Uma História da Tecnologia da Informação- Parte 10 | Blog de Claudio Spiguel

busca | avançada
41138 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOGS >>> Posts

Domingo, 16/8/2015
Uma História da Tecnologia da Informação- Parte 10
Claudio Spiguel

+ de 1100 Acessos

Parte 10: Lembro aos leitores e leitoras que não leram Partes 1 - 9, que vocês podem acessá-las "clicando" no Mais Claudio Spiguel aí embaixo no rodapé do texto.

E lá estava eu, então, às voltas com como evitar a chateação e o custo de ter de usar um(a) datilógrafo(a) profissional para colocar minha dissertação de Doutorado no formato apropriado e aceitável para a Escola RACKHAM de Estudos de Pós-Graduação da Universidade de Michigan.





Escrevi na Parte 9 que o formato prescrito para dissertações de Doutorado é rígido. De fato, margens, fontes, sequência de páginas, numeração de páginas, índices, subtítulos, fórmulas, etc. são todos precisamente definidos (há manuais que contém essas definições), e qualquer desvio dessas normas pode fazer com que uma dissertação não seja aceita para defesa, e obtenção do título acadêmico. O conteúdo da dissertação é avaliado pelos professores da banca examinadora, mas o formato era verificado da maneira mais tradicional possível: entrava-se em uma sala na RACKHAM onde em duas mesas lado-a-lado estavam duas bibliotecárias especialmente treinadas nos tais manuais de formato. As duas se vestiam em estilo extremamente formal e conservador, óculos de leitura acomodados na ponta do nariz, e dedeira de borracha no dedo indicador da mão direita para virar as páginas dos dois, assim chamados, bonecos idênticos da dissertação (todas as páginas antes de serem encadernadas) que eram levados pelo autor à reunião. Em frente às mesas UMA cadeira, de onde o autor contemplava o virar ritmado das páginas pelas dedeiras de borracha; desvios das normas eram reportados em voz alta e anotados pelo autor para correção (possivelmente nova datilografia de grande parte da dissertação - ver Parte 9) e nova verificação em data posterior.





O motivo de haver DUAS bibliotecárias era que algo que escapasse a uma delas, muito provavelmente não escaparia à outra, garantindo assim o formato perfeito. E havia uma grande pressão, pois a cada candidato era facultado agendar apenas DUAS dessas reuniões, e se falhas fossem identificadas em ambas, o professor orientador era informado, e apenas mais uma reunião poderia ser marcada onde o candidato E o orientador deviam comparecer para verificação do formato. Falha nessa terceira reunião causava a NÃO-aceitação da dissertação e perda do título. Isso colocava os datilógrafos, também treinados no formato rígido, no caminho crítico de obtenção do título de Doutor pelo candidato, e obviamente havia uma comunicação velada entre a comunidade de datilógrafos da cidade, e as bibliotecárias da RACKHAM.

Conforme comentei anteriormente, a distribuição da capacidade de processamento, fruto da miniaturização dos componentes de processamento de dados por computadores, tendia a popularizar o uso do computador, e um dos primeiros usos a serem popularizados foi a edição de textos. Em particular, já dentro do MTS (ver Parte 5), um programa chamado TEXTEDIT foi desenvolvido exatamente para impor em um texto a formatação rígida de uma dissertação de Doutorado (rígida, porém totalmente mecânica, paginação automática, etc.). Os datilógrafos de início boicotaram o uso do programa, pois ele retirava uma das especialidades do serviço deles, paga a preço de ouro. Alguns, no entanto, aprenderam o uso do programa, e o utilizavam para gerar os tais bonecos para verificação, sabendo que isso não eliminava a datilografia do original final, pois as impressoras ligadas ao computador apenas imprimiam em formulários contínuos (ver Parte 9), e a qualidade do papel disponível nesses formulários não era aceita como original final. Apenas a primeira (mais horas pagas...) datilografia ocorria no teclado de um terminal burro IBM3270 (ver Parte 6) ao invés de em uma máquina-de-escrever. Até isso criava ainda mais uma exclusividade para os datilógrafos, pois lembrem-se que mesmo em "time-sharing" , o tempo de uso do computador "mainframe" era caríssimo (ver Partes 4 e 5), e catar milho com dois dedos no teclado dos terminais tornava o custo proibitivo.

