Uma História da Tecnologia da Informação- Parte 12 | Blog de Claudio Spiguel

busca | avançada
72442 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> MAB FAAP estará fechado nos próximos dois finais de semana, devido ao Plano SP
>>> Exposição de Pietrina Checcaci é prolongada no Centro Cultural Correios
>>> Escritora Luci Collin participa de encontro virtual gratuito
>>> Máscaras Decoloniais: Dança e Performance (edição bilingue)
>>> Prêmio Sesc de Literatura abre hoje inscrições para edição 2021
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Treehouse
>>> Música em 2004
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Jornalismo em tempos instáveis
>>> Rasgos de memória
>>> História da leitura (II): o códice medieval
>>> Rufo, 80 II
>>> Jeitos de trabalhar
>>> The GigaOM Show
>>> BoicotaSP
Mais Recentes
>>> Stewardship: Choosing Service over Self-Interest de Peter Block pela Berrett-Koehler (1993)
>>> Fuvest 2000 - Literatura de Célia N. A. Passoni pela Núcleo (1999)
>>> Doze Contos Peregrinos de Gabriel Garcia Márquez pela Record (1992)
>>> Outeiro da Glória Marco na História da Cidade do Rio de Janeiro de Jorge de Souza Hue e Outros pela Artepadilla (2015)
>>> Le Voyageur et son Ombre de Nietzsche pela Mediations (1979)
>>> Avenidas da Saúde de Dr Haroldo Shryock pela Casa Publicadora Brasileira (1963)
>>> Livro Anne Whit An E Lucy Maud Bordando com as Estrelas de Lucy Maud Montgomery pela Ciranda Cultural (2021)
>>> O Flâneur - um Passeio Pelos Paradoxos de Paris de Edmund White pela Companhia das Letras (2001)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias - Coleção o Globo de Manuel Antônio de Almeida pela O Globo (1997)
>>> O mulato de Aluísio Azevedo pela Ática (2000)
>>> Veneno Digital de Walcyr Carrasco pela Ática (2017)
>>> Uma Longa Jornada de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2015)
>>> Um Olhar Sobre a Ciência: Desenvolvimento, Aplicações e Políticas de Eloi de Souza Garcia pela Interciência (2003)
>>> O Verão e a Cidade - Os Diários de Carrie de Candance Bushnell pela Galera Record (2011)
>>> O Cotidiano de um Deficiente de Patricia Vaitsman dos Santos pela Interciência (2001)
>>> Um Porto Seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Um Ano Inesquecível de Babi Dewet, Bruna Vieira, Paula Pimenta e Thalita Rebouças pela Gutenberg (2015)
>>> A Hora da Estrela de Clarice Lispector pela José Olympio (1978)
>>> A Terra dos Meninos Pelados de Graciliano Ramos pela Record (1983)
>>> A Linguagem e Seu Funcionamento - as Formas do Discurso de Eni Puccinelli Orlandi pela Brasiliense (1983)
>>> A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata de Mary Ann Shaffer e Annie Barrows pela Rocco (2009)
>>> Poesia Que Transforma de Bráulio Bessa pela Sextante (2018)
>>> O Livro de Ouro da Mitologia de Thomas Bulfinch pela Harper Collins (2018)
>>> Memórias Quase Esquecidas: Aqueles Olhos - Vol 1 de Alduisio M. de Souza pela Literatura Brasileira (2001)
>>> A Gênese de Allan Kardec pela Feb (1999)
>>> A Guerra Não Tem Rosto de Mulher de Svetlana Aleksiévitch pela Companhia das Letras (2016)
>>> Mais Coisas Que Toda Garota Deve Saber de Antônio Carlos Vilela pela Melhoramentos (2006)
>>> Engenharia genética - O Sétimo dia da criação de Fátima Oliveira pela Moderna (1995)
>>> O Ladrão de sonhos e outras historias de Ivan Angelo pela Atica (1999)
>>> Necronomicon: the Best Weird Tales of de H. P. Lovecraft pela Gollancz (2008)
>>> Um Dia "Daqueles": Uma Lição de Vida Para Levantar o Seu Astral de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2001)
>>> A Cidadela do Caos de Steve Jackson pela Marques Saraiva (1990)
>>> O Calabouço da Morte de Ian Livinstone pela Marques Saraiva (1984)
>>> O Feiticeiro da Montanha de Fogo de Steve Jackson; Ian Livinstone pela Marques Saraiva (1991)
>>> Rostos da Portugalidade de Luís Machado pela Vega (2010)
>>> LIVRO NOVO! A Revolução dos Bichos de George Orwell pela Principis (2021)
>>> A Nave Espacial Traveller de Steve Jackson pela Marques Saraiva (1982)
>>> Norse Mythology de Neil Gaiman pela W. W. Norton & Company (2017)
>>> A Mão e a Luva de Machado de Assis pela Prazer de Ler (2016)
>>> Buda: na Floresta de Uruvella -vol. VI de Osamu Tezuka pela Conrad (2005)
>>> Buda. Em Busca da Iluminação. Vol. IV de Osamu Tezuka pela Conrad do Brasil (2005)
>>> Literatura Ao Sul de Luis Augusto Fischer pela Universidade de Passo Fundo (2009)
>>> Buda. a Outra Margem do Rio. Vol. III de Osamu Tezuka pela Conrad do Brasil (2005)
>>> O Cavaleiro da Esperança de Jorge Amado pela Record (1987)
>>> A Amiga Genial de Elena Ferrante pela Globo (2015)
>>> Passagens da Antiguidade ao Feudalismo de Perry Anderson pela Brasiliense (1987)
>>> O Não Me Deixes - Suas Histórias e Sua Cozinha de Rachel de Queiroz pela Arx (2004)
>>> George Sand de René Doumic pela Perrin (1922)
>>> Sybil de Flora Rheta Schreiber pela Círculo do Livro
>>> Dicionário de Filologia e Gramática Referente à Língua Portuguesa de J. Mattoso Câmara Jr. pela J. Ozon (1968)
BLOGS >>> Posts

