Novos caminhos para a cultura | Mauro Dias

busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> Hells Angels
>>> Entre criaturas, amar?
>>> Chris Hedges não acredita nos ateus
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> O cérebro criativo
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Da Teoria para a Práxis
>>> Quem ri por último, ri melhor?
>>> A princesa insípida e o caçador
Mais Recentes
>>> Dominando 3Ds Max 6 de Ted Boardman pela Ciencia Moderna (2004)
>>> Smashing Jquery de Jake Rutter pela Bookman (2012)
>>> Photoshop - Photoshop Para Quem Nao Sabe Nada De Photoshop Vol. 2 de Paula Budris pela Atica (2021)
>>> Vinte Anos e Um Dia de Jorge Semprún pela Companhia das Letras (2004)
>>> O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil de Celso Furtado pela Paz e Terra (1999)
>>> O homem, que é ele? de Battista Mondin pela Paulus (2011)
>>> O Anjo Digital de Joubert Raphaelian pela Mensagem para todos (2004)
>>> Pânico no Pacífico de Pronto pela Autêntica (2014)
>>> História & Fotografia de Maria Eliza Linhares Borges pela Autêntica (2007)
>>> Alfabetizar Letrando na Eja de Telma Ferraz Leal, Artur Gomes de Morais pela Autêntica (2010)
>>> Cronistas Em Viagem e Educação Indígena de Nietta Lindenberg Monte pela Autêntica (2008)
>>> Mil Coisas Podem Acontecer de Jacobo Fernández Serrano pela Autêntica (2012)
>>> Passageiro Clandestino de Leonor Xavier pela Autêntica (2015)
>>> Rua do Odéon de Adrienne Monnier pela Autêntica (2017)
>>> Zz7--48--o ultimo tentaculo-2--394--perto da babilonia--11--os carrascos do vietna--162--operaçao impacto. de Lou carrigan pela Monterrey
>>> Para Todos os Amores Errados de Clarissa Corrêa pela Gutenberg (2012)
>>> A relíquia de Eça de Queirós pela Principis (2019)
>>> Antologia poetica de fernando pessoa de Walmir ayala pela Ediouro
>>> Sermões de Padre Antônio Vieira pela Principis (2019)
>>> Minha Paris de Gail Scott pela Autêntica (2014)
>>> Uma longa Jornada de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> O Ciclista de Walter Moreira Santos pela Autêntica (2008)
>>> Dark Eden de Patrick Carman pela Gutenberg (2012)
>>> A primeira vista de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Querido John - de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2010)
ENSAIOS

Segunda-feira, 5/7/2010
Novos caminhos para a cultura
Mauro Dias

+ de 5000 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Tenho ouvido alguma coisa em torno de trinta discos por semana ― títulos que me são entregues em mãos por amigos, conhecidos, gente que de alguma forma ― muito obrigado, desde antes ― dá algum valor à opinião que eu possa ter sobre seu trabalho. É uma imensa responsabilidade opinar sobre trabalho alheio e a confiança que me estendem orgulha e comove. No tempo em que trabalhei em jornais grandes (O Globo, Estadão), procurei sempre valorizar a produção independente, abrir mais espaço para os sem-mídia do que para os medalhões. Raciocinando assim: se eu comento o disco novo do Caetano Veloso, nada muda na vida (ou na obra) do Caetano Veloso. Se eu comento o disco (ou o show, ou o encontro numa roda), por exemplo, da Ilana Volcov (sobre cujo Banguê, recém-lançado, extraordinário, ainda vou escrever), ajudo a tornar Ilana Volcov, um talento indiscutível, um pouco mais conhecida do que ela é.

Claro que a eficácia desse tipo de atitude quando se escreve para um veículo da grande imprensa é muito grande, com repercussão desmedidamente maior do que terá a publicação num blog, numa revista virtual, uma página na nuvem da informática entre centenas de páginas que cuidam de interesse assemelhado.

Mas, por tudo o que tenho ouvido, por tudo o que tem chegado ao meu conhecimento, e considerado o vício profissional de contador de novidades e a ainda presente condição de espectador privilegiado, já que as novidades chegam às minhas mãos, não dá pra ficar calado ― não dá para esconder o elogio ou, eventualmente, lamentar uma chance mal aproveitada, gritar contra os absurdos, estabelecer a indignação com as políticas culturais, com o massacre da indústria cultural. E sempre pensando que, de alguma forma, a publicação (ou a postagem, que seja) vá, de alguma forma, contribuir para que um número maior (mesmo que um pouquinho só maior) de pessoas tome conhecimento do que acontece na aparentemente inesgotável fonte de coisas boas que é a produção de nosso cancioneiro.

Nos últimos anos houve uma modificação, desde muito tempo prevista, apontada como inevitável, na relação da indústria da música com a música. Os grandes nomes (quase todos) abandonaram a indústria e migraram para selos alternativos, independentes, não comprometidos com o eixo TV&rádio que determina quem, como, quando e onde faz e como faz e o que toca e como toca e quanto toca e estipula o quanto o "produto", termo da indústria, precisa vender para compensar o investimento em publicidade, em compra de horários, em corrupção de programadores e produtores e os outros integrantes da cadeia (será que a palavra surgiu aqui por acaso?). Bom, os grandes nomes são os mesmos que já eram grandes nomes ― aqueles a quem rendemos respeito e graça pelas qualidades intelectuais, pela honestidade da obra, pela lisura no relacionamento da arte. Novos grandes nomes com tais características não chegaram aos ouvidos do grande público e é improvável que cheguem ― até por coerência de todas as partes envolvidas. Se a indústria abre mão dos consagrados por considerá-los comercialmente difíceis, o que a levaria a criar outras peças difíceis, dar início ao complexo processo de popularização? Do outro lado da cerca, os criadores insurgentes (ah, como é boa a palavra da língua portuguesa, com sua multiplicidade de sentidos!) também não querem saber daquele círculo viciado que vai tentar moldar seu estilo, conformar sua personalidade, aplainar seus picos de estranhamento, afinar (sentido amplo) sua sensibilidade com a de um espectral "gosto médio" cuja percepção e receptividade é definida por gráficos de consumo.

Dito de outra forma, a arte está de um lado, a indústria de outro e as duas peças não jogam no mesmo tabuleiro.

Há dois anos participei, em Curitiba, de um encontro que reunia associações ligadas à produção independente e à gestão do direito autoral (Aldir Blanc diz que o Brasil não tem direito autoral, tem errado autoral). Representando a produção alternativa estava a Associação Brasileira de Música Independente (ABMI), que abrigava entre seus participantes, na época, 63 gravadoras. A análise da produção fonográfica do ano anterior mostrou o seguinte: as quatro multinacionais do disco que funcionam no Brasil lançaram, no período, 130 títulos. Desses, 75 eram licenciamento de obras produzidas no exterior, e 55, obras nacionais. No mesmo espaço de tempo, as gravadoras independentes levaram ao público 784 discos novos, de produção nacional. Pois bem, aqueles 55 títulos das multinacionais ocuparam 87,37% do tempo de veiculação musical das rádios abertas de todo o País, contra 9,82% do tempo destinados à criação alternativa. (A conta não dá 100% porque não entram no cálculo as compilações feitas, por exemplo, pela Som Livre.)

Na verdade, o absurdo é maior do que esses números apontam, pois nem todas as gravadoras e nem todos os criadores independentes são afiliados da ABMI. Numa estimativa conservadora, pode-se multiplicar por dez aqueles 784 títulos usados para fazer a conta.

E ainda assim, amigos, vale a pena brigar? Claro que vale. Só não valerá para quem considere todo ouvinte burro, todo leitor tapado, todo o público manipulável, toda a cultura inútil. Não valerá para quem tenha perdido o amor-próprio, para quem desdenhe de suas próprias aflições e esperanças, para quem desista do verbo e se encaracole no silêncio de antes da palavra e da música. E eu não acredito que haja gente assim. Pelo menos não em número significativo.

E foi por necessidade vital e responsabilidade intelectual de contribuir, de alguma forma, para vencer a barreira do silêncio, que resolvi começar o meu blog. Ele há pouco mais de duas semanas, com um comentário sobre o show da cantora Tatiana Parra ― um show tão bom que era impossível não escrever sobre ele. A resposta foi bacana e mereci algumas delicadas correções. Uma delas tratando de caso grave: não incluí no texto o nome dos músicos participantes do espetáculo, nem os dos diretores e técnicos, todos tão importantes para a qualidade formidável do resultado. Apresento minhas escusas.

Assim, dei o pontapé inicial, movido pela coceira na ponta dos dedos das mãos, pela inapelável necessidade de dividir com mais pessoas a emoção que me tomou depois do show que tive a graça de ver. Quero falar de shows, de discos, de encontros, de rodas, de conversas, de surpresas, de sentimentos, de política, de atitude, de tomada de posição, de resistência, de impaciência e indignação ― do que move um povo, uma cultura, no caminho de sua voz verdadeira. Eu sei que é pouco. Eu sei que é muito.

Para ir além
Blog do Mauro Dias

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor.


Mauro Dias
São Paulo, 5/7/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Jane Fonda em biografia definitiva de Sonia Nolasco


Mais Mauro Dias
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/7/2010
08h10min
Com as novas tendências de ninguém ter uma exclusiva gravadora, de você ter o rádio apenas com Jabá, e a TV, com um olhar dirigido para o mercado... E os shows com uma produção caríssima... Só nos resta ouvir, prestar atenção e escolher. A idéia de tendência Y ou X é, meramente, um gato que sorteamos no balaio da produção musical do País.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
7/7/2010
09h09min
Com toda a força econômica que ainda representam, os grandes veículos de imprensa perdem cada vez mais força política, cultural, perdem visibilidade num universo mais amplo que o nicho de classe média que ainda procura essas mídias. Por outro lado, a diversidade alcançada pela internet combina com a riqueza de possibilidades do universo cultural. Utilizá-la para fazer circular o que vai pelo mundo da música, das artes, pode parecer um trabalho de formiguinha, mas não é assim que começam todas as coisas - as pequenas e as grandes?
[Leia outros Comentários de Paulo Cezar de Mello]
8/7/2010
10h33min
Saiba que sempre consideramos muito o seu precioso talento Mauro Dias. Obrigado pelo blog.
[Leia outros Comentários de Patricia Ioco]
8/7/2010
11h03min
Muito bom Mauro! Acabei de virar "seguidor" do seu blog. Fazia tempo que eu não "te" lia. Bom saber que você continua firme e forte. Estes dias lembrei da matéria que você escreveu no dia 06 de janeiro de 2003! Lembra? Desejo sucesso e muitos acessos ao blog! Forte abraço, Leandro
[Leia outros Comentários de Leandro Carvalho]
1/9/2010
04h12min
Parabéns a Mauro Dias pelo ótimo artigo. Há tempos que não leio, ouço ou vejo alguém não estar conivente com o estado de coisas da industria cultural. Sou arranjador e trabalhei no Rio em gravadora na década de 70; sempre ouvia o termo "jabá" e não acreditava muito, até que ouvi de um figurão (produtor) que as somas em dinheiro se avolumavam. Isto, meu querido, na década de 70... O que falo pra meus alunos ou artistas é que o investimento em um artista não é o que ele vai pagar em horas de estúdio, arranjos, músicos, prensagem, design gráfico e sim o que eles vão pagar de "propina" para as rádios, televisão e pros grandes jornais. É uma realidade triste, mas creio que podemos mudar isto lutando contra, seja na Web ou em movimentos independentes. Sorry se falei demais, vou seguir o seu blog, abraço!
[Leia outros Comentários de carlos roberto rocha]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Moctezuma: El Semidios Destronado
Jose Miguel Carrillo de Albornoz
Espasa Calpe Mexicana
(2004)



1ª Macli – Mostra de Arte Contemporânea Em Literatura Infantil
Favish Tubenchlak e Outros
Caixa Cultural



La Seduction
Elaine Sciolino
Beatiful
(2011)



Sociologia e Sociologia do Direito
Domício P. Mattos
Do Autor



A Fé Como Reinterpretação Crer - Amar - Louvar
Anselm Grun
Loyola
(2008)



Situation Awareness Analysis and Measurement
Daniel J. Garland
Taylor & Francis Pod
(2000)



Rumo à Liberdade (autografado)
Giselda Laporta Nicolelis
Moderna
(1991)



Escola Meu Mundo Adorável
Yoyo
Yoyo



Lágrimas de um Louco
Agnaldo Cardoso
Mundo Maior
(2005)



Enigma do Quatro
Ian Caldwell e Dustin Thomason
Planeta do Brasil
(2005)





busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês