Lendo no Kindle | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
25643 visitas/dia
757 mil/mês
Mais Recentes
>>> Marmita saudável está na moda!
>>> Editora Alaúde publica versão atualizada da prestigiada obra Palavras de Poder - vol. 2
>>> Tragédia em Mariana inspira livro infanto-juvenil
>>> Teatro do Incêndio realiza encontro com Os Favoritos da Catira e Samba de Umbigada
>>> Cozinha prática: Miyoko Schinner lança guia para preparar e armazenar ingredientes básicos veganos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Amy Winehouse: uma pintura
>>> Casa Arrumada
>>> Revolusséries
>>> Mais espetáculo que arte
>>> Thoreau, Mariátegui e a experiência americana
>>> Meu querido aeroporto #sqn
>>> Essas moças de mil bocas
>>> Como uma Resenha de 'Como um Romance'
>>> Quem é mesmo massa de manobra?
>>> Imprimam - e repensem - suas fotografias
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
Últimos Posts
>>> O vôo e a queda
>>> Anil
>>> Aquarela do desejo
>>> Trilha dos séculos (série: Sonetos)
>>> Convite para as coisas que não aconteceram
>>> Faca de estrelas
>>> Estalactites
>>> A economia que a politicagem comeu
>>> "Duas Ninfas", processo de criação da pintura
>>> Se correr o bicho pega. Se ficar o bicho come...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Soma de Todos os Medos
>>> Paulo Francis e a Petrobras
>>> Em defesa da arte urbana nos muros
>>> A eternidade nos labirintos de Borges
>>> Na calada do texto, Bentinho amava Escobar
>>> A selfie e a obsolescência do humano
>>> Os novos filmes de Iñárritu
>>> Teatro anárquico-dionisíaco de Zé Celso M. Corrêa
>>> O Presidente Negro, de Monteiro Lobato
>>> Jornalismo literário: a arte do fato?
Mais Recentes
>>> O Ateneu
>>> Primeiro Anuário Brasileiro de Fórmula 1 1996-1997
>>> Vidas Paralelas. Cinco casamentos vitorianos
>>> Dorival Caymmi. O mar e o tempo
>>> Diálogos
>>> O Filósofo e a Teologia
>>> Alimento Diário- 1º Samuel - volumes 1,2 e 3
>>> Pântano De Sangue
>>> Psicologia Aplicada à Administração
>>> Nosso Lar
>>> Introdução à Teoria Geral da Administração
>>> A Revelação de Deus
>>> Guerra contra os Santos- Tomo 2- versão integral
>>> Evolução e Temporalidade em Teilhard, Vocabulário Teilhard ( 2 volumes)
>>> O Equilíbrio do Ser- Aristóteles
>>> Jogos Vorazes em Chamas
>>> Zona de Perigo
>>> Jogos Vorazes
>>> Davi, um Homem Segundo o Coração de Deus
>>> Moisés, um Homem Dedicado e Generoso
>>> José, Um Homem Íntegro e indulgente
>>> Espirito de Sabedoria e de Revelação-A Chave para conhecer as profundezas de Deus
>>> Teologia Sistemática- Três Volumes em UM
>>> Você na telinha - Como usar a mídia a seu favor
>>> Educação Financeira - Como educar seu filho
>>> O clube das segundas esposas
>>> O Amor do Espírito
>>> Pretinha, Eu?
>>> O Vale das Utopias
>>> História de Mulheres na Bíblia
>>> O Poder da Oração no Casamento
>>> Para entender a versificação espanhola e gostar dela
>>> Comédias Para se Ler na Escola
>>> Municipalização do ensino no Brasil (novo)
>>> A Chama Viva do Amor- A Festa do Espírito Santo
>>> Os princípios de liderança de Jack Welch
>>> O manual do novo gerente
>>> Bórgia: o poder e o incesto
>>> Bórgia: tudo é vaidade
>>> Bórgia: as chamas da fogueira
>>> Bórgia: sangue para o Papa
>>> The walking dead
>>> Como fazer amgos e influenciar pessoas na era digital
>>> Os milionários do Gênesis
>>> Brasil: 100 comentários
>>> Era uma vez uma empresa
>>> Como se tornar um lider servidor
>>> O homem mais rico da Babilônia
>>> A arte de ganhar dinheiro
>>> Um bom professor faz toda a diferença
COLUNAS >>> Especial Livro Eletrônico

