Comentários do IP 200.213.80.5 | Digestivo Cultural

busca | avançada
74915 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Com 21 apresentações gratuitas, FLOW Literário aborda multi linguagens da literatura
>>> MASP, Osesp e B3 iniciam ciclo de concertos online e gratuitos
>>> Madeirite Rosa apresenta versão online de A Luta
>>> Zeca Camargo participa de webserie sobre produção sustentável de alimentos
>>> Valéria Chociai é uma das coautoras do novo livro Metamorfoses da Maturidade
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
>>> Também no Rio - Ao Pe. Júlio Lancellotti
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sobre escrever
>>> Os Axiomas de Zurique, de Max Gunther
>>> Sou diabético
>>> 3 de Maio #digestivo10anos
>>> O Joca me adora
>>> A volta das revistas eletrônicas
>>> As duas divas da moderna literatura romântica
>>> Entrevista com Rogério Pereira
>>> Bafana Bafana: very good futebol e só
>>> Suspense, Crimes ... e Livros!
Mais Recentes
>>> Manual para a Elaboração do Plano de Negócios - Tcc de Equipe Ulbra pela Ulbra (2011)
>>> O Mundo da Arte - Mundo Islâmico de Ernst J. Grube pela Encyclopaedia Britannica (1966)
>>> A Escola e Seu Entorno Como Ferramentas de Ensino da História Local de Aristides Leo Pardo pela Monstro dos Mares (2019)
>>> Descobrindo a gramática : nova proposta de Gilio Giacomozzi, Gildete Valério 50. ano pela Ftd (2006)
>>> O Mundo da Arte - Mundo Oriental de Jeannine Auboyer - Roger Goepper pela Encyclopaedia Britannica (1978)
>>> Luluzinha - Ano II - Nº 23 de Abril pela Abril (1976)
>>> Bolinha - Ano V - Nº 35 de Abril pela Abril (1979)
>>> Manual para a Elaboração do Plano de Negócios - Tcc de Equipe Ulbra pela Ulbra (2011)
>>> 52 Coisas Que Você Precisa Entender nos Homens de Clene Salles pela Melhoramentos (2011)
>>> Postais do Coração de Ella Griffin pela Novo Conceito
>>> Viva Mais Leve de Helnio J. Nogueira pela Cpb Didaticos (2014)
>>> Cinema Pirata de Cory Doctorow pela Galera (2012)
>>> Noções de Primeiros Socorros no Trânsito de Abramet pela Abramet (2005)
>>> 9788582121610 de Regiane Banzzatto Bergamo pela Regiane Banzzatto Bergamo
>>> Posso Conseguir o Que Desejo de Iyanla Vanzant pela Sextante (2005)
>>> Construindo a escrita Língua portuguesa, Textos, gramática e ortografia 50. ano de Carmen Silvia Carvalho et al 2008 pela Ática (2008)
>>> Minhas Esperanças de Raisa Gorbachev pela Globo (1992)
>>> A Juventude Vai ao Cinema de Inês de Castro Teixeira (org) pela Autênrica (2009)
>>> Da Hora, da Onda, da Vinci de Jon Scieszka; Sérgio Alcides; Adam Mccauley pela Companhia das Letras (2006)
>>> O Circo - Coleção Folha Charles Chaplin Nº 7 - Com Dvd de Charles Chaplin - Carlos Cassio Starling pela Folha de São Paulo (2012)
>>> Porno Política - Paixões e Taras na Vida Brasileira de Arnaldo Jabor pela Objetiva (2006)
>>> Contrapontos em Linguagem & Educação de Luciane de Lima - Márcia Letícia Gomes - Sérgio Nunes de Jesus pela Snj (2005)
>>> Titulo de Aut pela Abc (1999)
>>> Razão e Violência de R D Laing - D G Cooper pela Vozes (1976)
>>> Titulo de Aut pela Abc (1999)
COMENTÁRIOS >>> Comentadores

Quarta-feira, 20/11/2002
Comentários
200.213.80.5


Os donos do campo e da bola
Antes, o colunista Alexandre Silva tentou me desqualificar para o debate devido ao meu nome (cf. comentário 39). Agora, lendo o comentário do acreditável Felipe Ortiz, percebo que fui censurado. Diante de tais atitudes, percebo que neste "Digestivo" a liberdade de opiniões funciona em apenas um sentido. Assim sendo, retiro-me deste debate, entregando-o às louvações recíprocas e ao pensamento único.

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Irã Dudeque
20/11/2002 às
07h55 200.213.80.5
(+) Irã Dudeque no Digestivo...
 
fingimentos e imitações
Enfim, Hélion, ao deixar tudo sem resposta, esses caras estão, tacitamente, aceitando que são trogloditas, sub-intelectualizados, "literatos" semi-alfabetizados, irresponsáveis, pré-iluministas, que escrevem sobre o que não entendem e que - o pior dos piores nessas alturas - sequer conhecem a obra do Francis. Não existe programa de idéias. Nem idéias. Só frases soltas, desconexas, citações sacadas a esmo e sem a menor necessidade. Na falta de talento e capacidade para formular análises estruturais, submergem num mundo de arremedos, de simulacros, paródias e caricaturas. E isso só pode ser entendido como um "programa" se tomarmos a palavra "programa" no mesmo sentido em que é utilizada por prostitutas. Ou seja, um conjunto de posições definidas ad hoc e cujo objetivo é um êxtase momentâneo e, quiçá, bem-remunerado.

[Sobre "Filhos de Francis"]

por irã dudeque
19/11/2002 às
20h46 200.213.80.5
(+) irã dudeque no Digestivo...
 
Programa de idéias?
Helion, você diz que "é bom que a direita se manifeste e demonstre ter um programa de idéias". Programa de idéias? Esses caras? Eles podiam estar citando intelectuais conservadores e requintadíssimos como o Raymond Aron, por exemplo, mas estão fazendo o que? Prometendo murros nos dentes, guilhotina, limpeza étnica, bomba nuclear em cada capital árabe, chutes entre as pernas, fechamento de tribunais, mão na fuça, fechamento das Universidades Públicas. Isso é um "programa de idéias"? Isso aí é uma baderna mental que mistura positivismo, impressionismo intelectual e esnobismo. E além do mais, são uns sujeitos muito esquisitos. Afirmou-se por aqui que os caras são trogloditas, sub-intelectualizados, "literatos" semi-alfabetizados, irresponsáveis, pré-iluministas, que escrevem sobre o que não entendem, que sequer leram o Francis, e eles se fixam no quê? No adjetivo invertido (adjetivo, aliás, que eu aprendi com o Francis, que o usava a torto e a direito).

[Sobre "Filhos de Francis"]

por irã dudeque
19/11/2002 às
20h01 200.213.80.5
(+) irã dudeque no Digestivo...
 
errata
Onde se grafou "Se esses aí são os mais inteligentes e os que melhor escrevem nessa geração (como modestamente se definem), imaginem os piores?", leia-se "***2) Se esses aí são os mais inteligentes e os que melhor escrevem nessa geração (como modestamente se definem), imaginem os piores..."

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Irã Dudeque
18/11/2002 às
14h23 200.213.80.5
(+) Irã Dudeque no Digestivo...
 
imaginem os piores?
***1) A definição "Cruza de Ratinho com Amaral Netto" é perfeita. ***2) Se esses aí são os mais inteligentes e os que melhor escrevem nessa geração (como modestamente se definem), imaginem os piores? ***3) O e-mail de autoria de Leonardo Marques é de minha lavra (como pode ser verificado pelo número da CPU). Já que o meu nome é indigno de debate nada como alguém com nome e sobrenome adequado, ah, ah, ah; para um Rafael, um Leonardo; para um Azevedo, um Marques. ***4) (PASSO DO GANSO) seres inferiores (UM-DOIS-UM-DOIS) protozoários do mundo (ESTE É UM PAÍS QUE VAI PRÁ FRENTE, Ô, Ô, Ô, Ô, Ô) distribuir panfleto é coisa de quem não bate bem da cachola (EUGENIA, EUGENIA, JÁ) o desprazer de ler todo mundo que se diz esquerdista (HEIL! HEIL!) qualquer pessoa que passa seus 15 anos de idade entregando panfletos na praça da Sé (MINHA GENTE) definitivamente não bate bem da cachola (AME-O OU DEIXE-O! AME-O OU DEIXE-O!) o desprazer de ler todo mundo que se diz esquerdista (HEIL! REICH VON TAUSEND JARE)definitivamente não bate bem da cachola (O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, APÓS CONSULTA AO CONSELHO DE SEGURANÇA NACIONAL) adoro despertar a ira em seres inferiores (DECIDE BAIXAR ATO INSTITUCIONAL) seres inferiores (MINHA GENTE) o desprazer de ler todo mundo que se diz esquerdista (TRADIÇÃO) o desprazer de ler (FAMÍLIA) todo mundo que se diz esquerdista (PROPRIEDADE) que se diz esquerdista (PASSO DO GANSO; UM-DOIS-UM-DOIS-UM-DOIS...

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Irã Dudeque
18/11/2002 às
13h33 200.213.80.5
(+) Irã Dudeque no Digestivo...
 
Sou fã do Francis
Sou fã do Francis e, por recomendação de um amigo, dei uma olhada nesse debate e nos blogs dos "intelectuais" citados. E aí quase caí da cadeira. Veja-se, por exemplo, o blog de Rafael Azevedo e sua coleção de aberrações: para quem ia votar no Lula, Rafael Azevedo prometia "um murro nos dentes". Para os magistrados, Rafael Azevedo propõe a guilhotina (ou ainda que sejam "pendurados de ponta cabeça numa árvore"). Para resolver as divergências do "ocidente civilizado" com o oriente, Rafael Azevedo propõe uma "limpeza" étnica e mais "uma bomba nuclear em cada capital desses caras". Para quem gostou do filme "Cidade de Deus", Rafael Azevedo promete "um murro no meio da boca, e um chute entre as pernas." Para Rafael Azevedo, as pessoas "mais repulsivas" do mundo são advogados e defensores dos direitos humanos; estes são "a escória do universo" (abaixo dos neo-nazistas, por exemplo - afinal, Rafael Azevedo defende uma "limpeza" no oriente). Quanto à democracia, o pensador político Rafael Azevedo é anglófilo no seu parecer "Thank God I'm outta here!". Além disso, Rafael Azevedo é contra TODOS os advogados. Agora, naquilo que foi um debate sobre o Paulo Francis, Rafael Azevedo comete mais uma série de atos "intelectuais": Primeiro, destrata o debatedor Marcelo porque este escreve em revistas como Geek e Hacker, enaqunto "eu [Rafael Azevedo] tenho que me contentar com fatos e argumentos". Só isso já seria suficiente para situar a posição intelectual de Rafael Azevedo, pois a invocação peremptória a "fatos e argumentos" guarda um quê do ranço positivista. Depois Rafael Azevedo parte para um ataque pessoal contra um "sujeito chamado Irã", pois com um nome desses (árabe?), ele seria indigno de um debate. Ao que tudo indica, Rafael Azevedo (belo nome!) defende que só pessoas com nomes apropriados tenham direito ao debate. Num primeiro momento, devemos banir alguém chamado Irã, depois talvez devamos abolir as opiniões e os escritos de pessoas intituladas Ezra, Millôr ou ainda o pobre indiano Vikran Seth (ainda bem que eu me chamo Leonardo!). Feita a restrição ao nome de Irã (árabe?) Rafael parte para a agressão de fato, e convoca o dito cujo para um duelo (São Paulo, dezembro), quando promete-lhe "enfiar a mão na fuça". Intelectualizadíssimo, o Rafael Azevedo. Porém, apesar de tão disparatadas idéias, Rafael Azevedo é ídolo de Alexandre Soares Silva, que, aparentemente, considera-o um grande pensador. Talvez porque Rafael Azevedo seja mais furioso nas suas soluções de "limpeza", enquanto Alexandre Soares Silva sai-se com ideiazinhas irresponsáveis como as que "os fuscas e os mavericks [dos anos 70] enfeiavam mais a orla de Ipanema do que todos os prédios atuais juntos" (viva a especulação imobiliária, por ser menos nociva que os mavericks!). Então, que tal juntar admirados e admiradores numa campanha, digamos, em prol da volta da dinastia Bourbon ao trono da França, com direito a um rei que curasse escrófula? Talvez sobrasse algum viscondado para gente como Rafael Soares. Ou uma campanha pelo reconhecimento público de Torquemada? Talvez sobrasse algum cargo de inquisidor para gente como Rafael Soares, adepto de "limpezas". Ou ainda, que tal a criação de um centro para a divulgação das idéias de Adolf Hitler? Peço desculpas aos outros escritores citados nesta página se cito em demasia o nome de Rafael Azevedo. Divulgo tal nome para essas nobres ocupações, pois entendo que nelas Rafael Azevedo poderia mostrar um resumo dos seus argumentos "intelectuais", argumentos que envolvem murros nos dentes, guilhotina, limpeza étnica, bomba nuclear, chutes entre as pernas, mão na fuça e, the last but not the least, música erudita (ah, o efeito cenográfico de bombas atômicas atiradas ao som da Cavalgada das Valquírias; Rafael Azevedo é um esteta). Divulgo o nome de Rafael Azevedo pois ele tem a cabeça talhada para tanto. Uma cabeça dividida entre o Ocidente pré-Iluminismo e Munique, 1936 (música erudita, por favor!). Ou, talvez, eu esteja sendo meio genérico. Tomo o irabundo Rafael Azevedo como exemplo, por ser o exemplo mais aberrante. O mais provável é que não só a cabeça de Rafael Azevedo, mas as de todos os outros produtores de blogs citados nesta página, estejam situadas em um endereço mais específico: Rua Maranhão, em São Paulo, sede da TFP. Ou, ainda, em algum Centro Positivista. Eu, da minha parte, continuarei lendo revistas como Geek, e me preocuparei com nazistinhas agressivos e semi-alfabetizados como Rafael Azevedo, apenas para evitar que um reacionário vulgar como ele faça alguma outra coisa na vida além de redigir suas insanidades num blog.

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Leonardo Marques
18/11/2002 às
11h18 200.213.80.5
(+) Leonardo Marques no Digestivo...
 
Descontextualizando Francis
Durante o governo Ribamar Sarney, apareceu o Pérsio Arida na televisão, defendendo um daqueles planos econômicos. O Francis comentou que o Arida falava um inglês direitinho e que tinha idéias direitinhas, mas que naquela idade, ele, Francis, estava se encharcando de bebida e fazendo bobagem nas noitadas cariocas. É o caso dos blogueiros citados aí: meninos bem comportados, posando de aristocratas, deslumbradinhos com suas leituras (todas devidamente catalogadas, previsíveis e sem nenhum traço de ousadia). Um desses aí, tido como "inteligente", até faz questão de ser chamado de "senhor" e horrorizou-se quando foi apresentado à filha do "famoso" (quá-quá-quá) jornalista Mino Carta, chamou-a de senhora, e foi destratado. Diz-se preocupado com "respeito, gentileza, preocupação com o bem estar alheio" mas, livresco, e pedante como é, não se dá conta que pode ser imensamente incômodo ao insistir num tratamento pernóstico. Comentando o bacharelismo brasileiro, Gilberto Freyre lembrava um diplomata genovês que, no final do século XVI, escreveu um relatório onde comentava o estranho hábito português de todos se tratarem mutuamente por senhor e senhora, sem que fossem senhores ou senhoras de coisa alguma no mundo. É por aí. E nessa levada, o tal senhor blogueiro (ou seria senhor doutor blogueiro?) ainda se horroriza com a namoradinha de um amigo, que ficou constrangida quando ele foi abrir a porta do carro para ela. E daí? Fosse um sujeito inteirado do mundo ao redor, saberia que há n variedades de mulheres, que uma jamais é igual a outra, e que, portanto, o tratamento jamais poderá ser normatizado. Se ela não quer que abra, é fácil. Basta não abrir. Depois, o citado senhor doutor blogueiro ainda "deita elogios" (sic) à "fantástica" (sic) "iniciativa" (sic) de um certo Bruno, para encerrar com um "Parabéns!" (sic). Nada contra o Bruno, mas um amontoado de clichês como esse foi redigido por alguém "inteligente" e "que sabe escrever"? Qual é a idade mental dessa pessoa? No romance "Cabeça de Papel", havia um poeta bêbado e boêmio que, meio no embalo, celebrava "imitadores baratos que lhe copiam os manerismos, substituindo o que, no original, se autogerara nas entranhas, pelo arremedo de salão" (p. 117). Bingo. A produção dos senhores doutores blogueiros citados não passa disso, de um arremedo de salão, cínico e descontextualizado, da obra do Francis. Um esnobismo de desajustados e invertidos. Paulo Francis trataria esses jovens assépticos a facão.

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Irã Dudeque
17/11/2002 às
09h36 200.213.80.5
(+) Irã Dudeque no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sobressalto!
Lilian Sypriano
Formato
(2000)
R$ 6,70



Tributação Efetiva Sobre Consumo e Renda do Trabalho e do Capital
Cadernos Direito Tributário Finanças, Nº 11
Revista dos Tribunais (sp)
(1995)
R$ 19,82



Porto Belo - Sua História Sua Gente
Dieter Hans Bruno Kohl
Outros
R$ 10,00



Qual É a Sua Cor? o Caminho para Saúde Através da Cor
Annie Wilson & Lilla Bek
Martins Fontes
(1985)
R$ 13,90



Inspector Logan - Level 1 - 4ª Ed.
Richard Macandrew
Cambridge University Press
(2004)
R$ 13,19



Primeiro Encontro Sobre o Ensino da História Comunicações
Diversos Autores
Fundação Calouste Gulbenkian
(1992)
R$ 23,45



Hollow Land: Israel's Architecture of Occupation
Eyal Weizman
Verso
(2012)
R$ 250,00
+ frete grátis



Vip Luize Altenhofen Nº 237
Vários Autores
Abril
(2005)
R$ 10,00



Crônicas Escolhidas Lima Barreto
Lima Barreto
Ática
(1995)
R$ 5,99



Iniciação à História da Ciência
David B. Kitts/ Duane H. D. e outros
Cultrix
(1966)
R$ 6,90





busca | avançada
74915 visitas/dia
2,3 milhões/mês