Novas leis de Murphy | Sérgio Augusto

busca | avançada
46852 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 25/11/2002
Novas leis de Murphy
Sérgio Augusto

+ de 5700 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Fazia um bom tempo que eu não ouvia falar de Arthur Bloch. Celebrizado em meados da década de 70, quando compilou em livro a Lei de Murphy e suas variáveis, parecia em hibernação permanente até que as possibilidades humorísticas do fim de século o estimularam a sair da toca com novas e sábias observações sobre este mundo cada vez mais talhado para os incrédulos. As leis de Murphy já existiam quando Bloch, hoje com mais de 50 anos, as coligiu. Conhecia as principais delas ("Se algo puder dar errado, certamente dará errado"; "O pão sempre cai com o lado da manteiga pra baixo") desde o início da década de 60, quando meu amigo Carlos Leonam as atribuía, equivocadamente, a outro nome, Brooks, cuja origem nunca apurei. Tampouco sei quem é ou foi Murphy, se algum cínico cientista ou pseudônimo de Bloch, mas isso é irrelevante. O importante é que, nas últimas décadas, Murphy, e não Pirron, Carnéades, Enesidemo ou qualquer filósofo grego dessa estirpe, virou sinônimo de ceticismo, se bem que, vou dizendo logo, sem a profundidade do nosso cético número um, Millôr Fernandes, cujos apotegmas a realidade não consegue contestar. Todo dia, por exemplo, o ser humano não dá mostras de que é mesmo, como alega Millôr, inviável?

Esperto e com a vantagem de, ao contrário do Millôr, escrever numa língua imperial, Bloch fez da murphylogia uma "ciência" de fama internacional, cheia de princípios, axiomas e corolários sobre uma infinidade de coisas, alguns dos quais recolhidos em pensadores tão ilustres como Heine ("Devemos perdoar nossos inimigos, mas só depois de mortos"), Einstein ("Duas coisas são infinitas: o universo e a estupidez humana") e Von Braun ("Pesquisa é o que fazemos quando não sabemos o que estamos fazendo"). Foi, porém, da atrevida mente de Bloch, digo, Murphy, que saíram pérolas como esta: "Só sabemos a profundidade de uma poça depois que enfiamos os pés nela." E esta Lei de Eponímia, que o isenta de qualquer acusação de apropriação indébita: "Nenhuma lei leva o nome de quem a inventou." Que, naturalmente, tem um corolário: "Não importa quem disse, mas quem pôs o nome." Um exame mais atento da murphylogia nos levaria até o grego Diógenes e detectaria discípulos em inesperadas figuras como Caetano Veloso (que, salvo engano, foi quem primeiro disse que de perto todas as pessoas são anormais) e o ex-presidente americano Lyndon B. Johnson, a quem devemos este puro murphylogismo: "Quando dois homens concordam em tudo, pode contar que só um deles é capaz de pensar." Generoso, em sua nova coleção de boutades, atualizadas à chegada do ano 2000, Bloch burla a Lei da Eponímia, identificando os verdadeiros autores de diversos conceitos por ele perfilados. Embora absorvidos pela murphylogia, o conceito de patriotismo como a predisposição de matar e morrer por razões triviais é apresentado como a Lei de Russell (de Bertrand e não de Jane), e o de progresso tecnológico como um machado nas mãos de um criminoso psicopata como a Lei de Einstein.

Com isso, o novo compêndio de Bloch faz lembrar um pouco aquelas saborosas antologias do mau humor organizadas por Ruy Castro na década de 80. Sua divisão temática, contudo, é mais genérica. Enquanto esteve hibernando, Murphy refletiu muito sobre ecologia ("Uma espécie só se encontra protegida quando ameaçada de extinção"; "Tudo que se fizer para melhorar um meio ambiente causará danos consideráveis em outro") e os avanços da tecnologia ("O progresso é a troca de uma aporrinhação por outra"; "Se no mercado competem dois sistemas tecnológicos incompatíveis, predominará o de qualidade inferior"; "O robô produz mais que um ser humano porque não fala ao telefone"). Também a informática mereceu dele especial atenção, com enunciações cuja rentura nenhum usuário de computador há de pôr em dúvida: "A probabilidade de um computador pifar é proporcional à importância do documento no qual se está trabalhando"; "O pior vírus é aquele que se instala no único arquivo que você não vacinou"; "A todo computador recém-comprado corresponde outro, recém-lançado com mais potência e mais barato"; "O disco rígido é a parte do computador que sempre fica rígida no pior momento".

Claro que tudo parte, ou melhor, recomeça da Primeira Lei de Murphy, que nesses últimos anos foi enriquecida com algumas achegas. Primeira achega: "Quando a gente sabe que algo pode dar errado e toma as devidas precauções, outra coisa fatalmente dará errado." Segunda: "A Lei de Murphy sempre espera pelo pior momento." Terceira: "Quando as coisas vão mal em algum lugar é sinal de que poderão ir mal em todos os lugares." Até a sra. Murphy criou um corolário: "Se algo tem de enguiçar, irá enquiçar justo quando seu marido não estiver em casa."

Se fôssemos lúcidos ou apenas honestos, não veríamos Bloch como um impertinente cínico, mas como um inatacável realista. Afinal de contas, se ele não foi o único a notar que as coisas desandam de repente e se resolvem gradualmente ao menos foi o primeiro a dizê-lo publicamente. E também o primeiro a afirmar que o ser humano é o único animal capaz de voltar atrás num erro e cometer outros que antes conseguira evitar. Também foi por intermédio dele que aprendi a ser mais fácil lutar por princípios do que conviver com eles. Que para cada ação nossa corresponde uma reação do governo igual e contrária. Que a entropia dispensa manutenção. Que os acidentes ocorrem quando duas pessoas resolvem ser espertas ao mesmo tempo. Que o telefone nunca toca quando estamos desocupados. Que todo dinheiro que cai do céu vem seguido de um fiscal da Receita que subiu do inferno. Que a distância mais curta entre dois pontos está sempre em obra. Que só ri por último quem pensa devagar. Que a loucura é hereditária e transmitida pelos filhos. Que a felicidade só bate à porta quando estamos no banheiro. Que a coerência é o último refúgio dos que não têm imaginação. E que sempre encontramos força suficiente para suportar a desgraça alheia.

De todas as leis de Murphy até agora conhecidas, apenas uma, a meu ver, merecia uma retificação. Vai longe o tempo em que as pessoas que trabalham sentadas ganhavam mais do que as pessoas que trabalham de pé. É só comparar o contracheque dos jogadores da NBA, dos bambas do boxe, das estrelas do futebol e dos ídolos da música pop com o de um escritor. Até quem trabalha agachado já está ganhando muito mais do quem trabalha sentado. A única exceção é o Paulo Coelho, que ainda fatura mais do que a Carla Perez.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na revista Bravo!, em sua edição de novembro de 1999.

Para ir além






Sérgio Augusto
Rio de Janeiro, 25/11/2002

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Considerações sobre a leitura de Miriam Mambrini
02. Dogville e a poesia de Michel Laub
03. Segundo encontro com Borges de Alberto Beuttenmüller
04. O historiador das idéias de Pedro Maciel


Mais Sérgio Augusto
Mais Acessados de Sérgio Augusto
01. Para tudo existe uma palavra - 23/2/2004
02. O frenesi do furo - 22/4/2002
03. Achtung! A luta continua - 15/12/2003
04. O melhor presente que a Áustria nos deu - 23/9/2002
05. Filmes de saiote - 28/6/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/12/2002
12h19min
Fantástico artigo, Sérgio. Só tenho a edição antiga de "A lei de Murphy e outros motivos pelos quais tudo dá errado" do Bloch. Mas vou procurar, agora mesmo, a revisão. um abraço.
[Leia outros Comentários de Luis Gonzaga]
7/12/2002
19h00min
Todos os artigos de Ségio Augusto são uma apoteose!
[Leia outros Comentários de Aelius]
19/12/2002
00h47min
Espetacular este artigo!
[Leia outros Comentários de Vinicius Brown]
27/12/2002
14h12min
Artigo fantastico!!! São textos assim que fazem da leitura um grande prazer.
[Leia outros Comentários de Karla Martins]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A MENINA QUE NÃO SABIA LER
JOHN HARDING
LEYA
(2014)
R$ 27,00



OS PINGUINS DO SR. POPPER
RICHARD E FLORENCE ATWATER
INTRÍNSECA
(2011)
R$ 15,00



CONTOS ESCOLHIDOS - NOVELAS DO MUNDO Nº 2
GUY DE MAUPASSANT
MELHORAMENTOS
(1956)
R$ 12,00



WOLVERINE Nº 35 - JANEIRO / 95 - SEGREDOS REVELADOS!
MARVEL COMICS
ABRIL
(1995)
R$ 7,00



SEDUÇÃO E ORGULHO DOMINADORES PAIXÃO EDIÇÃO 258
SHARON KENDRICK
HARLEQUIN BOOKS
(2011)
R$ 6,90



SÃO PAULO TRAÇOS URBANOS
TERESA SARAIVA
TRENDS
(2003)
R$ 18,00



A HORA TERNA DO CREPÚSCULO
RICHARD SEAVER
GLOBO
(2013)
R$ 70,00



O LIVRO DA SELVA
RUDYARD KIPLING
LANDY
(2002)
R$ 12,00



CURSO DE DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO VOL.1
LUIS IVANI DE AMORIM ARAUJO
BORSOI
(1970)
R$ 9,00



CORPO REFLETE O SEU DRAMA, O
FREIRE, CHRISTINA A.
EDITORA ÁGORA
(2000)
R$ 35,63





busca | avançada
46852 visitas/dia
1,1 milhão/mês