Digestivo nº 51 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
70622 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
>>> Designer e arquiteto brasileiro, Giovanni Vannucchi participa da VIIBienal Ibero-americana de Design
>>> Risorama anuncia retorno aos palcos com grandes nomes do humor nacional em São Paulo
>>> Inspirado nas Living Dolls, espetáculo de Dan Nakagawa tem Helena Ignez como atriz convidada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aquele apoio
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Pouca gente sabe
>>> O chilique do cabeleireiro diante da modelo
>>> Paradiso por Metheny
>>> A nova propaganda anda ruim
>>> A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda
>>> Manual para o leitor de transporte público
>>> Ganha-pão
>>> Comunicação: conselhos para (jovens) pesquisadores
Mais Recentes
>>> Coleção Sinopses para concursos, v.7 - processo penal de Leonardo Barreto Moreira Alves pela Juspodivm (2014)
>>> A Escrita ou a Vida de Jorge Semprun pela Companhia das Letras (1995)
>>> Ante os Tempos Novos - Espirita de Suely Caldas Schubert pela Leal (2016)
>>> Modelagem matemática do controle biológico da mosca-das-frutas por parasitoide na fruticultura brasileira de Viviane de Lima Noronha, Carlos Eduardo de Souza Rodrigues, Rosana da Paz Ferreira e Tainara Miranda Campos pela Brazil Publishing (2020)
>>> Urdiduras: Memorial de Inês A. Castro Teixeira de Inês Assunção de Castro Teixeira pela Brazil Publishing (2020)
>>> Uma fera sempre à espreita – o que é fantasia em Freud de Ronaldo Manzi pela Brazil Publishing (2020)
>>> National Geographic Brasil Nº 224 de Diversos Autores pela National Geographic (2018)
>>> Esaú e Jacó / Memorial de Aires de Machado de Assis pela Nova Cultural (2003)
>>> National Geographic Brasil Nº 225 de Diversos Autores pela National Geographic (2018)
>>> Montaigne - Os Pensadores de Michel de Montaigne pela Nova Cultural (2004)
>>> National Geographic Brasil Nº 218 de Diversos Autores pela National Geographic (2018)
>>> Sociologia do sobrenatural de Luigi Sturzo pela Aster, Casa do castelo (1960)
>>> Do direito natural á sociologia de Jacques Leclercq pela Duas cidades
>>> Ciência x Espiritualidade de Chopra e mlodinow pela Sextante (2018)
>>> Ciência x Espiritualidade de Chopra e mlodinow pela Sextante (2018)
>>> Desvendando os Segredos da Linguagem Corporal de Allan Pease & Barbara Pease pela Sextante (2004)
>>> O Gerente Minuto de Kenneth Blanchard & Spencer Johnson pela Record (1981)
>>> Contabilidade Geral: Teoria e mais de 1.000 questões de Ed Luiz Ferrari pela Impetus (2013)
>>> Aulas de Direito Constitucional para Concursos de Vicente Paulo; Marcelo Alexandrino; Frederico Dias pela Método (2012)
>>> Finanças Públicas: Teoria e Prática no Brasil de Fabio Giambiagi; Ana Cláudia Além pela Elsevier (2011)
>>> Genética: Texto e Atlas de Eberhard Passarge pela Artmed (2004)
>>> Gestão por Processos: Uma Abordagem da Moderna Administração de José Osvaldo de Sordi pela Saraiva (2008)
>>> Gestão de Contratos: Melhores Práticas Voltadas aos Contratos Empresariais de Walter Freitas pela Atlas (2009)
>>> Desafios eclesiais e missionários da cooperação de Israel Batista (org) pela Sinodal (2007)
>>> Marketing de A a Z de Philip Kotler pela Campus (2003)
>>> Contos de Fadas e Suas Versões Originais - Sem Censura de Marina Avila (org.) pela Wish (2016)
>>> Cuidando de quem cuida de Roseli M. kuhnrich de Oliveira pela Sinodal (2007)
>>> Marketing 4.0 - do tradicional ao digital de Philip Kotler pela Sextante (2017)
>>> Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley pela Globo (2001)
>>> Crer: informações sobre fé de Helmut Thilicke (cord). pela Sinodal /EST (2007)
>>> Com Açúcar, Com Afeto: Fiz Seu Poema Predileto de Danci Ramos pela Edigal (2009)
>>> Missão e evangelização na América Latina e Caribe de Nilton Giese (org) pela Sinodal (2012)
>>> Estratégia de Richard Luecke pela Record (2009)
>>> A Homeopatia e Você de Ernst Grimm pela Plus Saber (2001)
>>> Onde está Deus? de Jon Sobrino pela Sinodal (2020)
>>> Desafios da Educação Municipal de Donaldo Bello de Souza; Lia Ciomar Macedo de Faria pela DP&A (2003)
>>> Gerenciando mudança e transição de Mike Beer ( Org. ) pela Record (2003)
>>> Eu Sou Eternamente Livre: Ensinamentos dos Mestres Ascensionados de Luiz Carlos Silveira Dias Júnior pela Divina Presença (2008)
>>> O Que Acontece em Londres - Trilogia Bevelstoke Volume 2 de Julia Quinn pela Arqueiro (2020)
>>> A autoridade da bíblia de Gottfried Brakemeier pela Sinodal, CEBI (2014)
>>> Conectando: Ciência, Saúde e Espiritualidade Volume 1 de Carlos Eduardo Accioly Durgante pela Francisco Spinelli (2012)
>>> Tentação de Diethich Bonhoeffer pela Sinodal (2007)
>>> Hagakure de Yamamoto Tsunetomo pela Hunter Books (2014)
>>> Principio de igualdade de Wilson Engelmann pela Sinodal (2008)
>>> A Vida Como Ela É Para Cada Um de Nós: Em Busca do Eu-caleidoscópio de Denise Aerts; Christiane Ganzo pela Age (2008)
>>> Orientações para a vida de Hans Jochen Boecker pela Sinodal (2004)
>>> Martim Lutero de Ricardo Willy Rieth pela Sinodal (2007)
>>> Da Revolução Francesa até Nossos Dias: Um Olhar Histórico de Samara Feitosa pela Intersaberes (2016)
>>> Tomando Decisões de Richard Luecke pela Record (2009)
>>> A diplomacia na construção do brasil: 1750 - 2016 de Rubens Ricupero pela Versal Editores (2017)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 26/9/2001
Digestivo nº 51
Julio Daio Borges

+ de 1700 Acessos




Imprensa >>> Mais que cego em tiroteio
Quinze dias depois dos atentados ao Pentágono e ao World Trade Center, a Imprensa continua remexendo os escombros atrás de explicações e respostas. Dado o amontoado de bobagens, erros e imprecisões publicados mundialmente, já se fala em outro atentado à humanidade - e à inteligência. Não existe, porém, mistério no atual fenômeno. A opinião pública, a que mais pressiona os grandes cérebros atrás de soluções e esclarecimentos, acaba sendo a mais prejudicada e desorientada nessa história toda. Luís Fernando Veríssimo uma vez escreveu que se deveria trocar os astronautas por poetas e, numa visita hipotética à Lua, cobrar-lhes metáforas e frases de efeito a cada nova visão ou fato marcante. É mais ou menos o que se faz agora, com a diferença que os ases da pena no Ocidente ainda estão muito mal preparados para compreender o Oriente (pior até que o “astronauta inspirado” de Veríssimo, pisando na Lua pela primeira vez). Para começar, existe um horizonte de tempo diferente. Qualquer entrevista de Bin Laden remonta às Cruzadas, percorrendo milênios de História. Já o melhor jornalista da CNN tem como referência a Guerra do Golfo – recorrendo, quando muito, a Pearl Harbour (nem sempre com conhecimento de causa). Outro aspecto – por demais óbvio – é o religioso. Para os terroristas, Alá, o Alcorão e os profetas são como o pão-nosso-de-cada-dia. No Ocidente, ao contrário, fé, crenças, cultos são, antes de tudo, prova de debilidade mental, recorrente motivo de chacota. Por último, há o caráter “coletivista” dos orientais, que faz do indivíduo mero instrumento dentro de uma causa maior – coisa incompreensível para o homem pós-moderno, que só se solidariza em tragédias (como, aliás, esta). As coberturas e as análises ainda vão patinar e tropeçar muito – mas valerá à pena, um dia, como choque e aprendizado. [Comente esta Nota]
>>> Carta Capital
 



