Salvem os jornais de Portugal | Digestivo Cultural

busca | avançada
62542 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
>>> Poeta Ivete Nenflidio lança obra 'Ataque - cale-se agora e para sempre'
>>> Alunos de Ribeirão Preto constroem maquete com trajetória das águas da cidade até o mar
>>> Coletivo oferece eventos de danças angolanas em outubro e novembro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Acho que entendi o Roberto Setubal
>>> Layon pinta o silêncio da cidade em quarentena
>>> Francisco Alves, o esquecido rei da voz
>>> Francisco Alves, o esquecido rei da voz
>>> Bréqui Friday
>>> 19 de Outubro #digestivo10anos
>>> Etapas da criação de uma pintura digital * VÍDEO *
>>> Separar-se, a separação e os conselhos
>>> Genealogia da Moral, de Nietzsche
>>> Robinson Shiba do China in Box
Mais Recentes
>>> Participação Popular na Gestão Escolar de Elie Ghanem (organização) pela Ação Educativa (1995)
>>> Nudez Mortal (n. 1) de Nora Roberts / J. D. Robb pela Bertrand (2011)
>>> Não Quero Ficar Gripada de Tony Ross pela Wmf Martins Fontes (2009)
>>> Jornalismo Cultural: Apontamentos, Resenhas e Críticas Sobre Artes Plá de Jorge Anthonio e Silva pela Pantemporâneo (2010)
>>> Resumos Gráficos de Direito do Trabalho de Marcelo Antonio de Oliveira Alves Moura pela Impetus (2014)
>>> Processo Diagnostico T. 2 de Jamil Abuchem pela Dsl (1987)
>>> Predgel - o Messias de Reinaldo Favoreto Júnior pela Somos (2014)
>>> As 10 Melhores Decisões Que os Pais Devem Tomar de Bill Farrel pela Cpad (2008)
>>> Perspectivas do Seminário 5 de Lacan de Jacques-alain Miller pela Jorge Zahar (1999)
>>> Coleção Primeiros Passos : o Que É Amor (de Bolso) de Betty Milan pela Brasilense (1985)
>>> Morte e Vida de Charlie St. Cloud de Ben Sherwood pela Novo Conceito (2010)
>>> Celebracões Espirituais: As Práticas de Oração ao Redor do Mundo de Maggie Oman Shannon pela Pensamento (2009)
>>> Trilogia Paris de Dan Franck pela L&pm Pocket (2017)
>>> Ninguém é de Ninguém de Harold Robbins pela Record (2000)
>>> Cozinha Tropical Brasileira: Mistura Morena de Varios Autores pela Senac
>>> Passo a Passo: Microsoft Office Excel 2007 de Cláudio Belleza Dias pela Bookman (2007)
>>> Essência & Aparência: o Dilema do Século XXI de Cecília de Campos Góes pela Tekoá (2017)
>>> Lepoldianum - Estudos Sobre Filosofia de Varios Autores pela Edições Loyola (1984)
>>> Dc Comics Coleção de Graphic Novels - Solo: Parte 1 de Varios Autores pela Dc Comics
>>> O Seminário, Livro 16: de um Outro ao Outro de Jacques Lacan pela Zahar (2008)
>>> Combatentes de Alá de Ayesha Jalal pela Larousse (2009)
>>> Grande Enciclopédia Médica da Família Vol 3 de Victor Civita pela Abril (1985)
>>> A Mentira do Glúten de Alan Levinovitz pela Citadel (2015)
>>> A Outra Face Col. Super Títulos Estadão de Sidney Sheldon pela Record (2008)
>>> Os Tambores Silenciosos de Josué Guimarães pela L&pm (1997)
BLOG >>> Posts

Sexta-feira, 27/3/2009
Salvem os jornais de Portugal

+ de 2200 Acessos

Jornalismo, como o tivemos, não durará. Existe uma certa "demissão" na transferência para o virtual. O cidadão "informado" — que, acima de tudo, se quer, a ele próprio, informado — "reduz-se", em grande medida, à fragmentação; ao "pluralismo" em linha. Encontra-se, parcialmente, "desligado". Este modelo, como complemento de uma tentativa de agarrar o "actual", embora menos reflectido, é já "necessidade". Longe de substituir o conhecimento integrado que o artigo de opinião, a reportagem densa e a investigação demorada conferem. Numa realidade em que muita da "actualidade" não passa de tentativa de desinformação, manipulação, apropriação ou veículo de marketing e propaganda, afirma-se a necessidade de atenção ao pormenor. A tentação do entretenimento, o jornalismo direccionado ou o argumento do consumidor "activo" encerram a contradição de um maior "sedentarismo". A World Wide Web torna-se, assim, menos "democrática". Na afirmação das nossas "escolhas", vamos ao encontro do que já somos. A notícia "num clique", "confirma-nos": mantém-nos longe. O jornalismo escrito, enquanto produto, não pode ser encarado exclusivamente como tal: "ele é aquilo que me alerta para o que eu não sou". O único veículo que possuo para estar atento relativamente ao que é exterior à minha diminuta capacidade de alcance e atenção: o poder.

A acomodação do consumidor à formatação "preguiçosa" dos jornais em linha tem conduzido ao desinvestimento publicitário, diminuição qualitativa e consequente perda de novos leitores, emagrecimento de redacções e falência de inúmeras publicações a nível global. O relativista, na sua constante necessidade de "almofadar" a realidade dirá que tudo se recompõe: o mercado regula sempre, como sempre nos quiseram fazer crer, apesar de inúmeros avisos, a interminável corte de "padres" economicistas.

Começa aqui o problema: "o mercado", visto como um gigante, ausente de influência humana. Redundância. Segundo previsões, o formato em linha, numa hipotética realidade — de resto, segundo alguns, mais próxima do que desejaríamos acreditar — em que o suporte físico desapareça, poderá apenas cobrir 10% dos custos que as publicações actuais exigem. Saber custa dinheiro. Pelos vistos, a democracia também. Por isso, compro um jornal por dia.

Afonso Pimenta
* * *

Faço parte dos muitos que, gradualmente, foram deixando de comprar jornais. O processo começou há anos. A partir de certa altura, todos os principais jornais estavam on-line. Na internet conseguia ler mais jornais do que seria possível em papel.

Quando, há cerca de 8 anos, trabalhei como jornalista num site, nos meus favoritos havia uma pasta "Jornais", e dentro, uma pasta para cada país. Entre jornais portugueses, espanhóis, franceses, ingleses, alemães, italianos e americanos, tinha uns 30 links disponíveis, que me permitiam saltar rapidamente para a página do jornal. Isto aconteceu, obviamente, na pré-história.

Actualmente, com a subscrição de feeds, o meu método anterior é algo de anacrónico e obsoleto. No Google Reader, no telemóvel, num PDA, em qualquer tipo de suporte é possível subscrever as actualizações de uma publicação on-line. É possível organizar, filtrar, personalizar a recepção dos novos textos, através do leitor de feeds que usarmos. Dessa forma podemos acompanhar, arquivar e pesquisar uma quantidade grande de informação.

Sei perfeitamente que a internet oferece ferramentas interessantes e versáteis, que — e faço a inversão de sentido sem ironia — os jornais não podem substituir. O que motivou a minha participação no MFJEP [Movimento a Favor do Jornalismo Escrito Pago] não é sentir, de alguma forma, repulsa ou sobranceria em relação aos jornais e outras publicações on-line, e muito menos algum tipo de desprezo ou fobia em relação ao meio WWW.

Associo-me desde o início ao MFJEP porque vejo nesta iniciativa uma forma de cidadãos exigentes e atentos lutarem contra a degradação deste pilar fundamental da democracia que é o jornalismo. Sei que dizer, em relação ao jornalismo, que se trata de "um pilar fundamental da democracia" é um cliché gasto pela repetição — pelo menos tanto quanto a expressão "movimento a favor".

Talvez o desinteresse e a falta de iniciativa, crónicas e contagiosas maleitas de que padecem os portugueses, expliquem que nos custe tanto movimentarmo-nos em conjunto a favor de algo que nos diz respeito. A maior parte das pessoas não se alarma com o perigo de degradação da qualidade do jornalismo, quanto mais reflectir sobre as suas consequências directas na degradação da qualidade da democracia.

É também aqui que pretendemos atacar, ferindo a inércia e a preguiça, despertando e usando de saudável agitação. Tal como o Afonso refere no texto [acima] que lançou este movimento, o jornalismo que conhecemos hoje, pode acabar dentro de pouco tempo. O modelo existente ainda tem o jornal de papel com o seu preço de capa e a sua publicidade tradicional, mesmo se nos sites se concentram mais serviços e, na maior parte dos casos, mais notícias e mais actualizadas que na versão em papel. Ora, com a queda nas compras e os custos de manutenção não só da versão impressa mas também da versão e serviços on-line, muitos jornais correm o risco de fechar. Outros, ainda que não acabem, poderão ser desvirtuados até ao ponto de se perderem grande parte dos critérios jornalísticos. Se nada mudar, ficaremos entregues a um número (ainda mais) reduzido de jornais, quase todos apenas na versão online. E, o problema maior é esse, a versão on-line não será o que é hoje — com as redacções a serem reduzidas e os jornalistas a acumular tarefas e a ficar sem tempo para assegurar qualidade e rigor.

Compra um jornal por dia! Estás a assegurar o teu futuro, não só o dos jornais. Ou preferes um mundo sem informação credível? Escolhe viver num futuro em que a imprensa livre se reforça e consolida, em vez de desaparecer ou ficar moribunda.

Nuno Miranda, no Movimento a Favor do Jornalismo Escrito Pago, que, a partir do MySpace, tenta salvar os jornais impressos de Portugal.


Postado por Julio Daio Borges
Em 27/3/2009 à 00h55


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Millennium Livro 3 - a Rainha do Castelo de Ar / 4ªed - Confira!!
Stieg Larsson
Companhia das Letras
(2009)



A Velocidade da Luz
Javier Cercas
Tag
(2018)



Melancia - 4ª Ed
Marian Keyes; Sonia Coutinho
Bertrand Brasil
(2003)



Guia Politicamente Incorreto da Historia do Brasil
Leandro Narloch
Leya
(2011)



Como Domar um Elefante
Jan Chozen Bays
alaude
(2013)



Livro - Triste Fim de Policarpo Quaresma - Coleção Ler é Aprender - Vol. 18
Lima Barreto
Klick
(1997)



Three Guineas
Virginia Woolf
Hbj
(1866)



Ciência Hoje na Escola 13 - Conversando Sobre Saude
Vários Autores
Global
(2005)



Marketing no Varejo: Você Está Perdendo Dinheiro e Não Sabe
Valter Rodrigues / 2ª Ed - Confira !!!
Globo
(1995)



Caderno de Mediação Impressionismo Paris e a Modernidade
Vários Autores
Ccbb
(2012)





busca | avançada
62542 visitas/dia
1,7 milhão/mês