A filosofia mínima de Luís Augusto Fischer | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
59113 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 8/7/2011
A filosofia mínima de Luís Augusto Fischer
Marcelo Spalding

+ de 4700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Contavam os meus professores que no tempo em que eles estavam na faculdade se lia muito. E se lia em livros comprados ou retirados da biblioteca. Livros inteiros, alguns lembram mesmo das famigeradas fichas de leituras, outros das punições severas aplicadas pelo professor a quem chegasse à aula sem a leitura. Tempos outros, esses.

Luís Augusto Fischer, um dos meus professores mais brilhantes e dos poucos com apurado senso crítico marxista, certamente é desse tempo. Sem dúvidas leu os clássicos, confrontou-os com seus mestres, comprou muitos livros, é possível que em algum momento tenha estudado latim e decorado versos de Camões (ou pelo menos de Pessoa, vá lá). Mas não foi nada disso que o tornou o professor brilhante (embora tenha contribuído com seu saudável senso crítico), e sim uma capacidade fantástica de acompanhar o tempo, adaptar-se a ele, pegar as ondas acadêmicas sem demasiado conservadorismo.

Fischer é doutor que não ostenta o título, autor de diversos livros que vão do Dicionário de Porto-Alegrês a Machado e Borges - e outros ensaiso sobre Machado de Assis, passando por belas ficções como Quatro Negros. Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, articulista de Zero Hora e organizador do famoso Sarau Elétrico, tem se notabilizado ao longo dos anos por estrapolar o ambiente acadêmico, angariando simpatias e muchochos.

Dessa experiência vasta, dessa personalidade forte e controvertida, o mínimo que você pode esperar são boas histórias e muitas reflexões, histórias e reflexões que não querem deixar você no mesmo lugar, querem desajustar, questionar, ampliar. E são essas histórias e reflexões que compõem o mosaico de Filosofia Mínima: ler, escrever, ensinar, aprender (Arquipélago, 2011, 336 p.), o mais recente lançamento de Fischer.

O livro reúne textos publicados entre 2006 e o início de 2011 em jornais e revistas (especialmente Zero Hora e ABC Domingo). A edição, fundamental para dar alguma unidade aos textos, dividiu-os em quatro partes com os interessantíssimos títulos “Ler”, “Escrever”, “Ensinar”, “Aprender”, que não por acaso foram parar no subtítulo.

O livro se dirige ao leitor universitário contemporâneo, esse tirador de xerox, e para esse público o tamanho dos textos e o tom entre o informal e o acadêmico está bem adequado. Talvez nós, leitores de mais fôlego, tivéssemos gostado de ler um ensaio mais profundo sobre os temas prometidos no subtítulo, e com certeza Fischer poderia tê-lo feito, e quem sabe ainda o fará para próximas edições.

A primeira parte fala sobre a leitura, e Fischer traz uma categoria interessante, que de certa forma legitima a exigência que se faz por algumas leituras canônicas de alunos de um curso, por exemplo, de Letras: o leitor profissional. Temos, aí, uma questão importante sobre o papel da universidade na formação de leitores, papel que outrora foi da família e ainda é assumido corajosamente pelas escolas.

“As universidades não têm sabido oferecer momentos de formação para os leitores potenciais que são os alunos universitários. Em tese eles deveriam ser já leitores, em qualquer especialidade de estudo em que estejam mergulhados, mas na realidade poucos são os que sobrevivem àquele acachapante ensino médio, em que foram adestrados para ser respondedores de perguntas de vestibular, não leitores. Pois bem: a vida universitária precisa assumir essa tarefa de proporcionar bibliotecas com bom acervo, ambientes de leitura, cursos de leitura, sessões de palestras e conversar relativas à leitura dos clássicos, como forma de recuperar o tempo perdido.”

A segunda parte, sobre o escrever, é um tanto ampla, cabendo ali conselhos e sugestões para a escrita de ficção, de tese ou de texto jornalístico (há, inclusive, um texto com o ousado título de “Verdades gerais sobre escrever”). Para essa seção foi designada, por exemplo, a interessante história da “Morte do Curdo”, que passei a citar em minhas aulas e oficinas. É uma releitura de uma velha sabedoria sobre a arte da necessidade do particular, do específico, para comover o leitor. Depois de contar sobre a indiferença que temos sobre notícias de TV referente ao Iraque com seus números de mortos e feridos, e Fischer inclui-se nisso, ele escreve:

“Em meio àquele mesmo noticiário sobre a desgraça dos curdos, ouço nitidamente o repórter relatar o seguinte: que, no meio daquela legião de famintos e desesperados, um curdo, especificamente um e apenas um daqueles curdos em fuga, havia morrido porque uma caixa de alimentos, jogada de um avião em missão humanitária da ONU, havia caído sobre ele. E este curdo, muito longe de salvar-se com aquela comida, morreu. Para mim, então, o mundo todo parou; os milhares de miseráveis deixaram de existir; nada mais demandava atenção: aquele curdo morrendo com um golpe de caixa de comida, caída do céu ainda, me fez parar o garfo no ar. Um homem como eu, querendo alimentar-se como eu, morria, a milhares de quilômetros do meu conforto; e eu entendia, naquele momento, a dor daquele homem”.

A terceira parte, “Ensinar”, é muito escrita pelo professor Fischer, claro, mas também pelo pai tardio (e tri faceiro, como diríamos aqui no Sul, pois Fischer foi pai pela primeira vez perto dos 50 anos). Aliás, talvez Fischer em breve nos brinde com o livro sobre a experiência de ser pai, temática um tanto clichê, mas que se renova a cada dia e não parece perder nem um pouco sua complexidade existencial (aqui não estamos falando em trocar fraldas, evidentemente, mas em educar, educar-se, dividir espaços, controlar ansiedades e por aí vai).

Para o leitor mais interessado na experiência do professor, aqui temos algumas categorizações que tornam-se muito úteis para a visão de conjunto, como a feita em “Não confunda análise com interpretação”: “São três as dimensões relevantes de um texto para fins de crítica: uma, o tema, o assunto, a coisa que fala – e este é o patamar mais apreciado pelo leitor comum, em se tratando de narrativa, é o patamar do barato conteudístico; (…) duas, a linguagem, ou melhor, o significante – e este é o plano predileto pelo leitor de poesia; (…) e três, a estrutura, o modo de construção – e este é o mundo predileto pelos que gostam de interpretação, em sentido estrito. (…) A virtude do crítico, aqui, tem a ver com sua capacidade analítica, isto é, de separar as três dimensões, para poder apreciá-las adequadamente.”

Há nessa parte, ainda, um belo texto sobre o “Leitor comum”, uma espécie de oposição, ou complementação, à categoria do leitor profissional que sublinhamos lá em cima.

Já “Aprender”, a quarta parte, é a mais irregular, onde cabem mais temas, inclusive um belo ensaio, polêmico, sobre “Ser professor”. Neste, são nove teses e o viés predominante é o marxista, associando o professor a um sujeito de classe média. Vejamos a segunda:

“Ser de classe média tem lá suas limitações. Em regra, como vários sociólogos já disseram, o sujeito de classe média tende a pensar com autonomia restrita. Tem medo de cair socialmente ou de ser confundido com os de baixo, e por isso não costuma afrontar os poderes constituídos, especialmente os poderes intelectualmente fortes. De outro lado, admira e teme os de cima: admira porque vê neles um ideal de vida, teme porque percebe que eles sabem distinguir entre os que realmente são de cima e os que apenas parecem ser de cima, como o sujeito de classe média gosta. Os que vivem neste curto-circuito naturalmente sofrem a ação direta da ideologia, são escravos dela: uma das pontas visíveis desse jogo se encontra na moda. O professor: um enredado na armadilha da ideologia.”

Quem conhece Fischer, das aulas ou dos textos, não se surpreende com essa análise de classe, à Cândido ou Schwarz, hoje tida por muitos como anacrônica e, por outros tantos, como preconceituosa (“como assim os de cima e os de baixo?”, dizem). Mas vale lembrar, e é isso que Fischer faz ao colocar sua lupa nessa direção, que ignorar o conceito de classe social é extremamente útil apenas para os que pretendem manter o status quo, a chamada elite, tenha ela o nome e a largura que tenha.

Talvez seja exatamente esse olhar crítico (outrora diríamos dialético) que torna as filosofias de Fischer sempre tão particulares, ainda que mínimas. E permita que o autor amplie sua biografia para áreas tão díspares, sempre com um quê original e despertando interesses que vão além dos bancos curriculares.



Marcelo Spalding
Porto Alegre, 8/7/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O espírito de 1967 de Celso A. Uequed Pitol
02. Minha Terra Tem Palmeiras de Marilia Mota Silva
03. Quero ser Marina Abramović de Elisa Andrade Buzzo
04. Um DJ no mundo comunista de Celso A. Uequed Pitol
05. Como ser um Medina de Ana Elisa Ribeiro


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2011
01. História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo - 25/2/2011
02. História da leitura (II): o códice medieval - 18/3/2011
03. História da leitura (III): a imprensa de Gutenberg - 1/4/2011
04. O certo e o errado no ensino da Língua Portuguesa - 3/6/2011
05. A revista Veredas e os mil minicontos - 23/9/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/7/2011
16h25min
Na universidade, existe uma busca da universalidade a partir de um aprofundamento temático. E isto não forma leitor. E nem crítico, a formação é quase um trabalho de debate ao longo do tempo, não podemos parar pra respirar, mas ler e refletir. Sempre.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MACMILLAN COURSEBOOK INSPIRED 1 STUDENT'S WORKBOOK (AMERICANED)
PHILIP PROWSE
MACMILLAN EDUCATION
(2011)
R$ 27,00



DEPOIS DO SILÊNCIO
RAUL MARQUES
7LETRAS
(2009)
R$ 4,80



BEISPIELE PRUFFAHIGER FESTIGKEITSNACHWEISE TEIL 2
HERZOG
WERNER-VERLAG
(1994)
R$ 80,00



UMA BREVE HISTÓRIA DA RIQUEZA
WILLIAM J. BERNSTEIN
FUNDAMENTO
(2018)
R$ 76,50



DR. SLUMP Nº 1
AKIRA TORIYAMA
CONRAD
(2002)
R$ 13,00



PNMA 30 ANOS DA POLÍTICA NACIONAL DE MEIO AMBIENTE
ANTONIO HERMAN BENJAMIN E OUTROS
IMPRENSA OFICIAL
(2011)
R$ 45,00



ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ESTRATÉGIAS SABOROSAS PARA PREVENIR
SUSAN G. BERG
PLÁTANO EDIÇÕES TÉCNICAS
(2002)
R$ 54,78



O ERMITÃO DA GLÓRIA/A PATA DA GAZELA
JOSÉ DE ALENCAR
GUANABARA
R$ 4,00



A VEZ DO BOLA DE NEVE
JOHN REED
PLANETA
(2003)
R$ 10,00



VADE MECUM ACADÊMICO DE DIREITO 9ª EDIÇÃO
ANNE J, ANGHER
RIDEEL
(2009)
R$ 8,66





busca | avançada
59113 visitas/dia
1,1 milhão/mês