Digestivo nº 455 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
54101 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 14ª Visões Urbanas tem Urbaninhas com quatro espetáculos para crianças
>>> Visões Urbanas permanece online em sua 14ª edição
>>> Ensaios Perversos traz papo cabeça com drag, performances e festa pra dançar
>>> Chega a São Paulo projeto cultural que vai levar teatro a crianças de seis estados
>>> Clube do Disco - Os Saltimbancos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Dia do Rock em São Paulo
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Debret e o Brasil, pela editora Capivara
>>> Lula e o Mensalão Cultural
>>> Vascaíno vota em vascaíno
>>> I’ve been up, I’ve been down
>>> Colunismo em 2005
>>> O Brasil não é a Seleção Brasileira
>>> Jean Baudrillard
>>> Anotações durante o incêndio
Mais Recentes
>>> O que Deus tem de Melhor para a Minha Vida de Lloyd John Ogilvie pela Vida (1990)
>>> Introdução à sociologia de Armand Cuvillier pela Companhia Nacional (1966)
>>> Sob o Signo de Gêmeos de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasil (1998)
>>> A Noite do Miraj de Zoe Ferraris pela Record (2009)
>>> The Husband de Dean Koontz pela Bantam Books (2011)
>>> Ramsés - A Batalha de Kadesh de Christian Jacq pela Bertrans Brasil (1999)
>>> Questão do Coração de Emily Giffin pela Novo Conceito (2011)
>>> A Morte Do Super Homem + Retorno do Super Homem Vol. 1-2-3 - Total 4 Und - Hq de Varios pela Dc (1995)
>>> Rebelião de Lúcifer de J. J. Benítez pela Mercuryo (1988)
>>> A Verdadeira História do Fuscão Preto de José Braz / Mariel pela Viseu (2018)
>>> O Crepúsculo do Macho de Fernando Gabeira pela Codecri (1980)
>>> Modern Portuguese-English/English-Portuguese Dictionary de Elbert L - Maria de Lourdes e Milton Sá pela David McKay (1943)
>>> Mémoires interrompus de François Mitterrand pela Odile Jacob (1996)
>>> Como lidar com pessoas dificeis de Alan houel e christian godefroy pela Madras (2011)
>>> Spektro A Revista Do Terror Nr 7 - Macumba e mais 13 historias pavorosas de Shimamoto pela Vecchi (1978)
>>> Liquid Gold dessert Wines of the World de Stephen Brook pela Beech Tree Books (1987)
>>> Calafrio H.Q De Terror Em Nova Dimensão - Volume 5 - Hq O Homem Na Multidão de Edgar A. Poe pela D Arte (1982)
>>> As Aventuras Da Liga Extraordinaria Nr - hq de Alan Moore e Kevin O Neill pela Pandora Book (2001)
>>> Física 1 - Mecânica da Partícula e dos Corpos Rígidos de Sears - Zemansky - Young pela Livros Tecnicos e Cientificos (1985)
>>> Cripta Do Terror - Numero 1 - Hq de Varios pela Record (1991)
>>> Gibi De Ouro Os Classicos Dos Quadrinhos Completo - 6 Volumes - Hq de Varios pela Rge (1985)
>>> Super Homem - Funeral Para Um Amigo - 4 Volumes Completa -Hq de Dan Jurgens pela Abril Jovem (1997)
>>> Na Luz da Verdade - Vol. 3 de Abdruschin pela Ordem do graal na terra (1980)
>>> Cripta Do Terror - Numero 3 - Hq de Varios pela Record (1991)
>>> A Moreninha de Joaquim Manuel de Macedo pela Tecnoprint (1980)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 26/2/2010
Digestivo nº 455
Julio Daio Borges

+ de 1600 Acessos




Internet >>> The Accidental Billionaires, de Ben Mezrich
Quem se deslumbrou com o Facebook, ficou paparicando Mark Zuckerberg à distância e não podia perder nenhum um segundo do "Zuckerberg day" no Brasil, deveria ler Accidental Billionaires, de Ben Mezrich. O mesmo autor do espetacular Quebrando a Banca — sobre os geniozinhos do MIT que venceram Las Vegas — resolveu se debruçar sobre a criação do Facebook, a maior rede social do mundo, e escreveu um romance de final "não [muito] feliz"... Uma curiosidade para nós, brasileiros, é que sua principal "fonte" foi Eduardo Saverin, um carioca cujo pai foi transferido para Miami, quando ele tinha 13 anos, e que terminou indo estudar em Harvard, participando dos early days do Facebook e sendo "diluído", como sócio, por Mark Zuckerberg. Disputas de paternidade, de empreendimentos bem-sucedidos, sempre existiram — mas, por mais que a versão seja parcial, terminamos o livro (apenas disponível no Brasil em formato Kindle) com uma sensação, no mínimo, esquisita. Mezrich não questiona o gênio de Zuckerberg — afinal de contas, o primeiro bilionário da História aos 25 anos... Contudo, onde há fumaça, há fogo... Segundo a história, Zuckerberg teria "se inspirado" num outro site ainda em projeto, o Harvard Connection — e teria forjado o Facebook depois de marcar uma reunião com seus fundadores, mergulhar no código fonte e, quando a inspiração se tornou inescapável, correr de telefonemas, e-mails e demais comunicações... Vale dizer que hoje — com o Facebook valendo bilhões — Zuckerberg entrou num "acordo" com os fundadores do Harvard Connection de mais de 50 milhões de dólares... Eduardo Saverin, por sua vez, ganhou finalmente crédito como co-fundador (também depois de anos); porém, continua, na justiça, brigando... (tinha 30% quando tudo começou). Felizmente, nem só de fofocas e histórias tristes é composto Accidental Billionaires. Não tão bem escrito quanto Quebrando a Banca, ainda assim registra cenas impagáveis, principalmente para profissionais ligados à internet ou simples entusiastas: Zuckerberg programando noites afora; o sucesso inicial em Harvard; a adoção imediata na Ivy League; a mudança para a Califórnia; a palestra de Bill Gates que o fez desistir de Harvard; a entrada de Sean Parker (do Napster e do Plaxo); o encontro com Peter Thiel, o angel investor... A ascensão é vertiginosa e nem parece que ela aconteceu debaixo dos nossos narizes (de 2004 pra cá)... Tanto que vai virar filme. Accidental Billionaires é quase um thriller. Se não fosse "vida real", ninguém acreditaria... [Comente esta Nota]
>>> The Accidental Billionaires
 



Além do Mais >>> O Iconoclasta, de Gregory Berns
Muita gente queria ter inventado o iPod, mas nem todo mundo teria a mesma coragem do gênio da Apple. Gregory Berns, pioneiro da "neuroeconomia", escreveu Iconoclasta (Record), para mostrar que uma ideia, só, não basta. "Iconoclasta", a palavra, vem do grego e significa, literalmente, "destruidor de ícones". O iconoclasta bem-sucedido, segundo Berns, precisa de, no mínimo, três características. Primeiro, precisa de uma percepção diferente. O iconoclasta não vê, apenas, as coisas como elas são, mas como elas podem ser. E, para enxergar diferente, é preciso "sair da rotina" - é preciso alimentar-se de informações novas. O iconoclasta é um inovador. O iconoclasta é um contestador, o iconoclasta, como diz o autor, se orgulha da sua "não conformidade" - e o iconoclasta, como Richard Feynman, tem "uma indisposição [natural] para aceitar qualquer afirmação de autoridade". O iconoclasta é um rebelde, em suma. Segundo: ele não deve ter medo. A maioria das pessoas sofre ou de "medo da incerteza" ou de "medo do ridículo". O iconoclasta tem outro "padrão" de risco. Ele usa essa fonte natural de stress, o medo, em benefício próprio - e converte-o numa oportunidade, para descobrir algo novo. O iconoclasta não tem medo de falhar, pois, como diz a frase de Burt Rutan (evocando Henry Ford): "O teste leva ao fracasso, e o fracasso à compreensão". O iconoclasta tem aquela sensação (nas palavras do autor): "Se eu não fizer, ninguém mais fará". O iconoclasta não teme as consequências físicas, sociais, legais e, principalmente, financeiras. Terceiro (e último): ele precisa ter "inteligência social". Entre as "pessoas inovadoras" e as "pessoas imitadoras", frequentemente, existe uma distância. E o iconoclasta precisa de "conectores" - ou precisa ser um "conector" ele próprio; ou, até, fabricar seus "conectores". As pessoas comuns precisam de algo familiar para aceitar uma ideia nova. E quem vai produzir essa "familiaridade" são os conectores. É a diferença entre Van Gogh, o gênio que se suicidou, e Picasso, o gênio que conquistou o mundo. É - se você quiser - a diferença entre o "gênio verdadeiro" e o tal "gênio incompreendido"... Gregory Berns estudou iconoclastas desde Walt Disney até Warren Buffett, desde Martin Luther King Jr. até o nosso Steve Jobs (que, voilà, se tornou um ícone). Seu livro é delicioso, tem a "duração" ideal e deveria ser obrigatório para quem quer evitar - como sabiamente profetizou Nietzsche - o "espírito de rebanho"... [2 Comentário(s)]
>>> O Iconoclasta
 



Internet >>> The Future of the Internet, de Jonathan Zittrain
A discussão sobre a Apple querer controlar a Web, ou construir uma nova rede a partir de iPads, não é original. Remonta ao lançamento do iPhone, e a um livro que já aprofundava essas questões em 2008, The Future of the Internet — And How to Stop It, de Jonathan Zittrain. Advogado, professor de Oxford e também ligado a Harvard, Zittrain escreveu uma "introdução" em que diz tudo: Steve Jobs foi responsável pela revolução dos computadores pessoais, no final da década de 70, mas, nos anos 2000, era o mesmo sujeito que ansiava por fiscalizar (e taxar) os aplicativos para o iPhone. Zittrain argumenta que os computadores pessoais (ou PCs, em inglês), combinados com a internet, permitiram uma infinidade de aplicações desde as planilhas eletrônicas (o VisiCalc é de 1979) até a Web 2.0 (embora ele tema que alguém possa vir a controlar essa plataforma — o Google?). Se os PCs têm bugs, a rede traz vírus e Web está sujeita a invasões de hackers, por outro lado, essa mesma "abertura" deu origem a sistemas operacionais como o Linux, a verdadeiros movimentos como o do "software livre" e a monumentos da colaboração como a Wikipedia. Aliás, a história da enciclopédia on-line — contada por Zittrain — é uma das melhores até agora, segundo o próprio fundador, Jimmy "Jimbo" Wales. Bill Gates e a Microsoft podem ter sido identificados com o "mal" por terem dominado o mundo com o Windows durante décadas, mas Jonathan Zittrain não acha que Steve Jobs seja, exatamente, "bonzinho" — quando deseja restringir o acesso à sua plataforma e "cobrar", dos desenvolvedores, uma fração de tudo o que "roda" em iPhones (e, em breve, iPads). E quando o Google fez sua IPO e lançou seu mantra "Don't be evil", era, naturalmente, à Microsoft que estava se referindo — mas o mundo nem sempre parou para pensar o quanto de informações pessoais o Google já detém... O livro de Zittrain é melhor no começo do que no final, e sua estrutura circular cansa um pouco, mas sua tese continua válida — sobretudo num mundo em que o iPhone vai se tornando o celular dominante e em que o iPad já acena no horizonte... [1 Comentário(s)]
>>> The Future of the Internet — And How to Stop It
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Conversas Com Joao Carlos Martins
David Dubal
Green Forest do Brasil
(1999)



Defensoria Publica - Lei e Normas
Jair Lot Vieira
Edipro
(2010)



13 dos Melhores Contos de Amor da Literatura Brasileira
Rosa Amanda Strausz
Ediouro
(2007)



Ciências Humanas e Filosofia: o Que é Sociologia?
Lucien Goldmann
Difel
(1980)



Diretas Já
Henfil
Record
(1984)



O Cordeiro Que Não Queria Ser Cordeiro
Jean Didier
Wmf Martins Fontes
(2006)



Sempreviva
Antonio Callado
Nova Fronteira
(1981)



... E Padre Pio disse - uma frase de Padre Pio por dia
Rosangela Paciello Pupo
Loyola
(2004)



Español Buen Trabajo - Cuaderno de Actividades
Santiago Daniel Bernal Sanabria e Outro
Yes Idiomas



O Segredo da Segunda Lua
Aluízio Lodi

(1990)





busca | avançada
54101 visitas/dia
1,8 milhão/mês