Domingo, 11/10/2015
Uma História da Tecnologia da Informação- Parte 12
Claudio Spiguel

+ de 1000 Acessos

Parte 12: Lembro aos leitores e leitoras que não leram Partes 1 - 11, que vocês podem acessá-las "clicando" no Mais Claudio Spiguel aí embaixo no rodapé do texto.

Além de publicar esta série no Digestivo Cultural, envio os textos para grupos eletrônicos dos quais participo assiduamente. Na Parte 11 da série escrevi que estamos nos aproximando do fim desta viagem fantástica, e recebi vários comentários lamentando que esse seja o caso... querem mais, e isso é confortante. Na verdade, como eu também escrevi na Parte 11, há muito mais a contar no tema, e estou pensando seriamente em usar esta série como base de um livro sobre o tema... graças ao retorno positivo de vocês, leitores e leitoras, portanto o meu muito obrigado. Alguns comentários recebidos incluíram perguntas específicas, portanto resolvi escrever esta Parte 12 abordando essas perguntas para não deixar nenhum "i" sem o pingo, e nenhum "t" sem o traço horizontal.

Um comentário continha a seguinte pergunta: "como é possível o meu computador estar ligado através da Internet a computadores de todo o mundo se só há um fio que vai do computador para o modem, e um fio só também do modem para a rede telefônica? " Bem... talvez a melhor maneira de visualizar o que realmente acontece é através da telefonia; o seu telefone, leitor, não tem uma linha física direta a todos os outros telefones do mundo, e, no entanto, você pode telefonar para todos eles. Quando você chama um certo número, o seu telefone é conectado a uma central (um computador chamado de "switch" ), que tem conexões com outras centrais com outros computadores "switches" , até que chega no computador "switch" ao qual está conectado o telefone que você está chamando, e só aí então uma conexão completa é estabelecida entre o seu telefone e o telefone chamado, através de todos os "switches" pelo caminho. É, de fato, o conceito de uma REDE.



TELEFONE ANTIGO, DE MANIVELINHA

Para tornar a visualização ainda mais clara, voltemos no tempo ao começo da telefonia, quando o telefone tinha apenas uma manivelinha, e em algum lugar da cidade havia sempre uma telefonista humana sentada na frente de um painel onde figuravam todos os (poucos) telefones da cidade (a telefonista e o painel formavam o "switch" da época). Quando você queria falar com alguém, você girava a manivelinha, e uma campainha tocava na sala da telefonista, e uma luzinha acendia junto a um furinho no painel rotulado com o seu telefone. A telefonista então estabelecia um contato com você fisicamente ligando um fone de ouvido no furinho com a luz acesa e você dizia a ela com quem você queria falar. Ela aí fisicamente conectava através de um cabo o furinho com o seu telefone com o furinho do telefone sendo chamado (da mesma maneira que era programado o ENIAC - veja a Parte 8) e o telefone chamado tocava e você estava então conectado ao seu interlocutor. Tudo isso era analógico.



TELEFONISTA E O PAINEL DE CONEXÃO

Uma vez digitizada a voz humana, e com os MODEMs (Parte 7) um computador "switch" substituiu o painel e a telefonista, e faz a conexão desejada através de um programa de software e as conexões de REDE existentes e disponíveis.

A Parte 11 tem ilustrações que mostram a evolução dos primeiros anos da ARPA-net, precursora da Internet, mostrando as conexões entre os computadores em rede; uma das características da Internet de hoje é o ALTO grau de redundância, ou seja, há uma miríade de caminhos para conectar o seu computador àquele que você está buscando, de modo a minimizar a dependência da conexão por qualquer computador específico. É por isso que é raro uma conexão falhar na Internet.

