Lula e a imprensa | Mario Sergio Conti

busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Renato Morcatti transita entre o público e o íntimo na nova exposição “Ilê da Mona”
>>> Site WebTV publica conto de Maurício Limeira
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sultão & Bonifácio, parte IV
>>> Em 2016, pare de dizer que você tem problemas
>>> O Direito mediocrizado
>>> Carma & darma
>>> Carlos H Lopes de chapéu novo
>>> Três paredes e meia
>>> All That Jazz
>>> A proposta libertária
>>> It’s only rock’n’roll but I like it
>>> Maurice
Mais Recentes
>>> O Exu do Fogo de Marcílio Borges pela Madras (2013)
>>> Panorama da Literatura de Flávio Aguiar pela Nova Cultural (1988)
>>> Drácula: O vampiro da noite de Bram Stoker pela Martin Claret (2008)
>>> Arquiteto a Máscara e a Face de Paulo Bicca pela Projeto (1984)
>>> Jonas Assombro de Carlos Nejar pela Novo Século (2008)
>>> A Construção da Cidade Brasileira de Manuel C. Teixeira (Coord.) pela Livros Horizonte (2004)
>>> Ayurveda: A Ciência da Longa Vida de Dr. Edson Antônio D'angelo & Janner Rangel Côrtes pela Madras (2015)
>>> Macunaíma (o heróis sem nenhur caráter) de Mário de Andrade pela Círculo do Livro
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (1993)
>>> Relações Sociais E Serviço Social No Brasil: Esboço de Uma Interpretação Histórico-metodológica - 41ª Edição (7ª Reimpressão) de Marilda Villela Iamamoto & Raul de Carvalho pela Cortez (2018)
>>> Lima Barreto: o rebelde imprescindível de Luiz Ricardo Leitão pela Expressão Popular (2006)
>>> A Batalha das Rainhas de Jean Plaidy pela Record (1978)
>>> Um Certo Capitão Rodrigo de Erico Verissimo pela Círculo do Livro
>>> O Livro de San Michele de Axel Munthe pela Círculo do Livro
>>> O Espião Que Morreu de Tédio de George Mikes pela Círculo do Livro
>>> O Santo Inquérito - Coleção Prestígio de Dias Gomes pela Ediouro (2004)
>>> Confissões Eróticas de Iris e Steven Finz pela Record (2001)
>>> Diários do Vampiro Vol 1 Origens Ddiários de Stepan de L. J. Smith - Kevin Williamson - Julie Plec pela Galera Record (2011)
>>> Peão da Rainha de Victor Canning pela Record (1969)
>>> Paris - uma Agenda de Bons Endereços de Elisabeth Vanzolini pela Ediouro (1998)
>>> Obras Incompletas - Coleção Os Pensadores - 2 Volumes de Friedrich Nietzsche pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaios Escolhidos - Coleção Os Pensadores de Bertrand Russell pela Nova Cultural (1992)
>>> Diálogos - Coleção Os Pensadores de Platão pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaio Acerca do Entendimento Humano de John Locke pela Nova Cultural (1991)
>>> Do Contrato Social e outros textos - Coleção Os Pensadores de Rousseau pela Nova Cultural (1991)
ENSAIOS

Segunda-feira, 27/3/2006
Lula e a imprensa
Mario Sergio Conti

+ de 9100 Acessos

Quando o governo vai mal, e cai a sua popularidade, há sempre alguém à esquerda do príncipe que surge com a tese de que a culpa é da imprensa. Argumenta-se que a imprensa, na sua má vontade, reflete os interesses contrariados pelo governo. A conclusão lógica é o governo criar ou reforçar mecanismos próprios de divulgação dos seus feitos, deixando os jornalistas em segundo plano. O governo deve fazer mais propaganda. Como as peças publicitárias governamentais são veiculadas em jornais, no rádio, na televisão e em revistas, o conselheiro do príncipe que começou atacando a imprensa na prática termina por beneficiá-la da maneira mais direta possível: carreando verbas públicas para empresas privadas de comunicação.

À direita do príncipe, surge então um argumento oposto. O governo vai mal porque se comunica mal. É necessário mudar a "estratégia" de comunicação. A patranha consiste em aproximar o príncipe de determinados jornalistas e órgãos de imprensa (os de maior prestígio e audiência), em descarregar verbas publicitárias em veículos selecionados (os mais vulneráveis economicamente, e portanto dóceis ao governo) e em incrementar a presença institucional do governante – por meio de entrevistas coletivas. Também nessa alternativa a imprensa sai ganhando. Uns órgãos terão mais verbas. Outros, mais príncipe.

Desde que a crise política estourou, o governo Lula fez atabalhoadamente todos os movimentos possíveis em matéria de manipulação de verbas publicitárias e de aproximação do príncipe da imprensa. Nada deu certo.

Nem por isso o governo Lula deixa de inovar. A Secretaria de Comunicação Social tem um funcionário que se dedica a esmiuçar diariamente o que sai na imprensa. O funcionário é o jornalista Bernardo Kucinski, professor licenciado da Universidade de São Paulo. Todas as manhãs ele entrega um relatório sobre o assunto ao presidente, que o repassa a uma meia dúzia de ministros e assessores próximos.

Pois Kucinski concedeu uma entrevista à Agência Repórter Social na qual reconhece o seguinte: "Fundamentalmente, o nosso governo não foi capaz de mudar o País como prometeu". E complementa: "Mudar para sentir que estamos caminhando para alguma coisa, você não muda de um dia para outro, mas você cria o sentimento da mudança, e esse sentimento não foi criado". Eis, enfim, alguém no Planalto que flagra o problema central do governo Lula: ele não cumpriu a promessa de mudar o País.

Kucinski não analisa o problema que ele mesmo enuncia lisamente. Em vez disso, assume o papel de conselheiro de comunicações do príncipe. Como de praxe, ataca repórteres, colunistas, diretores de órgãos de imprensa (que insistem em não reconhecer que "o governo Lula tem muita coisa boa"). Também nos conformes é a defesa da "comunicação institucional" (como se a enxurrada de entrevistas coletivas de Lula nos últimos tempos tivesse surtido efeito). Bernardo Kucinski faz afirmações que, pelo tom peremptório ("os jornalistas não aceitam um líder político que não tenha diploma", "os jornalistas não têm respeito com a pessoa do Lula"), podem passar por verdades absolutas. Na verdade, são apenas impressões.

Minhas impressões são outras. Nas redações que freqüentei ao longo das últimas três décadas, o que vi foi simpatia por Lula. Por três motivos. Primeiro, ele simbolizava aquilo que Kucinski chama de "sentimento de mudança". Em segundo lugar, ao contrário do político-padrão, no qual o cálculo e a defesa do interesse próprio são disfarçados com marquetices ou lengalenga patriótica, Lula era franco e objetivo, dizia o que pensava. Por fim, o homem é brasileiramente afável: faz piada, trata o jornalista com cordialidade.

O que Lula nunca teve foi a matreirice das velhas raposas, aqueles políticos que passam pistas de matérias e, em determinado dia, telefonam para contar uma notícia exclusiva. Em compensação, quando confiava num jornalista, Lula lhe dava acesso quase irrestrito.

Um exemplo. Passei dois anos, no final da década de 90, tentando entrevistar Lula para um livro que preparava sobre as relações de Fernando Collor com a imprensa. Queria que ele contasse a campanha presidencial de 1989. Achei que seria fácil, já que, durante os sete anos que dirigi Veja, nunca tivemos um atrito. Ele se recusou, alegando que não queria rememorar fatos que lhe eram dolorosos: a questão da sua ex-mulher, que Chico Santa Rita, o marqueteiro de Collor, levou ao ar na propaganda eleitoral para acusá-lo de forçá-la a fazer um aborto. Três amigos tentaram convencê-lo a mudar de idéia e não conseguiram: o jornalista Ricardo Kotscho, o escritor Frei Betto e José Américo Dias, então seu assessor de imprensa.

Dois meses depois da publicação do livro, Notícias do Planalto, Lula me convidou para um jantar, em companhia de José Américo Dias, hoje vereador pelo PT em São Paulo. Disse que, nas partes em que tratava dele, o livro era correto. (Entre parênteses: pelos comentários que fez, Lula demonstrou que tinha lido o livro, o que põe por terra a lenda, impregnada de preconceito e má-fé, de que ele não sabe ler.) No fim do jantar, perguntou no que poderia ajudar-me. Pedi-lhe que me desse acesso e notícias.

Acesso ele sempre deu. Permitiu que, para fazer uma reportagem, eu o acompanhasse durante uma semana de viagem na campanha municipal de 2001. Nos aviões, Lula passava a maior parte do tempo lendo jornais – as páginas de política e esporte, de cabo a rabo, e nas outras uma olhada por cima. "Se tivesse tempo, gastaria umas três horas por dia lendo um monte de jornais", afirmou. Do que não gostava era da fofocaiada e de manipulação. Deu como exemplo a coluna Painel, da Folha de S.Paulo. "Para muitos petistas, o Painel é o instrumento para eles mentirem e falarem mal uns dos outros; isso eu não faço."

Depois de eleito, Lula continuou a dar acesso a jornalistas que conhecia, confiava e/ou representavam órgãos de imprensa importantes. Na sua primeira viagem a Paris como presidente, ele e seu então assessor, Ricardo Kotscho, permitiram que Reali Jr., do Estadão, Merval Pereira, de O Globo, Clovis Rossi, da Folha, e eu, da Rede Bandeirantes, participássemos do coquetel que ofereceu para dirigentes do Partido Socialista – enquanto dezenas de colegas foram impedidos de entrar.

A situação só mudou com a explosão da crise. Em julho, Lula foi novamente a Paris. Recusou-se a falar com todos os jornalistas, inclusive os franceses. Em compensação, aceitou que se armasse uma entrevista com uma desconhecida, que não é jornalista nem no Brasil nem na França, para afirmar que o PT faz como todos os partidos brasileiros quando recorre ao caixa dois.

Essas historinhas demonstram que Lula entende perfeitamente o papel dos jornalistas. Um entendimento maior do que é a imprensa que o de Bernardo Kucinski. O que ele não tem é a avaliação política de Kucinski, a de que seu governo não foi capaz de cumprir o prometido: começar a mudar o Brasil.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Publicado originalmente no suplemento “Aliás”, de O Estado de São Paulo, em 15 de janeiro de 2006. Mario Sergio Conti é jornalista. Foi diretor de redação da revista Veja e do Jornal do Brasil. É autor do livro Notícias do Planalto.


Mario Sergio Conti
São Paulo, 27/3/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O dia em que traduzi Renato Russo de Millôr Fernandes


Mais Mario Sergio Conti
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Responsabilidade Civil por Erro Médico
Fábio Motta da Cunha
Cbj
(2007)



Educação Linguistica Em Perspectivas e Horizontes
Khalil Salem
Fiuza
(2011)



Vencendo a Própria Crise
Carlos Wizard Martins
Record
(1993)



Filha da Magia
Justine Larbalestier
Galera



O Tempo Não Apagou
Don R. Christman
Casa
(1987)



A princesa que tudo sabia,,,,menos uma coisa
Rosane paplona, Nino B junior
Brinque-Book
(2001)



Tecnologia Em Gestão e Marketing para Pequenas e Médias Empresas Vol 2
Pedro Hiane e Outros
Uniderp
(2007)



Diga Não À Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes ...
Maria Conceição O. Costa (coord.)
Do Autor
(2012)



Para Sempre uma Aprendiz
Maria Glória Francener Deschamps
Gaia
(2004)



Moda & Sustentabilidade: Design para Mudança - 1ª Edição
Kate Fletcher & Lynda Grose
Senac Sp
(2012)





busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês