O mercado de ebooks no Brasil | Digestivo Cultural

busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Terreiros Nômades leva arte, história e saberes das culturas africanas e originárias a escolas
>>> Luarada Brasileira lança primeiro EP com participação especial de Santanna, O Cantador
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> É uma ver-gonha
>>> Steve Vai tocando Beat it
>>> Tiro de Letra
>>> Ler muito e as posições do Kama Sutra
>>> Lockdown Sessions No. 3
>>> Mundo negro, branco na capa
>>> Puro Guapos no Tom Jazz
>>> Google Music Search
>>> Nostalgia do país inventado
>>> Manifesto Infeliz
Mais Recentes
>>> Nudez Mortal de J. D. Robb pela Bertrand Brasil (2006)
>>> A Bolsa Amarela de Lygia Bojunga pela Agir (1998)
>>> Microeconomia em Ação de Alexandra Strommer de Farias Godoi; Cláudia Helena Cavalieri; Gustavo Fernandes pela Évora (2018)
>>> Vivendo Com Propósitos de Ed René Kivitz pela Mundo cristão (2003)
>>> Seis Sigma de Roberto G. Rotondaro pela Atlas (2011)
>>> A Arte e a Prática da Massagem em Bebês de Peter Walker pela Pensamento (2001)
>>> Memorias De Um Sargento De Milicias de Manuel Antonio De Almeida pela Panda Books / Original (2015)
>>> MPB Na Era do Rádio de Sérgio Cabral pela Nacional (2011)
>>> Coleção 2 Livros Guia Visual Folha de São Paulo Barcelona e Catalunha + Estradas da Espanha de Publifolha pela Publifolha (2011)
>>> Coronelismo Enxada E Voto de Victor Nunes Leal pela Companhia Das Letras (2012)
>>> Pequenos Deuses de Terry Pratchett pela Bertrand (2015)
>>> Livro de Bolso Literatura Brasileira Machado de Assis Obra Completa Volume I de Machado de Assis pela Nova Aguilar (1986)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedp0 pela Panda Books / Original (2017)
>>> Livro Geografia Manual de Geografia Urbana de Milton Santos pela Edusp (2012)
>>> A Uruguaia de Pedro Mairal pela Todavia (2021)
>>> Livro Literatura Brasileira Machado de Assis Obra Completa Volume II de Machado de Assis pela Nova Aguilar (1986)
>>> O Que Eu Sei De Verdade de Oprah Winfrey, Fabiano Morais pela Sextante (2015)
>>> Os Doze Dias De Dash E Lily de David Levithan; Rachel Cohn pela Galera (2022)
>>> Travesti: Prostituição, Sexo, Gênero E Cultura No Brasil de Don Kullick pela Fiocruz (2008)
>>> Livro Geografia Por um Outra Globalização: do Pensamento único à Consciência Universal de _Milton Santos pela Record (2002)
>>> Lei e Causa do Progresso de Herbert Spencer pela Cultura Moderna (1940)
>>> Proposito: A Coragem De Ser Quem Somos + Uma Vida com Propósitos de Sri Prem Baba; Rick Warren pela Sextante; Vida
>>> Fala Sério, Mãe! de Thalita Rebouças pela Rocco
>>> Mudanca de Mo Yan pela Cosac & Naify (2013)
>>> Pacto Sinistro de Patricia Highsmith pela Ediouro (2006)
BLOG >>> Posts

Segunda-feira, 23/7/2012
O mercado de ebooks no Brasil
+ de 4300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Preciso repetir sempre: desde 2000, ano em que criei meus primeiros ebooks para o pré-histórico Rocket eBook - fiz até mesmo uma versão em .RB e em EbookEditPro para o Caderno Rosa de Lori Lamby, de Hilda Hilst, de quem era então secretário -, enfim, desde 2000, não canso de me espantar com a inércia bovina e com a impressionante falta de visão do mercado (isto é, dos produtores, distribuidores e consumidores brasileiros) diante dessa fantástica inovação tecnológica. Talvez esse meu espanto não passe de uma reação colateral a um trabalho que escrevi na UnB, nos anos 1990, sobre a história do livro, desde as placas de argila, passando pelos papiros e palimpsestos até os códices e brochuras atuais. (Atuais?) Qualquer faraó, qualquer escriba persa, qualquer monge copista ficaria embasbacado ao deparar-se com uma placa... placa de quê? parece cerâmica... mas é muito leve... e tem um... espelho? Não, não reflete, muito fosco... Nossa, apareceu um texto nela!!! Que mágica, as páginas desaparecem e reaparecem no mesmo lugar! O quê?!! Há mais de mil pergaminhos dentro dele?!! É uma biblioteca de Alexandria ambulante?! De onde saiu isso?! Ah, meu senhor, não faço ideia, deve ter vindo do Céu, muito provavelmente os deuses o trouxeram...

Um excelente artigo de C. S. Soares, Diretor-Executivo da Obliq Press, publicado no site Musa Rara, dá detalhes desse nosso atraso, o qual muito se assemelha a nossas estradas esburacadas em comparação às autobahns alemãs.

Leia um trecho:
(...) Segundo dados da Nielsen BookScan, a queda nas vendas dos livros impressos nos Estados Unidos dobrou em dois anos (sendo que a maior redução foi em ficção - 7,2% em 2010 e 18% em 2011). No Reino Unido, nas primeiras quatro semanas de 2012, a redução nas vendas de livros físicos foi de 12% no geral e de 26% apenas em ficção. O mesmo ocorre na Espanha. Na Itália, a exceção, as vendas de ficção ainda crescem.

No Brasil, onde a cada ano que passa as grandes editoras reduzem a quantidade de títulos publicados, inusitadamente, o mercado editorial festeja os índices apresentados no recente levantamento "Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro", realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas da Universidade de São Paulo (FIPE/USP). Os resultaos mostraram um crescimento de 7,2% nas vendas do setor literário no Brasil. Dos 438 milhões de exemplares vendidos em 2010, foram vendidos 469,5 milhões em 2011.

É importante lembrar que a análise da FIPE/USP, que apura dados nos segmentos que sustentam a cadeia produtiva do livro, ou seja, o mercado (livrarias e outros pontos de venda) e o governo (que compra das editoras por meio de programas como Plano Nacional do Livro Didático - PNLD), avalia o preço médio do livro, que não corresponde ao que é pago pelo consumidor, e sim às vendas (com descontos) das editoras ao mercado e ao governo. Ainda segundo o levantamento da FIPE, os títulos digitais ainda não têm influência significativa na elevação ou queda do preço médio do livro, mas começam a fazer presença no panorama editorial, com mais de 5.200 títulos lançados em 2011. O número equivale a aproximadamente 9% dos mais de 58 mil títulos totais lançados em 2011. Em relação às vendas, o total corresponde a um faturamento de cerca de R$ 870 mil. Enfim, muito pouco, quase nada.

Enquanto isso, nos EUA, segundo relatório recentemente divulgado pela Association of American Publishers (AAP), os livros digitais já trazem maior faturamento aos editores americanos do que os tradicionais livros de capa dura. Além disso, no seguimento de livros para adultos, entre janeiro de 2011 e janeiro de 2012, as vendas de e-books cresceram cerca de 50%. Já no seguimento de livros infantis, o crescimento do faturamento foi de 475% no mesmo período!

Resumindo, a situação é a seguinte: no mercado brasileiro, celebra-se o "crescimento" das vendas de livros impressos e nos EUA, o faturamento, cada vez maior, ano a ano, na venda dos e-books. Pergunto a você, prezado leitor, qual das duas situações deveria, digamos, ser mais celebrada?

A grande verdade, amigos, é que as editoras nacionais ainda não reconhecem a importância cada vez maior do conceito de inovação no mundo atual. Editoras concorrendo com empresas de tecnologia? Ora, só incorporando inovação e, claro, tecnologia nos seus processos. Existem ainda grandes editoras brasileiras (pasmem!) que não possuem intranet e não dão a devida atenção à gestão de seus ativos digitais. É nesse cenário hostil que as editoras precisarão lutar para sobreviver. Se querem ter melhores chances de sobrevivência, precisam, para começar, "tirar a venda" (que elas mesmas colocaram) dos olhos. É preciso fazer o trabalho de casa. Esquecer o passado e olhar (de forma positiva) para o futuro. A crise, acredito, pode ser oportunidade para ampliar (até) sua carteira de clientes e portfólio de produtos e serviços.

Livros e software são produtos do intelecto. Conhecimento recuperado, produzido, editado, empacotado e publicado. O que estamos observando é que a Amazon, Google e Apple (Microsoft, em breve) também se tornaram "editoras" e "livrarias" dos novos tempos. Elas apostam nos livros digitais, pois sabem que eles tendem a superar, por diversos motivos, a vendas dos livros impressos. Entretanto, as editoras em geral (e principalmente as brasileiras) insistem em enaltecer uma tecnologia do século XV (a prensa de Gutenberg), modelos de negócios do século XIX, achando que assim vão se estabelecer no século XXI. Ainda se ouve (acreditem!) entre muitos editores brasileiros a discussão sobre a "insuperável" supremacia do livro impresso sobre o digital. (...)
E então, gente? Vamos mudar de perspectiva?


Postado por Yuri Vieira
Em 23/7/2012 às 11h34

Quem leu este, também leu esse(s):
01. João Moreira Salles e o fim de Julio Daio Borges
02. Entre a ordem e o caos de Julio Daio Borges


Mais Yuri Vieira no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/8/2012
04h58min
O Brasil está engatinhando ainda, e penso que ficará assim para sempre, ainda mais se compararmos a nossa realidade com a de outros países, principalmente com os Estados Unidos. Não são apenas as editoras que não valorizam o mundo digital. As empresas também! Mais de 50% sequer tem uma presença na internet e quando questionadas dizem que não precisam de um site. O Brasil está comemorando porque o ano passado a publicidade na internet gerou um faturamento de R$ 3.3 bilhões, enquanto a publicidade na internet norte-americana gerou um faturamento de US$ 31 bilhões. Ou seja, quando as editoras e as empresas de modo geral começarem a perceber o valor e as vantagens do universo digital, lá eles estarão em outro nível, muito mais avançados, que nós nem conseguimos imaginar. O brasileiro é arrogante, hipócrita, metido a sábio, resistente a mudanças e orgulhoso. Engana-se quem pensa que esse é um país liberal e quem dera, moderno em algum aspecto.
[Leia outros Comentários de K. P.]
4/8/2012
13h34min
Olha, bem difícil discordar de você, K.P. Se observarmos as coisas por aqui tais quais são - essa mania anti-empreendedorista da sociedade (todos atrás de concursos públicos), os altos impostos e taxas, o cipoal de regulamentações, os encargos trabalhistas absurdos inspirados em Mussolini - enfim, tudo nos leva a crer que você tem razão. Ora, o Estado torna tudo tão difícil para o empresário que mal sobra para ele investir e arriscar com "novidades". (Basta ver a diferença entre ter um site com domínio e hospedagem no exterior e outro site .br hospedado aqui para se ter uma clara noção da diferença.) No entanto, enquanto escritor, ainda tenho a esperança de, futuramente, vender meus ebooks numa quantidade razoável. Quem sabe com a chegada da Amazon? Meus primeiros livros já estão à venda lá. Ou seja, ela ainda não chegou ao Brasil mas já estou vendendo. Veremos como será quando aceitarem não apenas cartões de crédito internacional. Ah, sim, este não é mesmo um país liberal. É estatista
[Leia outros Comentários de Yuri Vieira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Seis Passos para a Revitalização da Marca
Larry Light, Joan Kiddon
Bookman
(2010)



Walden - Ou A Vida Nos Bosques
Henry D. Thoreau
Aquariana
(2001)



Lote 10 + 1 Livros Infantis Para Crianças de 0 a 6 Anos Contos Aventuras Bichos
Penélope Martins; Ricardo Azevedo; Lúcia Pimentel Góes; Cezar Braga Said
Larousse; Moderna; Dimensão
(2014)



Livro Literatura Estrangeira Razão e Sensibilidade
Jane Austen
Martin Claret
(2009)



A piscina; Diário de gravidez; Dormitório: três novelas
Yoko Ogawa
Estação Liberdade
(2023)



Metodologia do trabalho científico 402
Antônio Joaquim Severino
Cortez
(2001)



Ensaios dos Materiais
Amauri Garcia; Jaime Alvares Spim; Carlos Alexandre dos Santos
Ltc
(2000)



A Força das Ideias
Richard Simonetti
O Clarim
(1994)



O Chamado do Cuco
Robert Galbraith
Rocco
(2013)



Livro Infantil O Segredo do Coelho
John A. Rowe, Alipio Correia de França Neto
Cosac & Naify
(2010)





busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês