Musica erudita e os bibelôs | Digestivo Cultural

busca | avançada
57174 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
>>> Dan Stulbach recebe Pedro Doria abrindo o Projeto Diálogos 2024 da CIP
>>> Bert Jr. aponta sintomas de uma sociedade mal-orientada em “Fict-Essays e Contos Mais Leves”
>>> Novo livro de Vera Saad resgata política brasileira dos anos 90 para destrinchar traumas familiares
>>> Festival de Cinema da Fronteira e Sur Frontera WIP LAB abrem inscrições
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
>>> Minha história com o Starbucks Brasil
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
>>> Quando o AlphaGo venceu a humanidade (2020)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 23º Festival Mix Brasil de Cultura e Diversidade
>>> De Lucia, McLaughlin, Di Meola
>>> Dos portões abertos de Auschwitz, 58 anos depois
>>> A reação do cinemão
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Minha história com Marisa Monte
>>> Eu não uso brincos
>>> Meu filho e minha mãe
>>> Literatura para quê?
>>> Smart people defend bad ideas
Mais Recentes
>>> Seducao Ao Amanhecer: Os Hathaways Volume 2 de Lisa Kleypas pela Arqueiro (2013)
>>> Sociedade Secreta de Tom Dolby pela Id (2010)
>>> Ta Todo Mundo Mal de Jout Jout pela Companhia Das Letras (2016)
>>> Guia Politicamente Incorreto Da Historia Do Mundo de Leandro Narloch pela Leya (2013)
>>> Um Funeral Na Grécia de Maria Luiza Bortoni Ninis pela Novo Seculo (2014)
>>> Um Funeral Na Grécia de Maria Luiza Bortoni Ninis pela Novo Seculo (2014)
>>> Tequila Vermelha de Rick Riordan pela Record (2011)
>>> Jogadas De Abertura de Steven james pela Companhia Nacional (2015)
>>> Nao Conte A Ninguem de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Fallen de Lauren Kate pela Galera Record (2012)
>>> As Casas Astrologicas de Dane Rudhyar pela Pensamento (1972)
>>> Biotipologia de Carlos Beretta e Hélio Cyrino pela Átomo (2007)
>>> O Mascaramento Na Avaliaçao Audiologica de Kátia de Freitas Alvarenga pela Pulso (2006)
>>> O Irmao Alemao de Chico Buarque pela Companhia Das Letras (2014)
>>> Psicoanálisis y educación - 2 Tomos de Wilhelm Reich; Vera Schmidt pela Anagrama (1973)
>>> Introdução À Linguística II Princípios De Análise de Varios Autores pela Contexto (2008)
>>> Persuasao Ediçao Bilingue de Jane Austen pela Landmark (2007)
>>> Carcereiros de Drauzio Varella pela Companhia Das Letras (2012)
>>> Enciclopédia do Estudante Religiões e Culturas 574 de Enciclopédia do Estudante pela Moderna (2008)
>>> Prisioneiras de Drauzio Varella pela Companhia Das Letras (2017)
>>> Onde Está A Bruxa 574 de Ilan Brenman pela Scipione (2012)
>>> Estação Carandiru de Drauzio Varella pela Companhia Das Letras (1999)
>>> Por Um Fio de Drauzio - Varella pela Companhia Das Letras (2004)
>>> Os Olhinhos da Jabuticabeira contos da Infância 574 de Gonçalves Luiz de Melo pela Sem (2010)
>>> Palavra De Medico. Ciencia, Saude E Estilo De Vida de Drauzio Varella pela Companhia Das Letras (2016)
BLOG >>> Posts

Sexta-feira, 3/9/2010
Musica erudita e os bibelôs
+ de 2300 Acessos

É atribuída a Antonio Lizárraga (1924-2009), artista plástico argentino radicado no Brasil, a afirmação de que a arte não tem que ser bonita: quem desejar coisas bonitinhas deve procurar bibelôs na esquina. A advertência poderia ter sido afixada à entrada do auditório do SESC Pinheiros, na noite de 25 de agosto de 2010, quando a apresentação do conjunto Percorso Ensemble serviu de fecho à programação dedicada à música erudita, levada a cabo ao longo dos meses de julho e agosto deste ano.

O Percorso Ensemble é uma formação camerística criada em 2002, voltada para a interpretação do repertório erudito dos séculos XX e XXI. Integrado por três percussionistas (Márcia Fernandes, Herivelto Brandino e Ricardo Bologna, seu fundador), além de um violoncelista, Douglas Kier, a audição no SESC Pinheiros concentrou-se na execução de peças de diferentes compositores, reunidas sob o instigante rótulo de teatro musical. Afinal, a ópera Otelo, de Verdi (1813-1901), por exemplo, baseada na obra homônima de Shakespeare (1564-1616) para teatro não deixa, de certo modo, de ser acolhida dentro dessa mesma rubrica (como todo gênero operístico, por sinal). No caso particular do Percorso Ensemble, o que ocorreu no palco revelou-se como algo muito próximo das conhecidas performances.

O espetáculo foi precedido das palavras do grande violonista Fábio Zanon, curador do evento, que didaticamente sintetizou sua proposta. Em primeiro lugar, ele observou que as peças a serem executadas tinham sua âncora no questionamento dos limites da arte ― aqui compreendidas as fronteiras da tela, do texto, do palco e da partitura ―, iniciado na passagem do século XIX para o século XX e que chegou ao clímax no pós Segunda Guerra Mundial.

No campo musical, segundo Zanon, a música, além de ater-se a seus elementos tradicionais (melodia, harmonia e ritmo), passou a levar em conta outros aspectos como o gesto, a textura sonora, o visual e, remetendo-se a John Cage (1912-1992), o próprio silêncio.

Depois de recordar que, de uma certa forma, essas considerações já haviam sido tecidas na Renascença, época em que veio à luz, entre os séculos XVI e XVII, o gênero operístico, em uma ruptura dos limites ditados pelas polifonias medievais, Fábio Zanon discorreu sobre cada uma das peças do programa: Bravo, de autoria do brasileiro Tim Rescala (1961- ); Siegrifiedp, de Mauricio Kagel (1931-2008); Les guetteurs de sons, de Georges Aperghis (1945- ); Vous avez du feu? e Musique de table, respectivamente sob as assinaturas de Emmanuel Séjourné (1961- ) e Thierry de Mey (1956- ).

O espetáculo traduziu-se em um desafio a ser encarado com humor e por ouvidos bem informados, daí a pertinência das explicações de Fábio Zanon.

Em Bravo, os quatro intérpretes mimetizaram uma plateia, tirando sonoridades das palmas, dos brados de "Bravo", dos pedidos de "Bis" e de outros ruídos que habitam, com os fantasmas, as salas de concerto: o papel da bala desembrulhada, a tosse irritante e o espirro inconveniente.

No único solo da noite, o violoncelista Douglas Kier interpretou Siegfriedp, aproximadamente cento e vinte variações criadas por Kagel, compositor argentino-alemão, sobre o anagrama musical formado pelas letras do nome do cellista Siegfried Palm. A partitura ― uma tabela montada nas seis faces de um cubo ― apareceu desdobrada sobre a estante do músico e integrou a performance. A interpretação, além das cordas dos instrumentos, incluiu tanto a respiração como a voz do intérprete.

Por seu turno, Les Guetteurs de sons ("Os espreitadores" ou "vigilantes" ― como quis Fabio Zanon ― "de sons") revelou-se como um estudo sobre o gesto do músico ao tocar seu instrumento. Os três percussionistas, de forma dramática, assumiram cada qual o seu tambor, soltando frases sobre a escuta do silêncio e a música que provém da natureza, não apenas da água que corre como das entranhas das conchas do mar.

Em Vous avez du feu? ("Você tem fogo?"), diante da plateia deixada às escuras, o Percorso Ensemble, com os integrantes vestidos de negro, acendeu e apagou repetidas vezes oito isqueiros, criando a ilusão de pequenas estrelas luziluzindo no palco.

Finalmente, a última peça da noite foi Musique de tables ("Música de mesas"), em uma alusão ao gênero praticado nos séculos XVII e XVIII, de composições escritas para acompanhar banquetes. Para interpretá-la, os mesmos percussionistas postaram-se diante de mesas e delas tiraram sons dos mais diversos, desde a passagem ritmada da ponta dos dedos e das palmas das mãos até o batuque.

Da mesma forma que grande parte do público tem dificuldade em aceitar como expressão artística certa parcela da produção visual contemporânea (considerando contemporâneos artistas já tidos pelo olhar especializado como canônicos, a exemplo de Jackson Pollock, 1912-1956), parte expressiva dos frequentadores das salas de concerto são refratários à música erudita atual.

Se, no quesito artes visuais, o desdenhoso espectador médio, afirma que "qualquer criança pode fazer aquilo" ou que "um pincel molhado em tinta e amarrado no rabo de um burro pode produzir algo semelhante a aquilo", a desqualificação, na música, chega por meio de observações de que a criação é barulho.

Sim, naquela noite nenhum dos presentes saiu do auditório do SESC Pinheiros cantarolando, ainda que mentalmente, trecho de uma das peças interpretadas, como contrariamente aconteceria ao fim de um concerto de Rachmaninoff (1873-1943). Mas, por outro lado, a música daquela noite, apesar de cerebrina ao excesso, exigindo a companhia de explicações prévias, à guisa de bula indicativa de seu modo de uso, é a canção de nosso tempo. Dissonante, agressiva, por vezes capaz de despertar discreto riso, porém, no todo patética, como um míope conduzido por um cego, à procura de redenção em um labirinto escuro.

Parafraseando Oscar Wilde (1854-1900), no prefácio do romance O retrato de Dorian Gray, a música do Percorso Ensemble pode ter instigado na plateia os complexos sentimentos de Caliban ao olhar para o espelho do palco e, ao mesmo tempo, reconhecer-se e não se reconhecer.

Nota do Editor
Eugenia Zerbini venceu o Prêmio SESC Literatura 2004 na categoria romance, com o livro As netas da Ema. Tem contos publicados no jornal Rascunho, revista Cult e no blog do caderno "Prosa e Verso" de O Globo.


Postado por Eugenia Zerbini
Em 3/9/2010 à 00h16

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Decálogo de Bertrand Russell de Julio Daio Borges


Mais Eugenia Zerbini no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cuentos de Unicornios
Cristina Cambareri
Continente
(2004)



Marx
Gérard Raulet
Ellipses
(1997)



Memórias do Cárceres 2
Graciliano Ramos
Record
(1975)



O Momento Mágico
Jeffrey Zaslow
Novo Conceito
(2013)



/Protocolos de Conduta - Hospital Israelita Albert Einstein
Instituto de Ensino Pesquisa Albert Einstein
Atheneu
(2003)



Otto - Malas Trocadas
Edla van Steen
Giostri
(2012)



Um Misterio Para Ernest Hemingway
Michael Atkinson
Globo
(2011)



Instruções Sobre Operações de Seguro no Ramos Transportes Internaci
Instituto de Resseguros do Brasil
Irb
(1989)



Livro Administração Técnicas de Análise Financeira um Guia Prático para Medir o Desempenho dos Negócios
Erich A. Helfert
Bookman
(2000)



Botnica Organografia. Quadros Sinóticos Ilustrados De Fanerógamos
Waldemiro Nunes Vidal
Ufv
(2003)





busca | avançada
57174 visitas/dia
1,8 milhão/mês