Digestivo nº 235 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
61941 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 15/7/2005
Digestivo nº 235
Julio Daio Borges

+ de 3300 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Cinema >>> Partita
E Woody Allen fez sua tentativa de Closer, de Mike Nichols. É o que se pode depreender de Melinda e Melinda, seu novo longa em cartaz nas salas. Nele, Woody Allen mistura uma tradição sua perdida, de querer ser Bergman, com o atual gênero pastelão ao qual tem se apegado com unhas e dentes. Claro que a mistura soa insólita e implausível, e é, e o filme, antes de ser um Frankstein impraticável, é divertido. Parece que, de agora em diante, além do mais puro entretenimento, nosso destino será peneirar, dele, algumas gags, poucas excelentes frases de efeito, contribuindo para o que poderia ser um Groucho Marx ralo ou então um Woody Allen liquefeito mesmo. De Closer, Melinda e Melinda tem a troca frenética de casais, o romance casual que aparece em toda parte (principalmente na rua) e que obriga as personagens (meio insípidas) a romper com relações de anos em prol da “paixão”. Também a agredir verbalmente, ou humilhar, o (ex-)parceiro ou a (ex-)parceira. Será uma moda em Hollywood? De Woody Allen, Melinda tem as citações quase eruditas (não cola muito atores com cara de seriado da Sony executando Bach ou mencionando Mahler), o cuidado estético de sempre e a filosofice existencialista autodepreciativa, mais notadamente no protagonista, que é o anti-herói típico do diretor nova-iorquino (que o próprio, aliás, encarna). A impressão, para quem já viu um número razoável de produções do mesmo autor, é que Woody Allen dispõe de algumas peças, de certas situações e de saídas geralmente boas, para combinar e recombinar enquanto filmar. Está com mais de 60 anos e embarcou no ritmo frenético de desovar um longa por ano. Suas obras-primas, de outras décadas, estão aí, não há mais o que esperar. Pagaremos apenas nosso tributo anual para que ele se sinta vivo e atuante. E é só. [Comente esta Nota]
>>> Melinda and Melinda | Woody Allen (entrevista)
 



Artes >>> Medusado
Mais do que analfabeto plástico, o brasileiro é analfabeto sólido, líquido e gasoso. Então, é louvável que se monte uma retrospectiva tão consistente de um escultor como a que se montou de Henry Moore na Pinacoteca do Estado. Para começar que, tirando Rodin, no Brasil ninguém sabe citar um escultor (e não um pintor e não um “instalador”) de memória. Nem brasileiro; nem Brecheret nem nada. Assim, é quase uma missão civilizatória trazer as obras de Moore e dispô-las didaticamente e, ao mesmo tempo, de maneira tão inteligente num espaço que é, apesar de distante e de acesso complicado, sobretudo agradável. A exposição soube, com muito bom gosto, combinar os trabalhos com observações do próprio realizador sobre esses mesmos trabalhos – esclarecendo técnicas, fomentando pontos de vista, justificado guinadas e posições estéticas em geral. Isso num passo suave e sugestivamente cronológico (como seria de se esperar de uma retrospectiva, aliás – mas que quase nunca é o caso...). Apesar de toda a abstração e da apreensão nem sempre imediata das peças enormes do escultor britânico, o visitante poderia sair de lá com melhores noções e até algum conhecimento do que se fez a respeito durante o século XX (Moore nasceu em 1898 e morreu em 1986). Os temas principais do artista estavam presentes, é óbvio. Desde a relação inesgotável entre mãe e filho até a sua obsessão pessoal com figuras de pessoas reclinadas, cuja inspiração lhe veio no metrô abarrotado de refugiados das bombas durante a Segunda Guerra. Passando pelas maquetes (e pelos desenhos) de projetos em elaboração e de pequenos objetos ou formas que ele coletava da natureza e que lhe serviam de guia para produzir volumes cada vez mais vivos e orgânicos. Suas fotos, e de seu ateliê, mostravam um homem surpreendentemente organizado e com aparência “em ordem” – ao contrário da imagem de artista que se quis perpetrar, e em que se quis acreditar, de uns tempos pra cá. E do mesmo jeito que Moore se revela, em sua vida, um homem não muito diferente de nós, a arte moderna, através de sua criação (e dessa retrospectiva ótima), se revela algo a nós não tão completamente estranho. [Comente esta Nota]
>>> Pinacoteca do Estado | Henry Moore
 



Música >>> Visões Fugitivas
Tradição de pai pra filho parece algum modismo perdido a partir do século XIX, ou antes, ou depois. Mas, contra todas as evidências, ainda ocorre. Estamos falando de Stephan Barratt-Due, que dirigiu sua Oslo Camerata em São Paulo, em maio, no Teatro Alfa, pela Temporada 2005 do Mozarteum Brasileiro. Barratt-Due, aliás, herdou a tradição do violino não apenas de seu pai, mas também de seu avô, obviamente na Noruega. Desde a mais tenra idade, estudou e se destacou a ponto de hoje, na vida adulta, ser um dos mais notáveis músicos da história de seu país, merecendo reconhecimento público de chefes de estado e, inclusive, a permissão (e o apoio, lógico) para realizar um sonho: montar, dirigir e consolidar uma orquestra norueguesa de cordas; outro feito, seu, histórico. Entre as ambições desse ensemble, além do reconhecimento internacional que já conseguiu, graças a solistas como Soon-Mi Chung (incorporada à Oslo Camerata), está, por exemplo, a de gravar as integrais de Edvard Grieg (projeto já em andamento e com previsão de conclusão nos próximos anos). Pois o público de São Paulo pôde experimentar um gostinho do que será isso, pela inclusão da Suíte Holberg, magistralmente executada, no programa. Como é praxe (ou quase), a apresentação foi aberta com o classicismo, pela presença de um Divertimento para cordas, impecavelmente conduzido, de Mozart. À medida, porém, que a noite avançava, íamos penetrando na contemporaneidade e no século XX. Lachrymae, de Benjamin Britten, ainda preservou aquela sensação de harmonia e de enxergar as coisas no lugar. Já o anteriormente mencionado Grieg foi rompendo com isso e, depois do intervalo, Prokofiev e Bartók, na liberdade atonal e das formas, permitiram vôos dos intérpretes, naquele dia, altamente inspirados. Tanto que, mais do que freqüentemente acontece, o público fez questão de se amotinar nas primeiras cadeiras e acompanhar de perto cada nuance, cada detalhe, cada olhar do maestro (ainda que isso incorresse em mergulhar debaixo da saia da senhora Chung). Foi a possibilidade, quase sempre inédita, de se transportar para o norte de Europa, para a cultura das mais avançadas nações. [Comente esta Nota]
>>> Mozarteum Brasileiro | Oslo Camerata
 
>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA



>>> Cafés Filosóficos
* O mal, o bem e mais além: egoístas, generosos e justos
Flávio Gikovate
(Qua., 20/7, 19h30, CN)

>>> Palestras
* Mensagens de um Irmão mais velho
Jomano
(Qua., 20/7, 19h30, VL)

>>> Noites de Autógrafos
* Cancêr: renascendo para a vida
Regina O. Fernandes
(Qui., 21/7, 18h30, CN)
* Rally dos Sertões
Grace Knoblauch
(Sex., 22/7, 18h30, VL)

>>> Shows
* Swinging the Blues - Traditional Jazz Band
(Sex., 22/7, 20hs., VL)
* Espaço Aberto - Jeff Gilbert and Will's Band
(Dom., 24/7, 18hs., VL)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/7/2005
14h26min
Tenho procurado divulgar o Digestivo nas reuniões do Grupo de Poetas Livres, do qual sou presidente, já no terceiro mandato... O texto do Marcelo Maroldi, sobre como escrever bem, está muito bom!
[Leia outros Comentários de Maura Soares]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PRÉCIS DE PATHOLOGIE MÉDICALE TOME 2
F. BEZANÇON MARCEL LABBÉ LÉON BERNARD
MASSON
(1923)
R$ 105,05



O SENHOR DE SÁNDARA
CARLOS BERNARDO GONZÁLEZ PECOTCH
LOGOSÓFICA
(2009)
R$ 5,00



O ANO 2000
HERMAN KAHN E ANTHONY J WIENER
MELHORAMENTOS
(2000)
R$ 31,92



O DILEMA POPULACIONAL NA AMÉRICA LATINA
EDITORES R. DELGADO GARCIA/J. MAYONE STYCOS/JORGE
EDIÇÕES O CRUZEIRO
(1968)
R$ 11,00



TUTELA CAUTELAR E TUTELA ANTECIPADA:TUTELAS SUMÁRIAS DE URGÊNCIA 8599
JOSE ROBERTO DOS SANTOS BEDAQUE
MALHEIROS
(2003)
R$ 60,00



A NOVA MULHER
MARINA COLASANTI
NORDICA
(1980)
R$ 6,90



LIVRO O VERMELHO E O NEGRO
STENDHAL
PUBLIFOLHA
(1998)
R$ 9,00



ROTEIRO TURÍSTICO DE MINAS GERAIS AUTOGRAFADO
LOURIVAL BRASIL FILHO
EDIÇÃO DO AUTOR
(1973)
R$ 21,01



NOSSO CÃES
ALBERTO APFEL
MELHORAMENTOS
R$ 25,90



PAIXÃO ÍNDIA
JAVIER MORO
PLANETA
(2010)
R$ 11,00





busca | avançada
61941 visitas/dia
1,8 milhão/mês