Digestivo nº 213 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
56138 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
Blogueiros
Mais Recentes
>>> De re coquinaria
>>> Mas, afinal, qual o futuro da TV?
>>> Vida e morte do Correio da Manhã
>>> Arte, cultura e auto-estima
>>> Publicidade e formação política
>>> Os 33 mineiros e nossa visão limitada
>>> Uma Obra-Prima Sertaneja
>>> As pessoas estão revoltadas
>>> As duas facetas da eternidade
>>> Ilustres convidados
Mais Recentes
>>> Bourne Legacy, The de Eric Van Lustbader pela St Martins Press (2005)
>>> Ciranda do Meio Ambiente Vol II de Virginia Schall - Coord. pela Fundação Oswaldo Cruz (1991)
>>> O Colo Uterino Humano de Alfredo de Moraes e Silva Filho pela Artes Médicas (1991)
>>> The Uses of Life - a History of Biotechnology de Robert Bud pela Cambridge (1993)
>>> Farei Com Que a Morte Me Ame de Ruth Rendell pela Publicações Europa-américa (2000)
>>> Os Agravos no Cpc Brasileiro - Recursos no Processo Civil - 2 de Teresa Arruda Alvim Wambier pela Revista dos Tribunais (2000)
>>> Livro - para Gostar de Ler 9 - Contos Brasileiros 2 de Clarice Lispector, Outros pela Atica (2002)
>>> Jãnio Quadros - Sete Meses Que Abalaram o Brasil de Vários Autores; Carlos Mendes Rosa pela Folha de São Paulo
>>> Luta e Sonhos: cultura política e hegemonia progressista em santos (1945-1962) de Alcindo Gonçalves pela Unesp (1995)
>>> Architecture Now! Vol. 2 de Philip Jodidio pela Taschen (2002)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Pretty Little Liars: Maldosas de Sara Shepard pela Rocco Jovens Leitores (2010)
>>> Suicidio - a Sombria Trilha da Ilusao de Agnaldo Cardoso pela Mundo Maior (2006)
>>> Poder pode mas... Não deve de Barbara Virginia pela Vozes (1989)
>>> Direito Eleitoral Digital de Diogo Rais; Daniel Falcão; Andre Zonaro pela Revista do Tribunais
>>> Arte e Meio Artistico, V. 1 de Aracy A. Amaral pela Studio Nobel (1983)
>>> Mind Over Labor: a Breakthrough Guide to Giving Birth de Carl Jones pela Penguin Books (1988)
>>> Les Peintres Chinois - Etude Critique de Raphael Petrucci pela Renouard (1927)
>>> Projeto Tipográfico: Análise e Produção de Fontes Digitais de Claudio Rocha pela Rosari (2005)
>>> Quincas Borba de Machado de Assis Volume 11 pela Estadão
>>> Fundamentos da Psicologia das Relaçoes de Trabalho de Roberto Heloani pela Zagodoni (2014)
>>> Entrelinhas Urbanas SP de Vários Autores pela Ed. Selo (2017)
>>> A Culpa é das Estrelas de John Green pela Intrinseca (2012)
>>> Sombra de Karin Alvtegen; Marisol Santos Moreira pela Record (2015)
>>> Biologia para um Planeta Sustentável - Manual do Professor de Armênio Uzunian pela Harbra (2017)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 9/2/2005
Digestivo nº 213
Julio Daio Borges

+ de 7800 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Cinema >>> Dormindo com o inimigo
A monogamia passa por uma reavaliação. Desde que Freud abriu as comportas da sexualidade, os relacionamentos passam por uma reavaliação. A liberação dos anos 60, na verdade, cobrou seu preço e o amor livre, que não se implementou 100% (mas quase), produziu uma nova geração de desorientados. Não que devam retornar o moralismo e a hipocrisia – isso não –, mas os repentes da nova relação homem-mulher, pelo menos, quebram a cabeça de casais até hoje (sem esperança de solução). E pelo que se pode depreender de exemplos recentes, como o filme Closer (Perto Demais), os questionamentos entraram numa nova fase. A fase da traição (palavra forte), das ligações ilícitas (juridicamente falando) ou das experiências de uma relação aberta, quase aberta ou aberta na prática. Mike Nichols, um subproduto de Bergman (digam o que disserem os entusiastas), quer provar que todo mundo tem o seu lado podre ou algo de podre, no que se refere à própria sexualidade. Desejos inconfessos, realizações para se envergonhar, comportamentos anômalos. São os baixos instintos (antigos) e ou as trevas (como Nélson Rodrigues preferia chamar). Bem, então o diretor sugere que desde o freqüentador de prostíbulos e de chats pornográficos até o escrevinhador metido a sensível, desde a stripper até a fotógrafa sofisticada, todos são humanos e todos agem mal, não importando quem são na vida real. Todos traem, todos podem ser promíscuos e todos ferem uns aos outros com palavras em nome da “verdade”. Apesar de pouco profundo, até grosseiro na apresentação, o longa é desconfortável (e assim instigante) porque – por mais que não se aceite aquilo como realidade – tripudia em cima do até então sagrado valor da fidelidade e da lealdade. Tudo em nome de uma certa coerência consigo próprio e com os próprios sentimentos (chavão). A mesma que atira desconhecidos de rua para uma vida em comum e que transforma uma sessão, de trabalho profissional, numa aventura afetivamente aterradora. A única conclusão proveitosa a se tirar é a seguinte: num mundo amoral (e não imoral, necessariamente), resta apenas a ética particular. Quem não conseguir forjar a sua, e principalmente resistir nela, está condenado ao descontrole dos apaixonados crônicos. [Comente esta Nota]
>>> Closer
 



Música >>> Primeiro de Janeiro
O trabalho de resenhista de CDs, num país musical como o Brasil, dá a impressão de nunca cair na monotonia e de oferecer sempre experiências inusitadas. Ainda assim, por mais preparado e vivido que esteja o crítico de música diante do mercado do disco, não tem como não se surpreender ante uma produção como Canção do sol nascente, do violonista Camilo Carrara. Numa iniciativa inédita (de verdade), Carrara se propôs a registrar, em violão solo, o cancioneiro do país do sol nascente, ou seja, do Japão. Foi como um insight que o percorreu por alguns instantes e que o direcionou para a pesquisa de partituras, escassas apesar da significativa colônia japonesa no Brasil. Entre centenas de peças compostas para a voz humana, selecionou 24 e alternou-se entre as cordas de nylon e as cordas de aço. O resultado é indescritível e embora as composições sejam 100% nipônicas, talvez por causa do intérprete (100% nacional), o ouvinte encontra laivos de música daqui, do Brasil. O resultado, então, é de um estranhamento reconfortante. Quem, por exemplo, ouviu-o no programa de rádio do maestro Júlio Medaglia, em meio ao trânsito, deve ter se sentido invadido por um súbito prazer sensorial – sem, no entanto, imaginar de onde vinham e para onde iam aquelas sonoridades. Respeitoso com relação às tradições do Japão, Camilo Carrara pesquisou e manteve as sugestões de imagens, junto a cada título, transferindo-se, de pai para filho, de geração em geração: “A libélula vermelha”; “A escola dos peixes barrigudinhos”; “Duna”; “O luar do castelo em ruínas”; “Picanço na árvore seca”; e “Porto da embarcação que parte” – entre outras. Medaglia, sempre um crítico renitente da indústria musical, vez por outra se depara com uma genuína novidade e é obrigado a recuar, em um milímetro, com suas convicções. Camilo Carrara com Canção do sol nascente foi um desses casos. E se até os velhos estão se curvando, o que dirão os jovens de eager young minds? [Comente esta Nota]
>>> Canção do sol nascente - Camilo Carrara - Azul Music
 



Artes >>> Tralha
Marlésia e Fernícia eram duas dançarinas de boate de quinta categoria. A espelunca, comandada por Herminiano, tinha como principal cliente Nevair, que engravidou Marlésia e Fernícia ao mesmo tempo, casando-se com a primeira. O afastamento de Nevair que, casado, se desligou do inferninho, obrigou Herminiano, agora empresário falido, a conceber um plano diabólico. Com a barriga de Marlésia, chantagearia Nevair ad aeternum – este, querendo preservar a integridade da família recém-constituída, esconderia a existência do filho bastardo. Uma mesada vitalícia garantiria o silêncio por parte de Herminiano, o parasita. Do casal efetivamente casado, nasceria o protagonista dessa história incrível, que é contada no álbum Mariposa, o mais recente do bastante elogiado Marcatti, pela Conrad. Reconhecido por sua coerência desde os anos 80, pode ser lembrando, também nos anos 90, por haver assinado aquelas escatológicas narrativas onde podólatras se esbaldavam em sujeira e sexo. O mundo cão é sua especialidade e o nome de Marcatti pode ainda ser associado a duas capas que ele concebeu para LPs do grupo Ratos de Porão – bem antes do estouro de João Gordo na televisão. Já o protagonista de seu livro – voltando à vaca fria – era um menino tímido, apaixonado por Valência na escola, que não lhe dava a menor bola. Tinha cara de moleque e, portanto, não interessava à garota experimentada. Um dia, porém, nosso herói redescobre Marlésia – na rua da amargura, trabalhando de faxineira no colégio. É ela quem o arrasta para o sofá e arranca sua virgindade à força. Sexualmente dependente dela, passa a freqüentá-la com regularidade, até instalar-se na sua casa. O relacionamento, contudo, têm sobre eles um efeito mágico. Enquanto Marlésia rejuvenesce, por alimentar-se de seus orgasmos, o protagonista da história amadurece e conquista o coração da sempre ansiada Valência. Como esse trio resolve suas diferenças e qual a solução encontrada por Marcatti só lendo o leitor descobrirá. Longe de ser alta cultura, Mariposa é um divertido passatempo, mais para nos teletransportar até aqueles verdes anos... [Comente esta Nota]
>>> Mariposa - Marcatti - 80 págs - Conrad
 
>>> O CONSELHEIRO TAMBÉM POLEMIZA NO PARALELOS
E NO SUPLEMENTO LITERÁRIO DE MINAS GERAIS


Foi longa a saga do texto "Literatura feminina brasileira hoje", de autoria do Editor do Digestivo Cultural, que finalmente saiu na edição de janeiro de 2005 do Suplemento Literário de Minas Gerais, comandado por Fabrício Marques. Sem versão on-line ainda (no site do Suplemento), o texto foi reproduzido na íntegra no site Paralelos, de Augusto Salles, onde mereceu uma réplica intitulada "Literatura feminina: a conversa infinita – Impressões a partir da resenha de Julio Daio Borges: um diálogo imaginário de Christiane Tassis".
 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/2/2005
17h55min
O texto da moça (ela deve ter menos de trinta anos, ou aparenta ter, ao menos nas fotos e nas letras) me chocou profundamente. Antes de tudo pelo seu caráter anódino. Não diz nada, só insinua com bastante elegância e nenhuma prova concreta, sem sequer posicionamento algum. O texto da autora Christiane Tassis, ou Chris Kitti (seria uma referência a Hello Kitti?) me parece uma tentativa de sedução vazia, com até mesmo elogios a sua própria voz(!) que antes de ser certamente metafórico é infeliz, muito infeliz em meu entender. O texto de Julio me divertiu, o da moça me chocou por sua inépcia. Um abraço, de uma escritora que se esconde temendo ser tomada por apenas uma pessoal retrucadora, mas que antes disso, está aburdamente chocada.
[Leia outros Comentários de Marina Cássia]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Dorme Menino
Letícia Wierzchowski, Cado Bottega
Nova Fronteira
(2014)



A Verdade de Cada Um
Zibia Gasparetto pelo Espírito de Lucius
Vida e Consciência
(1997)



O Homem Cordial e Outras Histórias
Antonio Callado
Atica
(1993)



The Human Ear Canal
Eldon T. Perry M. D.
Arthur C. Curtis
(1957)



Exercitando Literatura - Exercícios Resolvidos
Geraldo Chacon
Flâmula
(2004)



Little Green Book of Getting Your Way
Jeffrey Gitomer
Financial Times Press
(2007)



Vida e Aventuras de Nicholas Nickleby- Vol- 2
Charles Dickens
José Olympio
(1957)



Psicologia Moderna
Antônio Xavier Teles
Ática
(1995)



De Repente, o Destino
Susan Fox; Julio de Andrade Filho
Unica
(2013)



Poemas Com Ternura Messiânica
Walter de Bessa Teixeira
Gráfica Ed. Vitória
(2008)





busca | avançada
56138 visitas/dia
1,8 milhão/mês