Lula e a imprensa | Mario Sergio Conti

busca | avançada
74821 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 27/3/2006
Lula e a imprensa
Mario Sergio Conti

+ de 8600 Acessos

Quando o governo vai mal, e cai a sua popularidade, há sempre alguém à esquerda do príncipe que surge com a tese de que a culpa é da imprensa. Argumenta-se que a imprensa, na sua má vontade, reflete os interesses contrariados pelo governo. A conclusão lógica é o governo criar ou reforçar mecanismos próprios de divulgação dos seus feitos, deixando os jornalistas em segundo plano. O governo deve fazer mais propaganda. Como as peças publicitárias governamentais são veiculadas em jornais, no rádio, na televisão e em revistas, o conselheiro do príncipe que começou atacando a imprensa na prática termina por beneficiá-la da maneira mais direta possível: carreando verbas públicas para empresas privadas de comunicação.

À direita do príncipe, surge então um argumento oposto. O governo vai mal porque se comunica mal. É necessário mudar a "estratégia" de comunicação. A patranha consiste em aproximar o príncipe de determinados jornalistas e órgãos de imprensa (os de maior prestígio e audiência), em descarregar verbas publicitárias em veículos selecionados (os mais vulneráveis economicamente, e portanto dóceis ao governo) e em incrementar a presença institucional do governante – por meio de entrevistas coletivas. Também nessa alternativa a imprensa sai ganhando. Uns órgãos terão mais verbas. Outros, mais príncipe.

Desde que a crise política estourou, o governo Lula fez atabalhoadamente todos os movimentos possíveis em matéria de manipulação de verbas publicitárias e de aproximação do príncipe da imprensa. Nada deu certo.

Nem por isso o governo Lula deixa de inovar. A Secretaria de Comunicação Social tem um funcionário que se dedica a esmiuçar diariamente o que sai na imprensa. O funcionário é o jornalista Bernardo Kucinski, professor licenciado da Universidade de São Paulo. Todas as manhãs ele entrega um relatório sobre o assunto ao presidente, que o repassa a uma meia dúzia de ministros e assessores próximos.

Pois Kucinski concedeu uma entrevista à Agência Repórter Social na qual reconhece o seguinte: "Fundamentalmente, o nosso governo não foi capaz de mudar o País como prometeu". E complementa: "Mudar para sentir que estamos caminhando para alguma coisa, você não muda de um dia para outro, mas você cria o sentimento da mudança, e esse sentimento não foi criado". Eis, enfim, alguém no Planalto que flagra o problema central do governo Lula: ele não cumpriu a promessa de mudar o País.

Kucinski não analisa o problema que ele mesmo enuncia lisamente. Em vez disso, assume o papel de conselheiro de comunicações do príncipe. Como de praxe, ataca repórteres, colunistas, diretores de órgãos de imprensa (que insistem em não reconhecer que "o governo Lula tem muita coisa boa"). Também nos conformes é a defesa da "comunicação institucional" (como se a enxurrada de entrevistas coletivas de Lula nos últimos tempos tivesse surtido efeito). Bernardo Kucinski faz afirmações que, pelo tom peremptório ("os jornalistas não aceitam um líder político que não tenha diploma", "os jornalistas não têm respeito com a pessoa do Lula"), podem passar por verdades absolutas. Na verdade, são apenas impressões.

Minhas impressões são outras. Nas redações que freqüentei ao longo das últimas três décadas, o que vi foi simpatia por Lula. Por três motivos. Primeiro, ele simbolizava aquilo que Kucinski chama de "sentimento de mudança". Em segundo lugar, ao contrário do político-padrão, no qual o cálculo e a defesa do interesse próprio são disfarçados com marquetices ou lengalenga patriótica, Lula era franco e objetivo, dizia o que pensava. Por fim, o homem é brasileiramente afável: faz piada, trata o jornalista com cordialidade.

O que Lula nunca teve foi a matreirice das velhas raposas, aqueles políticos que passam pistas de matérias e, em determinado dia, telefonam para contar uma notícia exclusiva. Em compensação, quando confiava num jornalista, Lula lhe dava acesso quase irrestrito.

Um exemplo. Passei dois anos, no final da década de 90, tentando entrevistar Lula para um livro que preparava sobre as relações de Fernando Collor com a imprensa. Queria que ele contasse a campanha presidencial de 1989. Achei que seria fácil, já que, durante os sete anos que dirigi Veja, nunca tivemos um atrito. Ele se recusou, alegando que não queria rememorar fatos que lhe eram dolorosos: a questão da sua ex-mulher, que Chico Santa Rita, o marqueteiro de Collor, levou ao ar na propaganda eleitoral para acusá-lo de forçá-la a fazer um aborto. Três amigos tentaram convencê-lo a mudar de idéia e não conseguiram: o jornalista Ricardo Kotscho, o escritor Frei Betto e José Américo Dias, então seu assessor de imprensa.

Dois meses depois da publicação do livro, Notícias do Planalto, Lula me convidou para um jantar, em companhia de José Américo Dias, hoje vereador pelo PT em São Paulo. Disse que, nas partes em que tratava dele, o livro era correto. (Entre parênteses: pelos comentários que fez, Lula demonstrou que tinha lido o livro, o que põe por terra a lenda, impregnada de preconceito e má-fé, de que ele não sabe ler.) No fim do jantar, perguntou no que poderia ajudar-me. Pedi-lhe que me desse acesso e notícias.

Acesso ele sempre deu. Permitiu que, para fazer uma reportagem, eu o acompanhasse durante uma semana de viagem na campanha municipal de 2001. Nos aviões, Lula passava a maior parte do tempo lendo jornais – as páginas de política e esporte, de cabo a rabo, e nas outras uma olhada por cima. "Se tivesse tempo, gastaria umas três horas por dia lendo um monte de jornais", afirmou. Do que não gostava era da fofocaiada e de manipulação. Deu como exemplo a coluna Painel, da Folha de S.Paulo. "Para muitos petistas, o Painel é o instrumento para eles mentirem e falarem mal uns dos outros; isso eu não faço."

Depois de eleito, Lula continuou a dar acesso a jornalistas que conhecia, confiava e/ou representavam órgãos de imprensa importantes. Na sua primeira viagem a Paris como presidente, ele e seu então assessor, Ricardo Kotscho, permitiram que Reali Jr., do Estadão, Merval Pereira, de O Globo, Clovis Rossi, da Folha, e eu, da Rede Bandeirantes, participássemos do coquetel que ofereceu para dirigentes do Partido Socialista – enquanto dezenas de colegas foram impedidos de entrar.

A situação só mudou com a explosão da crise. Em julho, Lula foi novamente a Paris. Recusou-se a falar com todos os jornalistas, inclusive os franceses. Em compensação, aceitou que se armasse uma entrevista com uma desconhecida, que não é jornalista nem no Brasil nem na França, para afirmar que o PT faz como todos os partidos brasileiros quando recorre ao caixa dois.

Essas historinhas demonstram que Lula entende perfeitamente o papel dos jornalistas. Um entendimento maior do que é a imprensa que o de Bernardo Kucinski. O que ele não tem é a avaliação política de Kucinski, a de que seu governo não foi capaz de cumprir o prometido: começar a mudar o Brasil.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Publicado originalmente no suplemento “Aliás”, de O Estado de São Paulo, em 15 de janeiro de 2006. Mario Sergio Conti é jornalista. Foi diretor de redação da revista Veja e do Jornal do Brasil. É autor do livro Notícias do Planalto.


Mario Sergio Conti
São Paulo, 27/3/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lembranças de Ariano Suassuna de Leandro Carvalho
02. Harold Ramis (1944-2014) de Marcel Plasse
03. Para o Daniel Piza. De uma leitora de Eugenia Zerbini
04. Ser mãe de Lélia Almeida
05. Homenagem a Pilar del Río de Lélia Almeida


Mais Mario Sergio Conti
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIRA DOS VINTE ANOS
ÁLVARES DE AZEVEDO
GARNIER
(1994)
R$ 5,00



SURGERY
RICHARD WARREN
W B SAUNDERS
(1963)
R$ 23,52



ANJOS E DEMÔNIOS
DAN BROWN; MARIA LUIZA NEWLANDS
ARQUEIRO
(2004)
R$ 14,90



NOVO CÓDIGO CIVIL ALFATEMÁTICO
WILSON GIANULO
JURÍDICA BRASILEIRA
(2002)
R$ 100,00



UM ANJO CUIDA DE VOCE
EDDIE VAN FEU
ESCALA
(2020)
R$ 10,00



CUADERNOS DE PSICOTERAPIA
GENITOR
GENITOR
(1970)
R$ 14,00



A NAU DAS ILUSOES
LAURA SIMON
NOVA CULTURAL
(1986)
R$ 5,00



PINÓQUIO
NÃO MENCIONADO
ICA PRESS
(1982)
R$ 5,00



POR QUEM MORREU GETÚLIO VARGAS
WLADIMIR DE TOLEDO PIZA
AMPERSAND
(1998)
R$ 25,00



THE INCARNATIONS
SUSAM BARKER
TOUCHSTONE
(2015)
R$ 12,00





busca | avançada
74821 visitas/dia
1,8 milhão/mês