O making-off da Navegação | Paloma Amado

busca | avançada
24184 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro com prefácio de Dilma Rousseff conta história de mulheres em espaços de poder
>>> 3 Cinefestival Internacional de Ecoperformance começa dia 1 /6
>>> Companhia de Teatro Heliópolis abre inscrições para Vivência Artística no Processo de Criação
>>> Neka Menna Barreto surpreende com Floresta da Neka e menu afetivo em tarde beneficente
>>> Outros Gritos de Independência será exibido dia 18/6 no Cine Satyros Bijou
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Pulp Fiction e seus traços em Cocaine Bear
>>> Rabhia: 1 romance policial moçambicano
>>> Nélio Silzantov e a pátria que (n)os pariu
>>> Palavras/Imagens: A Arte de Walter Sebastião
>>> Rita Lee Jones (1947-2023)
>>> Kafka: esse estranho
>>> Seis vezes Caetano Veloso, por Tom Cardoso
>>> O batom na cueca do Jair
>>> O engenho de Eleazar Carrias: entrevista
>>> As fitas cassete do falecido tio Nelson
Colunistas
Últimos Posts
>>> O Lado B da MTVê
>>> A história de Roberto Vinháes (2023)
>>> Something About You (Cary Brothers & Laura Jansen)
>>> Uma história do Airbnb (2023)
>>> Vias da dialética em Platão
>>> Uma aula sobre MercadoLivre (2023)
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
Últimos Posts
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
>>> Belém, entre a cidade política, a loja e a calçada
>>> Minha Mãe
>>> Pelé, eterno e sublime
>>> Atire a poeira
>>> A Ti
>>> Nem o ontem, nem o amanhã, viva o hoje
>>> Igualdade
>>> A baleia, entre o fim e a redenção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fui demitida, e agora?
>>> O Frankenstein de Mary Shelley
>>> Encontre seu motivo para blogar
>>> Como os meios de pagamento veem a crise
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> 10 Búzios Jazz & Blues III
>>> Mulher no comando do país! E agora?
>>> Verdades e mentiras sobre o fim dos jornais
>>> Cabeça de papel
>>> Modernismo e Modernidade
Mais Recentes
>>> As Mudanças no Ciclo de Vida Familiar de Betty Carter pela Artmed (1995)
>>> Rio de Janeiro Em Prosa e Verso. Vol 5 de Bandeira Manuel / Andrade Carlos Drummond De pela José Olympio (1965)
>>> Figuras de Lo Pensable de Director of Studies Cornelius Castoriadis pela Fondo de Cultura Economica USA (2001)
>>> Holism and Evolution de Jan Christiaan Smuts pela Sierra Sunrise Publishing (1999)
>>> Outdoor Survival Skills de Larry Dean Olsen pela Chicago Review Press (1997)
>>> The Cult of Tara: Magic and Ritual in Tibet de Stephan V.Beyer pela University of California (1978)
>>> Desafio aos Deuses: a Fascinante História do Risco de Peter L Bernstein pela Campus (1997)
>>> Nossos clássicos - Poesia de Fernando Pessoa pela Agir (1968)
>>> Nossos clássicos - Poesia de Fagundes Varela pela Agir (1961)
>>> Nossos clássicos - Poesia de Cruz e Souza pela Agir (1967)
>>> Socialismo - Caminhos e alternativas de Paulo Martinez pela Scipione (1999)
>>> Energia e Meio Ambiente de Samuel Murgel Branco pela Moderna (1990)
>>> O Ensino da Educação Física na Educação Básica- Relações com a antroprologia de José Gilmar Mariz de Oliveira pela Cepeusp (1999)
>>> Sedentarismo - Guia Prático do Diagnóstico à Prescrição de Exercício Físico de Vários autores pela Clube de Autores (2019)
>>> Histórias de Fadas de Oscar Wilde pela Nova Fronteira (1992)
>>> Planejamento - Planejando a educação para o desenvolvimento de de Vasco Pedro Moretto pela Vozes (2008)
>>> Planejamento - Planejando a educação para o desenvolvimento de de Vasco Pedro Moretto pela Vozes (2008)
>>> O Escritório Modêlo na Escola de Augusto Guzzo pela Lidi (1969)
>>> Preparando os Filhos Para a Vida de E. Jonath pela Ados (2002)
>>> Instituto Adventista de Ensino - Campus 2 - 15 anos de história de Vários autores pela Imprensa Adventista (1999)
>>> Instituto Adventista de Ensino - Campus 2 - 15 anos de história de Vários autores pela Imprensa Adventista (1999)
>>> O Cientista Sir Isaac Newton - Adventista? de Ruy Carlos de Camargo Vieira pela Ruy Carlos de Camargo Vieira (1996)
>>> Planejamento - Planejando a educação para o desenvolvimento de de Vasco Pedro Moretto pela Vozes (2008)
>>> Quando eu era vivo - Memórias - 1867 a 1934 de Medeiros e Albuquerque pela Globo
>>> Coletânea de Textos Referenciais Publicados na Revista Brasil Rotário Tema: O Rotary, a Ética e a Dignificação do ser humano de Cooperativa Editora Brasil Rotário pela Brasil Rótario (2000)
ENSAIOS

