O making-off da Navegação | Paloma Amado

busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nem tudo o que é neo é clássico
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> Hells Angels
>>> Entre criaturas, amar?
>>> Chris Hedges não acredita nos ateus
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> O cérebro criativo
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Da Teoria para a Práxis
Mais Recentes
>>> A Linha de Keri Smith pela Intrinseca (2017)
>>> Aprendendo a Lidar Com a Morte de Forma Saudável de Sonia Cerato pela Clube De Autores (2019)
>>> Muito Mais Que o Acaso de Athos Briones pela Autêntica (2016)
>>> O Guia de Vampiros para Mulheres de Barb Karg pela Gutenberg (2009)
>>> Desejos Digitais - uma Análise Sociológica da Busca por Parceiros Online de Richard Miskolci pela Autêntica (2017)
>>> Entre o Sensível e o Comunicacional de Bruno Souza Leal, César Guimarães pela Autêntica (2010)
>>> Antonio Flavio Barbosa Moreira - Pesquisador Em Currículo de Marlucy Alves Paraíso pela Autêntica (2010)
>>> Aprendendo Valores Éticos de Márcia Botelho Fagundes pela Autêntica (2007)
>>> O Que Te Faz Mais Forte de Jeff Bauman pela Vestigio (2017)
>>> Falando de Política de William Gamson pela Autêntica (2011)
>>> Ser Historiador no Século XIX de Temístocles Cezar pela Autêntica (2018)
>>> Dominando 3Ds Max 6 de Ted Boardman pela Ciencia Moderna (2004)
>>> Smashing Jquery de Jake Rutter pela Bookman (2012)
>>> Photoshop - Photoshop Para Quem Nao Sabe Nada De Photoshop Vol. 2 de Paula Budris pela Atica (2021)
>>> Vinte Anos e Um Dia de Jorge Semprún pela Companhia das Letras (2004)
>>> O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil de Celso Furtado pela Paz e Terra (1999)
>>> O homem, que é ele? de Battista Mondin pela Paulus (2011)
>>> O Anjo Digital de Joubert Raphaelian pela Mensagem para todos (2004)
>>> Pânico no Pacífico de Pronto pela Autêntica (2014)
>>> História & Fotografia de Maria Eliza Linhares Borges pela Autêntica (2007)
>>> Alfabetizar Letrando na Eja de Telma Ferraz Leal, Artur Gomes de Morais pela Autêntica (2010)
>>> Cronistas Em Viagem e Educação Indígena de Nietta Lindenberg Monte pela Autêntica (2008)
>>> Mil Coisas Podem Acontecer de Jacobo Fernández Serrano pela Autêntica (2012)
>>> Passageiro Clandestino de Leonor Xavier pela Autêntica (2015)
>>> Rua do Odéon de Adrienne Monnier pela Autêntica (2017)
ENSAIOS

Segunda-feira, 27/11/2006
O making-off da Navegação
Paloma Amado

+ de 5000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

O ano era 1991. Creio que a proximidade dos oitenta anos fez papai – o escritor Jorge Amado – decidir-se por, finalmente, colocar no papel algumas lembranças e alguns pensamentos, frutos de uma vida intensamente vivida. A idéia o tentava há muito tempo, porém um pacto feito com Ilya Eremburg e Pablo Neruda, de nunca publicarem livro de memórias, o retinha. Depois da morte de Ilya, sua filha Irina publicou não um, mas uma série de livros de memórias, que o pai havia deixado prontos. O de Neruda, também póstumo, Confesso que vivi, saiu em plena ditadura Pinochet. Por que esperar mais? Já tinha o título para o pequeno conjunto de lembranças que iria oferecer ao público: Navegação de Cabotagem.

Estavam em grande temporada francesa, para grande alegria minha, que vivia em Paris. O apartamento do Quai dês Celestins era o local ideal para escrever, aconchegante, dona Zélia cozinhando risotos e brodos italianos deliciosos, o tempo friozinho, não precisou muito para seu Jorge botar mãos à obra. Aliás, o mesmo clima propício à escrita contagiou dona Zélia, que também foi para a máquina – no seu caso um computador –, escrever Chão de meninos.

Escreverem ao mesmo tempo não era comum, e na verdade criou um problema, já que mamãe sempre foi a datilógrafa dos originais de papai. Eu estava desempregada, me candidatei e ganhei a vaga! Que privilégio.

Nunca vi papai tão entusiasmado, os textos fluíam com uma facilidade e uma rapidez impressionantes. Risos, lágrimas, foram grandes as emoções que sentimos juntos ao reler, corrigir, comentar cada episódio, cada luta, cada amor. Um dia chamei a atenção dele para o fato de que o "pequeno" livro já tinha mais de cem notas (era assim que ele se referia aos textos). Perguntei se a ordem de entrada em cena era a mesma da escrita e ele disse que não. Era preciso organizar o trabalho, já estava grande demais. Foi então que eu e Pedro (Pedro Costa, então meu marido) criamos uma espécie de quebra-cabeças: fiz, no computador, fichas onde se liam o título da nota e os dados principais: data, personagens, local, se político, se alegre ou triste..., identificadas por cores que facilitavam a ordenação.

A grande sala do apartamento era forrada de tecido levemente acolchoado, o que nos permitiu transformar as paredes em páginas de livro. Nelas papai prendeu com tachinhas as fichas, que trocava de ordem com grande freqüência, à medida que o livro ia sendo escrito. As pessoas paravam para ler, comentavam: "Você fala de fulano em três notas seguidas..." Ele concordava ou não. Passou a ser o jogo preferido da família. Nos divertíamos muito, ele mais que todos.

A editora dera um prazo para a entrega dos originais, pois estava prevista a publicação dentro das comemorações de oitenta anos. O pequeno livro já ia para mais de 500 páginas e parecia longe do fim. Pedro fazia a diagramação, que deveria ir para o Brasil em disquetes, para entrar direto em impressão, mas cada nota que mudava de lugar exigia mudança na diagramação. Estava ficando difícil.

Para atender aos prazos, papai resolveu marcar uma data para acabar o livro. Como não queria cair em tentação, comprou um cruzeiro de navio pela Grécia e Turquia, convidou Misette para acompanhá-los e partiram. Eu e Pedro ficamos em Paris terminando a parte gráfica.

Logo na chegada a Atenas, onde pegariam o navio, papai enviou um novo texto. Foi assim durante toda a viagem: escrito à mão, era passado a limpo, também a mão por mamãe, dona de uma bonita letra, e enviado por fax. Como vivíamos os primórdios dessa invenção genial, um dia recebi chamado da France Telecom perguntando se eu tinha consciência do custo daquelas ligações (os telefonemas – a cobrar – dados do navio eram caríssimos), e naquele dia haviam chegado 11 metros de fax mandados do mar Egeu!

O problema não era tanto o dinheiro gasto, mas os apelos da Record para que mandássemos o livro, que nunca ficava pronto. Eles tinham toda a razão. Papai começou a se desculpar: "Este é o último, eu garanto". Depois vinha mais um. "Este é o final". E ainda. "Este é o derradeiro". Quando não encontrou mais sinônimos para a palavra último, e já chegando ao porto de Veneza, final do passeio, escreveu assim: "Desta vez é definitivo, este é o ponto final. Juro pela alma de sua mãe." Reagi imediatamente: "Jure pela alma da sua, que já morreu, deixe a da minha em paz." Fiz bem, pois de Veneza ainda chegou um, o último final derradeiro!

O livro saiu a tempo, com suas mais de 600 páginas. Maravilhosas páginas de uma vida cheia de amor, experiências e generosidade, que eu recomendo a todos.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pela autora. Publicado originalmente como orelha da nova edição de Navegação de Cabotagem (abaixo).

Para ir além






Paloma Amado
São Paulo, 27/11/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O fenômeno mundial dos podcasts de André Lemos
02. Coração de mãe é um caçador solitário de Sonia Nolasco


Mais Paloma Amado
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/11/2006
16h21min
Interessante verificar de perto a rotina de um escritor tão popular. Podemos identificar com clareza que muito mais do que técnica, a boa escrita é um trabalho de envolvimento. Claro que esse belo dia-a-dia de poder escrever na Europa e depois observando o mar da Grécia não é, e não deve ter sido, as condições normais e diárias desse grande escritor, mas sem dúvida faz parte do resultado de um trabalho de esforço, paixão, dedicação e compromisso. Muito mais que o efeito curioso das informações, me alegra a mensagem de que nossas histórias de vida são importantes, independente da imagem que projetamos no mundo. As lembranças e os sentimentos que essas nos fazem reviver é pessoal e intransferível. Lê-las nos faz perceber que essa é a grande missão de quando estamos vivos: viver intensamente.
[Leia outros Comentários de Andrea Leal]
28/11/2006
00h14min
Adorei ler esse depoimento. Tenho um carinho especial pela obra de Jorge Amado. Sua literatura foi decisiva na minha formação como pessoa e como escritor. Li "Navegação de Cabotagem", e também "Chão de Meninos", da Zélia Gattai, na época em que foram lançados, em meados de 1992, ano em que comecei a escrever e foi emocionante tomar conhecimento dos bastidores da gestação do livro. Saudades de Jorge Amado. É um escritor e uma personalidade que faz falta.
[Leia outros Comentários de Luis Eduardo Matta]
24/1/2007
22h23min
Gostei muito do texto sobre Jorge Amado. Meu pai, o editor Adolfo Aizen, foi muito amigo de Jorge. Eu também privei de sua amizade. Parabéns. Naumim Aizen
[Leia outros Comentários de Naumim Aizen ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Como Ser um Vendedor de Sucesso
Linda Richardson
Sextante



Maneiristas e Barrocos - Gênios da Pintura
Vários Autores
Abril Cultural
(1984)



As Aventuras do Capitão Pirilampo e do Comandante Noita
Flávio Rezende - Suzana Gasparian
Girafinha
(2011)



O Conjunto Nacional: Avenida Brasil
Paulo Caruso
Globo
(1996)



Um Inimigo Em Cada Esquina
Raul Drewnick
Ática
(1994)



Manual das múltiplas inteligências
Inês Cozzo Olivares, Maurício Sita
Literare Books International
(2012)



Amor(ex) Quatro Historias de Amor, Desamor, Desencontros
Mica Rocha
Benvirá
(2016)



Vencedor Não Usa Drogas
Edson Ferrarini
Luxor
(2002)



Aquele Garoto e os Segredos da Floresta Mágica
Marcelo Lino
Terceiro Nome
(2013)



Direito Tributário Brasileiro 11ª Edição
Luciano Amaro
Saraiva (sp)
(2005)





busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês