Volpi, Beckett e Mendes da Rocha | Daniel Piza

busca | avançada
71522 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 8/5/2006
Volpi, Beckett e Mendes da Rocha
Daniel Piza

+ de 8100 Acessos
+ 1 Comentário(s)


Bandeirinhas, de Alfredo Volpi

Fui ao Parque do Ibirapuera, há algumas semanas, ver a exposição de Volpi no MAM. Como previsto, estava quase vazia, exceto pelos habituais grupos de escolares, deficientes ou aposentados. Deveria estar bem mais cheia. Mas não nego que ficar quase sozinho com 134 pinturas de um artista como ele, numa manhã ensolarada do outono paulistano, é um baita prazer. A montagem é linda e, coisa rara hoje em dia, está a serviço das obras; a iluminação encontrou bom termo entre a luz solar, que banha de tons alaranjados a parede de vidro, e a artificial. Como Volpi requer, pois suas cores não precisam nem de reforço nem de contraste – tanto que dispensam molduras –, a atmosfera está limpa e amena. As salas não são fechadas, e há o devido espaço entre as telas e para a circulação. Logo o discreto dá lugar ao emocionante.

Na marquise de fora do museu, foram penduradas bandeirinhas de festa junina, de várias cores, para convidar as pessoas a voltar a Volpi. Consta que ele se encantou com a festa quando a viu pela primeira vez em Mogi, a tal ponto que seria ironizado por um invejoso Di Cavalcanti como “o pintor das bandeirinhas” (o pintor das mulatas foi obrigado a dividir prêmio com ele na Bienal de 1954), e o momento coincidiu com a fase em que sua pintura entrava no auge, consciente como nunca de suas questões. A exposição, que tem cerca de 30 telas inéditas, é importante porque, depois de todo o trabalho de organização e autenticação das obras de Volpi, deixa claros os caminhos que seu estilo percorreu. Vemos, por exemplo, como ele gradualmente passou de um pintor figurativo limitado, quase ingênuo, do Grupo Santa Helena, para a condição de artista moderno e independente como poucos no Brasil.

Do casario de Itanhaém, em especial, vemos como ele foi derivando seu gosto por fachadas, em ângulos chapados e enquadramentos cortados, até que a geometria se tornou uma preocupação fundamental. Como todo grande artista que viria a ter fase abstrata – ainda que nunca plenamente abstrata –, Volpi encontrou sua sintaxe e seu ritmo gráfico a partir de elementos da realidade exterior. Suas bandeirinhas são como as cruzinhas de Mondrian, as garrafas de Morandi ou os carretéis de Iberê Camargo; há uma razão não apenas visual para que tenham sido eleitas como seu motivo recorrente. São expressões de um contentamento simples, sereno, de uma leveza descompromissada. Volpi não faz o proselitismo da alegria tropical, da espontaneidade dionisíaca; neste aspecto, está mais próximo de um bem-estar de Matisse ou Pancetti.

Não entendo, porém, que o queiram converter num artista “apolíneo”, interessado acima de tudo nas questões técnicas, como se lê na exposição e em tantos livros. É verdade que ela tem o cuidado de dissociar Volpi do concretismo e do construtivismo em geral, pois sua pintura não tinha uma proposta industrial, programática. Ele, como o poeta João Cabral, não opunha construção à expressão; procurava nova combinatória entre ambas. Seu rigor não só não excluiu o lirismo, como também o reinventou. Mesmo quando sua pintura se aproxima perigosamente do repetitivo e do decorativo, dispondo os signos de forma quase eqüidistante e “ortogonal”, como diz o título de uma delas, ele quase nunca usou régua para desenhar seus contornos. Mais importante, nunca abandonou a têmpera, que mesclava com ovo e que lhe permitia uma textura irregular, na qual vemos as pinceladas em geral horizontais, e um certo rebaixamento na vivacidade das cores. Jamais deixou o artesanal.

É claro que seus temas se repetem porque representam problemas que sua técnica tenta resolver. As bandeirinhas, assim como as janelas ogivais de uma arquitetura de singeleza colonial, trazem sempre a intromissão da diagonal, a qual usa não para perspectiva de profundidade, mas para sensação de movimento. É como se indicasse sua vibração; é como se Volpi pintasse o vento. Não por acaso suas melhores obras são as que combinam fachadas e bandeirinhas, entre meados dos anos 50 e dos anos 60, com predomínio do azul lazúli ou do vermelho terroso. Numa delas, vai ao limite da estilização: duas colunas, uma laranja e a outra vermelha, sugerem uma fachada (seriam portas ou janelas), enquanto duas bandeirinhas flutuam no azul como se tivessem nostalgia do mar. Seguidores de Volpi, a propósito, buscam esse mesmo efeito e esquecem que para ele não se tratava de uma redução minimalista, de um jogo modulatório, e sim de todo um repertório de vivências explicitado sem medo.

Volpi foi um artista afirmativo, inclassificável, e queria uma pintura que representasse aspectos da realidade, não da linguagem em si. Nada tinha a ver com essa pintura retraída, quase muda, de alguns dos melhores pintores brasileiros da atualidade. Acompanhando suas fases, suas idas e vindas entre figuração e abstração, bem como seus altos e baixos, vemos alguém que extrai prazer do mundo, não pureza ou dogma, e que se concentra em sua estética, não em pregar ou chocar. É como um cronista, tirando grandeza da arte “menor”, e lembrando a gente de que muitas vezes a satisfação está em caminhar por um parque, deter o olhar numa coisa bela e agradecer à estação por sua brisa.