Segunda-feira, 27/11/2006
O making-off da Navegação
Paloma Amado
+ de 6000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

O ano era 1991. Creio que a proximidade dos oitenta anos fez papai o escritor Jorge Amado decidir-se por, finalmente, colocar no papel algumas lembranças e alguns pensamentos, frutos de uma vida intensamente vivida. A idéia o tentava há muito tempo, porém um pacto feito com Ilya Eremburg e Pablo Neruda, de nunca publicarem livro de memórias, o retinha. Depois da morte de Ilya, sua filha Irina publicou não um, mas uma série de livros de memórias, que o pai havia deixado prontos. O de Neruda, também póstumo, Confesso que vivi, saiu em plena ditadura Pinochet. Por que esperar mais? Já tinha o título para o pequeno conjunto de lembranças que iria oferecer ao público: Navegação de Cabotagem.

Estavam em grande temporada francesa, para grande alegria minha, que vivia em Paris. O apartamento do Quai dês Celestins era o local ideal para escrever, aconchegante, dona Zélia cozinhando risotos e brodos italianos deliciosos, o tempo friozinho, não precisou muito para seu Jorge botar mãos à obra. Aliás, o mesmo clima propício à escrita contagiou dona Zélia, que também foi para a máquina no seu caso um computador , escrever Chão de meninos.

Escreverem ao mesmo tempo não era comum, e na verdade criou um problema, já que mamãe sempre foi a datilógrafa dos originais de papai. Eu estava desempregada, me candidatei e ganhei a vaga! Que privilégio.

Nunca vi papai tão entusiasmado, os textos fluíam com uma facilidade e uma rapidez impressionantes. Risos, lágrimas, foram grandes as emoções que sentimos juntos ao reler, corrigir, comentar cada episódio, cada luta, cada amor. Um dia chamei a atenção dele para o fato de que o "pequeno" livro já tinha mais de cem notas (era assim que ele se referia aos textos). Perguntei se a ordem de entrada em cena era a mesma da escrita e ele disse que não. Era preciso organizar o trabalho, já estava grande demais. Foi então que eu e Pedro (Pedro Costa, então meu marido) criamos uma espécie de quebra-cabeças: fiz, no computador, fichas onde se liam o título da nota e os dados principais: data, personagens, local, se político, se alegre ou triste..., identificadas por cores que facilitavam a ordenação.

A grande sala do apartamento era forrada de tecido levemente acolchoado, o que nos permitiu transformar as paredes em páginas de livro. Nelas papai prendeu com tachinhas as fichas, que trocava de ordem com grande freqüência, à medida que o livro ia sendo escrito. As pessoas paravam para ler, comentavam: "Você fala de fulano em três notas seguidas..." Ele concordava ou não. Passou a ser o jogo preferido da família. Nos divertíamos muito, ele mais que todos.

A editora dera um prazo para a entrega dos originais, pois estava prevista a publicação dentro das comemorações de oitenta anos. O pequeno livro já ia para mais de 500 páginas e parecia longe do fim. Pedro fazia a diagramação, que deveria ir para o Brasil em disquetes, para entrar direto em impressão, mas cada nota que mudava de lugar exigia mudança na diagramação. Estava ficando difícil.

Para atender aos prazos, papai resolveu marcar uma data para acabar o livro. Como não queria cair em tentação, comprou um cruzeiro de navio pela Grécia e Turquia, convidou Misette para acompanhá-los e partiram. Eu e Pedro ficamos em Paris terminando a parte gráfica.

Logo na chegada a Atenas, onde pegariam o navio, papai enviou um novo texto. Foi assim durante toda a viagem: escrito à mão, era passado a limpo, também a mão por mamãe, dona de uma bonita letra, e enviado por fax. Como vivíamos os primórdios dessa invenção genial, um dia recebi chamado da France Telecom perguntando se eu tinha consciência do custo daquelas ligações (os telefonemas a cobrar dados do navio eram caríssimos), e naquele dia haviam chegado 11 metros de fax mandados do mar Egeu!

O problema não era tanto o dinheiro gasto, mas os apelos da Record para que mandássemos o livro, que nunca ficava pronto. Eles tinham toda a razão. Papai começou a se desculpar: "Este é o último, eu garanto". Depois vinha mais um. "Este é o final". E ainda. "Este é o derradeiro". Quando não encontrou mais sinônimos para a palavra último, e já chegando ao porto de Veneza, final do passeio, escreveu assim: "Desta vez é definitivo, este é o ponto final. Juro pela alma de sua mãe." Reagi imediatamente: "Jure pela alma da sua, que já morreu, deixe a da minha em paz." Fiz bem, pois de Veneza ainda chegou um, o último final derradeiro!

O livro saiu a tempo, com suas mais de 600 páginas. Maravilhosas páginas de uma vida cheia de amor, experiências e generosidade, que eu recomendo a todos.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pela autora. Publicado originalmente como orelha da nova edição de Navegação de Cabotagem (abaixo).

Para ir além






Paloma Amado
São Paulo, 27/11/2006
Mais Paloma Amado
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/11/2006
16h21min
Interessante verificar de perto a rotina de um escritor tão popular. Podemos identificar com clareza que muito mais do que técnica, a boa escrita é um trabalho de envolvimento. Claro que esse belo dia-a-dia de poder escrever na Europa e depois observando o mar da Grécia não é, e não deve ter sido, as condições normais e diárias desse grande escritor, mas sem dúvida faz parte do resultado de um trabalho de esforço, paixão, dedicação e compromisso. Muito mais que o efeito curioso das informações, me alegra a mensagem de que nossas histórias de vida são importantes, independente da imagem que projetamos no mundo. As lembranças e os sentimentos que essas nos fazem reviver é pessoal e intransferível. Lê-las nos faz perceber que essa é a grande missão de quando estamos vivos: viver intensamente.
[Leia outros Comentários de Andrea Leal]
28/11/2006
00h14min
Adorei ler esse depoimento. Tenho um carinho especial pela obra de Jorge Amado. Sua literatura foi decisiva na minha formação como pessoa e como escritor. Li "Navegação de Cabotagem", e também "Chão de Meninos", da Zélia Gattai, na época em que foram lançados, em meados de 1992, ano em que comecei a escrever e foi emocionante tomar conhecimento dos bastidores da gestação do livro. Saudades de Jorge Amado. É um escritor e uma personalidade que faz falta.
[Leia outros Comentários de Luis Eduardo Matta]
24/1/2007
22h23min
Gostei muito do texto sobre Jorge Amado. Meu pai, o editor Adolfo Aizen, foi muito amigo de Jorge. Eu também privei de sua amizade. Parabéns. Naumim Aizen
[Leia outros Comentários de Naumim Aizen ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Desenho técnico moderno (4 ed PLT180 Muito Bom)
Silva Ribeiro etal
Ltc / anhanguera
(2006)



Visionários (em Portuguese do Brasil)
Diego Carmona
Gente
(2017)



Palavra e Vida 2015 - o Evangelho Comentado Cada Dia
Vários Autores
Ave-Maria
(2015)



Os Mandarins
Simone de Beauvoir
Nova Fronteira
(1983)



Código de Processo Penal 2018 - Mini
Jair Lot Vieira
Edipro de Bolso
(2018)



Pomos da Discórdia
Nelson Ascher
34
(1996)



Cresça e enriqueça
José Augusto de Morais
Record
(1998)



Vencendo o passado
Zibia Gasparetto
Vida & Consciência
(2008)



Para Sempre Juntos Eternamente Separados
Maria Cristina Rabello de Moraes
Isis
(2009)



O Passado Remoto
Giovanni Papini
Verbo
(1970)





busca | avançada
24184 visitas/dia
1,8 milhão/mês