Digestivo nº 376 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
83024 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
>>> Selo Anonimato Records chega ao mercado fonográfico em agosto
>>> Última semana! Peça “O Cão de Kafka” fica em cartaz até 1º de agosto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Nem cobra, nem aranha: peçonhenta é a burocracia
>>> Amores & Arte de Amar, de Ovídio
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Delírio eleitoral gratuito
>>> Minha história com Guimarães Rosa
>>> Abismos literários
>>> 18 de Agosto #digestivo10anos
>>> Amor platônico
Mais Recentes
>>> Autografado - Somos os Mortos (novela) 2ª Edição de Dirceu Quintanilha pela Fontana (1980)
>>> Fundamentación Egológica de La Teoria General del Derecho de Antonio Luiz Machado Neto pela Universitária Buenos Aires (1974)
>>> Sentença e Coisa Julgada: Exegese do Código de P C Arts 444 - 445 de Egas Moniz de Aragão pela Aide (1992)
>>> O Desenvolvimento da Criança e do Adolescente Segundo Piaget de Anália Rodrigues de Faria pela Ática (1989)
>>> Repensando a Leitura na Escola: um Outro Mosaico de Maurício da Silva pela Eduff (1995)
>>> O Livro do Seminário: Ensaios - Bienal Nestlé de Literatura Brasileira de Santanna; Nunes; Lucas; César; Barbosa; Merquior pela L R Editores (1983)
>>> Os Universos da Crítica: Paradigmas nos Estudos Literários de Eduardo Prado Coelho pela Edições 70 (1987)
>>> A Correspondência de Fradique Mendes (de Acordo Com a Primeira Edição) de Eça de Queiroz pela Livros do Brasil
>>> O Pêndulo de Foucault 6ª Edição (volume Único) de Umberto Eco pela Record (1995)
>>> Tempos da Literatura Brasileira - Série Princípios 3ª Edição de Benjamin Abdala Junior; Samira Youssef Campedelli pela Ática (1990)
>>> You are a Bad Ass (manchas de Umidade) de Jen Sincero pela Running Press (2013)
>>> I Encontro de Professores de Literaturas Africanas de Língua Portugues de Pós-graduação Em Letras da Uff (anais) pela Uff (1991)
>>> Poesia Erótica e Satírica: a Orgia dos Duendes Elixir do Pajé de Bernardo Guimarães (organização de Duda Machado) pela Imago (1992)
>>> O País de Bissalanka - Poema - Colecção Vozes do Mundo de Costa Andrade pela Sá da Costa (1980)
>>> Novas Lições de Análise Sintática - Série Princípios 6ª Edição de Adriano da Gama Kury pela Ática (1993)
>>> Problemas de Linguística Descritiva 16ª Edição de Joaquim Mattoso Camara Jr pela Vozes (1997)
>>> Estrutura da Língua Portuguesa 26ª Edição de Joaquim Mattoso Camara Jr pela Vozes (1997)
>>> Oralidades & Escritas Nas Literaturas Africanas de Ana Mafalda Leite pela Colibri (1998)
>>> Autismo: Um Olhar Por Inteiro de Varios Autores pela Literare Books (2021)
>>> Refém do Medo de Suzana Lyra pela Literare Books (2021)
>>> O segredo da mentalidade judaica de Rabino Dor Leon Attar pela Literare Books (2021)
>>> Valida-te de Tatiane de Sá Manduca pela Literare Books (2021)
>>> A Mamãe coaching de Iara Mastine pela Literare Books (2018)
>>> Comunicação Assertiva de Varios Autores pela Literare Books (2021)
>>> Bíblia Sagrada Nova Versão Transformadora de Equipe Nvt pela Mundo Cristão (2016)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 8/8/2008
Digestivo nº 376
Julio Daio Borges

+ de 1500 Acessos




Cinema >>> Sangue Negro, com Daniel Day-Lewis
Chamado de obra-prima pra cima, Sangue Negro (um bom título para o filme, mas não uma boa tradução para There Will Be Blood, 2007) é uma história sobre a ganância, quando o único limite é o fim da vida. Construir um império é construir algo contra a mediocridade reinante? É construir apesar dos obstáculos, apesar da ignorância, apesar da crendice, acumulando ódio e desconfiança no caminho? É passar, primeiro, por cima da família; depois, por cima do que resta da família; e, por último, do que resta da própria descendência? É tornar-se resistente, depois insensível e, por último, desumano? Grandes obras e grandes legados foram construídos com uma certa dose de horror à humanidade? E, por causa disso, com uma grande dose de autodestruição no final? Essas e outras perguntas sem resposta não dão conta da complexidade do caráter do personagem de Daniel Day-Lewis. Uma grande conquista tem com "preço justo" perder a alma pelo caminho? Paul Thomas Anderson, que escreveu o roteiro, dirigiu e produziu o filme, já havia habilmente confundido o público com Magnolia, e já havia deixado o convencionalismo de lado em Boogie Nights. Paul "Little Miss Sunshine" Dano surpreende como negociador, depois como pastor e, por último, como oponente no derradeiro duelo contra Day-Lewis. (Reza a lenda que a participação de Dano seria breve, mas o ator escalado anteriormente para papel de pastor não agüentou os arroubos de Lewis, que encarnava Daniel Plainview dentro e fora do set.) A trilha é outro dos pontos altos, sendo Anderson um fã de Radiohead, tendo conseguido convidar ainda Jonny Greenwood para compor, e misturando tudo com Brahms e Arvo Pärt. Sangue Negro não é fácil de digerir — mas a vida também não é, e nem por isso desistimos. [Comente esta Nota]
>>> Sangue Negro
 



Imprensa >>> Revista Meio Digital
Publicações de internet vieram e se foram, na época pré-Bolha da Web 1.0. Mas, com a ascensão da Web 2.0, até as revistas em papel sobre internet começaram a voltar no Brasil. Um caso interessante é o da Meio Digital, do Grupo M&M (do jornal Meio&Mensagem), que completou um ano em seis edições bimestrais. Meio fluorescente nas cores, em formato "mais para quadrado" (tipo a Bravo!), a revista tem uma "pegada" mais publicitária, no estilo M&M, mas é mais ousada que a maioria das revistas e dos jornais falando sobre internet. Surfando na onda dos blogs brasileiros como "mídia social", por exemplo, fez uma matéria intimando, corajosamente, o mundo corporativo a blogar. Apostou, como ninguém, nas agências digitais e retratou, ineditamente, o interior da Glue, segundo eles a mais criativa do mercado inglês (parece mesmo). Nas notas se antecipou até à soi-disant(e) "cobertura diária" dos portais, saudando a entrada do Wal-Mart (quem diria) no mercado de classificados on-line; dando atenção à previsão apocalíptica de Jeffrey Lindsay, quando só restarão Google e Amazon ("Googlezon"; até parece...); e anunciando a chegada do Don't Panic — "balada, arte e mídia jovem" — no nosso País. Provavelmente ultrapassando, inclusive, a Folha e seu caderno "Jovem" (no fim de julho), a Meio Digital explorou — como nem o Valor Econômico — o impacto das classes C e D na Web brasileira. Fechando a revista com o sempre instigante Luli Radfahrer: "A comunicação mudou. Já a propaganda..." (continua estacionada nos anos 50...). Quando publicações com maior foco em resultados recomeçam a abordar a WWW do Brasil, é sinal de que atingimos um outro patamar em termos de maturidade. O estabelecimento da Meio Digital talvez seja uma indicação de crescimento nesse sentido. Se for, fica a torcida para que permaneça e seja lida. [Comente esta Nota]
>>> Revista Meio Digital
 



Música >>> Outra Praia, de Swami Jr.
Muitos discos de estréia hoje são discos de muitas participações. Músicos com uma carreira consolidada no seu instrumento, por exemplo, capitalizam sua presença em vários projetos recrutando estrelas que, volta e meia, acompanharam. Parece ser o caso de Swami Jr. em seu disco solo de estréia, Outra Praia, recheado com uma verdadeira constelação da MPB contemporânea. Embora instrumentalmente o disco seja homogêneo, os convidados variam e, talvez por isso, o saldo acabe indefinido (apesar de todo o requinte). Zeca Baleiro, para começar, brilha em "Duas Ilhas", lembrando Jards Macalé (o melhor Macao). Vanessa da Matta, sem exagero, está em um dos seus melhores momentos, com "Livrai-me". Já Marcelo Pretto começa engraçadinho emulando Ed Motta (e suas vocalises) em "Bom Dia", mas não segura tanto a onda. Zélia Duncan, invariavelmente brilhante nessas ocasiões, tropeça em verbos irregularíssimos como "mulherando" e "sozinhando". Luciana Alves está OK quando se aproxima de Nina Becker, da Orquestra Imperial (em "O Tempo de um Samba"); mas não parece suficientemente madura para encarar uma influência de Leila Pinheiro (diluída em "Dois"). Chico César nunca soou tão triste como em "Outra Praia" — ainda que sua desilusão se arraste desde De uns tempos pra cá (a ponto de recuperar o forte sotaque nordestino que havia perdido no início). O próprio Swami Jr. tem boa voz em "Vou na Vida", mas sua história de resignação com "o canto" é um pouco batida. A mesma Luciana Alves cresce mais para o final, soando sofisticada e aveludada em "Fim de Ano" e o álbum poderia perfeitamente se encerrar com a animada "Sul" — não fosse "Noites Assim" (mediana nas rimas) e "Já Volto Agora" (um apelo artificial à era Pagodinho). Outra Praia é bem acabado, mas, enfim, não se decide — pode chamar a atenção pelos nomes, mas não se firma em unidade como um verdadeiro disco. [Comente esta Nota]
>>> Outra Praia
 
>>> E NA CASA MÁRIO DE ANDRADE...

Depois do bem-sucedido ciclo "Encontros de Literatura" em Parceria com o Digestivo Cultural, a Casa Mário de Andrade convida os Leitores do site igualmente para sua programação de agosto de 2008: Oficina de Criação Literária, com Nelson de Oliveira; Workshop de Poesia Portuguesa Contemporânea, com Jorge Bastos; Ciclo de Estudos de Claude Lévi-Strauss, com Mariza Werneck; Rock e Mitologia, com Guilherme Kwasinski; e Contos de Amor do Século XIX, com Tereza Isabel de Carvalho. Consulte a Programação Completa. (Inscrições Gratuitas.)
 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Caminho Suave: Baralhinho Didático - 31ª Edição
Branca Alves de Lima
Caminho Suave
(2012)



Português Fcc
Décio Sena
Ferreira
(2007)



Curso Processual do Trabalho
Amauri Mascaro Nascimento
Saraiva
(2015)



Quem Disse Que Bruxa Tem de Ser Má?
Eliana Gomes Clementino
Madras
(2001)



Rumo à Liberdade (autografado)
Giselda Laporta Nicolelis
Moderna
(1991)



Como Agarrar Seu Amor pela Magia - 1ª Edição
Maria Helena Farelli
Pallas
(2002)



O Caminho Sombrio das Drogas e a Libertação do Espírito
Djalma Santos
Frei Luiz
(2012)



O Brasil Sob a Crise do Fordismo
Vitor Eduardo Schincariol
Ltce
(2007)



Viagem Vaga Música
Cecília Meireles
Nova Fronteira
(1982)



Na Terra do Crioulo Doido
Stanislaw Ponte Preta
Sabiá
(1968)





busca | avançada
83024 visitas/dia
2,4 milhões/mês