Não me venham com escritores (gênios, então...) | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
34352 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 7/7/2006
Não me venham com escritores (gênios, então...)
Julio Daio Borges

+ de 4500 Acessos
+ 8 Comentário(s)

É cíclico. Volta e meia alguém me aparece com o seguinte papo: "Julio, eu conheci um gênio! Um escritor de alta, altíssima literatura - você tem de publicar". Como se eu estivesse procurando... "Procura-se gênio: paga-se bem (tratar com o Editor)" - como se essa tabuleta estivesse pendurada em algum lugar no site... (Se vocês acharem, vocês me falam? Eu preciso tirar do ar.)

Tá, eu conheci alguns "gênios" - entre wannabes e hasbeens. No início do Digestivo, muitos colaram em mim, visando minha jugular, feito vampiros. Os gênios da vida real são um problema para a nação: produzem obras de arte, sim, mas sugam todo mundo... Já os gênios de mentira só sugam.

E eu morro de preguiça do "gênio" hoje. Do "gênio incompreendido", então, mais ainda - porque se o sujeito viveu uma vida inteira de incompreensão, como é que eu posso ajudar?

O "gênio" ou wannabe, na forma de escrevinhador, é um fardo para editores em geral. É a contradição em pessoa: quer ser descoberto mas não ajuda nem um pouco; sabe que tem de fazer alguma coisa para melhorar (e, finalmente, acontecer) - mas não aceita qualquer aconselhamento ou direcionamento que venha de fora.

Também, pudera: quem passou toda a sua existência - até, digamos, a minha chegada - ouvindo "nãos", apenas espera ouvir um "sim" estrondoso, amplo e absoluto (e nenhuma outra coisa). Ei, "gênios" de plantão: isso não existe, tá bom? Todo mundo precisa ser trabalhado, principalmente uma pedra bruta...

Existem "gênios" piores do que outros. Os que colocam, voilà, todas as suas esperanças na malfadada "palavra escrita": no Brasil, estão condenados a morrer de fome. Esses se aproximam de tipos como eu, mas logo se voltam contra - acontece que o problema não é meu, nem do Digestivo, nem de qualquer outra publicação; é, outrossim, de um País inteiro que, para essa espécie de inteligência, não dá nenhum valor.

Os "gênios" vivem de altos e baixos. Logo, são difíceis de lidar. E o Digestivo, por exemplo, é um periódico, faz jornalismo... Precisamos estar atualizados, sempre "no ar", temos compromissos com nossos Parceiros e Leitores. E, insistindo mais um pouco neste raciocínio, sabendo que tudo tem de dar certo - funcionar como um relógio -, como é que eu posso admitir alguém do tipo inconstante?

Já tive, se interessa saber, "gênio" preso, "gênio" que tentou se suicidar, "gênio" que escreveu um texto inteiro contra (dentro do meu próprio site)... "Gênio" que num minuto me ama, no outro, quer me matar... Agora, olha bem pra minha cara: acha mesmo que eu deveria aturar?

Há fases em que você está mais suscetível ao "gênio", na realidade - acredita, também, que ele possa te salvar. Mas gênios entre aspas sofrem de "auto-sabotagem" crônica: afundam e, no passo seguinte, querem te afundar. Dos que tentaram, aqui, levar o navio a pique, reconheço alguns que insistem e que hoje afundam, por aí, outras embarcações...

Eu penso que faz parte do gênio (sem aspas, de verdade) abrir caminhos que revelem sua própria genialidade - e não ficar cobrando promoção ou consagração de outras pessoas. Em outras palavras (e de uma vez por todas): não é missão, vamos dizer, do Digestivo lançar "mentes brilhantes". Porque acredito no seguinte: elas mesmas vão se lançar.

Além desse defeito, de esperar reconhecimento, "gênios" são afoitos e querem estourar logo (assim que têm a primeira oportunidade). Quando, historicamente falando, gênios sem aspas trabalham duro e estouram depois de uma longa caminhada. (Rimbaud talvez seja, nas letras, a única exceção que confirma a regra - a da improbabilidade do gênio literário precoce.)

"Gênios" velhos, então, é pior. Não aconteceram ainda, mas já incorporaram a mania da velhice de querer ensinar. Se os "jovens" deviam ser mais humildes por não saberem ainda nada, os "velhos" deveriam ser igualmente humildes (ou até mais) por terem tentado e, por enquanto, só falhado. Entre a prepotência e a ignorância, há alguma virtude que me foge?

