Divisões históricas | Blog do Carvalhal

busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> OSC Usina da Imaginação, de SC, apresenta obras de crianças e jovens produzidas na pandemia
>>> Poeta paulista lança “O que habita inabitáveis lugares” abordando as relações humanas durante a pand
>>> Biografias e Microrroteiros do Parque
>>> MONUMENTOS NA ARTE: O OBJETO ESCULTÓRICO E A CRISE ESTÉTICA DA REPRESENTAÇÃO
>>> Cia Triptal faz ensaios abertos para Pedreira das Almas, de Jorge Andrade
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O lado A e o lado B de Durval Discos
>>> Stabat Mater, de Giovanni Battista Pergolesi
>>> Açaí com jabá - curta-metragem
>>> End User: We read the manuals
>>> Vivo
>>> Águas de Março
>>> Quando o virtual cai na real
>>> Um Amor Anarquista
>>> ego shots fazem bem à saúde
>>> Curso de Criação Literária
Mais Recentes
>>> O Espetacular Homem-Aranha: Homem-Aranha Nunca Mais! de Stan Lee / John Romita pela Panini Comics (2016)
>>> Imaginários - Volume 1 de Alex Mir pela Draco (2013)
>>> RexMundi : o rio subterrâneo - Livro Dois de Arvid Nelson pela Dark Horse (2008)
>>> Em Chamas - Jogos Vorazes de Suzanne Collins pela Rocco (2011)
>>> A Esperança - Jogos Vorazes de Suzanne Collins pela Rocco (2011)
>>> Livro de receitas para mulheres tristes de Héctor Abad pela Companhia Das Letras (2012)
>>> Bestiarius 1 2 e 3 de Masasumi Kakizaki pela Planet Manga
>>> O labirinto dos ossos 1 de Rick Riordan pela Ática (2009)
>>> Obras Completas de Fiodor Dostoiévski pela José Olympio (1960)
>>> Uma nota errada 2 de Gordon Korman pela Ática (2010)
>>> Dos delitos e das penas de Cesare Beccaria pela Martin Claret (2014)
>>> Não me abandone jamais de Kazuo Ishiguro pela Companhia Das Letras (2016)
>>> O livro dos abraços de Eduardo Galeano pela L&Pm Pocket (2018)
>>> Kyoto de Yasunari Kawabata pela Estação Liberdade (2006)
>>> Minha Luta 1 e 2 de Karl Ove Knausgard pela Companhia Das Letras
>>> Um novo dia para amar de Célia Xavier De Camargo pela Petit (2016)
>>> Nascida à meia-noite de C.C. Hunter pela Jangada (2011)
>>> Levada ao Entardecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> 10 Obras de Machado de Assis pela Edigraf
>>> Super interessante: nazismo-como ele pôde acontecer de Eduardo Szklarz pela Abril (2014)
>>> O livro secreto da maçonaria de Otávio Cohen pela Abril (2015)
>>> Box o Diário da Princesa de Meg Cabot pela Record
>>> Se eu morrer antes de você de Allison Brennan pela Universo Dos Livros (2011)
>>> A ditadura da beleza e a revolução das mulheres de Augusto Cury pela Sextante (2005)
>>> Poemas de alberto caeiro de Fernando Pessoa pela L&Pm Pocket (2015)
BLOGS >>> Posts

Sexta-feira, 4/12/2015
Divisões históricas
Guilherme Carvalhal

+ de 1600 Acessos

Uma notícia em um portal sobre a adaptação do livro Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil, de Leandro Narloch, para a emissora History Channel, provocou um debate estranho. De um lado aqueles que se dizem de esquerda atacaram a proposta pelo fato do autor ser ligado à Veja e que seria paradoxal realizar uma produção financiada com dinheiro público. Já os ditos de direita apoiaram, pois seria uso de verba pública para a divulgação de um ponto de vista que não seja o da esquerda.

Esse debate é fruto de um momento singular que vivemos no Brasil atualmente, de uma divisão cada vez mais acentuada entre aqueles que se dizem de esquerda e aqueles que se dizem de direita. E, como não poderia ser diferente, é uma divisão altamente temperada pela alienação com relação a política, economia, e com baixíssimo nível de dialética. Dificilmente um grupo se presta a entender o ponto de vista do outro, sem contar os termos tão rasos usados para rebaixar o outro (coxinha, fascista, esquerda caviar, comunista).

É curioso como esse tipo de abordagem é utilizada de maneira um tanto quanto estranha ou até equivocada. Nesse caso específico, pega-se a história, que é uma ciência com toda uma base metodológica de estudos, e se transforma em mera disputa de poder entre um grupo ou outro. Isso mostra como popularmente as ciências sociais ainda são vistas como mero achismo, como se um pesquisador produzisse apenas embasado por convicções políticas. Não se tacham físicos, engenheiros, matemáticos, biólogos ou astrônomos como esquerda ou direita. Mas economista, historiadores, geógrafos, sociólogos, esses sim são de direita ou de esquerda.

Um dos fatos que envolvem esse pensamento é a diferenciação entre produção acadêmica e a posição política de muitos estudiosos. O fato de um economista, um historiador ou outro acadêmico considerar que medida X ou Y seja melhor para o país o coloca logo em descrédito pelo grupo que detém o ponto de vista oposto. O nível de divisão na qual o país se encontra atualmente leva essa definição a ser cada vez maior.

Eric Hobsbawn, ao escrever A Era dos Extremos, explica como é difícil produzir estudos sobre história de uma época em que o historiador viveu, justamente pela paixão que os fatos contemporâneos geram. O ideal é que se estude aquilo que aconteceu antes mesmo do nascimento do pesquisador, de maneira fria. Tanto é que discutir Ditadura Militar ainda gera muitos dissabores, mas a Proclamação da República é fato menos movido a sentimentalismos ou saudosismo (apesar de ter surgido um movimento pedindo a volta da monarquia no Brasil).

As divisões políticas que vivemos no Brasil são fruto de uma complexa série de fatores históricos. Essa dualidade entre esquerda e direita nasce da Guerra Fria, que apesar de finalizada com a queda do muro de Berlim, ainda reverbera pela América Latina. As propostas do Consenso de Washington, que firmaram as premissas do neoliberalismo, se misturam a uma herança de imperialismo e acabam sendo consideradas como uma falta de patriotismo e entreguismo. Por outro lado, essa mesma herança de imperialismo gera uma esquerda com toda faceta de populismo, sustentada em muita retórica e simbologia, com uma visão agravada pela lembrança de tomadas de poder através de um exército popular, o que na América só ocorreu em Cuba e na Nicarágua, tendo todas as outras iniciativas fracassado. Enquanto Estados Unidos e Cuba voltam a se relacionar e Samuel Huntington em seu Choque de Civilizações afirmou que a nova ordem mundial se baseia em questões culturais e não mais na dualidade entre capitalismo e comunismo, no Brasil temos uma divisão que remete a décadas passadas.

Temos um misto de memórias que se confundem junto a uma forte dificuldade de compreender o presente, agravado pelo baixo processo de dialética, o que impede que se analise o próprio pensamento de maneira crítica. Vejo muitas opiniões em oposição a Marx, Gramsci, Mises, Friedman, e tenho uma forte impressão de que a quantidade de críticas não é proporcional à leitura de textos desses pensadores. Na poesia acontece um processo de mudança de sentido: pega-se uma frase de um determinado escritor, tira de contexto e se tem um autor de autoajuda, sem contar na imensa quantidade de frases inventadas - nesse quesito Clarice Lispector sofre imensamente. Algo similar acontece nesses autores que tangem economia, história, política, etc: frases soltas para se tentar criticar, fora de seu contexto e, assim, sem causar uma reflexão maior.

É natural que em uma sociedade venham a ocorrer os mais diversos choques de opinião. É isso o que move uma democracia. Porém, retomando a ideia do método socrático, da tese e da antítese é preciso surgir uma síntese. No caso do Brasil, é por vezes assustador que esse processo não ocorra, dando uma impressão de que a sociedade cada vez mais se divide e que a continuidade democrática possa entrar em choque.


Postado por Guilherme Carvalhal
Em 4/12/2015 às 13h57


Mais Blog do Carvalhal
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pingos de Oração
Pe. Lambert Noben
Paulinas
(1981)



A última música
Nicholas Sparks
Novo Conceito



A Filha da Noite
Marion Zimmer Bradley
Círculo de Livro
(1985)



Complexo de Cinderela
Colette Dowling
Melhoramentos
(1981)



Quero Construir a Minha História
Fernando Dolabela
Sextante
(2009)



Inside Windows 95
Adrian King
Microsoft Press



Casos e Coisas, Daqui e Daí...
Heitor Luz Filho
Petit
(2003)



Em Busca das Coordenadas
Ernesto Rosa Neto
Ática
(1994)



O Noviço
Martins Pena
Folha



Direito Romano
Vicente Sobrino Porto
Freitas Bastos
(1962)





busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês