Valsinha | Digestivo Cultural

busca | avançada
59473 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Feriado, dia 20 :: Toni Garrido e Evandro Mesquita fazem show de graça na Laura Alvim em Ipanema
>>> Cadê a Criança que tava aqui? reestreia dia 5 de fevereiro no Alfa
>>> ENDURO A PÉ - CIRCUITO DE LAZER NO CENTRO
>>> Show 'Ana Cañas Canta Belchior' chega ao Teatro Bradesco em São Paulo
>>> SESI apresenta Filó Machado 60 Anos de Música no aniversário de São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um monstro que ri
>>> Um monstro que ri
>>> Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti
>>> Alguns momentos com Daniel Piza
>>> Edward Snowden: a privacidade na era cibernética
>>> A Nouvelle Vague e Godard
>>> Livros que aproximam
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Brasil em Cannes
>>> The ultimate cure for startup
Mais Recentes
>>> Planeta Nº 281 de Vários Autores pela Três (1996)
>>> Nunca Julgue uma Dama pela Aparência de Sarah Mac Lean pela Gutenberg Autentica (2016)
>>> Lady Hamilton - A Divina Dama de F. W. Kenyon pela Itatiaia (1960)
>>> Planeta Nº 406 de Vários Autores pela Três (2006)
>>> Ramsés: o Filho da Luz de Christian Jacq pela Bertrand Brasil (1999)
>>> Planeta Nº 397 de Vários Autores pela Três (2005)
>>> O Outro Lado da Meia - Noite de Sidney Sheldon pela Record (1973)
>>> Planeta Nº 397 de Vários Autores pela Três (2005)
>>> King Arthur and the Knights of the Round Table de D. K. Swan and Michael West pela Longman
>>> Planeta Nº 333 de Vários Autores pela Três (2000)
>>> A Outra Face de Sidney Sheldon pela Record (2008)
>>> Entre a Ruína e a Paixão de Sarah Mclean pela Gutenberg (2016)
>>> Veja 25 anos - Reflexões Para o Futuro de Vários Autores pela Abril (1993)
>>> A Medicina Da Alma de Noberto R. Keppe pela Hemus (1967)
>>> O Segredo de Chimneys de Agatha Christie pela Record
>>> Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos de Rubem Fonseca pela Circulo do Livro
>>> A Divina Comédia de Dante Alighieri pela Nova Cultural (2002)
>>> Vidas Reais de Alison Lurie pela Madarim (1996)
>>> Airport de Arthur Hailey pela Deutsche Buch-Gemeinschaft (1970)
>>> A Cabana do Pai Tomás Coleção Calouro de Harriet Beecher Stowe Herberto Sales pela Edições de Ouro
>>> Felino Selvagem Psicopata Homicida Volume 2 de Bill Watterson pela Best News (1996)
>>> Coleção Completa Série Divergente de Veronica Roth; Lucas Peterson pela Rocco (2014)
>>> 365 Contos de Obra Coletiva pela Girassol (2007)
>>> Minidicionário da Língua Portuguesa Edição Revista e Atualizada de Silveira Bueno pela Ftd (2000)
>>> Marley & Eu de John Grogan pela Ediouro (2009)
BLOG >>> Posts

Quinta-feira, 12/12/2002
Valsinha

+ de 4300 Acessos

Rio, 2 de fevereiro.

Caro Poeta,

Recebi as suas duas cartas e fiquei meio embananado. É que eu já estava cantando aquela letra, com hiato e tudo, gostando e me acostumando a ela. Também porque, como você já sabe, o público tem recebido a valsinha com o maior entusiasmo, pedindo bis e tudo. Sem exagero, ela é o ponto alto do "show", junto com o "Apesar de Você". Então dá um certo medo de mudar demais. Enfim, a música é sua e a discussão continua aberta. Vou tentar defender, por pontos, a minha opinião. Estude o meu caso, exponha-o a Toquinho e a Gessy, e se não gostar foda-se, ou fodo-me eu.

- Valsa hippie é um título forte. É bonito, mas pode parecer forçação de barra, com tudo o que há de hippie à venda por aí. Valsa Hippie, ligado à filosofia hippie como você a ligou, é um título perfeito. Mas hippie, para o grande público, já deixou de ser a filosofia para ser a moda pra frente de usar roupa e cabelo. Aí já não tem nada a ver. Pela mesma razão eu prefiro que o nosso personagem xingue ou, mais delicado, maldiga a vida, em vez de falar mal da poesia. A sua solução é mais bonita e completa, mas eu acho que ela diminui o efeito do que segue. Esse homem da primeira estrofe é o anti-hippie. Acho mesmo que ele nunca soube o que é poesia. É bancário e está com o saco cheio e está sempre mandando sua mulher à merda. Quer dizer, neste dia ele chegou diferente, não maldisse (ou "xingou" mesmo) a vida tanto e convidou-a para rodar. Convidou-a pra rodar eu gosto muito, poeta, deixa ficar. Rodar que é dar um passeio e é dançar. Depois eu acho que, se ele já for convidando a coitada para amar, perde-se o suspense do vestido no armário e o tesão da trepada final. "Pra seu grande espanto", você tem razão, é melhor que "para seu espanto". Só que eu esqueci que ia por ítens. Vamos lá:

- Apesar do Orestes (vestido dourado é lindo), eu gosto muito do som do vestido decotado. É gostoso de cantar vestidodecotado. E para ficar dourado o vestido fica com o acento tendendo para a primeira sílaba. Não chega a ser um acento, mas é quase. Esse verso é, alias, o que mais agrada, em geral. E eu também gosto do decotado ligado ao "ousar" que ela não queria por causa do marido chato e quadrado. Escuta, ô poeta, não leve a mal a minha impertinência, mas você precisava estar aqui para sentir como a turma gosta, e o jeito dela gostar desta valsa, assim à primeira vista. É por isso que estou puxando a sardinha mais para o lado da minha letra, que é mais simplória, do que pelas modificações que enriquecendo os versos, talvez dificultem um pouco a compreensão imediata. E essa valsinha tem um apelo popular que nós não suspeitávamos.

- Ainda baseado no argumento acima, prefiro abraçar ao bailar. Em suma, eu não mexeria na segunda estrofe.

- A terceira é a que mais me preocupa. Você está certo quanto ao "o mundo" em vez de "a gente". Ah, voltando à estrofe anterior, gostei do último verso onde você diz "e cheios de ternura e graça" em vez de "e foram-se cheios de graça". Agora estou pensando em retomar uma idéia anterior, quando eu pensava em colocá-los em estado de graça. Aproveitando a sua ternura, poderíamos fazer "Em estado de ternura e graça foram para a praça e começaram a se abraçar". Só tem o probleminha da junção "em-estado", o em-e numa sílaba só. Que é o mesmo problema do começaram-a. Mas você mesmo disse que o probleminha desaparece, dependendo da maneira de se cantar. E eu tenho cantado "começaram a se abraçar" sem maiores danos.

Enfim, veja aí o que você acha de tudo isso, desculpe a encheção de saco e responda urgente. Há um outro problema: o pessoal do MPB-4 está querendo gravar essa valsa na marra. Eu disse que depende de sua autorização e eles estão aqui esperando. Eu também gostaria de gravar, se o senhor me permitisse, porque deu bolo com o "Apesar de Você", tenho sido perturbado e o disco deixou de ser prensado. Mas deu para tirar um sarro. É claro que não vendeu tanto quanto a Tonga, mas a Banda vendeu mais que o disco do Toquinho tocando Primavera. Dê um abraço na Gesse, um beijo no Toquinho e peça à Silvina para mandar notícias sobre shows etc. Vou escrever a letra como me parece melhor. Veja aí e, se for o caso, enfie-a no ralo da banheira ou noutro buraco que você tiver à mão.

Valsinha

Um dia ele chegou tão diferente do seu jeito de sempre chegar
Olhou-a dum jeito muito mais quente do que sempre costumava olhar
E não maldisse a vida tanto quanto era seu jeito de sempre falar
E nem deixou-a só num canto, pra seu grande espanto convidou-a pra rodar
Então ela se fez bonita como há muito tempo não queria ousar
Com seu vestido decotado, cheirando a guardado de tanto esperar
Depois os dois deram-se os braços como há muito tempo não se usava dar
E cheios de ternura e graça foram para a praça e começaram a se abraçar
E ali dançaram tanta dança que a vizinhança toda despertou
E foi tanta felicidade que toda a cidade enfim se iluminou
E foram tantos beijos loucos, tantos gritos roucos como não se ouvia mais
Que o mundo compreendeu
E o dia amanheceu
Em paz

Carta de Chico Buarque a Vinicius de Moraes, em "Achados"


Postado por Julio Daio Borges
Em 12/12/2002 às 12h04


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma história do Mosaic de Julio Daio Borges
02. Carteiros do Condado de Julio Daio Borges
03. Soul Bossa Nova de Julio Daio Borges
04. Palestra: Marco Antônio Villa de Julio Daio Borges
05. A luta continua reloaded de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Fisiologia da Alma
Ramatis
Conhecimento
(2006)



Curso Basico de Espiritismo 1º Ano área de Ensino
Area de Ensino
Fessp
(2000)



Ruth Cardoso - Fragmentos de uma Vida
Ignácio de Loyola Brandão
Globo
(2010)



Die Regeln Der Deutschen Rechtschreibung
Günther Hohenwald
Gmbh



Zé Carioca Nº 1163
Walt Disney
Abril
(1974)



Introdução à Retórica
Olivier Reboul
Martins Fontes
(1998)



Civilização Norte-americana Volume 2
Max Lerner
Fundo de Cultura
(1960)



Visual Quickstart Guide - Java Script para a World Wide Web
Tom Negrino e Dori Smith
Campos
(2001)



A Sombra do Batman Robins em Guerra!!! Quem vencerá?
Dc Comics
Panini
(2013)



Direito Econômico Regulatório - Volume 2
Fgv
Fgv
(2008)





busca | avançada
59473 visitas/dia
1,9 milhão/mês