Gil aos 64 em Londres | Paula Góes

busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Abdominal terceirizado - a fronteira
>>> Cinema é filosofia
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Mulher no comando do país! E agora?
>>> YouTube, lá vou eu
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Bar azul - a fotografia de Luiz Braga
>>> Eu + Você = ?
>>> Virtudes e pecados (lavoura arcaica)
>>> Pela estrada afora
Mais Recentes
>>> Novo código civil brasileiro de Coordenação; Giselle de Melo Braga Tapai e colaboradores pela Revista dos tribunais (2003)
>>> Execução de Pré Executividade de Marcos Valls Feu Rosa pela Sergio Antonio Fabris (1996)
>>> O desafio do escombro : nação, identidades e pós-colonialismo na literatura da Guiné-Bissau de Moema Parente Augel pela Garamond (2007)
>>> Processo de Execução de Levenhagen pela Atlas (1986)
>>> Processo de Execução de Humberto Theodoro Júnior pela Leud (1999)
>>> Execução direito processual civil ao vivo de Humberto Theodoro Júnior pela Aide (2000)
>>> Teoria e prática do processo de execução de Orlando Fida e Carlos A.M. Guimarães pela Led (2019)
>>> Lei de execução Fiscal Comentada e Anotada Lei 6.830 de 22 /09/1980 de Maury Ângelo Bottesini e outros pela Revista dos Tribunais (2000)
>>> Execução Fiscal de José Afonso da Silva pela Revista dos Tribunais (1975)
>>> A Execução contra fazenda pública de Wanderley José Federighi pela Saraiva (1996)
>>> Execução Civil (Princípios Fundamentais) de José Miguel Garcia Medina pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Da arrementação e da Execução de Severiano Ignacio de Aragão pela Leud (1998)
>>> Execução Forçada de Cláudio Nunes do Nascimento pela Saraiva (1974)
>>> Fraude a Execução de José Sebastião de Oliveira pela Saraiva (1986)
>>> Fraude de Execução e Garantias Fundamentais do Processo de Sergio Coelho Junior pela Lumen Juris (2006)
>>> Prática do processo de execução de Severiano Ignacio de Aragão pela Idéia Jurídica (2001)
>>> Execução contra fazenda pública fundada em título extrajudicial de Juraci Inês Chiarini Vicente pela Forense (2001)
>>> Da execução e dos Embargos de João Roberto Farizato pela Led (1996)
>>> Execução de Luiz Guilherme Marinoni e Sergio Cruz Arenhart pela Revista dos Tribunais (2007)
>>> O Novo processo de execução de Luiz Fux pela Forense (2008)
>>> A Reforma da execução do título extrajudicial de Humberto Theodoro Júnior pela Forense (2007)
>>> Manual das Execuções de Jônatas Milhomens e Geraldo Magela Alves pela Forense (1999)
>>> Manual das Execuções de Jônatas Milhomens e Geraldo Magela Alves pela Forense (2001)
>>> A consciência do impacto nas obras de Cruz e sousa e de Lima Barreto de Cuti pela Autêntica (2009)
>>> Execução no Código de processo Civil de José Antonio de Castro pela Saraiva (1983)
>>> Crédito Hipotecário na execução movida por terceiro de Haroldo Pabst pela Revista dos Tribunais (1978)
>>> Intervenção de Terceiros de José Antonio Alem pela Leud (1989)
>>> Embargos de Terceiros de José Antonio Alem pela Leud (1987)
>>> Embargos de Devedor de José Antonio Alem pela Leud (1986)
>>> Embargos de terceiro de Edson Prata pela Leud (1987)
>>> Das intervenção de terceiros de Jônatas Milhomens pela Forense (1985)
>>> Intervenção de Terceiros de Athos Gusmão Carneiro pela Saraiva (2001)
>>> Intervenção de Terceiros de Athos Gusmão Carneiro pela Saraiva (1983)
>>> Intervenção de Terceiros de Athos Gusmão Carneiro pela Saraiva (1986)
>>> Pluralidade de partes e intervenção de Terceiros de José Raimundo Gomes da Cruz pela Revista dos Tribunais (1991)
>>> Como se Preparar para exame de ordem 1ª Fase (Civil) de Fernando Tartuce e Fernando Sartori pela Métado (2007)
>>> Como se Preparar para exame de ordem 1ª ( Fase Processo Penal) de Vauledir Ribeiro Santos pela Métado (2007)
>>> Código de processo Civil Reformado de J. E. Carreira Alvim pela Del Rey (1995)
>>> Instituições de processo Civil de Renato Riotaro Takiguthi pela Saraiva (1977)
>>> As inovações no código de processo de Humberto Theodoro Júnior pela Forense (1995)
>>> Processo Civil Procedimentos Especiais de Thereza Christina Nahas pela Atlas (2006)
>>> Do chamamento a autoria Denunciação da Lide de Antonio Carlos de Araujo Cintra pela Revista dos Tribunais (1973)
>>> Das citações e das intimações de João Roberto Parizatto pela Leud (1990)
>>> Os prazos processuais de Norma Chrissanto Dias pela Lumen Juris (2003)
>>> As inovações no código de processo de Humberto Theodoro Júnior pela Forense (1995)
>>> A ação civil pública na nova ordem constitucional de Édis Milaré pela Saraiva (1990)
>>> Alinhamentos da nova reforma do cpc de José Rogério Cruz e Tucci pela Revista dos Tribunais (1997)
>>> O advogado e sua identidade profissional em risco de Ivan Alkmim pela Destaque (2001)
>>> Declaração de Insolvência de Onaldo Campos pela Saraiva (2019)
>>> Repertório de jurisprudência e doutrina sobre processo cautelar de Arruda Alvim Nelson Luiz Pinto pela Revista dos Tribunais (2019)
ENSAIOS

Segunda-feira, 3/7/2006
Gil aos 64 em Londres
Paula Góes

+ de 3200 Acessos
+ 4 Comentário(s)


O burburinho na platéia já durava dez minutos, nem sempre atrasos são considerados pecados intoleráveis no país dito zelador da pontualidade. Pouco antes do Gil subir ao palco, eu ouço alguém comentando, em bom inglês, “você acredita que estamos para ver um Ministro da Cultura cantando?”, ao que uma outra voz respondeu “quem é mesmo o nosso Ministro da Cultura?”. Gil aparece neste instante, todo de branco e de guitarra em punho, e antes do primeiro acorde, alguém grita “feliz aniversário!”.

“Oxalá Deus queira, oxalá tomara, haja uma maneira desse meu Brasil melhorar”, Gil entra cantando. Apesar de não ter um repertório novo desde antes de virar o ocupado Ministro da Cultura, enganou-se quem foi ao show esperando apenas canções que o público sabia de cor. Aliás, em vários momentos, a platéia não soube acompanhar os pedidos de “canta comigo” de Gil. Só mesmo a fácil e divertida “Céu da boca”, mais conhecida como “Chupa toda”, clássico do imaginário carnavalesco soteropolitano que ficou famosa no Brasil inteiro depois da gravação em parceria com Ivete Sangalo, teve acompanhamento em coro mais animado.

O show contou com músicas do CD Eletracústico, Kaya N'Gan Daya e clássicos dos Beatles, incluindo uma versão em bossa nova de “Imagine” e um frevo para “I wanna hold your hand”. Estavam lá as velhas conhecidas da carreira dele, como “Andar com fé”, “Eu vim da Bahia”, “Vamos fugir”, “Palco” e “Toda menina baiana”, mas também houve espaço para homenagens a Vinícius e Baden Powell, com “Formosa” e Herbert Viana, com "Alagados".

A única grande novidade – claro, não podemos esquecer que estávamos na véspera do jogo do Brasil contra Gana nas quartas-de-final da Copa do Mundo, Gil está de passagem pela Europa para divulgação da Copa da Cultura – foi o "Belé de Berlin", mais nova modinha composta por Gil especialmente para animar a torcida brasileira durante o Mundial.

Show embalado em Londres é sinônimo de problema para a equipe de segurança, que tentava arduamente convencer as pessoas a dançar “comportadamente”, pelo menos sem deixar os seus assentos. Entre cariocas, baianos, gregos e troianos, estavam duas mil pessoas, que esgotaram os ingressos há mais de dois meses. “Manter todo mundo sentadinho em show brasileiro? Fala sério”, disse minha vizinha de cadeira, enquanto se levantava para se juntar a pequena multidão de desobedientes dançando nos corredores mais afastados da equipe de apoio.


Quando eu chegar aos 64
A noite tinha um quê a mais de especial. Na volta para o bis, Gil começa a divagar sobre o tempo, em inglês. “Como é que se fala Santo Agostinho em inglês? Eu costumava saber, é o tempo... qual a significância do tempo? Tempo é algo que não pode ser explicado. Hoje eu faço 64”. Gil foi ovacionado nesse festejo, que aconteceu no mesmo palco onde a Tropicália foi celebrada em Londres. Coincidentemente, Paul McCartney tinha também acabado de chegar à marca dos 64 anos de idade. O “parabéns pra você” foi cantado em ritmo de Beatles, com “When I'm sixty-four”, famosa canção na qual McCartney se perguntava como seria sua vida quando ele chegasse a essa idade.

Gil não é nenhum calouro em Londres. Foi na capital inglesa que ele se exilou em 1969, junto com Caetano Veloso, depois de ter sido submetido a um regime de confinamento no Brasil. Foi justamente a parceria com Caetano, que resultou no movimento Tropicália, uma revolução na música popular brasileira, a causa as discordâncias políticas que o levaram ao exílio em Londres. E é o Tropicalismo que o traz de volta, desta vez para ser ovacionado pelo público.

Também velho conhecido dos palcos londrinos, pelo menos uma vez por ano Gil faz show aqui, mesmo dividindo a música com seus encargos de Ministro da Cultura. Essa apresentação faz parte do festival "Tropicália", organizado pelo Centro Cultural Barbican em comemoração aos 40 anos do movimento cultural que revolucionou a música popular brasileira durante a Ditadura Militar. Pelo mesmo palco passaram Caetano Veloso, Gal Costa, Tom Zé, Mutantes (com participação de Zélia Duncan). Foram três meses de exposições, mostras de cinema e shows, quase sempre lotados. E olha que o aniversário da Tropicália só acontece mesmo no ano que vem.


Paula Góes
Londres, 3/7/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Rosa e o romance fundador de Luís Antônio Giron


Mais Paula Góes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/7/2006
04h44min
Sei não. Não gosto de um Ministro showman. Sou meio conservador nesse negócio. Ministro tem que trabalhar em ministério, não ficar tocando violão por aí. Sendo da cultura, seria bom que promovesse as artes em geral, mas não a dele. Não é muito elegante. Cargos públicos devem ocupar, em tempo integral, seus representantes. Políticos-militares, políticos-evangélicos, políticos-artistas; não dá, não. Uma coisa seria Gil aparecer, uma vez ou outra, cantando; uma justa homenagem a um ministro que já foi um grande artista, mas que agora é ministro. Mas ficar fazendo show? O que ele faz no ministério? Fica compondo? O quê? Canções de amor? Protesto? Protesto contra o quê, meu filho? - você deveria agora ouvir as reclamações de outros músicos e que seriam - incômodo, né? - dirigidas não à sua pessoa, mas ao cargo que sua pessoa representa. Ou então renuncia, pô, e continua com o show. Aí tudo bem.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
16/7/2006
18h21min
Concordo em gênero, número e grau. Será que o Gilberto Gil, aquele da refavela e do domingo no parque, dono de uma obra inatacável no talento tanto quanto na ousadia, é a agora a prova viva de que o "politicicismo" é uma doença progressiva e incurável? Ou será que o triste papel de ministro showman visa encobrir outro um tanto mais sinistro, que ele tentou exercer durante seu reinado: o de Ministro Censor?
[Leia outros Comentários de bernard]
28/7/2006
14h04min
É muito bom ver e ouvir o nosso ministro Gilberto Gil em cena. Quando foi convidado para ser ministro ele ficou preocupado. Como ficaria sua carreira artística onde ele deve ganhar pelo menos umas 10 vezes mais que um ministro. Felizmente ele aceitou e sabe muito bem dividir seu tempo entre atividade pública e sua gloriosa carreira. Grande Gil. Ivo Samel
[Leia outros Comentários de Ivo Samel]
28/7/2006
17h23min
Não temos nenhuma dúvida da competência musical de Gilberto Gil. Se o uso de substâncias no passado, não sei do presente, interferem em sua performance atualmente, também, é relevável. Se os artistas de todas as áreas estão contentes com a atuação do Ministro Gilberto Gil, ele seria mais competente que Jesus Cristo que não conseguiu tal percentual em seu meio. Se também é legal um Ministro se auto-promover e aumentar seu cachê por conta de seu cargo, dando abrigo às suas apresentações no exterior... eu também não vou avaliar, visto que este governo não tem crédito para receber meu aval em muitas outras coisas.
[Leia outros Comentários de Celito Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O MISTÉRIO DA CRIPTA AMALDIÇOADA
EDUARDO MENDOZA
PLANETA
(2011)
R$ 19,00



OS CADERNOS DE DOM RIGOBERTO (EDIÇÃO DE BOLSO)
MARIO VARGAS LLOSA
OBJETIVA
(2011)
R$ 12,00



NIELS LYHNE
JENS PETER JACOBSEN
GOLDMANNS GELBE TASCHENBÜCHER
R$ 30,00



SOLDIERS PAY
WILLIAM FAULKNER
PENGUIN BOOKS
(1964)
R$ 32,00



CRIME QUE ABALOU A REPÚBLICA, O
ROBERTO SANDER
MAQUINARIA EDITORA
(2010)
R$ 30,32



TRABALHO DOCENTE NA CRECHE
CELI COSTA S. BAHIA, CELINA MAGALHÃES UND FERNADO PONTES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



AROUND THE WORLD IN EIGHTY DAYS
JULES VERNE
OXFORD
(2010)
R$ 18,61



PRÁTICA FORENSE PARA ESTAGIÁRIOS
LUIS FERNANDO RABELO CHACON; LUIZA HELENA
SARAIVA
(2013)
R$ 21,82



PERSONAGENS FEMININAS
JORGE MARQUES
EDITORA OFICINA RAQUEL
R$ 46,00



WINDSURF: PRANCHA À VELA
JEAN-LUC MARTY
EDIOURO (TECNOPRINT - RJ)
(1982)
R$ 31,28





busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês