Chris Cornell | Julio Daio Bløg

busca | avançada
49127 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto que une cultura e conscientização ambiental traz teatro gratuito a Minas Gerais
>>> Show da Percha com Circo do Asfalto
>>> Evento Super Hacka Kids reúne filmes, games, jogos de mesa e muita diversão para a família
>>> SESC BELENZINHO RECEBE RÁDIO DIÁSPORA
>>> Música de Feitiçaria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Prenda-me se for capaz
>>> Entrevista com o tradutor Oleg Andréev Almeida
>>> O nome da morte
>>> 21º de Mozart: Pollini e Muti
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Jornalismo: as aulas de Joel Silveira
>>> O 4 (e os quatro) do Los Hermanos
>>> Homenagem a Yumi Faraci
>>> Teledramaturgia ao vivo
Mais Recentes
>>> Os Melhores Contos da America Latina de Flávio Moreira da Costa pela Agir (2008)
>>> A Casa da Madrinha de Lygia Bojunga pela Agir (1932)
>>> Um Hotel na Esquina - Coleção 100 Milhões de Leitores de Jamie Ford pela Agir (2012)
>>> Vira- Lata Virador de Daniel Pennac pela Agir (1995)
>>> 2 Grau Matematica 3 Serie de Atual pela Atual
>>> A Historia de Fernao Capelo Gaivota de Richard Bach pela Editorial Nordica Ltda. (1970)
>>> Almas Antigas de Tom Shroder pela Sextante (2001)
>>> Estação Carandiru de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (1999)
>>> O Fugitivo de J. M. Dillard pela Estadão (1997)
>>> Clássicos da Poesia Brasileira - Ler é Aprender de Frederico Barbosa pela Klick (1997)
>>> A Terapia do Abraço 2 de Kathleen Keating pela Pensamento (1987)
>>> Fogo Morto - Ler é Aprender de José Lins do Rego pela Klick
>>> The Founders of Modern Finance: Their Prize-winning Concepts and 1990 de Cfa pela Cfa (1992)
>>> O Poder Cosmico do Homem de Vernon Howard pela Record
>>> Introdução À Mecânica dos Solos de Milton Vargas pela Mcgraw-hill (1977)
>>> 6 +1 Traits of Writing de Ruth Culham e Outros pela Scholastic (2003)
>>> Instituições de Direito Processual Civil IV de Cândido Rangel Dinamarco pela Malheiros
>>> Tratamiento de las Superficies de Plastico de Klaus Stoeckhert pela Gg (1974)
>>> Sinais de Vida - da Escuridão ao Arco-íris de Fernanda Giannini pela Clube dos Autores
>>> Brazen Virtue de Nora Roberts pela Bantam Books (2002)
>>> Voando ao Sol de James Aldridge pela Coleção Contemporanea
>>> A Vida Secreta de Jonas de Luiz Galdino pela Atica
>>> Vet in Spin de James Herriot pela Pan (1977)
>>> English Plus 2 Wookbook de Janet Hardy-gould pela Oxford
>>> O Rinoceronte - Coleção Teatro Vivo de Eugène Ionesco pela Abril Cultural (1976)
BLOGS >>> Posts

Segunda-feira, 29/5/2017
Chris Cornell
Julio Daio Borges

+ de 4100 Acessos

Chris Cornell era a maior voz de Seattle

Evito usar o termo "grunge" porque acho reducionista. Ainda mais no caso de Cornell, que sempre cantou mais que a média dos roqueiros (eu disse roqueiros e, não, "metaleiros")

Kurt Cobain, do Nirvana, era o letrista. Eddie Vedder, do Pearl Jam, talvez seja o maior astro pop. Jerry Cantrell, do Alice in Chains, é o maior guitarrista. E Cornell, do Soundgarden, o melhor cantor

Além da sua morte precoce, é impressionante que em quase todas essas bandas tenha morrido alguém de forma trágica. Cobain se suicidou com uma arma. Tinha 27 anos. Layne Staley foi encontrado já em estado de putrefação (depois de uma overdose). Tinha 34 anos. E Cornell se enforcou num banheiro de hotel, na última quarta, depois de um show. Tinha 52 anos

O Nirvana estourou. O Pearl Jam de Eddie Vedder teve sucesso a médio/longo prazo. Talvez mais que qualquer outra banda de Seattle - porque caiu no "gosto médio" (Vedder sempre fez sucesso entre as menininhas...)

