Dos tipos de penetra | Bruno Medina

busca | avançada
58445 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Céu se apresenta no Sesc Guarulhos
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um conto-resenha anacrônico
>>> A concisão dos meus poemas
>>> 13 de Novembro #digestivo10anos
>>> O altar das montanhas de Minas
>>> Dez obras da literatura latino-americana
>>> Prelúdio, de Júlio Medaglia
>>> Soul Bossa Nova
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
>>> A proposta libertária
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Mais Recentes
>>> Curso Sistematizado de Direito Processual Civil de Cassio Scarpinella Bueno pela Saraiva (2011)
>>> Relíquias de Casa Velha - II Tomo de Machado de Assis pela Instituto de Divulgação Cult (1963)
>>> Idéias 1998 - 1999 de Diversos Autores pela Unicamp (1999)
>>> Seleção de Crônicas do Livro Comédias da Vida Privada de Luis Fernando Verissimo pela Lpm (1995)
>>> A Consiência de Zeno de Italo Svevo pela Folha (2003)
>>> Sob Masoch de Flávio Braga pela Best Seller (2010)
>>> Very British Problems de Rob Temple pela Sphere (2014)
>>> Chicken Soup For the Soul de Mark Victor Hansen; Jack Canfield pela Health Communication (1995)
>>> Brasileiros Pocoto de Luciano Pires pela Frente e Verso (2003)
>>> Contratos Internacionais de Luiz Olavo Baptista pela Lex Magister (2010)
>>> Manual de Direito Civil - Vol. 2 de Roberto Senise Lisboa pela Revista dos Tribunais (2014)
>>> Arte Bra Crítica de Moacir dos Anjos pela Martins Fontes (2011)
>>> Arte Em Sua Casa - a Impressão de Rosemary Simmons pela Celditor (1979)
>>> Os Exércitos da Noite (os Degraus do Pentágono) de Normam Mailer pela Altaya (1968)
>>> Perfeitas Pretty Little Lears de Sara Shepard pela Rocco
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres - 22ª Edição de M. D. Brian L. Weiss pela Salamandra (1991)
>>> O Que Toda Mulher Inteligente Deve Saber de Steven Carter; Julia Sokol pela Sextante (2006)
>>> O Sol Há de Brilhar de Rudney Otto Pfutzenreutere pela Insular (2010)
>>> Upgrade 2 de Gisele Aga pela Richmond (2012)
>>> Organização Política - Seus Fundamentos de Egberto Maia Luz pela Juriscrédi (1972)
>>> A Rainha dos Pavões de Charles Perrault pela Rideel (2000)
>>> Terrafutura: Diálogos Com o Papa Francisco Sobre Ecologia Integral de Carlo Petrini pela Senac (2021)
>>> Começando Com o Pé Direito: Como Administrar Seus Pontos Fortes de Jo-ellan Dimitrius pela Alegro (2001)
>>> Rainforests de Rowena Akinyemi pela Oxford (2008)
>>> La Niña Que no Queria Hablar de Antonio Martinez Mechén pela Ática (2004)
ENSAIOS

Segunda-feira, 6/10/2008
Dos tipos de penetra
Bruno Medina

+ de 5100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Sejam quais forem o propósito ou a ocasião, a definição do que uma festa precisa ter para ser considerada bem-sucedida me parece não fugir a uma convenção unânime. Da mesma forma que ambiente confortável, convidados interessantes e fartura no que é servido sinalizam o prenúncio de momentos agradáveis, costumam, também, atrair um elemento praticamente indissociável: o penetra.

Pela minha experiência, a melhor forma de lidar com eles seria considerá-los uma prova cabal de que sua festa decolou. Digo eles porque são alguns os tipos identificáveis. Comecemos pelo penetra profissional, ou seja, aquele que tem por hábito e/ou esporte invadir as reuniões alheias. Este indivíduo possui um aguçado radar, desenvolvido para informá-lo com bastante antecedência sobre a oferta de eventos disponíveis. Ele sempre se apresenta preparado para ser invisível, se confundir com os demais e, devido a esta habilidade, quase nunca é flagrado no ato.

Há também o tipo cara-de-pau. Ele vem com a roupa errada, fala alto e assim que chega já procura logo o dono da festa. Sua estratégia é fazer de tudo para ser notado, a ponto de sua possível expulsão ser descartada, apostando no constrangimento que ela causaria. Caso consiga permanecer até o fim da festa, não duvide que ele seja capaz de sair bêbado e com os bolsos cheios de canapés.

Existe ainda um terceiro tipo, o penetra circunstancial, mais comum e menos nocivo. Esta categoria abrange todos aqueles que, por alguma conjuntura do destino, desempenham o papel de penetra em caráter extraordinário. Creio que a maioria de nós já esteve pelo menos uma vez nesta condição, puxe pela memória.

Faz uns dez anos estava num bar em Botafogo acompanhado por um casal de amigos quando avistamos, numa outra mesa, um conhecido em comum. Conversa vai, conversa vem, o cara nos contou que estava fazendo hora antes de seguir para uma festinha incrível de aniversário que aconteceria ali perto. Para resumir bem a história, fomos convencidos por ele a ir também, um pouco mais tarde, afinal, nesta delicada condição, o bom senso sugere chegar ao lugar já cheio.

Na portaria do prédio, o primeiro obstáculo: seria necessário se anunciar? Em nome de quem, se ninguém nos conhecia? Por sorte o porteiro estava quase dormindo e nada nos perguntou. Subimos e encontramos a porta já aberta, entramos. O cenário era um apartamento de dois quartos onde havia um grupo de umas vinte pessoas no qual não se incluía o cara que nos convidou. Ele conseguiu a rara façanha (seria esta uma quarta classificação?) de convidar penetras para uma festa e não aparecer!

Óbvio que num ambiente de pequenas proporções como aquele seria impossível passarmos despercebidos. Todos os presentes nos olhavam e comentavam com quem estivesse do lado algo como "quem são esses aí?". A esta altura havia duas opções: dar meia-volta e reconhecer nossa humilhante tentativa de invadir aquela festa ― quem sabe até pedindo desculpas para o aniversariante ―, ou relaxar, pegar uma cerveja e puxar conversa. Dito e feito.

A verdade é que entrar na cozinha para pegar bebidas apenas sublinhava o absurdo que representava continuarmos naquela festa. Escorados pela parede, segurando a cerveja sem tomar, parecíamos três suspeitos perfilados naquele paredão em que as vítimas fazem o reconhecimento de criminosos. Em nossa frente uma pista de dança improvisada, e muito mais natural seria se dançássemos. Assim fizemos. Dançando conseguimos rir das circunstâncias e nos descontrairmos um pouco, pelo menos até bater uma culpa por estarmos nos divertindo demais, algo que, aos olhos dos convidados, nós definitivamente não merecíamos.

Acho que depois disso desistimos. O jeito foi baixar a cabeça e sair do mesmo jeito que entramos e permanecemos durante todo o tempo, sem falar com ninguém. A vivência narrada me manteve muitos anos afastado da condição de penetra, exceto por um final de noite em Londres, quando me envolvi sem saber na tentativa de entrar num bar no West End exclusivo para atores associados. Me vi obrigado a assinar um nome qualquer na lista de presença, dizer que havia esquecido minha carteirinha de sócio e o pior: me passar por ator! Neste dia achei que seria preso ou deportado, no entanto, felizmente, tudo deu certo. Me ocorreu agora a possibilidade de uma quinta categoria de penetra. A dos que, assim como eu e Peter Sellers no clássico O convidado trapalhão, se tornam penetras sem se dar conta disso.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Publicado originalmente no Instante Posterior, blog de Bruno Medina hospedado no portal G1.


Bruno Medina
Rio de Janeiro, 6/10/2008

Mais Bruno Medina
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/10/2008
07h47min
As suas duas "penetrações" mostram que você é um ator nato!
[Leia outros Comentários de José Frid]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Meditações Sobre o Evangelho
Charles de Foucauld
Círculo do Humano Cristão
(1962)



Educação e Sociedade: Compromisso Com o Humano
Luiz Monteiro Teixeira-roberta Maria Lobo da Silva
Loyola
(2007)



Jacqueline e John F. Kennedy
Alan Posener
Gryphus
(2000)



Negócios ao Estilo
Bill Gates
Up Negócios
(2000)



Robin Hood
Joel Rufino dos Santos
Scipione
(2014)



Eu Amo Música! a Orquestra
Márcia Duarte
Yoyo Books
(2017)



Se a Memória Não Me Falha
Sylvia Orthof
Nova Fronteira
(1987)



Esfinge
Robin Cook
Nova Cultural
(1986)



O Livro das Ignorãças - 2ª Edição
Manoel de Barros
Civilização Brasileira
(1994)



O Matuto
Zibia Gasparetto
Vida & Consciência
(1997)





busca | avançada
58445 visitas/dia
1,8 milhão/mês