIVA
(2006)
R$ 25,00



A RAINHA DO CASTELO DE AR
STIEGE LARSSON
COMPANHIA DAS LETRAS
(2004)
R$ 8,00



CONHEÇA SUA BÍBLIA
PAUL KENT
FUNDAMENTO
(2014)
R$ 17,44



TETÉ O ANJO AMIGO
MARIA LÚCIA RIBEIRO DE ANDRADA
DO BRASIL
(2007)
R$ 8,00



VIVER MELHOR: É POSSÍVEL?
RUBENS AZEVEDO
HELVETIA
(2017)
R$ 33,52



AFORISMOS MEDITAÇÕES E PENSAMENTOS
NEWTON FERNANDES
EDIÇÃO DO AUTOR
(1979)
R$ 5,80



JOHANN SEBASTIAN BACH
MIKE VENEZIA
MODERNA
(2008)
R$ 8,00



COMO VIVER 24 HORAS POR DIA E O GOVERNO DE SI MESMO
ARNOLD BENNETT
CIA BRASIL
R$ 44,90





busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês