A Flip como Ela é... IV | Digestivo Cultural

busca | avançada
48473 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Assim criamos os nossos dois filhos
>>> Compreender para entender
>>> Para meditar
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fantasmas do antigo Recife
>>> Luther King sobre os fracos
>>> O centenário do Castor
>>> O comercial do Obama
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> Mininas no Canto Madalena
>>> Quase cinquenta
>>> Bate-papo com Odir Cunha
>>> Entrevista com Sérgio Rodrigues
>>> Leblon
Mais Recentes
>>> O Brasil e Seu Duplo de Luiz Eduardo Soares pela Todavia (2019)
>>> Este Não é Mais Um Livro de Dieta de Rodrigo Polesso pela Gente (2018)
>>> Seu Cachorro é o Seu Espelho de Kevin Behan pela Magnitudde (2012)
>>> Mini Becky Bloom - Tal Mãe, Tal Filha de Sophie Kinsella pela Record (2011)
>>> O Presidente Que Sabia Javanês de Carlos Heitor Cony; Angeli pela Boitempo (2000)
>>> Introdução ao Pensamento Sociológico de Anna Maria de Castro; Edmundo F. Dias pela Eldorado (1977)
>>> Como Falar em Público Corretamente e Sem Inibições de Reinaldo Polito pela Saraiva (1999)
>>> As Mais Belas Orações de Todos os Tempos de Rose Marie Muraro: Raimundo Cintra pela Rosa dos Tempos (1993)
>>> Empreenda Sem Fronteiras de Bruno Pinheiro pela Gente (2016)
>>> Eu Fico Loko -As Desventuras de Um Adolescente Nada Convencional de Christian Figueiredo de Caldas pela Novas Páginas (2015)
>>> Teoria Geral do Direito e Marxismo de Evguiéni B. Pachukanis pela Boitempo (2017)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Abril Cultural (1981)
>>> A Revolução Russa de 1917 de Marc Ferro pela Perspectiva (1974)
>>> A Questão Urbana de Manuel Castells pela Paz e Terra (1983)
>>> Esquerdismo Doença Infantil do Comunismo de V. I. Lenin pela Expressão Popular (2014)
>>> Crônicas de Nuestra América de Augusto Boal pela Codecri (1977)
>>> A Desumanização da Arte de José Ortega y Gasset pela Cortez (1991)
>>> Homens Em Tempos Sombrios de Hannah Arendt pela Companhia De Bolso (2013)
>>> A Música do Tempo Infinito de Tales A. M .Ab'Sáber pela Cosac & Naify (2012)
>>> Poesia e Filosofia de Antonio Cicero pela Civilização Brasileira (2012)
>>> A Estrada da Noite de Joe Hill pela Sextante (2007)
>>> O ornamento da massa de Siegfried Kracauer pela Cosac & Naify (2009)
>>> O Horror Econômico de Viviane Forrester pela Unesp (1997)
>>> Merleau-ponty e a Educação de Marina Marcondes Machado pela Autentica (2010)
>>> Revoluções de Michael Lowy pela Boitempo (2009)
BLOG >>> Posts

Segunda-feira, 9/7/2007
A Flip como Ela é... IV
+ de 5000 Acessos
+ 8 Comentário(s)

Geralmente escrevo meu balanço da Flip numa Coluna em separado, mas, neste ano, resolvi fechar os Posts com uma conclusão (uma solução que eu achei mais interessante). Talvez, também, porque esta Flip 2007 - a Flip em sua quinta edição - peça por uma avaliação mais do que as outras. Avaliação, aliás, que os próprios organizadores já vão realizar (imagino), mas que eu - como participante de todas as Flips desde a segunda (a de 2004) - também tomo a liberdade de realizar. E talvez minhas "liberdades", aqui, sejam um pouco exageradas, porque eu - como muitos freqüentadores da Flip - já me sinto parte da Festa Literária Internacional de Parati. Uma pretensão minha, é claro - mas algo, também, que eu tomei como um "dever" (o de avaliar), a fim de encerrar esse ciclo que é um ciclo meu, igualmente. Espero, sinceramente, que os meus comentários sejam úteis e que não sejam, sobretudo, mal interpretados.

* * *

Senti mais do que tudo, nesta Flip 2007, a questão da repetição. Conforme escrevi aqui antes, Mia Couto, José Eduardo Agualusa e Arnaldo Jabor (que não veio mas que foi "escalado" pela programação oficial) já estiveram em outras edições da Festa. Inclusive, o sempre muito caro (a mim e ao Digestivo) Ruy Castro e, para ficar num exemplo bem específico (desse aspecto repetitivo), o Carlito Azevedo, citando, na montagem da Bia Lessa (para Beijo no Asfalto), um poema seu já lido, em outra edição da Flip. Parece que até o diretor de programação deste ano reconhece que os "grandes nomes" da literatura brasileira já vieram todos, e que as próximas edições da Flip sofrerão, cada vez mais, a síndrome do "vale a pena ver (ou ler) de novo". De fato, as unanimidades - Fonseca, Gullar, Ubaldo, até Veríssimo - são aquela meia-dúzia de três ou quatro. Mas a consagração cada vez mais conservadora do mainstream (e da mídia de massas) pode levar a Flip a se esgotar - se não se renovar (como não está se renovando, outra vez, a mídia convencional).

* * *

Por isso, a importância das mesas com "novos autores", um ponto em que eu sempre toco (até com a organização) desde a primeira edição da Flip a que compareci. É, por exemplo, muito tímida a abordagem, na Festa, da relação - hoje, intrínseca - entre literatura e internet. Enquanto o livro sofre mutações desde que a Web foi inventada (na década de 90) - quando se discute desde a primazia do suporte papel até formatos 100% eletrônicos (como o PDF), até novos "leitores" de e-book (como o recentemente lançado Sony Reader) -, o tema não é sequer evocado na Flip. E os poucos representantes dessa geração - por exemplo, neste ano - tratam (ou trataram) de renegar o suporte internet, como se este lhes fosse até estranho ou como se assumir alguma ligação forte como ele equivalesse a fazer "menos" literatura (nos moldes tradicionais). Não digo que o impasse dos "medalhões" do Brasil (que, segundo o próprio Cassiano Elek Machado, "se esgotaram") seria resolvido - mas a injeção de sangue novo, nas veias da Flip, garantiria, igualmente, uma renovação de público.

* * *

E para dizer que não fiquei só na teoria - e não dei sugestões práticas -, eu queria ver, por exemplo, nas próximas edições da Flip: a Ana Elisa Ribeiro e o Joaquim Ferreira dos Santos falando do renascimento da crônica na internet; o Sérgio Rodrigues (ex-NoMínimo) e o Paulo Polzonoff Jr. falando da nova crítica (também na internet); o Pedro Dória (também ex-NoMínimo) falando da cobertura on-line do atual jornalismo de guerra; a Ana Maria Brambilla e o pessoal do Overmundo discutindo o freqüentemente criticado "jornalismo colaborativo", talvez com o caríssimo Sérgio Augusto (que queria ver - ele ironicamente diz - a engenharia e a medicina "colaborativas"); o Cardoso contando como ele reinventou a Web brasileira algumas vezes, à la Miles Davis no jazz, e o mercado editorial por tabela (revelando - vale a pena, aqui, a repetição - gente como Galera, Pellizzari e Averbuck); e os Autores do Mal mostrando a tantos editores (e autores) do-it-yourself como eles conseguiram chamar a atenção do Brasil para seus livros (embora a editora Livros do Mal hoje esteja em stand-by). Enfim...

* * *

A Elisa Andrade Buzzo, a Annita Costa Malufe e a Flávia Rocha poderiam falar de poesia no tempo da internet (em experiências acumuladas na The New Yorker, na AIC, na revista Mininas...). Aliás, o Marcelo Miranda, o Lucas Rodrigues Pires e o Carlão Reichenbach poderiam convidar outros tantos jornalistas, críticos e cineastas que estão, também, revolucionando a crítica de cinema na internet brasileira (sob os auspícios de outros críticos renomados como Inácio Araujo, na Folha). Até a "literatura feminina", eternamente execrada, poderia tratar da revolução das mulheres na blogosfera brasileira (capitaneada por autoras como Cíntia Moscovich e Ivana Arruda Leite, seguidas de perto por projetos tão variados quanto o Mothern, que foi parar no GNT, e o Desabafo de Mãe). Mesmo narrativas de viagem poderíamos encontrar numa futura Flip, a partir de nomes como Ricardo "Xongas" Freire (colunista de Época e igualmente blogueiro); e mesmo mesas de humor on-line, capitaneadas por Xico Sá (Blônicas e Editora do Bispo), Tutty Vasques (outro ex-NoMínimo) e, até mesmo, Cocadaboa e Kibe Loco (que foi parar na Globo). A internet brasileira, e suas ramificações, já é, são, um mundo à parte...

* * *

E quem são os heróis que estão sustentando as publicações independentes que, na sua liberdade, discutem a literatura brasileira a fundo? Cadê a Flip com Rogério Pereira, editor do Rascunho, numa mesa sobre suplementos literários em papel, e com Augusto Sales, por sua vez, numa mesa sobre "agregadores" de autores eletrônicos, como o Paralelos (que revelou - pelo menos, para mim - a mesma Cecilia Giannetti, o João Paulo Cuenca da primeira Flip (e do projeto Amores Expressos), o André Sant'Anna da Flip 2006 (e do Sérgio Sant'Anna), a mesma Veronica Stigger e dezenas de outros)? E cadê o Fabrício Carpinejar, falando do primeiro curso superior de formação de escritores para o mercado brasileiro? E cadê o Michel Laub, falando das suas oficinas na mesma AIC (e dos seus livros, que já foram indicados para dois prêmios Portugal Telecom)? E cadê o Luis Eduardo Matta, às voltas com a LPB e com as suas sugestões para incentivar a leitura desde a escola? E cadê, sobretudo, uma Flip com as editoras (e os editores) que - em maior ou menor grau - apostaram nessa gente: Conrad (Rogério de Campos), Planeta, Agir (Paulo Roberto Pires) e até Companhia das Letras (Cosac Naify e mesmo Record)?

* * *

Porque já cansou, na Flip também, a Geração 90, criticada desde a primeira edição (a de 2003) - na Folha, por Milton Hatoum e Bernardo Carvalho (críticos com conhecimento de causa e, no meu ponto de vista, acima de qualquer suspeita). A "Geração 00" - se quiserem -, a da internet, está indiscutivelmente causando uma revolução (ou uma "evolução", se preferirem) na literatura brasileira contemporânea. E o impasse - de não ter de trazer, de novo, Ferreira Gullar, Ariano Suassuna, Luís Fernando Veríssimo (eu prefiro com acento) e até Millôr Fernandes - se revolve, nas próximas Flips, com apostas e um olhar (arriscado, talvez) no futuro. É louvável ter Mário Bortolotto (com ligações no teatro), Marçal Aquino (mediando, no cinema) e até a Orquestra Imperial (tocando, na música) na Flip, nesta edição. Mas muito mais pode ser feito. Porque como disse, novamente, a Flávia Rocha, é mais um problema de "administração" do que de criação - o da literatura brasileira hoje. E porque, se a Flip não fizer, alguém certamente fará. (É, também, uma questão de tempo.) A Flip poderia sair na frente (e dar o exemplo).

Para ir além
FLIPs: 2004, 2005 e 2006


Postado por Julio Daio Borges
Em 9/7/2007 às 19h19

Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/7/2007
20h18min
Boa, Julio. Gostei da postura, das soluções. Vamos ver como eles respondem. Abçs!
[Leia outros Comentários de Eduardo Carvalho]
10/7/2007
08h59min
Para mim (e acho que não estou sozinho) você acaba de fechar a programação da Flip 2008. Ao diretor de programação só restaria a tarefa (não pequena, ressalte-se) de viabilizá-la. Você foi certeiro!
[Leia outros Comentários de Tarlei]
10/7/2007
11h15min
Pois é, Julio, é a velha questão do "estabelecido" contra a "novidade emergente". O problema é que a internet e os meios eletrônicos não são mais novidade. Só que a mídia tradicional, e aí incluo as editoras tradicionais, não querem assumir que o meio eletrônico existe e está traçando um caminho paralelo com muito mais alcance do que o "tradicional". Eles estão todos fazendo o jogo do "finge que eles não existem, quem sabe, eles vão embora". Feiras são eventos para movimentar dinheiro e é por isso que os nomes convidados são aqueles já conhecidos há pelo menos uma década. É preciso atrair patrocinadores e consumidores. A Flip é uma feira de negócios (literária, é fato) mas é uma feira de negócios. Só veremos os nomes que você citou quando os números financeiros de porte apropriado acompanharem esses nomes. Nenhuma feira realmente lança novidade ou mostra tendência, isso é só marketing do evento. A não ser que a novidade lançada venha acompanhada de um patrocinador cheio de dinheiro.
[Leia outros Comentários de Daniela Castilho]
10/7/2007
11h47min
Julio, também como participante das quatro últimas Flips, além de minúscula editora bissexta de mulheres, e dublê de escritora, concordo ipisis litteris com suas sugestões. Que tal intensificar/organizar a campanha pela inserção do tópico Literatura e Internet na próxima Flip? Talvez procurar outras alternativas... Conte comigo para um toró de palpites.
[Leia outros Comentários de Siomara]
10/7/2007
11h58min
Muito bem, Julio.
[Leia outros Comentários de Marcelo Moutinho]
11/7/2007
00h21min
Pois é, Julio, concordo com você e com a Daniela. Mas tem mais uma coisinha ("coisinha" sim, quase insignificante) Cadê o espaço para a turma que ensina literatura? Cadê aqueles que têm o dever de formar novos leitores? Para a Flip, parecem ser coisinhas insignificantes...
[Leia outros Comentários de Lúcia do Vale]
11/7/2007
12h33min
Pô, tirar o Mia Couto de uma festa como essa? Cê deve estar brincando... É uma honra receber um escritor como ele num evento no Brasil.
[Leia outros Comentários de Luiz da Motta]
16/7/2007
14h58min
Te escrevo p/ elogiar sua avaliação da FLIP 2007 que corresponde as minhas expectativas (e as de muitas pessoas, acredito!)de uma verdadeira festa da literatura. E não de uma "festa" que se encaixaria melhor em um contexto passado.
[Leia outros Comentários de Fernanda Vasconcelos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Conversas Com Gestores de Ações Brasileiros - a Fórmula dos Grandes...
Luciana Seabra
Portfolio Penguin
(2018)



Modern Business® - Corporation Finance
Jules I. Bogen
Alexander Hamilton Institute
(1954)



Sao Bernardo e Caetés (2 Livros Pocket Em 1)
Graciliano Ramos
Record
(1996)



Livro - Despindo a Morte
Gabrielle Biondi
Letra Espírita
(2019)



Névoa
Kathryn James
Farol Literario
(2013)



Maquina do Tempo
H. G. Wells
Alfaguara
(2010)



Drácula
Bram Stoker
L&pm
(1998)



Batman 80 Anos Detective Comics
Chris Conroy Jamie S Rich Dave Wielgosz
Panini Comics Dc
(2019)



Livro - o Drama Sagrado de Elêusis
Edouard Schuré / de Bolso
Antroposófica
(2011)



A Promessa
Pearl S. Buck
Melhoramentos
(1964)





busca | avançada
48473 visitas/dia
1,4 milhão/mês