Gastronomia >>> O Conselheiro também come (e bebe)
O Nello's fica na rua Antonio Bicudo, em Pinheiros. É a cantina italiana comandada pelo célebre ator Nello de Rossi. O mesmo que, no Brasil, popularizou-se com a frase: "Mas que bonita camisa, Fernandinho!". (Fernando é um nome quase proibido na política, mas a exclamação se refere apenas a um comercial vinculado pela tevê há uns 15 anos atrás.) Gastronomicamente falando, o Nello's produz alguns dos pratos mais tradicionais e saborosos - por preços que, em São Paulo, são milagrosos. Um macarrão com molho de tomate e pequenas almôndegas, por exemplo, custa pouco mais de 10 reais; um carpaccio, com tempero autêntico, pouco mais de 5. Dentre as suas especialidades está o tartufo: coberto por uma camada branca, que lembra marshmallow, tem o recheio amolecido, que derrete na boca (não vem congelado, nem é difícil de mastigar). As paredes são forradas por posters de filmes, em que Nello atuou, ou que produziu ou dirigiu. Não muito raramente, ele aprece para contar as histórias do tempo em que era galã, das suas participações em A Festa (de Ugo Georgetti), e da direção que fez de Lúcia Veríssimo. Para ele, os franceses inventaram o cinema; os italianos, o longa; os brasileiros, a narrativa em computação gráfica. Tem muitos projetos para o futuro e garante que seus amigos de infância são influentes junto a "Sua Eccellenza" Silvio Berlusconi. A maneira quase quixotesca com que Nello acredita em si e nas possibilidades que virão é altamente entusiástica - um antídoto contra a apatia e a descrença na vida. Não se fazem mais italianos como antigamente. Nem cantinas. Pequenos quadros contêm as anotações de quem passou pelo restaurante e registrou suas impressões, enquanto prazerosamente matava a fome. O Nello's deveria entrar para os anais gastronômicos da cidade. É visitar antes que acabe. [Comente esta Nota]
>>> Nello's - R. Antônio Bicudo, 97 - Tel.: 3082-4365
 



Cinema >>> I see living people
Inteligência Artificial estreou, excepcionalmente, sem repercutir em campanhas publicitárias ou de merchandising (coisa dada como certa quando se trata de uma produção de Steven Spielberg). A aparente timidez ou "low profile" com que o filme foi lançado no Brasil (e no mundo, provavelmente), talvez se explique por uma peculiaridade bastante marcante. Inteligência Artificial acabou como um "crossover" entre o braço tecnológico de Steven Spielberg e o traço cruel no esboço original de Stanley Kubrick. É ao mesmo tempo a desgraça e a salvação do filme. Quem não gosta nem de um nem de outro, não devia nem tentar assistir porque, embora a sua forma final seja a de um "frankenstein", o longa ainda assim é extremamente autoral. A primeira parte e, portanto, a concepção (como já se disse) é puro Kubrick. O projeto de montar um robô que emule o comportamento e, principalmente, as emoções de uma criança é um iniciativa que não é estranha ao universo "desumano" do diretor de Laranja Mecânica. Dar vida própria e, em certa medida, "sentimentos" a esse andróide infante, para depois abandoná-lo e condená-lo à sina de um pinocchio do século XXI, não tem nada de Spielberg, mas tudo de Kubrick. É nesse ponto da história que o diretor de E.T. assume o timão. A pureza e a fantasia do garotinho que interpreta o mundo "feio e sujo" dos adultos faz-se presente em cada cena, culminando com o final, que é de um sentimentalismo desnecessário e extenuante. A questão aqui não é saber se Spielberg fez ou não jus ao legado de Kubrick. O último certamente previa que o primeiro conduziria a saga do robô-mirim, David, à sua maneira, ou seja, ressaltando o que havia de fabular e de "irreal" na história. O balanço é, portanto, positivo, para quem se dispõe a analisar as pegadas de Stanley e de Steven, mas não para quem está atrás de entretenimento puro (principalmente nestas épocas em que não é de bom tom falar no fim do mundo). [Comente esta Nota]
>>> A.I.
 



Música >>> Amanhã, só faço o que eu quiser
Foi maldade o que os resenhistas fizeram com Roberto Frejat, que recentemente se aventurou em carreira solo. Dezesseis anos depois da saída de Cazuza do Barão Vermelho, a banda ameaça desabar. Não por falta de inspiração ou pela repetição incessante de fórmulas, mas sim porque os seus líderes (remanescentes) não se entendem desde 1998, ou antes. Guto Goffi gravou Puro Êxtase a contragosto, classificando o CD (posteriormente em entrevistas) como um dos piores da discografia do Barão. Dada a verve descontraída (leia-se não-roqueira) que Frejat pretende imprimir daqui pra frente, os dois resolveram se separar, por tempo indeterminado. Voltando aos críticos, parece que eles não perdoaram as incursões aboleradas do ex-parceiro de Cazuza em “Amor pra Recomeçar”. De fato, em algumas passagens (principalmente aquelas em outras línguas), ele soa como a mais pura cafonália “latin lover”. Mas isso não basta para compremeter definitivamente a obra. O disco tem pulso e batida forte, como em, por exemplo, “Som e Fúria”; o disco tem violões e o peso dos blues, como em, por exemplo, “Quando o amor era medo” e “Homem não chora”; e o disco tem seu pendor sociológico e intelectualóide (para quem gosta), como em, por exemplo, “Mão-de-Obra Ilegal” e “Ela”. Tem ainda Cazuza (“Você se parece com todo mundo”) e Marisa Monte (“No escuro e vendo”). Em resumo, não pode ser tão ruim quanto pintam. E realmente, ouvindo, não é. Frejat - aquele sujeito correto, sistemático, “low-profile” - está aprendendo a ser menos modesto e a se impor como personalidade. Enquanto isso, Guto Goffi prepara algo, em aparições relâmpago, nos bastidores. O fãs da banda, em princípio, não perderam nada. [Comente esta Nota]
>>> Clique Music
 



Além do Mais >>> Ensaboa, mulata, ensaboa
Lush. Visto à distância, o símbolo oval, com letras que vão aumentando da esquerda para a direita, lembra um ícone dos anos 50, de super-herói, de história em quadrinhos. Mas não é nada disso. A loja, que de longe parece um armazém de secos e molhados, na verdade, vende produtos de beleza. Fresh handmade cosmetics - é o que diz o catálogo “Lush Times”. Um estabelecimento, no mínimo, curioso. Anacrônico, fora do tempo. Os sabonetes são vendidos em barra, em pleno shopping center. A vendedora corta uma “fatia” na hora, e cobra um valor que é proporcional ao peso. Explica a função de dezenas de tipos de sais de banho, em formato de laranja, que esfarelam na mão e têm um cheiro maravilhoso. Servem para todo o tipo de coisa: estresse, depressão, romance, mau-olhado. E todos os astros e estrelas (descolados) usam: o Leonardo de Caprio, por exemplo, adora uma massa que serve para massagem e é puro chocolate; já a Madonna adquiriu um líquido, que mais parece uma poção, e que promete acabar com a TPM; a Courtney Love e a Uma Thurman consomem a linha Lush, de olhos fechados, há décadas. Bem. É o que dizem as vendedoras. Mas não há que se duvidar tanto do entusiasmo e da empolgação de quem trabalha em uma das 6 lojas que já se espalham por 5 shoppings em São Paulo. Os “limpadores”, tonificantes, desodorantes “sólidos”, cremes, talcos e máscaras são feitos com ingredientes 100% naturais, resultando em misturas de dar água na boca. É um dos segredos da marca: oferecer cosméticos como se oferece comida, e seduzir o consumidor através de instintos que ele só teria despertados num supermercado, num restaurante ou numa feira livre. Flores, frutas, verduras, algas e essências - ao invés de embalagens, marketing, publicidade, grifes e top models. Pode funcionar. Apesar do preço, que é alto. Só comprando e experimentando as fórmulas dignas de Panoramix. [Comente esta Nota]
>>> Lush
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A ARTE E CAPITAL: VISÃO APLICADA DO MARKETING CULTURAL
CANDIDO JOSÉ MENDES DE ALMEIDA
ROCCO
(1993)
R$ 15,00



NOVA YORK É AQUI
NELSON MOTTA
OBJETIVA
(1997)
R$ 6,90



A VIDA DE COMPAIXÃO
SUA SANTIDADE O DALAI LAMA
BERTRAND BRASIL
(2002)
R$ 12,00



UMA VIDA INVENTADA - MEMÓRIAS TROCADAS E OUTRAS HISTÓRIAS
MAITÊ PROENÇA
AGIR
(2008)
R$ 5,90



ANALISE DE CREDITO E RISCO
CHRYSTIAN MARCELO RODRIGUES
IBPEX
(2011)
R$ 15,00



TRÊS NOITES DE MEDO
ROSANA RIOS
MODERNA
(1994)
R$ 7,60



FOI DADA A PARTIDA: TRIBUTO AO HIPÓDROMO DA GÁVEA
RAFAEL CAVALCANTI
EUROPA
(1998)
R$ 26,82



REVISTA DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO - NOVA
ASSOCIAÇÃO MÉDICA BRASILEIRA
AMB
(2010)
R$ 8,92



ÁGAPE
PADRE MARCELO ROSSI
GLOBO
(2010)
R$ 6,00



SER HUMANO É...
FÁBIO SGROI
MUNDO MIRIM
(2009)
R$ 35,00





busca | avançada
70622 visitas/dia
2,0 milhões/mês