Um outro leitor comentou que a minha descrição e exemplos pareciam terminar no início dos anos 90, e portanto como é que eu dizia que havíamos chegado aos dias de hoje? O comentário falava até de jargões como Cliente-Servidor, Processadores Paralelos, e até o mais moderno "cloud computing" , ou Nuvem de Processamento. O meu esclarecimento ao leitor é que descrevi os três parâmetros FUNDAMENTAIS que definem o ambiente computacional de hoje: 1) a DISTRIBUIÇÃO da capacidade de processamento nutrida pela miniaturização dos componentes; 2) a DIGITIZAÇÃO das representações analógicas, principalmente da voz humana, fotos e filmes; e 3) a CONEXÃO entre os computadores por intermédio de REDES, principalmente a INTERNET. Após o aparecimento da Internet (1989) esses parâmetros continuaram evoluindo (um belo exemplo é o tipo de conexão entre os computadores, culminando com as conexões sem fio de hoje - Wi-Fi ), porém, nenhum OUTRO parâmetro fundamental apareceu para se juntar a esses.

O projeto de um sistema distribuído de processamento de dados envolve sempre duas questões fundamentais: 1) Em que computador reside que parte do sistema (no Cliente ou no Servidor, em que processador, em que ponto da Nuvem); e 2) Como é a rede de conexão entre esses computadores. Por exemplo, no sistema distribuído que eu divisei para datilografar, formatar, e imprimir a minha Dissertação de Doutorado (Parte 10) havia três processadores organizados em série: o IBM PC, o computador "mainframe" Amdahl, e o computador de controle da impressora XEROX 9700. A datilografia (elaboração, edição e armazenagem) do arquivo fonte ocorria no IBM PC; a formatação ocorria no Amdahl; e a impressão, na XEROX 9700. Por uma questão de marketing, os consultores na área de sistemas vão inventando aqueles jargões como se fossem coisas novas e diferentes, mas os princípios, os parâmetros fundamentais, são os mesmos.

Vários leitores perguntaram se há tradução para o Português do livro que sugeri no fim da Parte 11, "The Singularity is Near..." escrito por Ray Kurzweill.



Pesquisei e a resposta é não; o livro é disponível no idioma original, o Inglês. O livro tem um subtítulo sugestivo: "Quando os humanos transcendem a Biologia...". A mensagem do livro é a seguinte: nós, humanos, somos a primeira espécie viva a criar uma tecnologia (os computadores) que podem nos ultrapassar.



CÉREBRO HÍBRIDO - A INTELIGÊNCIA NATURAL, E A ARTIFICIAL

Além disso, será possível um ser híbrido entre a nossa Biologia, e a nova Tecnologia que será um ser superior ao humano de hoje.



O SER HÍBRIDO, NA CONCEPÇÃO DO "STAR TREK"

O momento em que isso acontecer, Kurzweill chama de "Singularidade", e como diz seu título, ele julga que ele está próximo. Nesse contexto convém lembrar Darwin: "Não é o mais inteligente, ou o mais forte que sobrevive, mas sim, o mais adaptado."

Acho que a Parte 13 será o Epílogo desta série. Tenham todos a certeza de ter consigo os seus pertences de mão....


Postado por Claudio Spiguel
Em 11/10/2015 às 17h19


Mais Blog de Claudio Spiguel
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Spanish Grammar the Esay Way
Boris Corredor
Barrons
(2004)
R$ 25,00



Televisão a Vida pelo Vídeo
Ciro Marcondes Filho
Moderna
(1988)
R$ 5,00



Engano Fatal
Tania Braune
Imagem Virtual
(2003)
R$ 5,40



A Garota do Penhasco
Lucinda Riley
Novo Conceito
(2013)
R$ 30,00



Iole de Freitas
Sônia Salzstein e outros
Centro Hélio Oiticica
(2000)
R$ 20,00



Guia Visual Folha de S. Paulo - Canadá
Dorling Kindersley
Dorling Kindersley
(2000)
R$ 35,00



Précis D Électrothérapie
H. Bordier
J B Baillière
(1902)
R$ 99,22



A Irracionalidade Em Psicologia
Jorge Roux
Vozes
(1977)
R$ 5,15



Clínica do Discurso a Arte da Escuta - 3792
Sandra Maia Vasconcelos
Premius
(2005)
R$ 18,00



Viagens na Minha Terra de Almeida Garrett 27, Análise da Obra
Fernando Egídio Reis Maria Manuela Vent...
Texto
(1998)
R$ 28,77





busca | avançada
72442 visitas/dia
2,4 milhões/mês