Da decepção diante do escritor | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
44715 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 15/8/2001
Da decepção diante do escritor
Paulo Polzonoff Jr

+ de 5000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Yara Mitsuishi

Mais uma vez tenho de me desculpar porque acaba de me acontecer algo que merece muito mais um texto do que a viagem do homem à Lua, coisa que eu pretendia escrever semana passada, quando o Jorge Amado morreu, ou a Seleção brasileira, texto que eu vinha ensaiando ontem, ou ainda Paris, como me pede encarecidamente um leitor que insiste em dizer que me odeia.

Acontece que eu acabei de conhecer um escritor.

Não é o primeiro. Até por trabalhar na área, conheço uma porção deles. E toda vez que me deparei com um escritor tive a nítida sensação de estar diante de uma fraude. Não uma fraude artística, veja bem; mas uma fraude pessoal. Um escritor, por melhor que seja, não vale um grama do que escreve.

Ano passado eu conheci José Saramago. Numa salinha na sede da Cia. das Letras, o escritor português respondia às perguntas com enfado. Éramos quatro jornalistas - e confesso que estava nervoso; não deveria, mas estava. Saramago foi burocrático, protocolar. Destilou seu pessimismo decorado, respondeu às perguntas com as mesmas palavras (globalização, esquerda, sociedade, coisa e tal) e foi embora. Quando ele saiu da sala, depois de uma assessora de imprensa ter praticamente nos enxotado, fiquei ali, no corredor, olhando o homem. Não o escritor, mas o homem. E o homem me pareceu o ser mais frágil e condenável do mundo. Condenável porque fingia uma força, um poder que na verdade não possuía. Isto porque, em dado momento, uma mulher, possivelmente uma editora, chegou para o português de Nobel na lapela com um livro na mão. Minguado, o volume era artesanal. Possivelmente feito num xerox ou numa impressora caseira. Escutei trechos da conversa dos dois. A mulher dizia a Saramago (lembre-se: esquerda, sociedade, globalização, justiça, igualdade...) que um escritor havia deixado ali para ele. Ele pegou, folheou e riu. Ela riu de volta. E ficaram tirando sarro do pobre-diabo que havia despendido seu tempo escrevendo o livrinho e - pior - que possivelmente havia lambido os pés da recepcionista para poder entregar o volume à mulher que dele agora debochava junto de um Nobel de Literatura, bastião das igualdades, o último dos socialistas. Ora, pois.

Até hoje, quando tive outra grande decepção, talvez maior porque mais lúcida (a cada ano que passa fico mais lúcido, é preciso dizer), havia conhecido outros escritores, geralmente da cena local. Cristóvão Tezza, por exemplo, escritor do ótimo Trapo, foi um grande professor na faculdade. Só que deu de achar que escrevia bem demais. Além disso, é um acadêmico (intelequitual, como o Millôr gosta de escrever e eu de plagiar), e acha que está acima de nós, pobres mortais. Outro é Miguel Sanches Neto, bom escritor e, até onde sei, boa gente. Possivelmente é honesto demais para ter reconhecimento como escritor pela corja toda. Fausto Wolff, da turma de Ziraldo, Jaguar & Cia, foi dos mais mau-caráteres que já encontrei. Marquei duas entrevistas com ele, quando o tal esteve por aqui para lançar seus livros, e nas duas vezes ele me deu os canos. Na primeira, chegou ao saguão do hotel bêbado como um gambá (o lugar-comum é proposital), olhou-me de cima a baixo, disse que iria para o quarto, simplesmente. Da segunda vez, desmarcou a entrevista dizendo estar com ressaca. E dias depois apareceu no Jô Soares dizendo que a imprensa não lhe dava espaço - reclamação típica de escritores. Conheci ainda José Castello, que me pareceu bastante inteligente, Cony, que concedeu ao Rascunho uma das piores entrevistas que aquele suplementou já publicou, com respostas absurdamente idiotas. E mais meia-dúzia de escritores locais.

Hoje, segunda-feira, quando escrevo esta coluna, conheci mais um escritor: Domingos Pellegrini. E só então tive a dimensão que é a decepção, para alguém que ama a literatura, de conhecer um escritor. O quanto me for possível, manter-me-ei (ah, não, mesóclise!) afastado deste bando. E aconselho ao leitor o mesmo.

Pellegrini ganhou dois prêmios Jabuti. É autor de dois ótimos romances, Terra Vermelha e O Caso da Chácara Chão, ambos publicados pela Record. Morador de Londrina, no norte do Paraná, é considerado assim um embaixador da terra-vermelha num estado em que quase tudo, em se tratando de cultura, é ditado por Curitiba. Aí, nada demais. Hoje, contudo, o homem apareceu na minha frente. Participaríamos de um bate-papo promovido pela operadora de telefonia local. Chegou com o nariz alto, como convém, e olhou a mim e a meu amigo, Rogério Pereira, editor do Rascunho, com ar de autoridade. Foi cobrando a publicação de algo seu no suplemento literário. Depois se retirou - talvez para que eu pudesse perceber que, conhecer um escritor, não é decepcionante somente pela figura do próprio, mas também pela figura daqueles que o rodeiam.

Neste caso, ver um escritor em Curitiba é imbatível. Aqui o público que o rodeia é simplesmente primário. Um bando de puxa-sacos intelectuais de enojar qualquer pessoa com dois neurônios. Afastou-se o Pellegrini e já uma mulher o puxou pela manga, dizendo que seu filho era estudante de jornalismo e dando dois livros para ele autografar. Detalhe: os dois livros estavam com etiquetas de biblioteca nas laterais. Pode? Em Curitiba, ao menos, pode. Então fomos encaminhados para o tal bate-papo que deveria girar em torno literatura paranaense. Girou em torno do vazio.

Pellegrini, o escritor reverenciado, dois Jabutis na cabeça, começou falando que havia tirado sua filha de uma escola particular para colocá-la nos bancos duros de uma pública, porque o ensino na pública era melhor. Como é rica a imaginação dele. Depois começou a indefectível babação de ovo. Disse que gostava muito de dois escritores paranaenses: Jamil Snege e Miguel Sanches Neto - que editou um dos livros de Pellegrini pela Imprensa Oficial.

Claro que nem eu nem meu amigo, Rogério Pereira, somos de ficar quietos diante desta demonstração absurda de rapapé. Muito mais o Rogério, que fala pelos cotovelos. Começou ele dizendo que a literatura paranaense era uma fraude, coisa e tal, até que citou o nome do Paulo Leminski. Silêncio na platéia. Deu para ouvir lá no fundo o som de uma loirinha respirando. Então se estava dizendo que Leminski era uma fraude?! Assim, na cara dura? Sim, com todas as letras: efe, erre, a, u, dê, e. Pellegrini pareceu, neste momento, aqueles mediadores de mesa-redonda: não, não, que é isso, deixa disso. E ficou fazendo elogios ao poetinha das araucárias. Neste momento, para ser sincero, eu já tinha desistido. À minha frente, três menininhas anotavam tudo em suas cadernetas. Estavam com o livro do escritor na mão, para ser autografado, claro. A grã-finagem da cidade compareceu também, e fazia cara de inteligente. Quando foi dito que o caderno Mais!, da Folha de S. Paulo, era uma porcaria, houve mais consternação do público. Os estudantes se agitaram na cadeira. E então este cronista de nem tão parcas letras assim decidiu que era hora de se calar para ver a masturbação mútua entre platéia e escritor.

Pellegrini destilou toda sua capacidade diplomática. Falou bem do governador, do ministro, de Deus e do Diabo. Disse que era preciso incentivar as crianças a lerem - não me diga! Deu conselhos aos pais, dizendo que os pais têm que participar mais ativamente da vida dos filhos. Defendeu a literatura de entretenimento e a literatura autista com a mesma ênfase: nenhuma. Riu o tempo todo seu sorriso que não se compromete, que nada diz. E, no final, leu poemas de quinta categoria, com a participação do público, que obviamente se regozijou porque estavam na presença do ESCRITOR.

Saí rapidinho. Nem ia dar tchau para o homem. Não se trata de falta de educação; trata-se de uma tentativa meio idiota de manutenção do caráter. Não queria que aquele cara achasse que eu havia gostado de sua bazófia cheia de lugares-comum e otimismo barato. Apertou minha mão com o entusiasmo de uma velha moribunda e eu me fui. Antes, porém, vi-o ser rodeado pelas velhas curitibanas, que queriam falar com o ESCRITOR. E, de repente, tive ganas de jogas meus projetos de romance, arquivados em alguns neurônios protegidos do álcool, pelo bueiro.

Vendo aquela platéia babona, aquele ser cheio de vaidade a quem chamam de escritor, vendo a relação promíscua, mentirosa, afetada que há entre eles, compreendi um pouquinho da cultura brasileira e do porquê de seu estado de penúria. Por um momento, pensei nesta situação elevada ao cubo, seja numa apresentação do Caetano Veloso, seja numa votação da Academia Brasileira de Letras.

Aí, esqueci-me, para não ter de me lembrar, também, que talvez seja hora de se ir.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 15/8/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Encontros (e desencontros) com Daniel Piza de Julio Daio Borges
02. Carta para Sonia Rodrigues de Adriana Baggio
03. O que o cowboy texano não sabe de Daniel Aurelio
04. Da crônica ao metajornalismo de Nemo Nox


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Deus - 25/7/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/3/2002
12h52min
A respeito de seu artigo, vale relembrar uns versos de Fernando Pessoa: AUTOPSICOGRAFIA O poeta é um fingidor. Finge tão completamente Que chega a fingir que é dor A dor que deveras sente. E os que lêem o que escreve, Na dor lida sentem bem, Não as duas que ele teve, Mas só a que eles não têm. E assim nas calhas de roda Gira, a entreter a razão, Esse comboio de corda Que se chama coração.
[Leia outros Comentários de Paulo]
15/6/2002
19h10min
Será que esse tal Paulo Polzonoff (cujo sarcasmo me lembra a pobreza de espírito de um Jô Soares) tem capacidade de compreender o poema de Fernando Pessoa, acima citado? O que esperavas do Pellegrini, Polzon? Um escritor não precisa dar boas palestras para ser bom escritor, tenhamos um pouco de compreensão se o homem não foi feliz em todos os momentos. Críticas como a sua vêm destruindo a literatura brasileira há décadas, valha-me Deus... como se já não bastasse. Quer saber? Isso tudo cheirou-me a inveja.
[Leia outros Comentários de Douglas]
19/1/2004
15h18min
Sinto muito ter decepcionado esse gênio que é Paulo Polzonoff Júnior. Fico consternado. Estou até pensando em me matar. Mas não sei se isso seria o certo, pois eliminaria facilmente o problema e a culpa que sinto é muito grande. Talvez seja o caso de me colocar à disposição de Paulo para que faça de mim o que quiser pelo resto da vida. Oh, Deus, que faço?!?! (Jamais usei assim interrogações duplas com exclamações duplas, o que demonstra meu estado de alma.) Rogo A Dom Paulo, por favor, que me diga o que fazer.(A partir de agora, só o chamarei de Dom, como a um mago, pois Dom Paulo tem o dom de nos fazer ver nossa exata dimensão, devolvendo-nos à nossa mediocridade,de onde jamais deveríamos ter saído). Dom Paulo, velai por nós, você que é um iluminado, cuja visão alcança muito além da crítica literária, e que, certamente, mudará o mundo com seu olhar crítico-mítico. Reverentemente, Domingos Pellegrini
[Leia outros Comentários de Domingos Pellegrini ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O GRANDE CONFLITO: ACONTECIMENTOS QUE MUDARÃO O SEU FUTURO
ELLEN G. WHITE
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
(2007)
R$ 6,90



LAGOA ESCURA - 1ª EDIÇÃO AUTOGRAFADA
HIPÓLITO RAPOSO
GAMA
(1941)
R$ 181,91



HEUREUX LES CONVAINCUS
JEAN AMADOU
R LAFFONT
(1986)
R$ 37,82



SINAL VERDE
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER; ESPÍRITO DE ANDRÉ LUIZ
CEC
(1974)
R$ 20,00



EXPORTAÇÃO: ROTEIRO BÁSICO PARA O COMÉRCIO EXTERIOR
DENISE M. FERNANDES
ATLAS
(1987)
R$ 9,90



O AMBIENTE HUMANO (AUTOGRAFADO)
RENATO LOPES FAURY
APOLO ARTES
(2007)
R$ 12,00



LEXPERIENCE EXTREME
CHRISTOPHE NICK
DON QUICHOTTE
(2010)
R$ 45,82



GAFITE - AS GAFES DA ATUALIDADE - VOL. 1
LUIZ ANTONIO SACCONI
NOSSA
(1987)
R$ 11,51



HISTÓRIAS SÉCULOS XX E XXI
GISLANE AZEVEDO E REINALDO SERIACOPI
ÁTICA
(2012)
R$ 21,00



EXTINÇÃO DO ATO ADMINISTRATIVO EM RAZÃO DA MUDANÇA DE LEI (DECAIMENTO)
FÁBIO MAURO DE MEDEIROS
FÓRUM
(2009)
R$ 19,90





busca | avançada
44715 visitas/dia
1,3 milhão/mês