O "gênio" com bagagem é tão ou mais problemático, porque ele quer usar essa "bagagem", mostrar todos os seus dotes - e anseia por um nível de consagração muito mais sofisticado. A frustração, nessa escala, é proporcional. No mundo dos esportes - apenas a título de curiosidade -, seria algo como um atleta fechado durante décadas numa sala de ginástica que, de repente, fosse disputar uma competição outdoor. Boa coisa não ia dar...

No caso dos escritores, é ainda mais grave, porque a tendência do autor (wannabe or not) é ir se isolando cada vez mais. Quando sai dos seus aposentos para o inevitável choque com a realidade, o "gênio escrevinhador" não suporta a disparidade entre suas ambições e realizações na prática e prefere cavar ainda mais fundo suas catacumbas. Um editor pode ser esse "chamado às falas", admitamos. Mas olhe aqui pra mim, agora (de novo): eu lá tenho cara de que quero interromper esse ciclo vicioso?

Eu tenho muita pena dos escritores, porque eles se defendem exatamente dessa forma (da rejeição): se afundando aos poucos. E podem viver uma vida inteira sem saber - ou, vá lá, até intimamente sabendo - que são um fracasso. Conheço escritores fracassados que nem em mil anos vão melhorar. Mas não tenho coragem de alertá-los (eles colocaram toda a sua vida nessa história...). Você, no meu lugar, teria coragem?

É diferente em outras profissões. Um advogado, um médico ou um engenheiro até pode reclamar de ser um "gênio incompreendido" de vez em quando, mas lá no fundo sabe que não é mesmo grande coisa - porque o reconhecimento, nessas áreas, tem de vir agora, em forma material, senão não vale. O "gênio escrevinhador" (ou "artístico", vamos extrapolar) tem sempre a desculpa da incompreensão do mundo (mesmo que se saiba um fracasso na intimidade; ou até principalmente por causa desse fato...).

Eu tenho dó, mas não posso fazer mais do que já faço (eu faço jornalismo, cara pálida). Eu não convenço as pessoas da "genialidade" alheia, essa é que é a verdade; talvez convença da qualidade literária, mas isso, no Brasil, não basta.

Pessoalmente, não acho que o gênio - quando ele existe "por escrito" - está logo numa primeira frase, mas, ao contrário, está no trabalho acumulado. E meia dúzia de pessoas apontando para um sujeito e proclamando, em uníssono, "gênio!" também não me diz nada. Como dizia o Nélson, nosso amigo, é a tal da unanimidade. (Burra, claro.)

Eu fico cansado de ter de calibrar meu detetor de Q.I., ou de inteligência emocional, toda vez que alguém bate à minha porta e demanda: "É gênio ou não?". Mas eu entendo, vai... eu entendo de uma maneira ou de outra. Os escrevinhadores - e o público leigo - falam mal da crítica, por hábito, mas é ela a única capaz de realmente "avaliar". (Escrevinhadores puxam o saco uns dos outros...) Sem fortuna crítica, um autor não é nada: morre e acaba. Mesmo que venda muito. O Paulo Coelho, com todos os seus superpoderes de mago - hey, Paulo, não é nada pessoal -, tenta se vingar da crítica a cada obra, mas não adianta nada.

O selo de qualidade do Julio (ou do Digestivo) pode até ter algum valor, eu assumo - mas não funciona como uma balança de precisão em miligramas. O negócio é orgânico. O gênio vai passar pelo nosso campo de visão e, se estivermos num dia bom, vamos apontar: "Olha o gênio lá!". O que não significa que as pessoas vão parar e olhar...

O resumo da ópera é: não tentem acelerar o compasso. Se for mesmo ocorrer, ocorrerá. E daí que o "gênio" vai se matar se demorar? Se ele for gênio mesmo, você não vai conseguir salvar. (Nem, muito menos, eu, tá?)

"Ah, se o nosso Gênio tivesse um pouco mais de gênio!"
Ralph Waldo Emerson


Julio Daio Borges
São Paulo, 7/7/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Eleições 2014: intrigas, infâmias, alucinações de Jardel Dias Cavalcanti
02. A vingança dos certinhos de Marta Barcellos
03. Jackie O., editora de Eugenia Zerbini
04. Régis Bonvicino: voyeur-flânerie e estado crítico de Jardel Dias Cavalcanti
05. Elke Coelho e a estética glacial-conceitual de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2006
01. Novos Melhores Blogs - 17/3/2006
02. O Gmail (e o E-mail) - 3/3/2006
03. Por que os blogs de jornalistas não funcionam - 22/9/2006
04. Desconstruindo o Russo - 21/7/2006
05. The Search, John Battelle e a história do Google - 6/1/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/7/2006
17h56min
Genial!!!
[Leia outros Comentários de Alfredo A. de Mello]
7/7/2006
18h38min
Grande Julio, como sempre afiado. Acho o "trabalho" de se fazer muito bem lembrado por você, gênio por si só de que vale? A vida, meu caro, a vida, ávida vida....
[Leia outros Comentários de andré balbino]
8/7/2006
14h15min
toda vez que leio algo assim, me sinto bem! é o grilo sempre ajudando na reflexão. obrigado
[Leia outros Comentários de léo]
8/7/2006
17h19min
gênios não se criam, gênios se acham ao acaso, são pessoas despretenciosas, com abilidades especiais, são pesssoas que não têm medo de serem elas mesmas, gênios são raros, mas existem e não almejam reconhecimento.
[Leia outros Comentários de noe class borges]
9/7/2006
04h44min
Ótimo isso aqui. E levanta a questão complexa, geralmente distorcida, da genialidade. O gênio, na verdade, é irrelevante. Em outras palavras, o gênio não é genial. O genial é a obra, a única que fica. Pela obra considera-se - e muitas vezes bem tardiamente - o gênio. Numa época que alimenta, com o combustível de uma mídia irriquieta, a grande "fogueira das vaidades", a imagem do gênio é aduladíssima. Mas, como diriam os chineses, essa imagem é um "tigre de papel". Para ser Shakespeare, o indivíduo TEM, antes de mais nada, que ter escrito Hamlet, Rei Lear, Macbeth e Ricardo III, pelo menos. Ôpa, teve um cara que fez isso. Qual o nome dele? Um tal de William, etc. A obra é genial, o cara deve ter sido um gênio... A coisa funciona assim e só dessa forma. Sem obra, não há gênio. Agora, sem gênio, pode haver (e há) milhares de obras.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
13/7/2006
12h25min
gênio é uma ficção que não se sustenta se não houver uma base de rotina e constante insistência no fazer. trabalho acumulado e história... resumem um bocado do seu texto sobre esse tema.
[Leia outros Comentários de eassis]
15/7/2006
19h36min
Julio, o Digestivo não precisa de gênios, ele tem você.
[Leia outros Comentários de japmo]
20/7/2006
08h54min
Parece mais o super editor esperando pequenos escrevinhadores, mas o texto é bom.... Sabemos que muita gente tenta a promoção "relampago", através de compilação ou de outras genialidades por aí.
[Leia outros Comentários de Marcelo Telles]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ANALISANDO CINEMA: CRÍTICAS DE LUIZ GERALDO MIRANDA LEÃO
AURORA MIRANDA LEÃO - ORG.
IMPRENSA OFICIAL
(2006)
R$ 6,28



AVENTURA NO EGITO
ELISABETH LOIBL
MELHORAMENTOS
(1996)
R$ 21,87



PALESTINOS, OS NOVOS JUDEUS
HELENA SALEM
ELDORADO
(1977)
R$ 18,00



SOBREVIVER VALE A PENA
TÉRCIO GARCIA
FUNDO SOCIAL DE S V
R$ 8,00



EMERGÊNCIA VASCULAR
ANTHONY CHANT E AIRES DSA
DILIVROS
(2001)
R$ 50,00



CONTROLE DE ARMAS
LUCIANO BUENO
IBCCRIM
(2004)
R$ 7,90



O NOVIÇO
MARTINS PENA
PAULUS
R$ 4,00



PAISAGENS CRÍTICAS ARTE CIÊNCIA E INDÚSTRIA - 7284
NELSON BRISSAC PEIXOTO
SENAC
(2010)
R$ 20,00



CRISES FINANCEIRAS
PEDRO CARVALHO DE MELLO
SAINT PAUL
(2004)
R$ 5,00



ZIXV - AVENTURAS DE MICROCOLUS - 1ª ED.
MARILUSA MOREIRA VASCONCELLOS / ZÉ BENTO
RADHU
(1991)
R$ 13,00





busca | avançada
34352 visitas/dia
1,4 milhão/mês