E a Holanda eliminou o Brasil | Digestivo Cultural

busca | avançada
57174 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
>>> Dan Stulbach recebe Pedro Doria abrindo o Projeto Diálogos 2024 da CIP
>>> Bert Jr. aponta sintomas de uma sociedade mal-orientada em “Fict-Essays e Contos Mais Leves”
>>> Novo livro de Vera Saad resgata política brasileira dos anos 90 para destrinchar traumas familiares
>>> Festival de Cinema da Fronteira e Sur Frontera WIP LAB abrem inscrições
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
>>> Minha história com o Starbucks Brasil
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
>>> Quando o AlphaGo venceu a humanidade (2020)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sociedade dos Poetas Mortos
>>> 23º Festival Mix Brasil de Cultura e Diversidade
>>> De Lucia, McLaughlin, Di Meola
>>> Dos portões abertos de Auschwitz, 58 anos depois
>>> A reação do cinemão
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Minha história com Marisa Monte
>>> Eu não uso brincos
>>> Meu filho e minha mãe
>>> Literatura para quê?
Mais Recentes
>>> Destino de Ally Condie pela Suma De Letras (2011)
>>> Contágio de Robin Cook pela Best Bolso (2008)
>>> Garota Infernal de Diablo Cody pela Record (2009)
>>> O Teatro de Um Homem Só de Ademar Guerra pela Senac
>>> Garota Infernal de Diablo Cody pela Record (2009)
>>> Turbilhão de James Clavell pela Record (1986)
>>> O Lesbianismo no Brasil de Luiz Mott pela Mercado Aberto (1987)
>>> 3001 A Odisséia Final de Arthur C. Clarke pela Nova Fronteira (1997)
>>> Wilhelm Reich: Biografía de una idea, de Luigi de Marchi pela Ediciones Penisula (1970)
>>> Gai-jin Volumes 1 e 2 de James Clavell pela Record (1995)
>>> Duas Mulheres de Martina Cole pela Record (2008)
>>> O Trono Lobo Gris Vol. III de Cinda Williams Chima pela Suma De Letras (2015)
>>> Sr. Daniels de Brittainy C. Cherry pela Record (2015)
>>> A Viagem De Theo de Catherine Clement pela Cia. Das Letras (1998)
>>> O Centro E As Margens: Prostituic§aƒo E Vida Boe‚mia Em Londrina, 1930-1960 de Antonio Paulo Benatti pela Aos Quatro Ventos (1999)
>>> Casa Nobre Volumes 1 e 2 de James Clavell pela Circulo do Livro (1981)
>>> O Livro Dos Espelhos de E. O. Chirovici pela Record (2017)
>>> O Meio Irmao de Lars Saabye Christensen pela Objetiva (2005)
>>> Cidade Das Cinzas de Cassandra Clare pela Galera Record (2014)
>>> O Fantasma Dos Grandes Bancos de Arthur C. Clarke pela Publicações Europa-américa (1990)
>>> Segredos Destruidores de Mary Higgins Clark pela Record (2007)
>>> Casa Nobre Volumes 1 e 2 de James Clavell pela Record (1981)
>>> Armada de Ernest Clyne pela Leya (2015)
>>> O Codex Dos Cacadores De Sombras de Cassandra Clare pela Galera Record (2014)
>>> O Retorno De Merlim de Deepak Chopra pela Rocco (1996)
BLOG >>> Posts

Sexta-feira, 2/7/2010
E a Holanda eliminou o Brasil
+ de 4700 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O "Milagre de Port Elizabeth", assim definiu o jornal holandês De Telegraaf a vitória de seu time contra nossa seleção. Em geral os jornais daqui publicaram artigos na internet detalhando os lances mais importantes da partida, as palavras de Dunga após a derrota e a repercussão na própria mídia brasileira, incluindo a mensagem de Ronaldo através do Twitter. O tom geral de surpresa se misturava à alegria dos torcedores, fielmente fantasiados de laranja. Laranja, a cor da família real, estava em todas as direções, nas mais inusitadas decorações, nos permitindo dizer que no quesito torcida eles mostraram-se muito patrióticos. Ainda engasgados, lembravam que demorou 36 anos para novamente vencer nosso país em uma disputa de Copa do Mundo.

Na segunda-feira, dia em que tentavam seguir às quartas-de-final, percebi que tudo estava paralisado em função do jogo, inclusive o comércio, quase todo fechado. Mas os torcedores lotavam os bares e cafés para vibrarem juntos, e aí vi uma banda com tiozinhos tocando músicas nacionalistas, a energia oranje acabou me contagiando. Pensei nesta possível disputa entre Holanda e Brasil que vivemos hoje e quase quis que a Holanda ganhasse. Assustada, apelei aos anjos do futebol, pedindo seu auxílio para me fortalecer até sexta-feira.

A fim de recobrar minhas forças de torcedora em território inimigo recorri ao estádio de Utrecht, onde se reuniriam torcedores canarinhos em favor de nosso time. Sempre que me encontro em eventos da comunidade brasileira acho curioso que todos os clichês sobre o Brasil se concretizem. Em dia de jogo, então, não podia faltar: pandeiros, cornetas, apitos e até surdos, além de belas mulheres de short e salto sambando. Bom, era tudo que precisava para explodir em ufanismo e torcer integralmente a favor da seleção.

Durante o primeiro tempo foi aquela alegria, uma gritaria imensa enquanto nossos "inimigos", também presentes, observavam com curiosidade aquela dança coletiva e até tentavam ensaiar uns passinhos, fazendo muito feio em frente às nossas "passistas". Não havia muita concentração no jogo em si, mas os lances mais importantes eram motivos de gritaria para ambas as partes, sambando bem ou mal.

Veio, então, o segundo tempo. O quê? A Holanda empatou? Ahn? Mais um gol da Holanda? Cartão vermelho? Essas perguntas passaram a inquietar a todos, inclusive os próprios torcedores laranja, que não viram seus jogadores bem no primeiro tempo, mas não acharam ruim que os jogadores brasileiros tenham perdido a cabeça no segundo tempo.

Resolvi apelar para eles novamente, os anjos do futebol. Imaginei Leônidas da Silva, Didi e Garrincha pairando sobre o estádio e tentando soprar bons fluidos para nossos jogadores. Podem muito ter tentado, mas não adiantou. Um rapaz, o tal de Wesley Sneijder, a quem havia eu apelidado Wesley Snipes (rá, rá), praticamente um anão para os padrões de altura holandeses, fez a diferença na partida, cabeceando e marcando o segundo gol para seu time. Pensei um pouco e percebi que a concentração brasileira havia sido organizada em local equivocado, visto que foi dali, daquele estádio de Utrecht, que Sneijder, jogador da Internazionale de Milão, saiu para brilhar.

Após o apito final confesso que fiquei triste e ouvi falar que havia alguma moça chorando em meio à nossa torcida, mas de um modo geral a tristeza demorou um minuto. Depois passou, tudo acabou em samba, todos ali juntos comemorando (?), dançando bem ou muito mal. Os oranje não se importaram, pois em Port Elizabeth seus conterrâneos acertaram o passo ― ou foram os adversários, nós, que perdemos o compasso. A camisa do torcedor holandês aludindo a pernas de pau passou de ridícula a pertinente, que ironia!

Querendo compensar minha tristeza pensei em fazer umas comprinhas, de repente um pretinho básico para demonstrar meu luto diante da terrível derrota. Olhei para as lojas e, adivinhem, tudo era laranja. Pensei em entrar em uma lojinha, mas fiquei com medo de escutar: "Darling, oranje is the new black!".

No caminho para casa escutamos o gol narrado com emoção pelo radialista, em replay. Ele gritava: "Sneijder tem 22 centímetros de altura e fez o gol de cabeça!". Depois vi Dunga, também um anão, ao menos de nome, dando suas declarações, e lembrei-me de outro praticamente anão, a quem intitularia Zangado, que segue firme na Copa enquanto nossos jogadores e Dunga fazem as malas. Assim não vale, mas quem sabe dessa forma não pego um gostinho de torcer para os laranjas encontrarem este time na final e, por favor!, ganharem, e quem sabe a nossa derrota fica menos. Nossos hermanos, do país de Zangado Mano de Diós, não estão perdendo a oportunidade de escrever disparates em sua imprensa, inclusive trazendo à memória a perda triste contra o Uruguai em 1950 no Maracanã.

Querido Diamante Negro, inesquecível Mr. Football, amado Mané Guarrincha, cuidem de nossos corações feridos, tragam-nos forças para que nos recuperemos e possamos fazer um jogo bonito e perfeito daqui a quatro anos e desta vez conseguir ganhar a Copa em nosso país. E, por favor, "inspirem" nossos rivais vizinhos para que permitam a entrada de Mick Jagger no estádio, usem casacos de um estilista famoso e percam o compasso de seu tango.


Postado por Tatiana Mota
Em 2/7/2010 às 21h02

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma história da Salon, da Slate e da Wired (2014) de Julio Daio Borges
02. Vida de Escritor no Catarse de Ana Elisa Ribeiro
03. Pensar Edição, Fazer Livro 3 de Ana Elisa Ribeiro
04. Dicionário de Imprecisões de Ana Elisa Ribeiro
05. Irmãos Amâncio de Julio Daio Borges


Mais Tatiana Mota no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/7/2010
00h24min
Acabei de receber o email com este texto maravilhoso já na madruga de segunda-feira. Um dia depois da derrota da nossa Seleção, a Argentina foi atropelada no dia seguinte, se rendendo ao bom futebol da Alemanha. Confesso que estou emocionado com a entrega e dedicação dos uruguaios, seleção esta que estou torcendo, mas seria uma pena, um insulto, uma blasfemia ao futebol se a Alemanha não levantar este troféu.
[Leia outros Comentários de Rafael Tavares ]
5/7/2010
00h33min
Tatiana: Que encanto de crônica! Belíssima, alegre, em momento de choro e tristeza. Você deve ser uma mulher linda! Porque um texto desse quilate só pode ter sido escrito por quem tem a beleza em si, e a transfere para o papel. Vou transcrever sua crônica em meu modesto blog.
[Leia outros Comentários de FEIZ NAGIB BAHMED]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Celelê - Está na Hora de uma História Eu Escutar
Celise Melo ( Celelê )
Biostrinho
(2013)



O Caso Morel
Rubem Fonseca
Folha
(2003)



Takeharu Akagawa - Uma vida dedicada ao turismo
Sonia Sahão
Edicon
(2000)



Três Cadernos de História, Idéias e Reflexões
Brasil Pinheiro Machado
Arte e Letra
(2002)



Assassinatos na rua Morgue e outras histórias
Edgar Allan Poe
Saraiva
(2019)



Cilada
Harlan Coben
Sextante
(2022)



Livro Literatura Brasileira Saltikoff
Katia Hultmann
Novo Século
(2011)



Registro Internacional de Personalidades Importantes
Lizette Eskenazi Pernidji
Agel Ávila



Albert Einstein e seu universo inflável 522
Mike Goldsmits
Companhia das Letras
(2010)



Um amor em Paris
Vários Autores
Quinteto Editorial
(2000)





busca | avançada
57174 visitas/dia
1,8 milhão/mês