68 e a Música Nova | João Marcos Coelho

busca | avançada
37024 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 25/8/2008
68 e a Música Nova
João Marcos Coelho

+ de 9400 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O delírio da utopia de maio de 68 não respingou apenas nos corações e mentes dos europeus que fizeram a música de vanguarda naquela e nas décadas seguintes. A utopia foi "exportada", sobretudo a partir dos anos 70/80, para a América Latina, quando muitos compositores e músicos europeus participaram do Festival Música Nova, surgido em Santos, pelas mãos de Gilberto Mendes em 1962 e até hoje anualmente realizado; e também dos Cursos Latino-americanos de Música Contemporânea, realizados entre 1971 e 1989, concebidos no Uruguai por Conrado Silva (hoje professor na Universidade de Brasília) e Coriún Aharonián (os dois eram alunos de Héctor Tosar, então o mais expressivo compositor uruguaio). Com a ditadura uruguaia a partir de 1973, os Cursos passaram a acontecer em outros países; várias vezes ocorreram em pequenas cidades brasileiras como São João Del Rei, Tatuí, Uberlândia e Itapira ("para não chamar a atenção das autoridades", diz Gilberto Mendes, que participou ativamente dos Cursos).

O melhor da vanguarda
O Festival Música Nova sempre estruturou-se como uma série de concertos e apresentações públicas; os Cursos combinavam concertos, mesas-redondas, palestras, oficinas e workshops. Ali estudantes, instrumentistas, compositores e teóricos da música juntaram-se em comunidades de tonalidades utópicas que pregavam a adoção de uma resistência política às ditaduras então vigentes na América Latina; e, por outro lado, tinham como meta maior tornar realidade a utopia de uma música nova para um homem novo. A música viva deveria sangrar como sangravam os povos da América Latina, exibir as contradições de sociedades injustas dos pontos de vista social, econômico e sobretudo político.

Ao longo do tempo, quarenta músicos internacionais, sobretudo europeus, entre compositores, musicólogos e instrumentistas, participaram de ambos os eventos. Importante: eles mesmos pagaram suas passagens aéreas, o Festival e os Cursos só davam alimentação e hospedagem. Nem cachê havia. Por aí se vê que não se tratava de eventos convencionais. A lista dos que vieram é altamente significativa, pois reúne alguns dos mais respeitados nomes da vanguarda européia. Entre tantos outros, o italiano Luigi Nono, que participou do primeiro Curso Latino-americano, em 1971; Helmut Lachenmann, Louis Andriessen, Konrad Boehmer, Dieter Schnebel, Wilhelm Zobl, o português Jorge Peixinho, Luca Lombardi, Frederic Rzewski. "Era muito bonito tudo aquilo", diz Gilberto Mendes. "Eles vinham dar apoio a um movimento de resistência política".

Esta história é praticamente desconhecida. Só agora começamos a conhecê-la melhor, graças à excelente tese "A utopia no horizonte da música nova", defendida há dois anos na Universidade de São Paulo por Teresinha Prada. "Há muitos textos sobre a atuação da música", diz ela, "via canção de protesto, frente às ditaduras militares na década de 70 no Brasil e na América Latina, mas esquece-se de que a música erudita também enfrentou problemas sérios e apresentou um tipo de resistência ao establishment. Houve um significativo relacionamento e trânsito de músicos eruditos, irmanados numa mesma luta, estética e política, no Festival Música Nova de Santos e nos Cursos Latino-americanos de Música Contemporânea".

68 por aqui significou o arrocho da ditadura, a edição do AI-5. Por isso, não é de todo correto afirmar que os dois eventos mais significativos da música contemporânea ― ou música nova, como era então chamada ― na América Latina foram resultado direto e simples do Maio de 68. Afinal, o Festival teve sua primeira edição em 1962. Interrompeu-se de 65 a 67 por causa do golpe, e retornou em 68, mantendo-se até hoje como o mais antigo evento dedicado à música viva da América Latina. Mas Gilberto Mendes reconhece que "o aperto da repressão de 68 motivou a guinada mais à esquerda, primeiro por nossas próprias convicções políticas de esquerda, e logo depois pela ligação com o Curso Latino-americano". E este, sim, teve inspiração direta no Maio de 68.

Teresinha mostra como o Festival, a partir do surgimento dos Cursos, em 1971, forma uma linha de frente onde a estética de vanguarda ― até então o critério básico ― é substituída pela exigência ideológica: "A partir de certo momento, a programação não seria mais feita simplesmente ou exclusivamente por uma opção estética, mas também se desenvolveu como uma alternativa ideológica. Quando os organizadores das duas mostras fortalecem seus laços, há o estreitamento das relações entre seus músicos participantes, transmitindo um ao outro a mesma mensagem".

Amor & Revolução
Luigi Nono, nome emblemático das vanguardas, casado com Nuria, filha de Arnold Schoenberg, foi o primeiro a vir para os Cursos Latino-americanos, em Piriápolis, em 1971. Como Cohn-Bendit, Nono seguiu à risca, em sua estada no Uruguai, os famosos versos pichados na Sorbonne em maio de 68: "Quanto mais faço amor, mais tenho vontade de fazer a revolução/ quanto mais faço a revolução, mais tenho vontade de fazer amor". A ponto de, segundo Gilberto Mendes, ter sido "chamado às falas para o assunto principal, a música. Afinal, ele vivia correndo atrás das belas e jovens instrumentistas, compositoras e participantes do curso".

Entre uma aventura amorosa casual e uma discussão política, Nono encontrou tempo para escrever um artigo de quatro páginas sobre o evento. Elogia o que chama de "discussões antiacadêmicas e antiautoritárias (o contrário dos cursos de música europeus, que têm caráter acadêmico e autoritário, e baseiam-se na 'personalidade' individual e unilateral de músicos, e cujo pior exemplo são os cursos de verão de Darmstadt, que se limitam a impor sua própria visão estético-técnica, segundo o 'mito da tecnificação como progresso', o que corresponde à posição da música oficial e governamental, européia e norte-americana, verdadeiro instrumento cultural que dá sustentação à dominação capitalista e imperialista atual)".

Nono considera "populismo turístico tentar repetir hoje as experiências de Villa-Lobos ou Chávez" e aponta Bartok como modelo a ser seguido: "Ele pratica uma linguagem musical contemporânea que penetra na essência da estrutura interna da linguagem musical popular e não se limita a citações como Stravinsky". Elogia e lista o dever de casa de todo músico latino-americano: "Necessidade de analisar, ultrapassar e romper a dominação cultural européia e norte-americana; instituir uma prática criativa própria e original; destruir a superestrutura cultural imposta há séculos pela dominação estrangeira; reconhecer a matriz autóctone e reconhecer-se a si mesmo nela, em sua própria origem; romper a hegemonia eurocentrista; inventar novas técnicas, novos instrumentos expressivos, novos meios de comunicação e novas formas que correspondam às exigências do momento de luta atual na América Latina".

Não é pouco. "Os músicos da chamada música nova", escreve Teresinha em sua tese, "souberam refletir, latente e potencialmente, os momentos conflitantes de sua história política. Assim, uma mínima referência em seus produtos (suas obras musicais) pode ter sido suficiente para fazer estalar no público que freqüentava esses eventos a mensagem contida nesse produto. A comunicação entre público e artista ocorreu, tendo ou não tendo texto, cada vez mais de forma sutil e sofisticada. E o mesmo aconteceu com o público ― cúmplice e testemunha ― pequeno, mas de alto nível de discernimento".

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Parte integrante do recém-lançado livro de João Marcos Coelho, No calor da hora ― Música e cultura nos anos de chumbo.


João Marcos Coelho
São Paulo, 25/8/2008

Mais João Marcos Coelho
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/8/2008
1. !
06h39min
Genial
[Leia outros Comentários de Karyn]
16/4/2010
23h00min
A fofoca sobre Nono como fauno ("Afinal, ele vivia correndo atrás das belas e jovens instrumentistas, compositoras e participantes do curso") é totalmente idiota, além de falsa. Nono nunca teve que ser "chamado às falas para o assunto principal, a música". Sempre teve muito claro o que era primordial. Ninguém tem direito de projetar no homem morto as fantasias frustradas próprias.
[Leia outros Comentários de C. A.]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PAW PATROL DIVERSÃO COLORIDA - COM UM DOMINÓ NO VERSO
CIRANDA CULTURAL
CIRANDA CULTURAL
(2018)
R$ 8,38



A MORENINHA
JOAQUIM MANUEL DE MACEDO
MARTIN CLARET
(2003)
R$ 5,00



NOVELAS EM ALTA VELOCIDADE (LITERATURA ITALIANA)
DINO CAMPANA
LACERDA
(1999)
R$ 8,00



ABRAÃO E AS FRUTAS
LUCIANA DE MENDONÇA
MEC
(2006)
R$ 6,00



PAIXÃO LUSÓFONA
ANTÓNIO DE ALMEIDA SANTOS
IMPRENSA NACIONAL
(2001)
R$ 53,59



L´HOMME DE LONDRES
GEORGES SIMENON
PRESSES DE LA CITÉ
(2004)
R$ 40,00
+ frete grátis



HELLO KITTY HELLO EUA! UMA CELEBRAÇÃO DOS 50 ESTADOS
VARIOS AUTORES
MADRAS
(2005)
R$ 49,38



O BRILHO DO SANGUE
DITER STEIN
RECORD
(2006)
R$ 19,90
+ frete grátis



DISCUSSÕES E PROPOSTAS PARA O TURISMO NO BRASIL
LUIZ GUSTAVO M BARBOSA, CAIO LUIZ DE CARVALHO
SENAC
(2006)
R$ 10,82



ELOGIO DA LEITURA
GABRIEL PERISSÉ
MANOLE
(2006)
R$ 10,48





busca | avançada
37024 visitas/dia
1,4 milhão/mês