Sexta-feira, 8/1/2010
Lendo no Kindle
Julio Daio Borges

+ de 12300 Acessos
+ 11 Comentário(s)


Para Claudio Baran, Diogo Salles, Eduardo Carvalho, Eduardo Fleury, Fabio Silvestre Cardoso, Luis Eduardo Matta, Miguel Cavalcanti, Leonardo Kuba, Ram Rajagopal, Rafael Fernandes e Rafael Rodrigues

* Como sabem os que me leem, sou o que nos Estados Unidos se chama de "evangelista" do Kindle desde o princípio. Escrevi um dos primeiros textos sobre o leitor de e-books da Amazon, na revista GV-executivo (Janeiro/2008), e repercuti a partir de então seus desdobramentos aqui no Digestivo (1, 2, 3 e 4). Falei tanto no Kindle, e fiz tanta propaganda dele, que acabei ganhando um de presente, neste final de ano, dos meus amigos acima. Portanto, antes de mais nada, meus agradecimentos a eles, mais uma vez. Sei que este parágrafo inicial pode definir se serei um analista isento do Kindle ou não, mas ― mesmo sabendo que isto pode custar a sua leitura ― tenho de admitir que foi o "brinquedo" que mais gostei de ganhar em muito anos. Talvez desde o iPod em 2005 (cujas minhas primeiras impressões ainda estão no ar).

* Aproveitando o "gancho" do iPod, eu diria que, em termos de gadget, o Kindle é uma evolução. Tudo bem, ele perde em matéria de design e de "usabilidade", mas não requer computador. A configuração dele é imediata se você possui uma conta na Amazon (já comprou, porventura, algum livro lá). O meu demorou algumas horas para reconhecer a "rede" do Brasil (o wireless não pegou "de primeira"), mas, uma vez que isso aconteceu, eu já pude navegar na Kindle Store e começar a baixar samples (os primeiros capítulos) dos livros que me interessavam.

* Para quem gosta de ler ― e, neste momento, para quem lê em inglês ― a loja on-line do Kindle é como uma livraria praticamente infinita ao seu alcance. No primeiro momento, baixei, para testar, indicações de amigos. Você digita o nome de um autor ou de um livro, no campo de busca, e o Kindle retorna os resultados. Você seleciona o livro que te interessa e: ou compra; ou tem a opção de "baixar" um trecho (para ler e decidir melhor). Obviamente, baixei dezenas de samples nas primeiras semanas. Meu criado-mudo, que sempre esteve abarrotado de volumes, de repente poderia ficar mais livre. Lembro, especialmente, de uma noite em que baixei Aristóteles, e de uma manhã, na piscina, em que baixei, e reli, a Apologia de Sócrates, de Platão.

* Naturalmente, não encontrei quase nada em português. Com exceção de uma ou outra obra de Machado de Assis ― e de todos os livros do Paulo Coelho ―, digitei vários autores "clássicos" brasileiros e nada encontrei deles. Imagino que o desejo das editoras nacionais de obter um melhor acordo com a Amazon ― partindo para uma negociação "em bloco" ― esteja atrasando a chegada dos nossos escritores à Kindle Store. Em geral, é mais fácil encontrar os "clássicos" das principais línguas, porque, historicamente, existem muitas edições deles: além de Platão e Aristóteles, encontrei Proust, Nietzsche, Tolstói, Dostoiévski, Schopenhauer, Hume, até Adam Smith, Bertrand Russell, F. Scott Fitzgerald e mesmo Peter Drucker.

* Por outro lado, encontrei muitos autores contemporâneos que têm uma ligação mais forte com a internet e que estão mais sintonizados com a tecnologia (especialmente em língua inglesa), como: Seth Godin, Malcolm Gladwell, Ray Kurzweil, Alain de Botton, Scott Berkun, David Allen, Lawrence Lessig, Kevin Kelly, Steven Pinker, Nicholas Carr, Yochai Benkler e David Weinberger. Imagino que todos os blogueiros, "jornalistas de tecnologia" ou simplesmente autores de internet que publicarem livros, a partir de agora, disponibilizarão uma versão eletrônica na Kindle Store.


* Os preços variam, mas, em geral, os livros são bem mais baratos que a versão impressa. Os clássicos, que eu listei acima, têm suas obras disponibilizadas a preços quase simbólicos, como US$ 2.99 (até em versões de editoras mais tradicionais, como a Penguin). Já os livros novos (dos últimos anos), custam pouco mais de US$ 10, porque fazem uso do fator "novidade", enquanto ainda jogam com o fator "escassez" (porque, nos EUA, são normalmente comparados à versão "capa dura"). Existe, ainda, o que eu chamaria de "classe média": os autores contemporâneos que não são clássicos mas que também não têm familiaridade com tecnologia (aqueles que demoraram a ter sites ou blogs, por exemplo). Como a maioria dos brasileiros: ou não estão na Kindle Store ou estão nela parcialmente (com algumas obras apenas).

* Tudo bem que eu ganhei o meu Kindle, mas, mesmo assim, fiz uma conta, para convencer você a comprar o seu. Eu costumava encomendar livros, em inglês, na Amazon. Se você pensar que cada livro em papel custa, no mínimo, US$ 20, e que você vai economizar, pelo menos, US$ 10 em cada versão eletrônica, você "amortizará" o gasto com seu Kindle lá pela terceira dezena de livros (se comprou ele nos Estados Unidos) ou lá pela sexta (se comprou, com impostos, no Brasil). O certo é que, entre 50 e 100 livros (no máximo), o Kindle torna a aquisição de novos títulos mais econômica.

* O primeiro livro que eu comprei foi o What Would Google Do?, de Jeff Jarvis, que cunhou aquela frase hoje famosa na internet: "Do what you do best and link to the rest". Paguei pouco mais de US$ 10, porque o livro é do início de 2009, e li, com grande prazer, os primeiros capítulos, no Kindle. Aliás, este foi um dos quais eu baixei, inicialmente, uma "amostra" ― e sobre o qual o Kindle me perguntou se (para continuar lendo) eu estava disposto a comprar. Configurei, antes, meu cartão de crédito para aceitar pagamentos através de um único clique, no site da Amazon, e, pronto, em poucos segundos o livro estava disponível no meu Kindle.


* Uma vez que você "baixou" um livro ou uma "amostra" dele, não precisa da rede wireless para nada. Pode, inclusive, pedir para "desconectar". O livro "abre" quando você o seleciona numa lista ― do que está armazenado no seu Kindle ―, e a navegação pela capa, ou pelas imagens gráficas, é similar à de um PDF. Já a parte do texto propriamente dito, você pode controlar melhor, escolhendo o tamanho da letra (algo que vai influir na paginação, como num documento em Word). Portanto, o número de páginas, no Kindle, varia. É muito fácil acessar, também, o índice, e pular para algum capítulo específico. (O Kindle sempre "para" na última página que você abriu.)

* Como eu gosto de marcar trechos em livros de papel com post-its, aprendi a marcar, também, no Kindle. Você simplesmente aperta o cursor antes da palavra em que deseja que o Kindle comece a sublinhar e vai se movimentando para a direita, ou para baixo, até o final do trecho, apertando o cursor mais uma vez. Pronto, está "marcado" (e esse trecho entra, automaticamente, na sua lista de "marcações" daquele livro). O dicionário, que vem configurado para o inglês, também funciona automaticamente: bastando posicionar o cursor antes da palavra que se quer consultar; o significado aparece na parte inferior da tela.

* A tela não cansa a vista e nem brilha (você precisa de iluminação, se quiser ler à noite). O Kindle é leve e você pode segurá-lo com uma mão só, enquanto lê. A bateria dura dias, a ponto de eu deixar o meu em "stand by" quase o tempo todo ― porque, volta e meia, me ocorre algum autor ou livro que desejo pesquisar. (O Kindle fica ao meu lado, no criado-mudo; ou perto do meu teclado, aqui no escritório.) Esse hábito me lembra a nossa mania de colecionar "favoritos" no browser (ou no del.icio.us). Acontece que, com o Kindle, você "coleciona" samples de livros ― que pode ler, ou não, no futuro. Sabe aqueles livros que você deixava na sua wishlist? Então: agora pode transferir uma boa parte deles para o Kindle.

* A tentação, como no caso do iPod, é querer transferir uma biblioteca inteira para o Kindle. A vantagem de ter seus livros preferidos sempre à mão é um conforto que compensa a "perda" em matéria de diagramação e demais artes gráficas. Pois o Kindle, evidentemente, se aproxima mais de uma "tela" do que de um livro de papel, com todas as questões de gramatura, cor, escolha de fontes, disposição de títulos, ilustrações, imagens encartadas, até peso, formato e mesmo cheiro. O Kindle mostra todos os livros, inicialmente, com a mesma letra, do mesmo tamanho, não tem cores, não permite diagramação (pré-definida), não prioriza ilustrações ou imagens, mas, sim, o texto em si.

* O Kindle tem me lembrando, bastante, a internet do início, de dez ou mais anos. Suas páginas são como as primeiras páginas da Web: monocromáticas, apenas com indicações de links, uma única fonte (tipo de letra), poucos subtítulos e mesmo títulos para navegar. A Kindle Store, em muitas de suas "estantes", parece "desabitada" ainda. Há aqueles títulos ― como na "primeira Web" havia aquelas páginas ― das quais você desconfia. Às vezes, publishers que você nunca viu... Versões não autorizadas? A Kindle Store é uma fonte 100% confiável de informação? Aliás, existe o acesso à Wikipedia e algumas possibilidades incipientes de navegação (essas fora da América Latina).

* Transferi alguns poucos PDFs via cabo USB (do próprio Kindle), mas não gostei do resultado. Parece navegação de PDF mesmo (em tela de computador): não dá para mudar o tamanho da letra, por exemplo. Talvez a solução esteja em pedir para a Amazon "converter" meus PDFs para o formato, padrão, do Kindle (mas eu ainda não estou convencido a "pagar" uma taxa extra por isso). Também não assinei nenhum periódico ou site ou blog. Eu gostaria de assinar a Economist ou a New Yorker, mas ambas não estão disponíveis para a América Latina. Claro que não vou assinar nenhum jornal ou revista do Brasil. Blogs brasileiros, também por uma restrição territorial, ainda não participam do Kindle. Como eu acesso diariamente a internet, não teria porque "assinar" uma coisa que posso encontrar na Web...

* Se você ainda não cansou de me ler, arrisco, para encerrar, um pouco de futurologia. O Kindle está num impasse, no Brasil, mas, de certa forma, já "pegou" nos Estados Unidos, quando, uma vez que a versão eletrônica está disponível, mais de 35% optam por esse formato na Amazon. Confesso que li o contrato da Amazon, para os publishers, e acho muito difícil uma editora brasileira, de livros em papel, assinar. Para começar que a Amazon fica com 65% do preço de capa (que é mais do que a mais "cara" livraria do Brasil "cobra" dos editores daqui). Segundo que a Amazon define a política de preços e pode, inclusive, romper com esse mesmo contrato a qualquer instante. Ao mesmo tempo, as editoras brasileiras não podem ficar completamente de fora. Como resolver?

* Por outro lado, para autores independentes ― como decidiu ser Paulo Coelho ―, o Kindle se revela bastante convidativo. Pois a Amazon paga os mesmos 35% do preço de capa para os pequenos editores e autores independentes. Ou seja: mesmo que o livro eletrônico custe mais barato do que o livro de papel, nunca um autor independente pôde estar tão disponível (na maior livraria do mundo) e recebendo, em direitos autorais, algumas vezes mais. E o melhor: sem o custo inicial de investir em uma edição em papel, que pode não decolar (ficando encalhada e só gerando prejuízo).

* Quem me lê há um certo tempo, sabe do meu desejo, nem tão secreto, de editar livros. Mas confesso que, de uns tempos pra cá, não via mais sentido. Porque lançar autores inéditos é prejuízo na certa. Depois: republicar o que já está na internet, em papel, não é uma ideia com a qual eu esteja 100% confortável. E os livros em papel, francamente: será que vão durar muito mais que os jornais e as revistas (a ponto de justificar um novo business criado em cima disso)? Mas o Kindle me fez voltar a acalentar a ideia... Afinal, o custo de tentar é muito pequeno. Os livros eletrônicos combinam melhor com a filosofia do Digestivo. Quem sabe eu não abro uma editora no Kindle? Você toparia ser editado por mim? ;-)

Para ir além
Kindle Wireless Reading Device
(6" Display, Global Wireless, Latest Generation)


Julio Daio Borges
São Paulo, 8/1/2010


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges
01. Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges - 29/1/1974
02. Freud e a mente humana - 21/11/2003
03. A internet e o amor virtual - 5/7/2002
04. Frida Kahlo e Diego Rivera nas telas - 25/4/2003
05. O Gmail (e o E-mail) - 3/3/2006


Mais Especial Livro Eletrônico
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/12/2009
19h07min
"Por outro lado, para autores independentes - como decidiu ser Paulo Coelho -, o Kindle se revela bastante convidativo. Pois a Amazon paga os mesmos 35% do preço de capa para os pequenos editores e autores independentes." O problema é que a Amazon não vende o livro. Coloquei o "Mulher de Um Homem Só" lá, mas só aparece como disponível para venda nos EUA. Já reclamei várias vezes e a Amazon sempre me responde uma coisa diferente. Tentei colar as respostas deles aqui, mas não coube. Estão nos comentários do meu FAQ do Kindle, que também recomendo aos leitores do Digestivo. :-)
[Leia outros Comentários de Alex Castro]
30/12/2009
22h41min
Eu toparia ser editada por você, se escrevesse. Por enquanto, como apenas leio (desenfreadamente) eu toparia receber seu Kindle emprestado por umas horas ou trabalhar pra você!
[Leia outros Comentários de Biulismo]
1/1/2010
09h40min
Biulismo, você realmente ficaria horas no Kindle? Então me responda, se eu te desse um kindle e você pudesse baixar qualquer livro que quisesse, que livro seria? Em quanto tempo o leria? Acreditem, eu adoraria que essa tecnologia pudesse perfeitamente substitutir o papel, acho que quando for realmente possível, será melhor que o papel. Administrar uma biblioteca com milhares de exemplares nos confinados apartamentos modernos é dureza. Mas volto a afirmar, como o fiz em outro comentário, Kindle é coisa pra quem não estuda, pra não leitor.
[Leia outros Comentários de Tarcila Lucena]
1/1/2010
18h51min
Olha, Tarcila. Eu ainda não posso responder isso a você porque nunca li através de um Kindle. O que ouço é que a leitura é mais confortável que a leitura em um monitor de PC. Bem, daí devo discordar de sua afirmação. Eu sou uma estudiosa e leio muito no PC, horas e horas. Li inúmeras teses de mestrado e doutorado em arquivos PDF para a minha pesquisa e devo dizer que o único desconforto que tive foi a obrigação de ficar sentada numa mesma posição. Por ser professora, confesso que minha leitura dominante ocorre em livros (papel), mas não nego o trabalho que é levá-los para todos os lados. Digo isso porque viajo para trabalhar e minha mala sempre pesa porque tenho que carregar de 5 a 10 exemplares dos mais diversos tamanhos. Talvez a minha configuração pessoal exija, sim, um Kindle, você não acha?
[Leia outros Comentários de Biulismo]
1/1/2010
19h02min
Continuando... e respondendo às suas perguntas. Ter a obra completa de Clarice Lispector a mão também seria ótimo, pois embora tenha lido os livros em papel, às vezes me lembro de trechos de que necessito em sala ou em trânsito e aí, com o livro em casa, na prateleira, demoro a acessá-lo. Outro ponto importante é o dicionário. Leio com o grande Houaiss ao lado, mas, quando viajo, o jeito é usar o dicionário do Uol e aí acabo tendo que ler com o computador ao lado. O tempo de leitura é outro fator importante. Leio na estrada e, acredite!, uso uma lanterna que fica no porta-luvas do carro para enxergar quando viajo à noite (não sei se o Kindle resolveria nessa situação, mas existe uma grande possibilidade). Acho que já deu pra você perceber o quanto essa ferramenta pode ser útil pra uma leitora voraz como eu.
[Leia outros Comentários de Biulismo]
8/1/2010
15h53min
Aguardo ansiosamente o Kindle, pois eu tenho um problema sério com os livros de papel (alergia e sinusite).
[Leia outros Comentários de Geraldo]
11/1/2010
09h39min
Acabei de me dar conta de que o e-reader tem mais uma vantagem. Ele permite que você leia livros grossos sem ter uma tendinite no pulso ou no cotovelo. O último livrão que li foi "Mr. Norrel & Jonathan Strange", de Susanna Clarke, e fiquei dolorido por semanas. Agora comprei o "Arco-Íris da Gravidade", do Pynchon. Com e-reader acho que ficaria fisicamente mais confortável a leitura; com o livro físico, praticamente só posso ler sentado, apoiando o livro numa mesa, por exemplo. Ponto pra eles, dessa vez...
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
11/1/2010
10h34min
Melhor vai ser quando eu puder comprar o Kindle DX, que tem a tela de quase 25cm na diagonal, praticamente o dobro do tamanho do meu atual modelo. Concordo 100% com os comentários do Julio Daio. O Kindle é o início de uma longa história!
[Leia outros Comentários de Marcus Terra]
13/1/2010
11h32min
O leitor da Barnes and Nobles, Nook, tem um design melhor, a mesma tecnologia de leitura do Kindle e permite trocar livros entre os aparelhos. Infelizmente ainda não tem alcance internacional. É preciso concorrência imediata para evitar esses contratos leoninos da Amazon...
[Leia outros Comentários de Renato Lima]
13/1/2010
15h13min
Julio, sobre a leitura de PDFs, recomendo fortemente o uso do Calibre (freeware) que converte vários formatos de livros para o formato do Kindle. Já baixei vários arquivos em TXT, PDF e HTML e o resultado da conversão foi excelente. Marcus, o Kindle DX já está disponível em pré-venda para o Brasil, o único porém é que com os custos de importação, custa em torno de mil dólares! Tenho um Kindle desde o início de dezembro e o meu único problema é conseguir voltar aos livros de papel que ainda tenho por ler. O equipamento é excelente e a interação com a loja da Amazon é perfeita. A lamentar, por enquanto, a ausência de títulos em português. Mas com o tempo isso será resolvido certamente, e até lá existem muitos títulos em domínio público...
[Leia outros Comentários de Everton Lodetti ]
25/8/2010
15h41min
Gostei do teu artigo e também estou entusiasmada com os e-readers e o que eles permitem. Eu sempre gostei do Kindle e em novembro do ano passado eu ganhei um e adorei, fui me acostumando com a leitura e com sua pouca usabilidade - não fiquei querendo usá-lo como um computador, o que já facilita bastante. Eu consegui colocar muita coisa nele, inclusive os meus PDFs, para ler em qualquer lugar quando sobra um tempo. Espero que os títulos em português aumentem e as possibilidades de converter outros formatos para o do Kindle também. Sei que o Kindle tem muito a melhorar e outros gadgets como o Nook da Barnes and Nobles já são bem melhores que ele, tanto no design, utilizando os dois tipos de tela, como permitindo o empréstimo dos livros, o que é muito bom.
[Leia outros Comentários de Isabel]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AVENTURAS NA HISTÓRIA - 31 - MAR/2006
VÁRIOS
ABRIL
(2006)
R$ 5,50



BANQUETE COM OS DEUSES - SEMINOVO-CORTE BRANCO
LUIS FERNANDO VERISSIMO
OBJETIVA
(2017)
R$ 10,00



OS PECADOS DOS PAIS
LAWRENCE BLOCK
COMPANHIA DAS LETRAS
(2002)
R$ 15,90



UMA PARÁBOLA REAL - 1ª EDIÇÃO
MARISA MELLO MARTINS
ABBA
(1996)
R$ 10,00



BORLAND DELPHI 6
MARCELO LEÃO
AXCEL
(2001)
R$ 53,90



O PODER INFINITO DA SUA MENTE
LAURO TREVISAN
DA MENTE
(1980)
R$ 15,00
+ frete grátis



O TEXTO , OU A VIDA - UMA TRAJETÓRIA LITERÁRIA
MOACYR SCLIAR
BERTRAND BRASIL
(2007)
R$ 27,10



SALA DE AULA - DISCIPLINA E GESTAO - UM GUIA PRATICO PARA PROFESSOR...
OLLIE E. GIBBS E JERRY L. HADDOCK
ACSI
(2002)
R$ 24,00



SÁBADOS AZUIS - 75 HISTÓRIAS DE UM BRASIL QUE DÁ CERTO
MÁRCIO MOREIRA ALVES
LÉO CHRISTIANO EDITORIAL LTDA
(1999)
R$ 14,30



EL TEATRO DE LOS NIÑOS - GIUSEPPE BATOLUCCI (TEATRO NA EDUCAÇÃO)
GIUSEPPE BATOLUCCI
EDITORIAL FONTANELLA
(1975)
R$ 18,00





busca | avançada
25643 visitas/dia
757 mil/mês