Enquanto eu observava essa dança dos datilógrafos, eu estudei o uso das duas máquinas novas às quais eu tinha acesso como consultor do Centro de Computação da Universidade: o computador pessoal IBM PC e a impressora XEROX 9700 (ver Parte 9). Divisei então o seguinte processo: tendo já naquela época uma certa destreza em datilografia (hoje absolutamente necessária!), datilografei a minha dissertação diretamente no computador pessoal IBM PC (estanque, sem comunicação com o "mainframe" Amdahl, portanto sem custo), incluindo no arquivo os comandos para formatação do texto pelo programa TEXTEDIT, e no texto a ser impresso os comandos para a impressora XEROX 9700 (controle de fontes, inserção de letras gregas para fórmulas matemáticas, etc.). Com o arquivo pronto e conferido por mim mesmo, liguei o computador pessoal IBM PC como terminal remoto do computador "mainframe" Amdahl, exatamente como havia feito com a gambiarra descrita na Parte 7, e transferi o arquivo para o computador "mainframe" Amdahl para ser formatado pelo programa TEXTEDIT, e depois impresso na impressora XEROX 9700 em papel normal, de qualidade para impressão do original final. O resultado é que todas as alterações sugeridas pela banca examinadora eram feitas no arquivo original dentro do IBM PC (sem custo), e aí, com ele conectado remotamente ao Amdahl, eu pressionava UMA tecla no teclado do IBM PC, e da XEROX 9700 saia um original completo da dissertação, propriamente repaginado e formatado, pronto para encadernação. Notem que isso é exatamente o que acontece hoje quando usamos o programa WORD (ao invés do programa TEXTEDIT) para formatar um texto, e imprimi-lo nas impressoras a laser ou jato de tinta que temos em nossas casas acopladas aos nossos computadores pessoais!

Assim, munido de dois bonecos da dissertação gerados como descrito, lá fui eu encontrar as bibliotecárias da RACKHAM; as duas chegaram à última página sem qualquer desvio das normas de formato, mas a máfia dos datilógrafos estava alerta: uma delas disse: "Sabemos que o Sr. não usou um datilógrafo profissional, portanto não podemos aceitar a dissertação desde que o Sr. usou tecnologia que não está disponível a outros candidatos ao título de Doutor". Na semana seguinte, meu orientador e eu comparecemos a uma audiência com a Diretoria da RACKHAM, e conseguimos convencê-los de que uma Universidade devia encorajar, e não punir, o uso de tecnologia moderna (para aquela época...).

E foi assim que foi aceita na Universidade de Michigan, fundada em 1817, a PRIMEIRA dissertação de Doutorado que não passou pelas mãos de um datilógrafo profissional.

Vocês devem estar notando que estamos nos aproximando das estações finais desta nossa viagem fantástica. Na Parte 11 falaremos da conexão entre computadores, os primórdios do conceito de REDES, como a INTERNET, a qual nasceu e se estabeleceu como um serviço global. Vocês estão gostando da viagem...?


Postado por Claudio Spiguel
Em 16/8/2015 às 22h13


Mais Blog de Claudio Spiguel
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O GRANDE CONFLITO
ELLEN G. WHITE
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
(2010)
R$ 8,00



SOCIEDADE ISRAELENSE SOCIOLOGIA - ESTUDOS
S. N. EISENSTADT
PERSPECTIVA
(1977)
R$ 28,01



MULHERES NO ATAQUE - BATE BOLA NO CAMPO ADVERSÁRIO
CARLA RODRIGUES - MARTHA MENDONÇA
PLANETA
(2003)
R$ 7,96



VOCÊ SABIA?
READERS DIGEST
READER S DIGEST
(1999)
R$ 23,00



MEMÓRIAS DE UM DES-CASADO
ANTONIO LUIS FONTELA
EDICON
(2000)
R$ 7,00



A REVOLUÇÃO FALTOU AO ENCONTRO - OS COMUNISTAS NO BRASIL
DANIEL AARÃO REIS FILHO
BRASILIENSE
(1990)
R$ 310,00



O GRANDE DESAFIO
RICHARD SIMONETTI
ED. CEAC
(2013)
R$ 30,00



ECONOMIA DE EMPRESAS E ESTRATÉGIAS DE NEGÓCIOS - 6ª ED.
MICHAEL R. BAYE
AMGH
(2010)
R$ 160,00



ESTUDOS LITERARIOS E BIOGRAFICOS
ALCANTARA SILVEIRA
PIONEIRA
(1981)
R$ 10,00



DEZ ANOS DE ECONOMIA BRASILEIRA: DECIFRANDO ENIGMAS
PAULO PASSARINHO E REINALDO GONÇALVES (ORG)
CORECON
(2009)
R$ 9,00





busca | avançada
41138 visitas/dia
1,3 milhão/mês