Jean Genet no Brasil | Ruth Escobar

busca | avançada
42788 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Te cuida, rapaz
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais?
>>> Aperte o play
>>> Sr. Google, não perca essa chance
>>> O corpo-reconstrução de Fernanda Magalhães
>>> Por que o Lula Inflado incomoda tanto
>>> A fotografia é um produto ou um serviço?
>>> O cristianismo para Nietzsche
>>> Conversa de pai e filha
>>> Psicodelia para Principiantes
Mais Recentes
>>> Aves do Jardim Botânico do Rio de Janeiro- Guia de campo de Lena Trindade, Henrique Rajão e Plínio Senna pela Hólos Cultores associados (2011)
>>> Uma garota chamada Júlio de Milena Milani pela Record
>>> Flash & Lanterna Verde: De Volta à era de Prata de DC Comics pela Mythos (2004)
>>> Cinquenta anos depois de Francisco Cândido Xavier pelo espírito Emmnuel pela Feb
>>> Dark Heroes: Com Uma Crise nas Mãos! de Steve Vance pela Brain Store (2002)
>>> Jonathan Strange e Mr. Norrell de Sussana Clarke pela Companhia das letras (2005)
>>> O Homem-Aranha - Minissérie Tormento em Duas Edições de Todd McFarlane pela Abril (1992)
>>> A história da umbanda de Alexandre Cumino pela Madras (2019)
>>> Homem-Aranha - O Outro Evolução Ou Morte 4 volumes. de Marvel Comics pela Panini Comics (2005)
>>> O fim da ansiedade de Max Lucado pela Thomas Nelson
>>> Wolverine SNIKT! Parte 1 e 2 de Marvel Comics pela Panini Comics (2004)
>>> A hora e o lugar de Sergio Burgi e Samuel Titan Jr. pela Desconhecido
>>> Naquele dia de Dennis Lehane pela Companhia das letras
>>> Homem-Aranha Ed. Especial: Rei do Crime até a Morte de Marvel Comics pela Abril (1998)
>>> As 5 vidas de Paraguassú de Maria do Carmo pela Casa senhora do Carmo
>>> Homem-Aranha: A Última Caçada de Kraven - Minissérie em 3 Edições de Marvel Comics pela Abril (1990)
>>> Comer com sabedoria de Ana Beatriz Vieira Pinheiro pela Nova Era
>>> Professor Milionário! (como novo) de Domingos Pellegrini pela Ftd (2009)
>>> Didática de Jaime Cordeiro pela Contexto (2009)
>>> Impacto negro de Izabelle Valladares e Raime Paixão pela Literarte (2019)
>>> O Homem-Aranha & Motoqueiro Fantasma - Ed. Especial de Marvel Comics pela Abril (1993)
>>> O Tesouro da Montanha de Pedra (como novo) de Vários Autores pela Ftd (2008)
>>> O Homem-Aranha Vingança Minissérie em duas edições completa de Marvel Comics pela Abril (1995)
>>> Édipo Rei de Sófocles de Trajano Vieira pela Perspectiva (2009)
>>> 53 Vols. Os Imortais da Literatura Universal (Completa) de Vários Autores pela Abril (1973)
ENSAIOS

Segunda-feira, 3/4/2006
Jean Genet no Brasil
Ruth Escobar
+ de 13800 Acessos
+ 9 Comentário(s)


Jean Genet por Siegfried Woldhek

Jean Genet chegou numa manhã de sol, em junho de 1970. Os jornalistas acotovelavam-se no aeroporto. Ele passou rosnando, bufando, azedo; mal me cumprimentou. Caminhava tão rapidamente que eu me desequilibrava nos meus saltos altos. Trouxe-o para casa. Excitava-me ter em meu convívio o autor de minha grande obra.

Estava grávida de três meses de meu filho Nelsinho, e preparávamos a atriz que me substituiria até o parto. Genet participava com volúpia de todas as fofocas do elenco e tinha sempre saídas estapafúrdias para os problemas. Dentro de casa portava-se ora como o vovô de minhas filhas Rutinha e Inês, ora como uma criança temperamental. Na época, as más línguas espalhavam que ele não gostara do espetáculo, o que não é verdade. O teatro não mobilizava mais Jean Genet. Dizia que o teatro estava morto, recusou-se a ver os integrantes do Living Theatre que foram visitá-lo em casa, nem sequer aceitou receber Julian Beck ou Judith Malina. Sua loucura agora, dizia, era “la politique”.

Conversávamos até de madrugada, ele não se cansava de contar-nos histórias da prisão e suas aventuras no exército francês na Argélia. Nunca me preocupei em averiguar se Genet realmente fizera o serviço militar, mesmo porque suas histórias eram absolutamente irreais, semelhantes a um filme do Gordo e do Magro no exército. Ríamos até a histeria; Genet se deliciava e contava mais. Tinha insônia, só quebrada à custa de soníferos. Às vezes, de madrugada, surpreendia-nos invadindo nosso quarto, enfiando-se em nossa enorme cama D. João V, esfregando as mãos de contente, como quem está aprontando o maior rebu, e dizendo: “Alors, les enfants, on va bavarder! Assez dormir, vous avez l’éternité pour dormir!

O pior não era quebrar o sono, mas o chulé que se espalhava pelos lençóis. Eu reclamava:

– Jean, de novo você não lavou os pés antes de dormir!

Ele ria, adorando: “Mas é bom este cheiro, é do melhor queijo francês, autêntico port-salut”.

Eu saía tonta da cama, apanhava uma toalha embebida em água quente e sabão e, feito Maria, lavava-lhe os pés brancos, alvos qual leite.

Durante os dias em que ficou em casa, os pedidos de autógrafos e entrevistas nos martirizavam, porque ele se recusava a receber qualquer pessoa. Quanto aos autógrafos, ensinou-me a copiar sua assinatura e me estimulava a falsificá-la. Quando eu retorquia que isso era estelionato, ele atacava: “Não seja idiota, a vida é um estelionato”.

Um dia, fomos surpreendidos por um telegrama de Maria do Carmo Sodré, esposa do governador de São Paulo naquela época, que demonstrou interesse em recebê-lo. Jean desandou um rosário de palavrões e insultos contra a ditadura no Brasil, até que o convenci a visitar a esposa do governador para prestar um serviço à Resistência. Expliquei que Maria, vulgarmente conhecida como “a Tia” e costureira de Lamarca, estava presa com a atriz Nilda Maria no presídio Tiradentes. Durante a ação, seus netos haviam sido carregados para uma unidade da Febem, que ninguém sabia qual fosse. Era a oportunidade de encontrá-los através da primeira-dama. Jean cedeu e, durante a audiência, mesmo esforçando-se ao máximo para ser polido e cortês, investiu com tanta veemência contra a selvageria das ditaduras que Maria Sodré no mesmo instante telefonou e colocou a Secretaria de Segurança na pista das crianças. Em quarenta e oito horas eram localizadas em duas unidades da Febem e eu levava a notícia para a avó, no presídio Tiradentes. Maria deu uma carta entregando-me a guarda de seus netos, mas meu desejo e sua vontade não foram atendidos pelo juizado de menores, que alegou minha situação de desquitada. Dali a algumas semanas o seqüestro do embaixador Elbrick retirava setenta presos políticos da cadeira, inclusive Maria e seus netos, que viajaram para a Argélia em troca do refém.

Também levei Genet ao presídio Tiradentes para visitar Nilda Maria, a atriz que interpretava Chantal, a revolucionária. Nunca soube se minhas entradas no presídio Tiradentes se deram graças à desorganização do presídio ou à ignorância da minha identidade, pois nos meus documentos constava Maria Ruth dos Santos. Quanto a Genet, na ficha de visita coloquei-o como tio afastado de Nilda, casado com uma tia que emigrara para a França. O personagem de Genet saltava do palco e encarnava na vida. Ficção e realidade eram uma só história. Finalmente nada havia a inventar. Nilda soluçava nos braços do “tio” Genet, o mito do século, o autor de sua história e de sua personagem. Na semana seguinte eu era proibida de entrar no Tiradentes. Certamente nossa aventura chegara aos escritórios do Doi-Codi.

Antes de Jean ir embora, recebemos a visita de um jovem francês que havia sido seu grande afeto, um corredor de automóveis com quem ele foi se encontrar em Mato Grosso. Jean era reservado sobre sua vida pessoal e nunca nos deu muitos detalhes sobre o jovem corredor, a não ser que havia tido um acidente muito grave e fora seu grande amor.

Jean me inoculou a angústia eterna dos que vivem nas trevas e no limite da vida, a angústia dos delinqüentes por falta de amor. Ele me ensinou a ternura pagã pelos criminosos, pelos marginais, pelos anatematizados. Durante anos tentei entender esse outro mundo levando meus espetáculos por trás das barras, até enfiar-me num projeto de ressocialização e humanismo dentro da Penitenciária do Estado. Quando me faltavam forças pensava em Genet, em sua história de amor e maldição.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pela editora Nova Fronteira. Publicado originalmente na apresentação do livro Diário de um ladrão, do dramaturgo francês Jean Genet (1910-1986), relançado agora em 2006.

Para ir além






Ruth Escobar
São Paulo, 3/4/2006
Mais Ruth Escobar
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/4/2006
14h45min
Deliciosos, tanto o texto em si como a história narrada por Ruth. Em ambos, a autora ressalta uma figura mitológica e reverenciada, extraindo dela o inédito, camuflado por detrás do gênio. Com isto, ela nos apresenta a um Genet-homem comum - com imensos problemas de relacionamento. E o traz ao nível de pessoas menos aquinhoadas, como a maior parte de nós...! Histórico e coloquial ao mesmo tempo, seu texto prende o leitor pelo ineditismo e pela descontinuidade, pela surpreendente seqüência dos fatos narrados e pela lógica do conjunto. Um primor!
[Leia outros Comentários de Elizabeth Castro]
6/4/2006
05h08min
Segundo o que me contaram, quando Genet esteve no Brasil ele teria dito, algo assim: "Que país estranho! Todo mundo que me apresentam é de esquerda... Mas o governo é de direita!". Talvez hoje fosse exatamente o contrário...
[Leia outros Comentários de Richard]
24/4/2006
16h35min
Delicioso esse texto, flui. Me interessei demais da conta em saber da passagem desse senhor Genet em Mato Grosso... Insuperável, meu dia ficou meio bambo. As passagens desse gênio pelos sertões no meio do Brasil...! Surreal. (Direto de Cuiabá.)
[Leia outros Comentários de André Balbino ]
25/4/2006
19h26min
Primoroso texto, e pimoroso ainda saber que a sra. Ruth Escobar aprendeu algo importante com Sr. Genet. Por isso acredito que a obra de Jean Genet nos faz olhar de uma outra maneira para esses anatematizados. Por isso tambem, estou montando um espetáculo baseado no romance Nossa Senhora das Flores. Parabens 'a senhora Ruth Escobar!
[Leia outros Comentários de Pedro Vieira]
1/5/2006
12h28min
O texto de Ruth Escobar nos mostra o lado humano de um poeta, que, por sua vez, nos mostrou, em seus livros, que pode haver algo de poético no lado marginal da vida. Viva sua literatura marginal!
[Leia outros Comentários de ayron de melo]
14/5/2006
11h58min
Que boas histórias dos negros anos setenta. Vejam a coincidência. Na época que Genet veio a São Paulo, eu morava em Manaus. Pouco tempo depois vim para São Paulo e morei com Nilda Maria, que tinha acabado de sair da prisão, e que estava vivendo com Kito Junqueira, meu grande amigo na época. Resvalei em Genet. Por pouco não o conheci pessoalmente. Alguém sabe por onde anda Nilda Maria? Quero que ela saiba que aprendi muito com ela.
[Leia outros Comentários de Nielson Menão]
28/5/2006
18h01min
O texto faz justiça à figura de Genet: um homem de extremos irreverentes. Em "Diário de um Ladrão", algumas passagens me fizeram chorar, como aquela em que ele diz que contraporia o amor a todo despezo que os homens nutriam por ele. Um filho bastardo de Henry Miller. Um comentário bem antigo de Genet criaria muita polêmica nos dias de hoje. Ele dizia: "O terrorismo é uma resposta ao terrorismo legal e oficial do sistema capitalista." Que um escritor ouse dizer isso hoje em dia! Não há mais ousadia e coragem. Não há mais grandes homens. Temos apenas um bando de intelectuais sofisticados, covardes, condescendentes e pedantes.
[Leia outros Comentários de diego tardivo]
8/11/2006
23h05min
Adorei tanto o texto quanto os comentários, principalmente o que está acima deste meu... Genet é fantástico, queria o ter conhecido também... "Conheci-o" através de um documentário que se passara em algum canal de TV a cabo, e fiquei fascinada por aquele gênio rebelde COM CAUSA. Completamente fascinada. Genet é TUDO.
[Leia outros Comentários de Denise]
19/12/2007
09h44min
Descobri J.Genet por acaso, quando fui ver Querelle no cinema, nos anos 80. Fiquei fascinado, e até pedi o livro de presente de Natal naquele ano. Procurei outras obras, mas só fiquei com esse e "O Diário de um Ladrão", que guardo até hoje. Também assisti a peça "Nossa Sra das Flores", fiquei mais apaixonado pelo autor e nunca consegui esse livro. Ao ler qualquer coisa de Genet, descubro que temos algo em comum, menos o roubar e matar. Amo eternamente esse autor.
[Leia outros Comentários de Ronaldo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




História e Vida - as Américas
Nelson Pilettie Valentim Lazzarotto
Atica
(1995)



Keys to Investing in Common Stocks (inglês) (1990)
Barbara Apostolou, Nick Apostolou
Barrons
(1990)



El Embrujo del Oro - 5ª Ed Pocket
Adolfo Costa Du Rels
Los Amigos del Libro
(1997)



Macaco
Jeff Stone
Pavio
(2009)



Something Blue: a Novel
Emily Giffin
St Martins Griffin
(2011)



Livro - Frankenstein
Mary Shelley
Wordsworth Editions
(1993)



Livro - Alexandre e Outros Heróis
Graciliano Ramos
Record
(2006)



Poesia na Varanda
Sonia Junqueira
Autêntica
(2012)



Curso de Direito Constitucional
Celso Ribeiro Bastos
Saraiva
(1994)



Confirmando a Fe - Crisma 1
Diocese de Caxias
Paulinas
(1998)





busca | avançada
42788 visitas/dia
1,6 milhão/mês