Beckett e Joyce | Sérgio Augusto

busca | avançada
27294 visitas/dia
862 mil/mês
Mais Recentes
>>> Memória da Eletricidade realiza a terceira edição do Preserva.ME
>>> COMÉDIA "LABORATÓRIO SEXUAL - FALANDO DE SEXO COM CARA DE PAU" ESTRÉIA NO TEATRO EUGÊNIO KUSNET
>>> Lançamento de revista trimestral impressa: Punãdo
>>> Dia 22 tem a festa
>>> Cia Fragmento de Dança convida para sessão de cinema e Festa no Kasulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Apontamentos de inverno
>>> Literatura, quatro de julho e pertencimento
>>> O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
>>> Um caso de manipulação
>>> Brasil, o buraco é mais embaixo
>>> Nós que aqui estamos pela ópera esperamos
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker
>>> Retratos da ruína
>>> Notas confessionais de um angustiado (VI)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
Últimos Posts
>>> Quanto às perdas III
>>> O pão nosso de cada dia
>>> Os opostos se atraem
>>> Coração de mãe
>>> Mascarando a dor
>>> Quanto às perdas II
>>> Pesquisa e blog discutem "Marca Amazônia"
>>> Náiades
>>> Equino
>>> Vágado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fragmentos para a História da Filosofia, de Schopenhauer
>>> O inventário da dor de Lya Luft
>>> Auto lá!
>>> Seu minuto, meu segundo
>>> A internet e os blogs
>>> Cleópatra, a rainha enigmática
>>> Sempre cabe mais um
>>> De fato e ficção
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> O amor é um jogo que ganha quem se perde
Mais Recentes
>>> Man Repeller (novo)
>>> Pedir Agradecer Admirar - As três orações essenciais
>>> Sobre formigas e cigarras
>>> 50 Regras de Ouro para Emagrecer
>>> O Castelo Interior
>>> Trilogia Completa A Seleçao
>>> A Escolha (da trilogia A Seleção)
>>> A Vida do Toxicômano
>>> O Livro que revela Deus Tao - te King
>>> Ela disse, Ele disse: o namoro - Nova Ortografia
>>> Hotel Atlântico
>>> Jung e Astrologia
>>> Breve História das Heresias
>>> Apócrifos. Os proscritos da Bíblia
>>> Meditação e Gnose - Como Desenvolver Tranquilidade e Sabedoria
>>> O Evangelho É a Força de Deus que Salva
>>> Arte como Terapia
>>> A Vida Eterna hoje;
>>> Qualidade e Produtividade nos Transportes
>>> O Homem e suas relações. Ciência humanas e experiências religiosas
>>> Sociologia da Religião
>>> Sociologia da Religião
>>> Testemunhas da Esperança
>>> O Cristo Místico de São João da Cruz
>>> Vinho novo em odres velhos. Sacramentos da Libertação
>>> História do Poder Legislativo no Brasil
>>> Por que não ser místico. Um convite irresistível para experimentar a presença de Deus
>>> O ministério da amizade
>>> A Religião e o desenvolvimento da ciência moderna
>>> Nascido a tempo. Vida de Paulo, o apóstolo
>>> Cristo minha vida
>>> PENSAR A FÉ teologicamente
>>> O Evangelho de Paulo
>>> Salmos Favoritos
>>> Paulo. Um documento ilustrado sobre a vida e os escritos de uma figura chave do cristianismo
>>> A Unidade Transcendente das Religiões
>>> Compreender Nietzsche
>>> A origem da obra de arte
>>> Harry Potter e a pedra filosofal -
>>> A Mãe ( Saúde e Cura no Yoga)
>>> O Progresso
>>> 1 Corintios 11 a 16
>>> Uma Introdução à Bíblia. (Coleção completa, 8 volumes)
>>> Uma Introdução à Bíblia. As comunidades cristãs a partir da segunda geração (Vol. VIII)
>>> Uma Introdução à Bíblia. As comunidades cristãs da primeira geração (Vol. VII)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Período Grego e Vida de Jesus (Vol. VI)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Exílio babilônico e dominação persa (Vol. V)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Reino dividido (Vol. IV)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Formação do Império de Davio e Salomão (Vol. III)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Formação do Povo de Israel (Vol. II)
ENSAIOS

Segunda-feira, 22/5/2006
Beckett e Joyce
Sérgio Augusto

+ de 5900 Acessos
+ 2 Comentário(s)


Joyce and Beckett, por Erico Ayres

Se Samuel Beckett, que em abril faria 100 anos, jamais foi secretário particular de James Joyce, conforme afirmou o necrológio da Folha de S. Paulo, já lá se vão quase 17 anos, como qualificar o tipo de trabalho que ele fazia para o autor de Ulisses? Supersecretário particular? Factótum graduado?

Joyce tinha o hábito de explorar ao máximo os seus devotos. Que o digam Frank Budgen e Sylvia Beach, dona da legendária livraria Shakespeare & Co., no coração da Rive Gauche, penhor, catapulta e vitrine da revolucionária prosa joyceana. Com Beckett não foi diferente. Beckett serviu a Joyce tanto quanto ou mais que Thomas McGreevy e outros irlandeses exilados em Paris nos anos 20 e 30. Ao mestre emprestou seus olhos (para leituras diversas), sua cabeça (até para fazer pesquisas) e suas pernas (até para fazer compras).

O que Beckett, bem no íntimo, achava de Joyce continua sendo uma incógnita. Os personagens que teria criado à imagem dele, como o mítico clochard de Watt, o Pozzo de Esperando Godot e o Hamm de Endgame, me parecem homenagens discutíveis. Pozzo e Hamm, por exemplo, são dois megalômanos.

Além de mobilizá-lo para todo tipo de serviço, Joyce encomendou a Beckett um ensaio crítico sobre o que mais tarde seria conhecido como Finnegans Wake e era apenas uma obra em progresso em 1929. O ensaio "Dante...Bruno...Vico...Joyce", ao contrário do que a mesma Folha de S. Paulo propalou, não punha em relevo as admirações literárias e filosóficas que Beckett então cultivava e sim as fontes italianas — Dante Alighieri, Giordano Bruno e Gianbattista Vico — nas quais Joyce bebera com maior freqüência antes de pôr Humphrey Chimpden Earwicker para dormir. Nesse ensaio, o primeiro que publicou, Beckett, então com 23 anos, discutia algumas idéias que sustentariam, teoricamente, sua obra literária e teatral: o direito do autor a um texto opaco, fim da divisão entre forma e conteúdo etc. Ainda naquele ano, Beckett publicou seu primeiro conto, "Assumption", nas páginas de transition, revista de vanguarda e simpática ao surrealismo, dirigida por Eugene Jolas e por algum tempo a única aberta ao experimentalismo beckettiano.

A sombra de Joyce se projeta sobre as primeiras obras de Beckett quase sem deixar claros para outras influências. Os dez contos enfeixados em More Pricks Than Kicks, urdidos a partir de 1932, pretendem ser uma variação irônica de Dublinenses e têm como herói um personagem (Belacqua) extraído de uma das admirações de Joyce: Dante. É indisfarçavelmente joyceana a exuberante linguagem de Murphy, sua primeira novela (não um romance), escrita em 1935, mas os diálogos da peça Esperando Godot, escritos 13 anos mais tarde, originalmente em francês e comprometidos com uma prosa enxuta, coloquial, confirmaram o que alguns já haviam percebido: o discípulo tornara-se um antípoda do mestre.

A economia de linguagem de Godot é um dos vários exemplos da apostasia beckettiana. Ao passo que Joyce não só acreditava como investia, qual um fanático, no poder das palavras, Beckett passou a tratá-las com crescente ceticismo. Um exame de seus manuscritos revelou os intensos processos de redução, enxugamento e simplificação a que se submetia até considerar um texto acabado. Confidências de parceiros o pintam como um autor aberto a sugestões destinadas a facilitar a compreensão de sua complexa dramaturgia. Quando montava Krapp’s Last Tape, Alan Schneider (1918-1984), o único diretor americano a encenar todas as peças de Beckett, sugeriu que se trocasse uma palavra do texto. Pouca gente, alegou, iria entender o significado de wir (eclusa). Sugeriu lock (comporta). Beckett não só aceitou como agradeceu a sugestão.

Àqueles em quem confiava, como era o caso de Schneider, Beckett costumava dar ampla liberdade de criação. De modo geral, porém, patrulhava com extremo rigor as montagens de suas peças para evitar distorções e picaretagens do tipo Esperando Godot representada por quatro hermafroditas ou coisa parecida. Em 1973, Andre Gregory encenou Endgame com os atores pontuando suas falas com ruídos escatológicos e a platéia confinada numa jaula. Beckett ficou deprimido. Se soubesse o que outros fariam com a mesma peça, teria proibido qualquer montagem fora do alcance de sua vigilância. Em meados da década de 1980, JoAnne Akalaitis pôs em cena, em Cambridge (Massachusetts), uma versão de Engdame cujo metafórico fim do mundo acabou virando um apocalipse explítico. Beckett arrependeu-se de ter dado carta branca à diretora.

Enquanto pajeava Joyce e dava aulas na École Normale Supérieure de Paris, Beckett concluiu um estudo crítico sobre os conceitos de tempo, memória e costumes na ficção proustiana. "Proust" é um ensaio bem menos polêmico do que o centrado em Joyce, mas nele ainda sobram farpas contra o realismo. O impressionismo proustiano só não o encantou mais que o racionalismo cartesiano. Nada mais filosoficamente próximo ao universo beckettiano que a função privilegiada atribuída por Descartes à mente humana e às suas dúvidas em relação ao real por ela percebido.

Tão grande era sua estima por Descartes que chegou a utilizá-lo como o versejador de Whoroscope, erudito poema de 98 linhas, confeccionado meio às pressas para um concurso patrocinado, em 1930, por Nancy Cunard, a milionária herdeira que barbarizava Paris com seu comportamento, sua poesia e seu penchant por amantes negros. Beckett levou o prêmio (10 libras) e continuou fiel a Descartes, inventando e reinventando cérebros que questionam a validade dos seus questionamentos. Um homem (ou uma mulher) em conflito com os limites de sua percepção, celebrando a futilidade da existência — eis, em suma, do que trata a obra de Beckett.

Comemorar seu centenário de maneira convencional seria outra futilidade, talvez a maior de todas. Em respeito a Beckett, apenas reeditem, traduzam e encenem (bem) sua obra. Isso basta. Endgame.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Publicado originalmente na revista Argumento, na edição de março de 2006.


Sérgio Augusto
Rio de Janeiro, 22/5/2006

Mais Sérgio Augusto
Mais Acessados de Sérgio Augusto
01. Para tudo existe uma palavra - 23/2/2004
02. O frenesi do furo - 22/4/2002
03. Achtung! A luta continua - 15/12/2003
04. Filmes de saiote - 28/6/2004
05. O melhor presente que a Áustria nos deu - 23/9/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/6/2006
14h15min
A minha geração (estou com 38) foi marcada pela abertura política (1982) e pelo caderno Ilustrada, da Folha de S Paulo. Todos os dias esperávamos ansiosos para ler aquilo que nos parecia o oráculo da modernidade. De repente, naquelas páginas marcadas de preto, estava toda a informação que nos foi negada durante anos (e nos parecia que ninguém, além de nós, éramos os detentores desse santo graal). Aqueles que não tinham grana, surrupiavam o jornal da biblioteca, de algum departamento, do escritório do pai ou mesmo de bancas com atendentes distraídos. Os honestos esperavam pacientemente que alguém cedesse uma das páginas. Ah, e que páginas. Ali ficamos sabendo da existência dos beats, beatniks, Joyce, Pound, Beckett, do ovo de Ginsberg e do pé na estrada de Kerouac. Tivemos a chance rara de sermos iluminados pelos quadrinhos do underground americano (Fritz, the cat, me fez rir tanto quanto Mr. Natural) e dançar o bebop e ficar míope de tanta nouvelle vague. Foi nossa primavera. Foi bom.
[Leia outros Comentários de Wilson Sagae]
9/6/2006
03h43min
Entre James e Samuel (Joyce e Beckett) havia um espaço muito maior do que a proximidade física entre os dois deixava perceber. Joyce, mais velho, é um brilhante adolescente. Beckett já era velho aos vinte e poucos anos. Joyce nunca saiu de dentro dos seus textos, andava por ali meio deslumbrado com o labirinto de suas próprias palavras e, se o problema de Joyce for a tradução para o português, tudo bem, que seja, mas Joyce escreve de um jeito meio infantil. Beckett saiu do labirinto, como Dédalo, e o único risco que correu foi se afastar demais dele (do labirinto) a ponto de perdê-lo de vista. Ambos tinham em comum interesses literários, cultura, inteligência e poucos outros amigos. Se entendiam muito bem. Mas é tentador imaginar o que Beckett pensava de seu ilustre e mais velho colega: "Não vou escrever dessa maneira".
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A DANÇA DA LIBERTAÇÃO
CLAUDIA CENCI
VITÓRIA RÉGIA
(2001)
R$ 19,90



ALFONSO SASTRE - CUATRO DRAMAS CLASSICOS (TEATRO ESPANHOL)
ALFONSO SASTRE
EDICIONES ALARCOS
(2008)
R$ 15,00



PERDIDO EM MARTE
ANDY WEIR
ARQUEIRO
(2014)
R$ 22,00



A CARTILHA DA NOVA MÃE
JOSÉ ANGELO GAIARSA
AGORA
(2003)
R$ 20,00



PLANEJAMENTO COM PERT-CPM E ANÁLISE DO DESEMPENHO
HENRIQUE HIRSCHFELD
ATLAS
(1974)
R$ 10,00



A VIDA PRÉ-HISTÓRICA O HOMEM FÓSSIL ED. ESPECIAL - COL. PRISMA
JOSUÉ C MENDES E MICHAEL H DAY
MELHORAMENTOS
(1993)
R$ 20,00



O FENÔMENO HUMANO
CHARDIN, TEILHARD DE
CULTRIX
(1995)
R$ 27,00



NOVO GLOSSÁRIO DE INFORMÁTICA
CONRADO F. CAMPOS
CIÊNCIA MODERNA
(1995)
R$ 21,80



NOVO TESTAMENTO-COMENTÁRIO E MENSAGEM- II CORINTIOS
KARL HERMAN SCHELKLE
VOZES
(1967)
R$ 13,50



LIBRAS, QUE LÍNGUA É ESSA?
AUDREI GESSER
PARÁBOLA
(2009)
R$ 10,00





busca | avançada
27294 visitas/dia
862 mil/mês