Musica erudita e os bibelôs | Digestivo Cultural

busca | avançada
73886 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto “Sala de Visita” recebe Mauricio Virgulino para falar sobre Educomunicação e arte
>>> ZapMusic, primeiro streaming de músicos brasileiros, abre inscrições para violonistas
>>> Espetáculo de dança em homenagem à Villa-Lobos estreia nesta sexta
>>> Filó Machado comemora 70 anos de vida e 60 de carreira em show inédito com sexteto
>>> Série 8X HILDA tem sessões com leitura das peças As Aves da Noite e O Novo Sistema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Tiro ao alvo
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os bastidores de Psicose
>>> Contra reforma ortográfica
>>> Para pecar, vá de manga
>>> Público, massa e multidão
>>> Vida de Estagiário II
>>> Biocyberdrama: quadrinhos pós-humanos
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Suicídio on-line põe internet no banco dos réus
>>> O melhor presente que a Áustria nos deu
>>> Robinson Shiba do China in Box
Mais Recentes
>>> Curso de Direito Processual Civil (Volume 3) de Fredie Didier Jr. , Leonardo Carneiro da Cunha pela JusPodium (2016)
>>> Curso de Direito Processual Civil (Volume 2) de Fredie Didier Jr, Paula Sarno Braga, Rafael Alexandria de Oliveira pela JusPodium (2016)
>>> Direito e Democracia: entre Facticidade e Validade - Volume 2 de Jürgen Habermas pela Tempo Brasileiro (2003)
>>> Histoire Des Idees Sociales en France. Tome 3. D'Auguste Comte a P.-J. Prouhon de Maxime Leroy pela Gallimard (1954)
>>> O que Podemos Vir a Ser de Piero Ferrucci pela Totalidade (2007)
>>> La bella vita - Marcello Mastroianni racconta de Emzp Biagi pela Rizzoli (1996)
>>> A paixão de Cristo segundo Mel Gibson. uma história bem contada? de Walter Eduardo Lisboa pela Paulinas (2005)
>>> O Barco - Coleção Gato e Rato de Mary França - Eliardo França pela Ática (1987)
>>> Clube da Luta de Chuck Palahniuk pela Leya (2019)
>>> O Pega-pega - Coleção Gato e Rato de Mary França - Eliardo França pela Ática (1987)
>>> 12 Anos de Escravidão de Solomon Northup pela Seoman (2014)
>>> Respeita os Teus Limites de Ricardo Peter pela Paulus (1999)
>>> Ponciá Vicêncio de Conceição Evaristo pela Pallas (2017)
>>> Antologia poética de Fernando Pessoa pela Bazar do Tempo (2016)
>>> Poesia Reunida de Orides Fontela pela Cosac & Naify (2012)
>>> Guerras Mundiais - Kit com 2 Livros - 1ª e 2ª Guerra Mundial de Claudio Blanc pela Camelot (2020)
>>> Tungstênio de Marcello Quintanilha pela Veneta (2014)
>>> Getúlio 3 (1945-1954) de Lira Neto pela Cia das Letras (2012)
>>> Getúlio (1930-1945): Do governo provisório à ditadura do Estado Novo de Lira Neto pela cia das Letras (2012)
>>> Getúlio 1 (1882-1930) de Lira Neto pela Cia das Letras (2012)
>>> Cabeça de porco de Luiz Eduardo Soares , Mv Bill, Celso Athayde pela Objetiva (2005)
>>> Poesia 1930-1962 de Carlos Drummond de Andrade pela Cosac & Naify (2012)
>>> Marcados de Claudia Andujar pela Cosac & Naify (2009)
>>> Viagem ao Centro da Terra de Julio Verne pela L&PM Pocket (2002)
>>> Atitude Mental Positiva de Napoleon Hill pela CDG Grupo Editorial (2014)
BLOG >>> Posts

Sexta-feira, 3/9/2010
Musica erudita e os bibelôs

+ de 1800 Acessos

É atribuída a Antonio Lizárraga (1924-2009), artista plástico argentino radicado no Brasil, a afirmação de que a arte não tem que ser bonita: quem desejar coisas bonitinhas deve procurar bibelôs na esquina. A advertência poderia ter sido afixada à entrada do auditório do SESC Pinheiros, na noite de 25 de agosto de 2010, quando a apresentação do conjunto Percorso Ensemble serviu de fecho à programação dedicada à música erudita, levada a cabo ao longo dos meses de julho e agosto deste ano.

O Percorso Ensemble é uma formação camerística criada em 2002, voltada para a interpretação do repertório erudito dos séculos XX e XXI. Integrado por três percussionistas (Márcia Fernandes, Herivelto Brandino e Ricardo Bologna, seu fundador), além de um violoncelista, Douglas Kier, a audição no SESC Pinheiros concentrou-se na execução de peças de diferentes compositores, reunidas sob o instigante rótulo de teatro musical. Afinal, a ópera Otelo, de Verdi (1813-1901), por exemplo, baseada na obra homônima de Shakespeare (1564-1616) para teatro não deixa, de certo modo, de ser acolhida dentro dessa mesma rubrica (como todo gênero operístico, por sinal). No caso particular do Percorso Ensemble, o que ocorreu no palco revelou-se como algo muito próximo das conhecidas performances.

O espetáculo foi precedido das palavras do grande violonista Fábio Zanon, curador do evento, que didaticamente sintetizou sua proposta. Em primeiro lugar, ele observou que as peças a serem executadas tinham sua âncora no questionamento dos limites da arte ― aqui compreendidas as fronteiras da tela, do texto, do palco e da partitura ―, iniciado na passagem do século XIX para o século XX e que chegou ao clímax no pós Segunda Guerra Mundial.

No campo musical, segundo Zanon, a música, além de ater-se a seus elementos tradicionais (melodia, harmonia e ritmo), passou a levar em conta outros aspectos como o gesto, a textura sonora, o visual e, remetendo-se a John Cage (1912-1992), o próprio silêncio.

Depois de recordar que, de uma certa forma, essas considerações já haviam sido tecidas na Renascença, época em que veio à luz, entre os séculos XVI e XVII, o gênero operístico, em uma ruptura dos limites ditados pelas polifonias medievais, Fábio Zanon discorreu sobre cada uma das peças do programa: Bravo, de autoria do brasileiro Tim Rescala (1961- ); Siegrifiedp, de Mauricio Kagel (1931-2008); Les guetteurs de sons, de Georges Aperghis (1945- ); Vous avez du feu? e Musique de table, respectivamente sob as assinaturas de Emmanuel Séjourné (1961- ) e Thierry de Mey (1956- ).

O espetáculo traduziu-se em um desafio a ser encarado com humor e por ouvidos bem informados, daí a pertinência das explicações de Fábio Zanon.

Em Bravo, os quatro intérpretes mimetizaram uma plateia, tirando sonoridades das palmas, dos brados de "Bravo", dos pedidos de "Bis" e de outros ruídos que habitam, com os fantasmas, as salas de concerto: o papel da bala desembrulhada, a tosse irritante e o espirro inconveniente.

No único solo da noite, o violoncelista Douglas Kier interpretou Siegfriedp, aproximadamente cento e vinte variações criadas por Kagel, compositor argentino-alemão, sobre o anagrama musical formado pelas letras do nome do cellista Siegfried Palm. A partitura ― uma tabela montada nas seis faces de um cubo ― apareceu desdobrada sobre a estante do músico e integrou a performance. A interpretação, além das cordas dos instrumentos, incluiu tanto a respiração como a voz do intérprete.

Por seu turno, Les Guetteurs de sons ("Os espreitadores" ou "vigilantes" ― como quis Fabio Zanon ― "de sons") revelou-se como um estudo sobre o gesto do músico ao tocar seu instrumento. Os três percussionistas, de forma dramática, assumiram cada qual o seu tambor, soltando frases sobre a escuta do silêncio e a música que provém da natureza, não apenas da água que corre como das entranhas das conchas do mar.

Em Vous avez du feu? ("Você tem fogo?"), diante da plateia deixada às escuras, o Percorso Ensemble, com os integrantes vestidos de negro, acendeu e apagou repetidas vezes oito isqueiros, criando a ilusão de pequenas estrelas luziluzindo no palco.

Finalmente, a última peça da noite foi Musique de tables ("Música de mesas"), em uma alusão ao gênero praticado nos séculos XVII e XVIII, de composições escritas para acompanhar banquetes. Para interpretá-la, os mesmos percussionistas postaram-se diante de mesas e delas tiraram sons dos mais diversos, desde a passagem ritmada da ponta dos dedos e das palmas das mãos até o batuque.

Da mesma forma que grande parte do público tem dificuldade em aceitar como expressão artística certa parcela da produção visual contemporânea (considerando contemporâneos artistas já tidos pelo olhar especializado como canônicos, a exemplo de Jackson Pollock, 1912-1956), parte expressiva dos frequentadores das salas de concerto são refratários à música erudita atual.

Se, no quesito artes visuais, o desdenhoso espectador médio, afirma que "qualquer criança pode fazer aquilo" ou que "um pincel molhado em tinta e amarrado no rabo de um burro pode produzir algo semelhante a aquilo", a desqualificação, na música, chega por meio de observações de que a criação é barulho.

Sim, naquela noite nenhum dos presentes saiu do auditório do SESC Pinheiros cantarolando, ainda que mentalmente, trecho de uma das peças interpretadas, como contrariamente aconteceria ao fim de um concerto de Rachmaninoff (1873-1943). Mas, por outro lado, a música daquela noite, apesar de cerebrina ao excesso, exigindo a companhia de explicações prévias, à guisa de bula indicativa de seu modo de uso, é a canção de nosso tempo. Dissonante, agressiva, por vezes capaz de despertar discreto riso, porém, no todo patética, como um míope conduzido por um cego, à procura de redenção em um labirinto escuro.

Parafraseando Oscar Wilde (1854-1900), no prefácio do romance O retrato de Dorian Gray, a música do Percorso Ensemble pode ter instigado na plateia os complexos sentimentos de Caliban ao olhar para o espelho do palco e, ao mesmo tempo, reconhecer-se e não se reconhecer.

Nota do Editor
Eugenia Zerbini venceu o Prêmio SESC Literatura 2004 na categoria romance, com o livro As netas da Ema. Tem contos publicados no jornal Rascunho, revista Cult e no blog do caderno "Prosa e Verso" de O Globo.


Postado por Eugenia Zerbini
Em 3/9/2010 à 00h16


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Da Teoria para a Práxis de Julio Daio Borges
02. Zodíaco de David Donato


Mais Eugenia Zerbini no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Missa do Diabo
Luiz Galdino
Atual
(1986)
R$ 5,00



Cara ou Coroa
Fernando Sabino
Ática
(2021)
R$ 41,30
+ frete grátis



Sou Exu - Eu Sou a Luz... - 1ª Edição
Joice Piacente ( Espíritos José, Maria Eugênia )
Madras
(2013)
R$ 23,95



A Vida em Flor de Dona Beja
Agripa Vasconcelos
Itatiaia
(1988)
R$ 22,00



Servidão Humana vol. 2
W. Somerset Maugham
Abril Cultural
(1982)
R$ 25,00
+ frete grátis



A Aceitação de uma Dor - Autografado
Lenize Pedrozo Martins
Bk
(2012)
R$ 12,00



Recordações Poemas e Contos
Maria Cecília Maurício da Rocha
Belo Horizonte
(1998)
R$ 8,00



Info Profissional Excel
Vários
Abril
R$ 15,00



Garotada Criativa Desenho Artistico
Kat Rakel - Ferguson
Madras
(2006)
R$ 37,00



Pirâmides, Esfinges e Faraós
Kurt Lange
Itatiaia
(1961)
R$ 17,00





busca | avançada
73886 visitas/dia
2,1 milhões/mês