Pra que serve um crítico musical | Camilo Rocha

busca | avançada
71417 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Peça em homenagem à Maria Clara Machado estreia em teatro de Cidade Dutra, na periferia de São Paulo
>>> Campanha Sonhar o Mundo traz diversificada programação elaborada pelos museus paulistas
>>> Homenagem ao Pianista Nelson Freire, Grátis, 5/12, no Morumbi
>>> Carlos Dala Stella lança novo livro e completa trilogia
>>> Jam Brasil traz o melhor da música instrumental de 13 a 18/12 de graça
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Entre outros
>>> Entre o corpo e a alma, o tempo
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Salvem os jornais de Portugal
>>> Irmãos Amâncio
>>> Chris Cornell
>>> Nosso Primeiro Periscope
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Contra os intelectuais
>>> Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho
>>> Berlim, o passado arrancado à força
>>> Propostas discordantes no jornalismo
>>> Stan Lee - o reinventor dos super-heróis
Mais Recentes
>>> Os Pensadores - Fichte de Rubens Rodrigues Torres pela Abril Cultural (1980)
>>> Terapia Cognitiva para Transtornos da Personalidade de Jeffrey E. Young pela Artmed (2003)
>>> Ifrs Standards 2018 Part A de Vários Autores pela Ifrs (2018)
>>> Geografia Espaço e Identidade Volume Único de Levon Boligian; Andressa Alves pela Do Brasil (2016)
>>> O Rio de Janeiro, Capital do Reino de Luis Affonso e Outros pela Atual (2010)
>>> A Magia da Dança dos Tangarás de Reginaldo França pela Juruá (2007)
>>> Sistemas de Informações Gerenciais - 4ª Ed. de Tadeu Cruz pela Atlas (2018)
>>> Terapia do Esquema Para Casais de Kelly Paim, Bruno Luiz Avelino Cardoso pela Artmed (2019)
>>> Os Pensadores - Heidegger de Martin Heidegger pela Abril Cultural (1984)
>>> Wolverine Nº 45 de Marvel pela Panini Comics
>>> La Nuit Sacrée de Tahar Ben pela Contemporary French Fiction (2014)
>>> Pelo Mundo Todo de Julia Glass pela Bertrand Brasil (2011)
>>> O Mito da Criatividade (lacrado) de Fábio Zugman pela Alta Books (2018)
>>> Memória - 3ª Ed. de Ivan Izquierdo pela Artmed (2018)
>>> Organização de Empresas Volume 3 de A. Nogueira de Faria pela Record (1969)
>>> Contabilidade ao Alcance de Todos 2 de M. Legran pela Rideel
>>> O Grito! (lacrado) de Fernanda Busanello Ferreira pela Lumen Juris (2015)
>>> The New Inquisitions: Heretic-Hunting and the Intellectual Origins of Modern Totalitarianism de Arthur Versluis pela Oxford University Press (2006)
>>> Química matéria energia e transformações volume único de José carlos de azambuja bianchi e outros pela Do Brasil (2017)
>>> Hello Nº 1- Magic English de Walt Disney pela Abril Coleções (2011)
>>> Farsantes & Fantasmas (lacrado) de Antonio Carlos Olivieri pela Record (2012)
>>> Culinária Ilustrada Passo a Passo Entradas de Publifolha pela Publifolha (1999)
>>> Biologia Natureza e Sociedade 2 de Diarone Paschoarelli Dias pela Do Brasil (2016)
>>> Poder e Cidadania - Análise Crítica no Direito Contemporâneo (lacrado) de Frederico Antônio Lima de Oliveira pela Lumen Juris (2016)
>>> Inovação na Gestão Pública de Richard Dubois João Lins pela Saint Paul Pwc (2012)
ENSAIOS

Segunda-feira, 16/2/2009
Pra que serve um crítico musical
Camilo Rocha

+ de 12200 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Na era pré-digital, o crítico musical era uma figura bastante poderosa. Nesse tempo, ele era o cara que ouvia o disco antes de todo mundo e sacramentava no papel do jornal ou da revista um veredito sobre o álbum X ou a banda Y. Veredito esse que poderia acompanhar o artista por muitos e muitos anos. O crítico era amado ou odiado por fãs, bandas e gravadoras. O crítico era relevante na engrenagem da indústria musical.

Eu mesmo descobri outro dia que os Titãs nunca se esqueceram de uma resenha que fiz para a Bizz, em 1992, onde falei que sua performance num show tinha sido "murcha como um palhaço desdentado" (eita analogia esquisita, quero crer que hoje aprendi a escrever um pouco melhor).

A crítica funcionava muito como um orientador, uma peneira, estimulando ou não a compra de um disco.

Era digital
Com a era digital, vieram os MP3s, os P2P, os downloads, os blogs, os streamings e os vazamentos. O acesso a qualquer tipo de conteúdo musical saiu da cadeira cativa para a geral. Até sair a resenha, um disco já foi escutado por uma porção de gente. E todo mundo já tem, então, sua opinião sobre o referido disco e não precisa de alguém dizendo "aqui está o futuro da música".

Bom, esta é a interpretação mais óbvia.

Mas ela se baseia numa leitura superficial. Porque um crítico de música pode e deve ser bem mais do que um jurado de programa de auditório, um cara que faz nada mais que dar uma nota para um disco. Tampouco deve ser o crítico um cara que apenas descreve um disco de maneira técnica e fria, como muitos fãs antigamente achavam que devia sair (quantas cartas para a Bizz não falavam "não quero saber sua opinião, quero saber como é o disco").

A boa escrita musical vai muito além disso. O bom crítico oferece contexto, teorias, informações pouco conhecidas sobre o artista, faz ligações entre uma obra e eventos culturais do presente, momentos históricos ou outros artistas.

Por exemplo, quando eu era leitor ávido da Bizz, antes de trabalhar lá, devorava os textos não só por causa do artista focado pelo texto mas por uma porção de outras referências que me eram apresentadas: suas influências culturais, outras bandas da qual fez parte, o autor original de alguma cover que ele gravou. Textos de gente como André Forastieri, Pepe Escobar, Bia Abramo, Ana Maria Bahiana e Luís Antônio Giron sempre foram bem mais do que "falar do disco", e era essa uma das coisas que eu mais curtia.

Resumindo, o bom crítico não apenas fala sobre música, mas te faz pensar sobre essa música. Fora que serve para desinflar o ego de muito artista com complexo triplo de Zeus, Maomé e Jesus Cristo.

É por isso que agora, na internet, em tempos de Perez Hilton e gente falando de música mal e toscamente, eu acredito que o bom texto musical não só tem espaço como é mais necessário do que nunca.

Aí vão dez críticos pop de ontem e hoje que valem a pena.

Lester Bangs: Americano que foi um primeiros por lá a botar pilha no punk. Foi demitido da Rolling Stone nos anos 70 por ser muito "desrespeitoso".

Ezequiel Neves: Também conhecido como Zeca Jagger, tinha um dos textos mais ácidos da primeira versão brasileira da Rolling Stone, nos anos 70.

Pepe Escobar: Farol dos anos 80 e um dos responsáveis por promover no Brasil toda uma nova geração de bandas inglesas como The Cure e Echo & the Bunnymen.

Greil Marcus: Acadêmico de Berkeley, fez escola ao elaborar associações entre o rock e a cultura ocidental como um todo. Seu livro Mystery Train é um clássico.

David Toop: Músico de ambient e um conhecedor profundo de todo tipo de música, do gamelan indonésio ao hip-hop, do pós-punk ao jazz africano.

Nelson George: O principal comentarista da cultura pop negra dos EUA, já escreveu livros sobre a Motown, o rap e "a morte do rhythm'n'blues".

Luís Antônio Giron: Com formação musical erudita, fez história na Folha na virada dos 80 para os 90, ao demolir vários "intocáveis" da MPB.

André Forastieri: Meu primeiro incentivador na Bizz. Antes escrevia na Ilustrada, onde chamou a atenção pelo seu estilo direto, pop e sem papas na língua.

Jon Savage: Inglês detalhista e criativo, autor do livro definitivo sobre a história do punk: England's Dreaming.

Simon Reynolds: Seu texto é quase acadêmico, pomposo às vezes, mas ele oferece "insights" poderosos e uma bagagem musical de cair o queixo.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado em seu blog, o Bate-Estaca.


Camilo Rocha
São Paulo, 16/2/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O homem que comia demais de Sérgio Augusto


Mais Camilo Rocha
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/2/2009
10h32min
Finalmente alguém conseguiu me explicar essa função de maneira mais convicente!
[Leia outros Comentários de Mônica]
24/2/2009
20h48min
Há alguns anos Ricardo Amaral, Vila e eu entrevistamos três críticos de música consagrados para nosso zine, o finado RPM. Em vez de escrevermos qualquer comentário, deixamos que eles mesmos mostrassem a cara do que é a crítica. Bem Bourdieu. Há um crítico para cada gosto, para cada distinção. Havia um que entendia de um gênero, mas tinha que escrever a respeito de outro. E com a função de consumo, guiar a compra. Você citou caras ótimos, que mais do que guiar consumo, tentam debater idéias. Sem a patetada de dizer que um estilo é mais nobre que outro.
[Leia outros Comentários de Renato]
2/3/2009
10h25min
Camilo, é difícil ler um texto que expresse com clareza a finalidade da crítica. A situação piora à medida que o objeto observado se encontre envolvido na subjetividade do gosto pessoal, não encontre referência acadêmica por ser notadamente um produto de vanguarda, derive de experimentações estéticas e licenças artísticas e, principalmente, na forma que o novo propõe síntese. A crítica contemporânea celebrou o fetiche produto transformando o artista em artífice, agregando ao resultado do seu trabalho um valor contemporâneo capitalista que não estabelece um valor real artístico. O consumo em massa despersonifica e todos ficam ávidos para dar um verniz de originalidade na continuidade do óbvio. Li outro dia que determinada banda tinha "atitude", é certo que tal declaração tem muito da espontaneidade que se ajusta a uma determinada faixa de público, não favoreceu em nada na compreensão do conteúdo do objeto observado. Marketing é um dos vícios destas práticas e nada tem de arte.
[Leia outros Comentários de Carlos E F Oliveira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Invasão Cultural Norte-Americana
Júlia Falivene Alves
Moderna
(1995)



Complexo de Cinderela
Colette Dowling
Melhoramentos
(1987)



O Grandes Físicos que Mudaram o Mundo
Constatino
Escala
(2010)



O evangelho segundo o espiritismo
Allan Kardec
Ide
(2008)



Aspects of Alice
Lewis Carrolls
Penguin Books
(1971)



Do Outro Lado da Linha (lacrado)
Renata Queiroz Dutra
Ltr
(2014)



Homens & Mulheres
Dr. Lair Ribeiiro
Leitura
(2005)



Contabilidade Introdutoria 9ªed(1998)
Equipe de Professores ( Fea Usp )
Atlas
(1998)



O Diário da Princesa
Meg Cabot
Record
(2005)



Obras Completas - Volume 2 (Teatro Português)
Bernardo Santareno
Caminho
(1985)





busca | avançada
71417 visitas/dia
1,9 milhão/mês