Rodapé
No centenário de Beckett, não li ninguém dizendo o óbvio: que ele não é Joyce, não é Proust, não é Kafka, não é Eliot; não é, enfim, dos maiores escritores do século 20. Que ele tenha esse status, e aparentemente tem, deve ter suas explicações, mas ele mesmo – como Borges, que se dizia antes leitor do que autor – seria o primeiro a desconfiar de tanta exaltação. O que acontece é que suas obras, principalmente Esperando Godot, têm um caráter tópico, redutível a emblema de um estado de espírito ou época (como o Pensador de Rodin, na verdade parte de uma obra maior), ainda que supostamente difícil de entender. Mas Beckett é muito interessante, e sua escrita vai muito além das repetições à la Gertrude Stein; tem até um humor cômico-sentimental que não combina com sua imagem de dramaturgo do desespero.

Pelo mesmo motivo é curioso que, nas matérias brasileiras sobre a efeméride, se tenha falado tão pouco sobre a prosa de Beckett. Não me refiro apenas à trilogia Malone Morre, Molloy e O Inominável, mas a uma série de contos, esquetes e novelas que quase não tiveram tradução por aqui. (Beckett em inglês é mais musical que em francês: confira The Complete Short Prose, Grove Press.) Em histórias como "Primeiro Amor" e "O Fim", vemos que ele parte de cadências e temas de Joyce e aos poucos desenvolve seu estilo próprio, cada vez mais ziguezagueante e coloquial. Nos 13 Textos para Nada, ei-lo em sua essência, apontando “esta balbúrdia babélica de silêncio e palavras”, “esta coisa inominável que eu nomeio e nomeio e nunca canso”. O mesmo se encontra na série de oito Fizzles, termo que significa ao mesmo tempo “chiados” e “fiascos”. Sua palavra mais usada, aliás, é “murmúrio”, e suas cenas se constituem basicamente de pessoas que à beira-morte, abandonadas por Deus, sussurram e ouvem seus fantasmas. Uma nota ao passado, mais que um voto ao futuro.

Brindes
Para Paulo Mendes da Rocha, que ganhou o Pritzker, prêmio mais importante da arquitetura, o qual apenas Niemeyer havia recebido entre os brasileiros. Acho que nem sempre ele é feliz em seu estilo, como quando fugiu à habitual austeridade e fez aquele pórtico na Praça do Patriarca. Mas a adaptação da Pinacoteca, algumas casas, a Fiesp, a Forma e o Museu Brasileiro de Escultura – que tem sido tão mal-usado desde sua fundação – são marcos da cidade.

Outro brinde é para Alex Atala, o chef do D.O.M., um inventor de combinações memoráveis, como a brandade de bacalhau com caldo de feijão. Seu restaurante é o 50º melhor do mundo, segundo a revista inglesa Restaurant. Mesmo que se saiba que os critérios favorecem sua mistura do nacional com o internacional – afinal existem dois ou três restaurantes do seu nível em São Paulo –, o que é relevante notar é que ele não usa ingredientes brasileiros só para propagandear, e sim para pesquisar novos sabores.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Publicado originalmente na coluna “Sinopse”, do “Caderno2” do Estadão, a 16 de abril deste ano.


Daniel Piza
São Paulo, 8/5/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Frankenstein de Mary Shelley de Ruy Castro
02. Memórias de Lorenzo da Ponte de Luís Antônio Giron


Mais Daniel Piza
Mais Acessados de Daniel Piza
01. Arte moderna, 100 anos - 10/9/2007
02. Como Proust mudou minha vida - 15/1/2007
03. Saudades da pintura - 16/5/2005
04. A pequena arte do grande ensaio - 15/4/2002
05. André Mehmari, um perfil - 20/11/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/6/2006
10h27min
Jornalista Daniel Piza: Volpi precisava de uma leitura como esta. Profunda, sensível correta, mostrando toda a genialidade de um artista que é visto por muitos somente pelas bandeirinhas. Parabéns, fiz cópia para levar ao mestre Bandeira de Mello. Abraço, Cleusa.
[Leia outros Comentários de Cleusa M. Arantes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O TEATRO SOVIÉTICO
JORACY CAMARGO
LEITURA
R$ 40,00



LAS MULTINACIONALES... A LO CLARO
ERNESTO GARRIDO E ENRIQUE DEL RIO
EDITORIAL POPULAR (MADRI)
R$ 19,82



A RIVE GAUCHE
HERBERT R. LOTTMAN
GUANABARA
(1987)
R$ 10,00



BOA NOVA
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
FEB
(2014)
R$ 15,00



HIGH UP STUDENTS BOOK WITH AUDIO CD & DIGITAL BOOK-2
RAQUEL FARIA
MACMILLAN EDUCATION
(2013)
R$ 39,90



SOCIOLOGIA - INTRODUÇÃO À CIÊNCIA DA SOCIEDADE
CRISTINA COSTA
MODERNA
(2010)
R$ 15,00



NOVA ESCOLA 111 - ABRIL/1998 - TRAGA OS GIBIS PARA A SALA
ELIZABETH DE FIORE
ABRIL
(1998)
R$ 10,90



FINANÇAS LOCAIS E REGIONAIS
MILTON SANTOS FILHO
HUCITEC
(1996)
R$ 10,48



UROLOGIA PRÁTICA
NELSON RODRIGUES NETTO JR.
ATHENEU
(1999)
R$ 12,00



SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO
ANTONIO LUIZ DE TOLEDO PINTO
SARAIVA
(2008)
R$ 10,00





busca | avançada
71522 visitas/dia
1,4 milhão/mês