Digestivo nº 414 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
51744 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> O Buraco d’Oráculo leva dois espetáculos de seu repertório a praça em São Miguel Paulista
>>> Eleições 2022: Bolsonaro ganha no Nordeste e Lula no Sul e Sudeste, mas abstenções ganhará em todo o
>>> Paisagens Sonoras (1830-1880)
>>> III Seminário Sesc Etnicidades acontece no Sesc 24 de Maio nos dias 10, 11 e 12 de agosto.
>>> Longa nacional 'Dog Never Raised' estreia no 50º Festival de Gramado
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
>>> Leite, Coalhada e Queijo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Alive and Kicking 1997
>>> Da preguiça como método de trabalho
>>> O Uso do Twitter no Brasil
>>> Górgias, de Platão, por Daniel R.N. Lopes
>>> Brothers Gather Round
>>> Poesia em Fibonacci
>>> Freud pela Companhia das Letras
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> O novo sempre vem
Mais Recentes
>>> The Silent Passage de Gail Sheehy pela Random House (1992)
>>> The Undercover Economist de Tim Harford pela Random House (2007)
>>> Fruit Tree Island Hotshot Puzzles: Level 2 de Sue Arengo pela Oxford (2000)
>>> Livro - Você Quer Ser um Milionário? - Transforme Sua Pequena Empr... de Clate Mask Scott Martineau pela Universo dos Livros (2012)
>>> Organização do Ensino no Brasil de Romualdo Portela de Oliveira / Outros pela Xamá (2002)
>>> Ornitologia Brasileira Vol 2 de Helmut Sick pela Universidade de Brasília (1986)
>>> Five Dialogues de Plato pela Grube (1981)
>>> The Money Game de Adam Smith pela Random House
>>> Tinkers Island - Penguin Readers de Stephen Rabley pela Pearson Elt (2008)
>>> Livro - um Sonho Americano de Norman Mailer pela Civilização Brasileira (1966)
>>> O livro da loucura e das curas de Regina 'O Melveny pela No Conceito (2013)
>>> Direito Processual do Trabalho: Doutrina e prática forense 27ª edição. de Sergio Pinto Martins pela Atlas (2007)
>>> Direito Processual do Trabalho: Doutrina e prática forense 27ª edição. de Sergio Pinto Martins pela Atlas (2007)
>>> Dicionário Jurídico - Academia Brasileira de Letras Jurídicas 9ª edição. de J M Othon Sidou org pela Forense Universitária (2004)
>>> O código gaudi de Esteban Martin e Andreu Carranza pela Record (2009)
>>> A rainha do castelo de ar/ Millennium 3 de Stieg Larsson pela Companhia das Letras (2009)
>>> American Life (level 2) de Vários Autores pela Pearson
>>> American Life de Vários Autores pela Pearson
>>> A menina que brincava com fogo/ Millennium 2 de Stieg Larsson pela Companhia das Letras (2009)
>>> Mais um drinque/uma história de amor dos anos 90 de Kate Christensen pela Ediouro (2000)
>>> Martina Em Movimento de Flávia Bolaffi pela Quelonio (2018)
>>> Tensão máxima de Suzanne Brockmann pela Landscape (2005)
>>> O anel/ A herança do último templário de Jorge Molist pela Planeta (2005)
>>> Comentários à Nova Lei de Falências e de Recuperação de Empresas 5ª edição. de Fábio Ulhoa Coelho pela Saraiva (2008)
>>> Volume 1 Curso de Direito Penal Brasileiro Parte Geral 3ª edição. arts 1º a 120 de Luiz Regis Prado pela Revista dos Tribunais (2002)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 8/5/2009
Digestivo nº 414
Julio Daio Borges

+ de 2600 Acessos




Imprensa >>> Um golpe na economia da colaboração
Um dos assuntos preferidos da internet, nos últimos tempos, tem sido a crise dos jornais, seus muitos prejuízos, sua obsolescência programada e, fatalmente, seu desaparecimento. Foi, portanto, inesperado o recente golpe de Farhad Manjoo, colunista da Slate, sobre um dos pilares do jornalismo na internet, o "conteúdo colaborativo". Manjoo começa revelando que, embora estejamos cansados de ouvir sobre o mau desempenho das empresas jornalísticas tradicionais, um dos maiores prejuízos do nosso tempo é causado, justamente, pelo YouTube, site de compartilhamento de vídeos. Neste ano — calcula um relatório do banco Credit Suisse —, estão estimadas perdas ao redor de 470 milhões de dólares para o Google (que arrematou o YouTube em 2006). Assim o Boston Globe, por exemplo, cujas perdas ficarão em "apenas" 89 milhões de dólares em 2009, revela-se, subitamente, cinco vezes mais "lucrativo" que o YouTube. Manjoo prossegue no seu raciocínio: assim como os jornais têm de pagar caro para derrubar árvores e fazê-las circular em forma de notícia, o YouTube tem de pagar caríssimo por uma conexão pantagruélica de internet, para estocar e entregar seus vídeos — em suma, ambos correm atrás de anunciantes fugidios que banquem seus custos proibitivos de armazenamento e logística. Em citação a Benjamin Wayne — presidente de um dos concorrentes do YouTube —, Manjoo igualmente afirma que nem o Google, com suas receitas mirabolantes, tem como sustentar uma empresa que perde quase meio-bilhão de dólares/ano. Farhad Manjoo, para piorar, considera que o YouTube é só a ponta do iceberg da economia do "conteúdo gerado pelo usuário" (locomotiva da famosa Web 2.0). Por mais que as práticas colaborativas tenham revolucionado ambientes como o da política nos Estados Unidos e áreas do conhecimento como o enciclopedismo, sites como a Wikipedia e Twitter não geram ainda ganhos proporcionais ao barulho que fazem. A justificativa de Manjoo para essa contradição é simples: anunciantes não se sentem à vontade em veicular seus produtos e marcas ao lado de textos, fotos e vídeos "artesanais" ou "caseiros"; sendo que os maiores sucessos de audiência, pelo menos em matéria de vídeos (os conhecidos "virais"), são, além de os mais caros de manter (porque os mais acessados), os mais constrangedores nos quais se anunciar — a ponto de o YouTube só conseguir vender publicidade para menos de 10% de seu acervo. E o Facebook segue na mesma linha: de acordo com o indefectível TechCrunch, a maior rede social do mundo gastava, no último levantamento, nada mais nada menos que 1 milhão de dólares mensais só de eletricidade, 500 mil dólares mensais em conexão de internet e mais de 2 milhões de dólares por semana em novos servidores (para dar conta das quase 1 bilhão de fotos postadas por seus usuários todo mês). Farhad Manjoo conclui — para enterrar as últimas esperanças do jornalismo colaborativo — que os internautas, atualmente, pagam é pelo velho conteúdo gerado por profissionais. Entre os quais: música vendida através do iTunes e assinaturas on-line do Wall Street Journal. Sem contar o Hulu (outro concorrente do YouTube), que veicula filmes e séries de TV, e que parece estar ensinando ao todo-poderoso Google como atrair anunciantes numa proporção muito mais interessante. Farhad, por fim, admite que o "conteúdo gerado pelo usuário" transformou definitivamente o mundo — mas é pena que ninguém ainda tenha descoberto um jeito de ganhar dinheiro com ele... [4 Comentário(s)]
>>> Do You Think Bandwidth Grows on Trees?
 



Cinema >>> O Escafandro e a Borboleta, com Mathieu Amalric
Se você escreve e reclama de falta de tempo ou inspiração, depois de assistir a O Escafandro e a Borboleta, filme de Julian Schnabel, vai perceber que está reclamando de barriga cheia. O longa se baseia no livro que o ex-editor-executivo da revista Elle compôs depois de sofrer um forte derrame e ficar totalmente paralisado, com exceção de alguns movimentos da cabeça e da pálpebra do olho direito. Sofrendo da síndrome de "locked-in", Jean-Dominique Bauby saiu de um coma de 20 dias para acordar "prisioneiro do próprio corpo", sem conseguir engolir, falar ou articular gestos simples que lhe permitissem uma comunicação mínima com o mundo exterior. Graças à paciência de médicos e outros profissionais da área de saúde que o atenderam, Bauby aprendeu a se comunicar apenas piscando o olho direito. Enquanto alguém pronunciava as letras do alfabeto para ele — da mais frequente, na língua francesa, para a menos frequente —, Bauby ia piscando até compor cada palavra, cada frase, cada parágrafo. O livro, com suas memórias antes e depois do hospital, demorou dez meses para ser composto. Foram necessárias, aproximadamente, 200 mil piscadas de seu olho direito; e a média do tempo para formar cada palavra, nesse processo, foi de 2 minutos. O Escafandro e a Borboleta, o volume lançado em março de 1997 na França, vendeu 150 mil cópias na primeira semana e tornou-se, igualmente, um best-seller através da Europa. Jean-Dominique Bauby, no entanto, não pôde desfrutar do sucesso de sua obra, pois veio a falecer apenas dois dias depois da publicação, de pneumonia. No filme, Mathieu Amalric (que fez, recentemente, o vilão do último 007) está exemplar no papel, permitindo a Schnabel injetar uma certa dose de ironia, no dia a dia trágico do personagem, beirando, inclusive, o humor negro. O Escafandro e a Borboleta, no fim das contas, é uma grande história de superação — para quem escreve e para quem não escreve. [Comente esta Nota]
>>> O Escafandro e a Borboleta
 



Internet >>> Web 2.0 e Blogging Heroes, da Digerati Books
A Web 2.0 fez cinco anos recentemente e mereceu keynote especial de seu inventor, Tim O'Reilly. Na verdade, a Web 2.0 se incorporou de tal forma ao universo virtual que acabou se tornando... a própria Web. Mas, para quem não se lembra de todo o trabalho desenvolvido até aqui, a Digerati lançou Web 2.0 Heroes, de Bradley L. Jones, cheio de entrevistas com os principais protagonistas da penúltima revolução da internet (a última é o Twitter). Tem Gina Bianchini, do Ning; Patrick Crane, do LinkedIn; Biz Stone (de novo), do Twitter; Joshua Schachter, do Delicious; e Garret Camp, do StumbleUpon, entre outros. Faltam personagens essenciais, por exemplo, do Flickr, do Facebook e do YouTube, mas Web 2.0 se impõe, ainda assim, como um livro fundamental - principalmente no Brasil, onde, muitas vezes, nem os blogs foram bem compreendidos. Jones é meticuloso nos seus questionamentos, embora às vezes perca um certo tempo com a "definição" de Web 2.0 (que, definitivamente, nunca foi muito importante). Complementando Web 2.0, a Digerati, ao mesmo tempo, lançou Blogging Heroes, de Michael A. Banks. E, apesar de a blogosfera ser mais velha e ter sido mais explorada, continua rendendo bastante assunto - novamente, no Brasil, cuja explosão dos blogs, em grande escala, foi bem mais tardia. Em Blogging Heroes, estão: Chris "The Long Tail" Anderson; Gina "Lifehacker" Trapani; Mary Jo "All about Microsoft" Foley; Frank "PostSecret" Warren; Mark "BoingBoing.net" Frauenfelder; Peter "Engadget" Rojas; Ken "Ars Technica" Fisher; e Richard "ReadWriteWeb" MacManus, entre muitos outros. Tanto Web 2.0 quanto Blogging Heroes fornecem uma contraponto interessante a Founders at Work, de Jessica Livingston, que está na iminência de sair traduzido no Brasil. Aliás, a tradução da Digerati não é perfeita, mas a iniciativa de trazer essa discussão para a internet BR é louvável, sobretudo quando a crise dos jornais se avizinha e a velha mídia procura, na internet, uma saída. [Comente esta Nota]
>>> Web 2.0 Heroes | Blogging Heroes
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um novo dia para amar
Célia Xavier De Camargo
Petit
(2016)



A Inspetora e o Caso dos Automóveis
Santos de Oliveira
Ediouro



O Antigo Segredo da Flor da Vida - Volume 1
Drunvalo Melchizedek
Pensamento
(2009)



A Coruja do Bosque
Roberto Alves de Toledo
Do Autor
(1991)



Desenvolvimento do Adoslecente
Elizabeth B Hurlock
Mcgrawhill
(1979)



The Descent of Woman
Elaine Morgan
Souvenir Press
(1972)



Ilusoes Perdidas - Vol. 01 (Capa dura)
Honoré de Balzac
Abril
(2010)



O Espelho dos Nomes
Marcos Bagno
Ática
(2005)



Melhor que comprar sapatos
Cristiane Cardoso
Unipro
(2014)



A Vida do Ives Ota o Mensageiro da Paz
Iolanda Keiko Ota; Masataka Ota
Do Autor
(1999)





busca | avançada
51744 visitas/dia
2,0 milhão/mês