E Plácido gravou o Tristão... | Lauro Machado Coelho

busca | avançada
68513 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 2/1/2006
E Plácido gravou o Tristão...
Lauro Machado Coelho

+ de 2400 Acessos

Enfrentar pela primeira vez, passada a marca dos 60 anos, um dos papéis mais difíceis do repertório é um desafio temível. Plácido Domingo o encarou no Tristão e Isolda, álbum da EMI Classics, regido por Antonio Pappano, que já está disponível em nossas lojas especializadas. Foi um processo gradual e cauteloso de incorporação, à sua lista de personagens, das grandes criações wagnerianas, iniciado em 1975 com o Walther, dos Mestres Cantores, até chegar, em 1992, ao Parsifal. Falta agora apenas o Siegmund da Valquíria, que Domingo fez várias vezes no palco, e de que já gravou alguns trechos.

É uma cautelosa gravação de estúdio, dirão os wagneritas mais intransigentes, cercada de procedimentos que atenuam as dificuldades que oferece o papel. É verdade: este é um personagem que Domingo nunca teria cantado fora do estúdio. Mas, ao fazê-lo, investe nele as qualidades de timbre privilegiado, musicalidade, inteligência interpretativa e desenvoltura como ator que fizeram dele o tenor mais completo da segunda metade do século 20.

O conhecedor da carreira de Domingo sempre soube que ele teve dificuldades no extremo agudo do registro. Mas isso nunca o impediu de fazer, de forma extremamente convincente, papéis muito árduos para ele, como o Manrico do Trovatore. Mais do que isso, Domingo foi perfeitamente capaz de incorporar a seu repertório personagens que não eram naturalmente indicados para o seu tipo de voz. O maior exemplo disso é o Otello, de Verdi, que se tornou uma viga mestra de sua carreira, e do qual ele ofereceu, inúmeras vezes interpretações de extrema originalidade. Outro é o Don José da Carmen, que ele converteu em “o seu papel”. Além disso, que outro tenor contemporâneo teve a preocupação em ampliar constantemente o repertório? Que outro cantor, na faixa de idade em que Domingo se encontra, teria a coragem de somar à sua lista de personagens o Sly, de Wolf-Ferrari e o Cyrano de Bergerac, de Alfano – obras raras, nas quais muitos tenores não teriam interesse em investir.

O Tristão de Plácido Domingo é admirável, porque ele o faz respeitando as características e as possibilidades de seu instrumento – da mesma forma que aconteceu, em sua gravação do Canto da Terra, de Mahler. Há algo de muito apaixonado em esse Tristão ser feito com a incandescência de um timbre de técnica italianada, sobretudo nas passagens líricas, em especial em “O sink hernieder, Nacht der Liebe”, no coração do dueto de amor do segundo ato, que ele realiza de forma comovente.

Domingo não é um Heldentenor típico. Não tem o timbre escuro e a pasta vocal sólida de um Ludwig Suthaus; nem a extensão vocal e o timbre heróico de um Jon Vickers. Mas a inteligência do artista não o leva a tentar aquilo que sabe não ser capaz de fazer. O resultado disso é Domingo sair-se melhor do que se poderia esperar no assustador terceiro ato, em que Tristão, ferido por Melot, espera por Isolda. Nesse interminável monólogo, é notável a sutileza com que ele trabalha a flutuação emocional do personagem, da angústia à esperança e à sensação frustrada de que Isolda não virá mais. Domingo dá à grande criação wagneriana aquela mesma complexidade humana, misto de força heróica e vulnerabilidade, que tornava fascinante a sua composição do Otello.

É extremamente bem cuidado o álbum da EMI, que já foi anunciado como a última grande gravação de ópera em estúdio. Foram escalados, no elenco de apoio, cantores excelentes: o liederista inglês Ian Bostridge, como o Pastor que surge no início do ato 3; o mexicano Rolando Villazón, tenor de carreira em ascensão, como o Marinheiro que dá início à ópera. Mas, principalmente, o baixo René Pape que, no vídeo recente do Metropolitan, demonstrou ser um dos melhores intérpretes atuais do rei Marke.

Por que, então, escolher, para o papel central de Isolda, uma cantora como Nina Stemme, da qual não se pode realmente dizer que seja medíocre – o timbre é bonito, a emissão correta, a musicalidade está presente –, mas que não chega a construir, da princesa irlandesa, um retrato que se ombreie ao do Tristão que tem a seu lado? Nas passagens líricas, até que ela não se sai mal. É no furor da Narrativa e Maldição do primeiro ato, ou na ansiedade da espera pelo amado, no início do segundo, que sentimos o quanto lhe falta daquela energia, daquela vibração que tornavam inesquecíveis as leituras de Kirsten Flagstad (na versão Furtwängler de 1952) ou Birgit Nilsson (na gravação ao vivo de Karl Böhm, em 1966).

Mesmo no “Mild und leise”, o mágico monólogo do final, nada há, na execução de Stemme, que esteja fora do lugar; nada há que realmente possa ser apontado como inadequado; apenas há algo de impalpável que parece não estar lá, aquele “não sei quê” que até mesmo Margaret Price (Carlos Kleiber, 1982), que se encontra num plano diferente do de Flagstad ou Nilsson, consegue captar.

Contribui para desequilibrar o elenco a Brangäne neutra de Mihoko Fujimura, aceitável no “Wacht auf”, a advertência do segundo ato – ainda que sem o brilho inesquecível de uma Christa Ludwig, é claro – mas ficando a dever cada vez que o papel exige dela mais energia. Quanto ao liederista Olaf Bär, ele faz um Kurwenal bastante persuasivo, na linha do criado por Fischer-Dieskau, no álbum Furtwängler, embora com as devidas alterações vocais devidas a um estágio mais maduro de sua carreira.

Antonio Pappano, à frente do Covent Garden, rege de forma competente. Não tem a urgência quase histérica de um Karl Böhm nas passagens mais fortes do primeiro ato, ou na primeira seção do dueto de amor. Mas encontra acentos líricos muito convincentes para a seqüência em que ambos aceitam a paixão que já tinham um pelo outro; e para o feitiço melódico do “Sink hernieder”. Sobretudo, Pappano oferece a Domingo o apoio orquestral que lhe permite fazer, no terceiro ato, uma criação músico-dramática na qual reconhecemos a presença de um grande artista.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Publicado originalmente no jornal O Estado de S. Paulo em novembro de 2005.


Lauro Machado Coelho
São Paulo, 2/1/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Populares e eruditos de João Marcos Coelho
02. Sereníssima de Ramon Mello
03. Não podia acontecer na América de Sérgio Augusto


Mais Lauro Machado Coelho
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SUPERVISORES CADERNOS DE GESTÃO
TREVOR FOXEN E TREVOR PECK
GRADIVA
(1992)
R$ 17,00



KEI MITSUUCHI: AI PIEDI DELLA CROCE (ITALIAN EDITION)
GIOVANNI TESTORI
MAZZOTTA
(1985)
R$ 45,82



PRINCÍPIOS DE RELAÇÕES HUMANAS - VOL. 3
NORMAN R. F. MAIER
RECORD
(1966)
R$ 6,90



NUEVO LISTO PARTE A . ESPAÑOL A TRAVES DE TEXTOS
ROBERTA AMENDOLA
SANTILLANA / MODERNA
(2012)
R$ 19,90



NOSSAS ACONTECÊNCIAS - CAUSOS DE IRAPÉ
ANDRÉIA CASSIA PINTO
CEMIG
(2006)
R$ 6,90



O COMPORTAMENTO ANIMAL
FERNANDO A. LUIS A. DE REYNA E FRANCISCO BRAZA
BIBLIOTECA SALVAT
(1979)
R$ 10,00



SENÕES DA BÍBLIA
ALDEONOFF POVOAS
ND
(1953)
R$ 24,50



CAETANO VELOSO LITERATURA COMENTADA
PAULO FRANCHETTI E ALCYR PÉCORA
NOVA CULTURAL
R$ 6,90



O REI BIGODEIRA E SUA BANHEIRA
AUDREY WOOD; DON WOOD; GISELA MARIA PADOVAN
ATICA
(2010)
R$ 40,00



ATLAS DE ANATOMIA HUMANA - VOLUME I
WERNER SPALTEHOLZ
ROCA
(1988)
R$ 39,90





busca | avançada
68513 visitas/dia
2,6 milhões/mês