Bill Gates e o Internet Explorer | Adam Penenberg

busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Férias de Julho: Museu Catavento e Teatro Sérgio Cardoso recebem a Cia. BuZum!
>>> Neos firma parceria com Unicamp e oferece bolsas de estudo na área de inteligência artificial
>>> EcoPonte apresenta exposição Conexões a partir de 16 de julho em Niterói
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> PANFLETO AMAZÔNICO
>>> Coruja de papel
>>> Sou feliz, sou Samuel
>>> Andarilhos
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os enciclopedistas franceses rolam nos túmulos
>>> Entrevista com Chico Pinheiro
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Vamos sentir saudades
>>> Sexo virtual
>>> The more you ignore me, the closer I get
>>> Padre chicoteia coquetes e dândies
Mais Recentes
>>> Simplesmente Irresistível de Rachel Gibson; Leila Kommers pela Jardim dos Livros (2013)
>>> Anotações Sobre um Escândalo - Romance - Autografado de Zoë Heller pela Record (2007)
>>> A Região do Maduro de Jaime Leitão Rodrigues pela Amrc (1986)
>>> Mundo sem Hemisférios de Octavio Costa pela Record
>>> Revelada - uma Odisséia Feminina de Eliana de Freitas pela Conecta Brasil (2012)
>>> Crítica Teatral - Obras Completas de Machado de Assis de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc.
>>> Marcas da Iatrogenia no Discurso de Profissionais Em Hospital-dia de Luís Gustavo Vechi pela Casa do Psicólogo (2003)
>>> As Duas Vidas de Adonis de Mustafa Yazbek pela Ftd (1991)
>>> Gail 200 Anos de Sucesso Industrial - 200 Years of Industrial Success de Hilde Herbold - Texto pela Dba (2012)
>>> O Olhar de Lanceta - Ensaios Críticos Sobre Literatura e Sociedade de Elói Alves pela Apmc (2015)
>>> Reima de Dau Bastos pela Record (2009)
>>> Revista Arte e Cultura da América Latina - Vol. VII - Nº 1 de Adonay Ariza/rosane Borges e Outros pela Terceira Margem (2000)
>>> O Projeto Lottie de Jacqueline Wilson pela Sm (2005)
>>> São Jorge dos Ilhéus de Jorge Amado pela Martins (1968)
>>> Não Há Silêncio Que Não Termine de Ingrid Betancourt; Rosa Freire Daguiar pela Companhia das Letras (2010)
>>> Fluxus de Cristiane Grando pela Gato de Papel (2005)
>>> O Vau da Vida de Ariosto Augusto de Oliveira pela Nankin (2004)
>>> Uma Questão de Vida e Sexo de Oscar Moore pela José Olympio (2006)
>>> Subtexto - Revista de Teatro do Galpão Cine Horto - Nº 3 de Chico Pelúcio/beto Franco/kil Abreu/e Outros pela Não Identificada (2006)
>>> Une Vie Maupassant - Analyse Critique de Jean et Veronique Ehrsam pela Hatier (1986)
>>> The Last of the Giants de George Otis pela Chosen Books (1991)
>>> Dados - Revista de Ciências Sociais - Volume 51 -1 de Charles Pessanha - Edit. pela Iuperj (2008)
>>> Madame Casanova de Gaby Von Schonthan pela Nova Fronteira (1974)
>>> Um Reizinho Entre Nós de Yasmin Garrido Bruno pela Best Seller (2003)
>>> A Sintese Organica do Itinerarium Aetheriae de Enio Aloisio Fonda pela Ffcla (1966)
ENSAIOS

Segunda-feira, 23/8/2010
Bill Gates e o Internet Explorer
Adam Penenberg

+ de 10000 Acessos

(Começa aqui...)

Interrompendo a viralidade do Netscape
Um ano antes, quando o Mosaic começava a decolar, Bill Gates observou que a Web era gratuita e não conseguia ver nenhum modo de a Microsoft fazer dinheiro com ela. Ele mudou de opinião quando o Netscape Navigator arrasou o Mosaic e abocanhou 75% do mercado de navegadores. Em um memorando intitulado "The Internet Tidal Wave" ("O maremoto da internet") que Gates enviou aos executivos um mês antes de a Netscape tomar a decisão de abrir o capital, ele afirmou que a Web era "o avanço mais importante" desde o PC da IBM. "Passei por várias fases até entender toda a importância da internet. Agora atribuo à internet o nível de importância mais alto." Na verdade, ele a considerou "crucial para todos os negócios da Microsoft". O que o deixou assustado foi o fato de, após dez horas navegando, não ter encontrado um único arquivo da Microsoft em um site ― nenhum Microsoft Word, nada. Ele jurou enfrentar o concorrente mais recente da empresa: a Netscape. "Temos de igualar e superar seus produtos", ele escreveu. Mas isso não significava que a Microsoft distribuiria o navegador gratuitamente, uma sugestão que um de seus subordinados fez semanas mais tarde em uma retratação da empresa. "O que você pensa que somos", Gates perguntou, "comunistas?".

Em novembro, uma ação da Netscape atingiu $171. Quando a Goldman Sachs rebaixou a classificação das ações da Microsoft devido a preocupações em relação ao impacto da internet no futuro desse fabricante de software, Gates entrou em ação. Ele licenciou o navegador Mosaic da SpyGlass, que também havia aberto o capital recentemente, e tornou a criação do próprio navegador da Microsoft prioridade, lançando um batalhão de programadores nele. Andreessen, que tinha concebido e codificado os dois navegadores, não havia perdido a ironia, observando que estaria competindo contra ele mesmo. Em agosto de 1995, com o Netscape tendo participação de 80% do mercado de navegadores, a Microsoft lançou o Internet Explorer. Embora tenha sido saudado com descaso coletivo, criticado severamente por várias pessoas e não tenha interferido na vantagem do Netscape, a chamada guerra dos navegadores havia começado.

Com o Netscape voando alto e com receitas na casa dos $346 milhões em 1996, Andreessen apareceu na capa da Time, em um trono e descalço. Enquanto isso, a Microsoft continuou tentando, lançando o Internet Explorer 3.0 apenas um ano depois de entrar no mercado de navegadores. A Microsoft muitas vezes faz três tentativas antes que algo funcione, o que era verdadeiro para o Windows e também para o novo navegador. Mas a Microsoft não tinha acabado com a diferença tecnológica. Gates mudou radicalmente de postura, decidindo distribuir gratuitamente o navegador junto com o Windows. Qualquer fabricante de PC que não oferecesse o Explorer como navegador padrão em todas as máquinas perderia a licença para executar o Windows. Um computador sem um sistema operacional era como um homem sem um cérebro. Anos mais tarde, um tribunal federal condenaria esse comportamento monopolista em um processo em que a Microsoft teve de ceder. Mas já era tarde. O estrago já havia sido feito.

Seis meses depois de o Internet Explorer 3.0 alcançar a Web, a fatia de mercado da Microsoft saltou de 10% para 22%, aumentando para 32% nos seis meses seguintes. Enquanto a participação do Explorer no mercado aumentava, a do Netscape caía e suas receitas diminuíam ― a empresa teve $132 milhões em perdas operacionais naquele ano. Quando a AOL comprou a Netscape, em 1998, por $4 bilhões em ações (que valiam $10 bilhões no momento em que o negócio foi fechado), o Internet Explorer tinha 50% do mercado e a participação do Netscape estava caindo drasticamente.

Andreessen alcançou dois viral loops no período de alguns anos, mas Gates descobriu uma brecha na estratégia dele. Com tudo dependendo da disseminação do navegador, Gates rompeu a viralidade do Netscape, "sufocando a provisão de ar do Netscape", disse certa vez o editor de livros de informática Tim O'Reilly. Pesquisas mostraram que é muito difícil induzir as pessoas a trocar de navegadores depois de selecionarem um, assim, ao impor o Explorer como a opção padrão nos PCs, Gates tornou este o padrão de fato.

Contudo, o Netscape não foi o último fracasso pontocom. Não apenas todos aqueles associados ao Netscape fizeram fortunas ― Clark ganhou bilhões, Andreessen fez centenas de milhões e os vários engenheiros faturaram milhões de dólares ―, mas a guerra dos navegadores dos anos 1990 resultou em um objetivo mais alto. No final da década, aproximadamente 400 milhões de pessoas estavam na internet, praticamente todas utilizando o Netscape ou o Internet Explorer, que rodavam sobre o código que Andreessen concebeu e criou. Ao semear a internet com ferramentas de navegação, o Mosaic e o Netscape tornaram possível a Web de hoje ― e não havia como voltar atrás.

Nota do Editor
Texto integrante do segundo capítulo do livro Viral Loop, de Adam Penenberg, e reproduzido aqui com autorização da editora Campus.

Para ir além


Adam Penenberg
Nova York, 23/8/2010

Mais Adam Penenberg
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Olhos do Mundo: Lendas Escolhidas e Recontadas
Edson G. Garcia Jorge M. Marinho Lidia I. Carvalho
Ciranda de Letras
(2012)



Engenharia Genética
Fátima Oliveira
Moderna
(1995)



Por Que as Mulheres São tão Especiais
Gary Haynes
Atos
(2009)



Keraban
Júlio Verne
Matos Peixoto
(1966)



Jardim de Inverno
Zélia Gattai
Record
(1988)



Por que os Homens Mentem e as Mulheres Choram?
Allan Pease / Barbara Pease
Sextante
(2005)



A Segunda Vez Que Te Conheci
Marcelo Rubens Paiva
Objetiva
(2008)



A Festa Acabou
Gilberto Caldas
Pillares
(2005)



O Guarani
José de Alencar
Paulus
(2005)



Os Homens Que Não Amavam as Mulheres
Stieg Larsson
Companhia das Letras
(2010)





busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês