Bill Gates e o Internet Explorer | Adam Penenberg

busca | avançada
39929 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 23/8/2010
Bill Gates e o Internet Explorer
Adam Penenberg

+ de 8100 Acessos

(Começa aqui...)

Interrompendo a viralidade do Netscape
Um ano antes, quando o Mosaic começava a decolar, Bill Gates observou que a Web era gratuita e não conseguia ver nenhum modo de a Microsoft fazer dinheiro com ela. Ele mudou de opinião quando o Netscape Navigator arrasou o Mosaic e abocanhou 75% do mercado de navegadores. Em um memorando intitulado "The Internet Tidal Wave" ("O maremoto da internet") que Gates enviou aos executivos um mês antes de a Netscape tomar a decisão de abrir o capital, ele afirmou que a Web era "o avanço mais importante" desde o PC da IBM. "Passei por várias fases até entender toda a importância da internet. Agora atribuo à internet o nível de importância mais alto." Na verdade, ele a considerou "crucial para todos os negócios da Microsoft". O que o deixou assustado foi o fato de, após dez horas navegando, não ter encontrado um único arquivo da Microsoft em um site ― nenhum Microsoft Word, nada. Ele jurou enfrentar o concorrente mais recente da empresa: a Netscape. "Temos de igualar e superar seus produtos", ele escreveu. Mas isso não significava que a Microsoft distribuiria o navegador gratuitamente, uma sugestão que um de seus subordinados fez semanas mais tarde em uma retratação da empresa. "O que você pensa que somos", Gates perguntou, "comunistas?".

Em novembro, uma ação da Netscape atingiu $171. Quando a Goldman Sachs rebaixou a classificação das ações da Microsoft devido a preocupações em relação ao impacto da internet no futuro desse fabricante de software, Gates entrou em ação. Ele licenciou o navegador Mosaic da SpyGlass, que também havia aberto o capital recentemente, e tornou a criação do próprio navegador da Microsoft prioridade, lançando um batalhão de programadores nele. Andreessen, que tinha concebido e codificado os dois navegadores, não havia perdido a ironia, observando que estaria competindo contra ele mesmo. Em agosto de 1995, com o Netscape tendo participação de 80% do mercado de navegadores, a Microsoft lançou o Internet Explorer. Embora tenha sido saudado com descaso coletivo, criticado severamente por várias pessoas e não tenha interferido na vantagem do Netscape, a chamada guerra dos navegadores havia começado.

Com o Netscape voando alto e com receitas na casa dos $346 milhões em 1996, Andreessen apareceu na capa da Time, em um trono e descalço. Enquanto isso, a Microsoft continuou tentando, lançando o Internet Explorer 3.0 apenas um ano depois de entrar no mercado de navegadores. A Microsoft muitas vezes faz três tentativas antes que algo funcione, o que era verdadeiro para o Windows e também para o novo navegador. Mas a Microsoft não tinha acabado com a diferença tecnológica. Gates mudou radicalmente de postura, decidindo distribuir gratuitamente o navegador junto com o Windows. Qualquer fabricante de PC que não oferecesse o Explorer como navegador padrão em todas as máquinas perderia a licença para executar o Windows. Um computador sem um sistema operacional era como um homem sem um cérebro. Anos mais tarde, um tribunal federal condenaria esse comportamento monopolista em um processo em que a Microsoft teve de ceder. Mas já era tarde. O estrago já havia sido feito.

Seis meses depois de o Internet Explorer 3.0 alcançar a Web, a fatia de mercado da Microsoft saltou de 10% para 22%, aumentando para 32% nos seis meses seguintes. Enquanto a participação do Explorer no mercado aumentava, a do Netscape caía e suas receitas diminuíam ― a empresa teve $132 milhões em perdas operacionais naquele ano. Quando a AOL comprou a Netscape, em 1998, por $4 bilhões em ações (que valiam $10 bilhões no momento em que o negócio foi fechado), o Internet Explorer tinha 50% do mercado e a participação do Netscape estava caindo drasticamente.

Andreessen alcançou dois viral loops no período de alguns anos, mas Gates descobriu uma brecha na estratégia dele. Com tudo dependendo da disseminação do navegador, Gates rompeu a viralidade do Netscape, "sufocando a provisão de ar do Netscape", disse certa vez o editor de livros de informática Tim O'Reilly. Pesquisas mostraram que é muito difícil induzir as pessoas a trocar de navegadores depois de selecionarem um, assim, ao impor o Explorer como a opção padrão nos PCs, Gates tornou este o padrão de fato.

Contudo, o Netscape não foi o último fracasso pontocom. Não apenas todos aqueles associados ao Netscape fizeram fortunas ― Clark ganhou bilhões, Andreessen fez centenas de milhões e os vários engenheiros faturaram milhões de dólares ―, mas a guerra dos navegadores dos anos 1990 resultou em um objetivo mais alto. No final da década, aproximadamente 400 milhões de pessoas estavam na internet, praticamente todas utilizando o Netscape ou o Internet Explorer, que rodavam sobre o código que Andreessen concebeu e criou. Ao semear a internet com ferramentas de navegação, o Mosaic e o Netscape tornaram possível a Web de hoje ― e não havia como voltar atrás.

Nota do Editor
Texto integrante do segundo capítulo do livro Viral Loop, de Adam Penenberg, e reproduzido aqui com autorização da editora Campus.

Para ir além


Adam Penenberg
Nova York, 23/8/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Harold Ramis (1944-2014) de Marcel Plasse
02. A Cultura do Consenso de André Forastieri
03. Aquarela de um Brasil sem cor de Túlio Henrique Pereira
04. Freedom, de Jonathan Franzen de Sonia Nolasco
05. Um coração de mãe de Cintia Moscovich


Mais Adam Penenberg
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HOTEL - CAPA DURA - 1ª EDIÇÃO BRASILEIRA
ARTHUR HAILEY
NOVA FRONTEIRA
(1965)
R$ 7,00



GOLDMINES PRICE GUIDE TO COLLECTIBLE JAZZ ALBUMS 1949-1969
NEAL UMPHRED
KRAUSE PUBLICATIONS
(1994)
R$ 130,00



DECIFRANDO O GENOMA
KEVIN DAVIES
CIA DAS LETRAS
(2001)
R$ 75,00



O MUNDO CONHECIDO
EDWARD P. JONES
JOSÉ OLYMPIO
(2009)
R$ 63,00



TURISMO, HOTELARIA E LAZER - 4
BEATRIZ HELENA GELAS LAGE (ORG.)
NÚCLEO DE TURISMO USP
R$ 14,00



GUIA DE PRONTO SOCORRO
JOHNSON JOHNSON
JOHNSON JOHNSON
R$ 15,00



ALEISTER CROWLEY
CHRISTIAN BOUCHET
HUGIN
(2000)
R$ 139,00



COELHOS INSTALAÇÕES E ACESSÓRIOS
MÁRCIO INFANTE VIEIRA
NOBEL
(1973)
R$ 12,00



NOSSA VIDA NOS SONHOS
TRIGUEIRINHO
PENSAMENTO
(1987)
R$ 15,00



VIVA COM ESPERANÇA
MARK FINLEY- PETER LANDLESS
CASA PUBLICADORA
(2014)
R$ 9,00





busca | avançada
39929 visitas/dia
1,1 milhão/mês