O Alice in Chains alcançou, em francês, o que se chama de "succès d'estime" (sucesso entre iniciados). Já o Soundgarden foi o que teve menos sucesso - e talvez fosse, musicalmente, o grupo mais sofisticado. Basta ouvir "Badmotorfinger", de 1991

Maior que essa injustiça toda é o fato de que, talvez, Chris Cornell foi o maior músico da geração Seattle

Ele teve a voz de um bluesman e o próprio Soundgarden soava como uma mera banda "de apoio" para seus vocais. Afinal, o Soundgarden nunca passou de uma versão "anos 90" para o primeiro Black Sabbath. Com a diferença de que Cornell cantava muito mais que Ozzy Osbourne. E, muito provavelmente, se ombreava com Ronnie James Dio - embora, musicalmente, fosse mais versátil

Quando Michael Jackson morreu, a melhor versão de "Billie Jean", na praça, era uma acústica de Chris Cornell. E eu poderia falar de sua versão para "Nothing compares 2 U", de Prince - mas prefiro lembrar de Brad Mehldau, um pianista de jazz, tocando "Black Hole Sun" (do último disco do Soundgarden que vale a pena, "Superunknown", de 1994)

No início dos anos 90, quando o grunge estourava, já se falava na "carreira solo" de Chris Cornell. Mas, embora conseguisse bom espaço na imprensa, para suas turnês solo, sua carreira solo nunca decolou de fato

O mais perto que esteve do mainstream, depois do grunge e do clipe de "Jesus Christ Pose", foi com "You know my name", da trilha sonora de "Cassino Royale", o "remake" de 2006

Uma das maiores fatalidades é um grande talento não encontrar o sucesso de fato...

Primeiro, Cobain com aquele fiapo de voz rouca. Depois, Staley, que, praticamente, só gritava. Na sequência, a consagração "pop" de Vedder. E, por último, Dave Grohl, com o Foo Fighters - que, como baterista do Nirvana, até enganava; mas, como cantor, é, convenhamos, "o sub do sub"...

Se somar todos, não dá um Chris Cornell. Que sua morte precoce, ao menos, sirva para redimensionar sua importância

O grunge, como modismo, era uma bobagem. Mas a geração de Seattle, de fato, foi a última do rock

Para ir além
Compartilhar


Postado por Julio Daio Borges
Em 29/5/2017 às 14h24


Mais Julio Daio Bløg
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Poesias Coligidas
Fernando Pessoa
Nova Fronteira
(1981)



Livro - Quando Mamãe Virou um Monstro
Joanna Harrison
Brinque Book
(1996)



Liberalismo - Teoria e prática
Theodore Meyer Greene
Ibrasa
(1983)



Ciências Novo Pensar 7
Demérito Gowdak; Eduardo Martins
Ftd
(2017)



Origens Relacionando a Ciência Com a Bíblia
Ariel Roth
Casa Publicadora Brasileira
(2016)



Caravelas no Novo Mundo - Col o Cotidiano da Historia (+2 Encartes)
Antonio Augusto da Costa Faria
Atica
(1999)



Guia de Campo - Aves da Grande São Paulo
Pedro F. Develey
Aves e Fotos
(2004)



Cronicas para Ler na Escola
Carlos Heitor Cony
Objetiva
(2009)



Sempre Há uma Chance
Lucimara Breve
J. R.
(2004)



Em Festa de Canibal Pizza Não É Legal ( Em Língua Portuguesa)
Júlio Emílio Braz
Imperial Novo Milenio
(2009)





busca | avançada
49127 visitas/dia
2,0 milhão/mês