68 e a Música Nova | João Marcos Coelho

busca | avançada
53121 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
>>> Projeto que une cultura e conscientização ambiental traz teatro gratuito a Minas Gerais
>>> Show da Percha com Circo do Asfalto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
>>> Conselheiros não se aconselham
>>> Sartre e a idade da razão
>>> O filósofo da contracultura
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
Mais Recentes
>>> A guerra doa botões de Louis Pergaud pela Ediouro (1994)
>>> A árvore que dava dinheiro de Domingos Pellegrini pela Moderna (1982)
>>> A árvore que dava dinheiro de Domingos Pellegrini pela Moderna (1983)
>>> A árvore que dava dinheiro vol. 3 novela de Domingos Pellegrini pela Ática (2002)
>>> Artemis fowl de Eoin Colfer pela Record (2008)
>>> A estranha Madame Mizu de Thierry Lenaín pela Companhia das Letrinhas (2003)
>>> Sherlock Holmes em: Os seis bustos de napoleão e outras histórias de Arthur Conan Doyle pela L&PM Pocket (1999)
>>> Universidade das crianças/Cientistas explicam os enigmas do mundo de Ulrich Janben e Ulla Steuernagel pela Planeta (2008)
>>> A formulação de objetivos de ensino de Robert F. Mager pela Globo (1980)
>>> Avaliação institucional da universidade de Antônio Amorim pela Cortez (1992)
>>> O estudante de Adelaide Carraro pela Global (2003)
>>> Símbolos Antigos e Sagrados - Biblioteca Rosacruz XXIII de Ralph M Lewis F.R.C. pela Renes (1979)
>>> Ab-reação Análise dos Sonhos, Transferência de C. G. Jung pela Vozes (1999)
>>> Leitura de Estudo: ler para aprender a estudar e estudar para aprender a ler de Leda Tessari Catello Pereira pela Alínea (2003)
>>> Pfuenprinzessin de Indu Sundaresan pela Fischer (2005)
>>> Espiritualidade e Transcendência de C. G. Jung pela Vozes (2007)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Intrínseca (2016)
>>> Amaldiçoado de Joe Hill pela Arqueiro (2015)
>>> As Paixões da Ciência Estudo de História das Ciências de Nilton Japiassu pela Letras & Letras (1991)
>>> Corra, Alex Cross de James Patterson pela Arqueiro (2014)
>>> Manual da Felicidade de José Hermógenes pela Universo paralelo
>>> Amaldiçoadas de Jessica Spotswood pela Arqueiro (2014)
>>> Despertada - Série House Of Night 8 de P. C. Cast + kristin Cast pela Novo Século (2017)
>>> Doutrinados de Trisha Leaver; Lindsay Currie pela Gutenberg (2016)
>>> Mestre das Chamas de Joe Hill pela Arqueiro (2017)
ENSAIOS

Segunda-feira, 25/8/2008
68 e a Música Nova
João Marcos Coelho

+ de 10000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O delírio da utopia de maio de 68 não respingou apenas nos corações e mentes dos europeus que fizeram a música de vanguarda naquela e nas décadas seguintes. A utopia foi "exportada", sobretudo a partir dos anos 70/80, para a América Latina, quando muitos compositores e músicos europeus participaram do Festival Música Nova, surgido em Santos, pelas mãos de Gilberto Mendes em 1962 e até hoje anualmente realizado; e também dos Cursos Latino-americanos de Música Contemporânea, realizados entre 1971 e 1989, concebidos no Uruguai por Conrado Silva (hoje professor na Universidade de Brasília) e Coriún Aharonián (os dois eram alunos de Héctor Tosar, então o mais expressivo compositor uruguaio). Com a ditadura uruguaia a partir de 1973, os Cursos passaram a acontecer em outros países; várias vezes ocorreram em pequenas cidades brasileiras como São João Del Rei, Tatuí, Uberlândia e Itapira ("para não chamar a atenção das autoridades", diz Gilberto Mendes, que participou ativamente dos Cursos).

O melhor da vanguarda
O Festival Música Nova sempre estruturou-se como uma série de concertos e apresentações públicas; os Cursos combinavam concertos, mesas-redondas, palestras, oficinas e workshops. Ali estudantes, instrumentistas, compositores e teóricos da música juntaram-se em comunidades de tonalidades utópicas que pregavam a adoção de uma resistência política às ditaduras então vigentes na América Latina; e, por outro lado, tinham como meta maior tornar realidade a utopia de uma música nova para um homem novo. A música viva deveria sangrar como sangravam os povos da América Latina, exibir as contradições de sociedades injustas dos pontos de vista social, econômico e sobretudo político.

Ao longo do tempo, quarenta músicos internacionais, sobretudo europeus, entre compositores, musicólogos e instrumentistas, participaram de ambos os eventos. Importante: eles mesmos pagaram suas passagens aéreas, o Festival e os Cursos só davam alimentação e hospedagem. Nem cachê havia. Por aí se vê que não se tratava de eventos convencionais. A lista dos que vieram é altamente significativa, pois reúne alguns dos mais respeitados nomes da vanguarda européia. Entre tantos outros, o italiano Luigi Nono, que participou do primeiro Curso Latino-americano, em 1971; Helmut Lachenmann, Louis Andriessen, Konrad Boehmer, Dieter Schnebel, Wilhelm Zobl, o português Jorge Peixinho, Luca Lombardi, Frederic Rzewski. "Era muito bonito tudo aquilo", diz Gilberto Mendes. "Eles vinham dar apoio a um movimento de resistência política".

Esta história é praticamente desconhecida. Só agora começamos a conhecê-la melhor, graças à excelente tese "A utopia no horizonte da música nova", defendida há dois anos na Universidade de São Paulo por Teresinha Prada. "Há muitos textos sobre a atuação da música", diz ela, "via canção de protesto, frente às ditaduras militares na década de 70 no Brasil e na América Latina, mas esquece-se de que a música erudita também enfrentou problemas sérios e apresentou um tipo de resistência ao establishment. Houve um significativo relacionamento e trânsito de músicos eruditos, irmanados numa mesma luta, estética e política, no Festival Música Nova de Santos e nos Cursos Latino-americanos de Música Contemporânea".

68 por aqui significou o arrocho da ditadura, a edição do AI-5. Por isso, não é de todo correto afirmar que os dois eventos mais significativos da música contemporânea ― ou música nova, como era então chamada ― na América Latina foram resultado direto e simples do Maio de 68. Afinal, o Festival teve sua primeira edição em 1962. Interrompeu-se de 65 a 67 por causa do golpe, e retornou em 68, mantendo-se até hoje como o mais antigo evento dedicado à música viva da América Latina. Mas Gilberto Mendes reconhece que "o aperto da repressão de 68 motivou a guinada mais à esquerda, primeiro por nossas próprias convicções políticas de esquerda, e logo depois pela ligação com o Curso Latino-americano". E este, sim, teve inspiração direta no Maio de 68.

Teresinha mostra como o Festival, a partir do surgimento dos Cursos, em 1971, forma uma linha de frente onde a estética de vanguarda ― até então o critério básico ― é substituída pela exigência ideológica: "A partir de certo momento, a programação não seria mais feita simplesmente ou exclusivamente por uma opção estética, mas também se desenvolveu como uma alternativa ideológica. Quando os organizadores das duas mostras fortalecem seus laços, há o estreitamento das relações entre seus músicos participantes, transmitindo um ao outro a mesma mensagem".

Amor & Revolução
Luigi Nono, nome emblemático das vanguardas, casado com Nuria, filha de Arnold Schoenberg, foi o primeiro a vir para os Cursos Latino-americanos, em Piriápolis, em 1971. Como Cohn-Bendit, Nono seguiu à risca, em sua estada no Uruguai, os famosos versos pichados na Sorbonne em maio de 68: "Quanto mais faço amor, mais tenho vontade de fazer a revolução/ quanto mais faço a revolução, mais tenho vontade de fazer amor". A ponto de, segundo Gilberto Mendes, ter sido "chamado às falas para o assunto principal, a música. Afinal, ele vivia correndo atrás das belas e jovens instrumentistas, compositoras e participantes do curso".

Entre uma aventura amorosa casual e uma discussão política, Nono encontrou tempo para escrever um artigo de quatro páginas sobre o evento. Elogia o que chama de "discussões antiacadêmicas e antiautoritárias (o contrário dos cursos de música europeus, que têm caráter acadêmico e autoritário, e baseiam-se na 'personalidade' individual e unilateral de músicos, e cujo pior exemplo são os cursos de verão de Darmstadt, que se limitam a impor sua própria visão estético-técnica, segundo o 'mito da tecnificação como progresso', o que corresponde à posição da música oficial e governamental, européia e norte-americana, verdadeiro instrumento cultural que dá sustentação à dominação capitalista e imperialista atual)".

Nono considera "populismo turístico tentar repetir hoje as experiências de Villa-Lobos ou Chávez" e aponta Bartok como modelo a ser seguido: "Ele pratica uma linguagem musical contemporânea que penetra na essência da estrutura interna da linguagem musical popular e não se limita a citações como Stravinsky". Elogia e lista o dever de casa de todo músico latino-americano: "Necessidade de analisar, ultrapassar e romper a dominação cultural européia e norte-americana; instituir uma prática criativa própria e original; destruir a superestrutura cultural imposta há séculos pela dominação estrangeira; reconhecer a matriz autóctone e reconhecer-se a si mesmo nela, em sua própria origem; romper a hegemonia eurocentrista; inventar novas técnicas, novos instrumentos expressivos, novos meios de comunicação e novas formas que correspondam às exigências do momento de luta atual na América Latina".

Não é pouco. "Os músicos da chamada música nova", escreve Teresinha em sua tese, "souberam refletir, latente e potencialmente, os momentos conflitantes de sua história política. Assim, uma mínima referência em seus produtos (suas obras musicais) pode ter sido suficiente para fazer estalar no público que freqüentava esses eventos a mensagem contida nesse produto. A comunicação entre público e artista ocorreu, tendo ou não tendo texto, cada vez mais de forma sutil e sofisticada. E o mesmo aconteceu com o público ― cúmplice e testemunha ― pequeno, mas de alto nível de discernimento".

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Parte integrante do recém-lançado livro de João Marcos Coelho, No calor da hora ― Música e cultura nos anos de chumbo.


João Marcos Coelho
São Paulo, 25/8/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Hannah Arendt no Brasil de Eduardo Jardim
02. Sobre Sherlock Holmes de Flávio Moreira da Costa
03. Aracy Guimaraes Rosa de René Daniel Decol
04. Duchamp e o Dadá de Affonso Romano de Sant'Anna
05. Segundo encontro com Borges de Alberto Beuttenmüller


Mais João Marcos Coelho
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/8/2008
1. !
06h39min
Genial
[Leia outros Comentários de Karyn]
16/4/2010
23h00min
A fofoca sobre Nono como fauno ("Afinal, ele vivia correndo atrás das belas e jovens instrumentistas, compositoras e participantes do curso") é totalmente idiota, além de falsa. Nono nunca teve que ser "chamado às falas para o assunto principal, a música". Sempre teve muito claro o que era primordial. Ninguém tem direito de projetar no homem morto as fantasias frustradas próprias.
[Leia outros Comentários de C. A.]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Homem Que Pagou a Dívida Externa do Brasil
João Bithencourt
Civilização Brasileira
(1995)
+ frete grátis



O Incrível Hulk Nº 121
Marvel
Abril
(1993)



Deliciosos e Disfarçados
Jessica Seinfeld
Ediouro Publicações
(2008)



A Solidão da Cidade na Pandemia e Antes Dela
Arlindo Gonçalves
Estronho
(2020)



Quase Tudo - Memorias
Danuza Leão
Cia das Letras
(2006)



Bases da Fisioterapia Respiratória
Maria da Glória Rodrigues Machado
Guanabara
(2013)



Dona Morte em: O segredo da vida... e da morte
Raphani Margiotta
Seleções
(2017)



Building Construction Inspection - a Guide For Architects
Jay Bannister
John Wiley & Sons
(1991)



Moderno Dicionário Escolar
Douglas Tufano
Moderna
(2005)



A Comunicação na Gestão da Sustentabilidade das Organizações
Margarida Maria Krohling Kunsch
Difusão
(2009)





busca | avançada
53121 visitas/dia
2,0 milhão/mês