Setembro Paulista | Me avise quando for a hora...

busca | avançada
53897 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto Nascentes Criativas promove ações culturais gratuitas no interior de Minas
>>> Pekka Pylkkänen (FIN) - Brazil Tour 2024
>>> Domingo, 19, 17h, tem 'Canta Teresa' - Roda Cultural com os rappers Ramonzin e Emitê OG
>>> HOJE E AMANHÃ - JÁ ESTAMOS BEM - IMPROVISO DE DANÇA ABORDA ADOECIMENTO HUMANO E PLANETÁRIO
>>> Selvageria synth pop no Pantera Clube
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Room Full of Mirrors no Royal Albert Hall (1969)
>>> Machado e a AR-15
>>> Religioso, mágico, sofisticado, profano
>>> O iPod por Da Vinci
>>> Gleiser, o cientista pop
>>> Faustão sobre protestos #full
>>> As sobras completas, poesias de Jovino Machado
>>> 7 que sigo
Mais Recentes
>>> Livro Literatura Brasileira O Xangô de Baker Street de Jô Soares pela Companhia das Letras (1995)
>>> Livro Administração Mercado de Trabalho Assalariado de Vladimir Marques de Souza e Silva pela Ser Mais (2013)
>>> Livro Literatura Estrangeira Um Verão Para Toda Vida de Michael Noonan pela Record (2007)
>>> Livro Breve Relato de Como as Esteiras Venceram Os Cães-de-Guerra de W.L. Ducca pela Nacional (1992)
>>> Livro Dicionários Longman Dicionary of Phrasal Verbs de Rosemary Courtney pela Longman (1983)
>>> Livro Infanto Juvenis Turma da Mônica Meu Primeiro Livro Sobre o Planeta Terra de Mauricio de Sousa pela Girassol (2022)
>>> Livro Auto Ajuda 12 Semanas Para Mudar Uma Vida de Augusto Cury pela Academia de Intelige (2015)
>>> Livro Infanto Juvenis Turma da Mônica Meu Primeiro Livro Sobre o Planeta Terra de Mauricio de Sousa pela Girassol (2002)
>>> Livro Religião O Último Conflito Acontecimentos que Mudarão Seu Futuro de Ellen G. White pela Solo (2015)
>>> Livro Literatura Estrangeira A Bagaceira de José Américo de Almeida pela Circulo do Livro (1980)
>>> Livro Esoterismo Meu Anjo Tudo Sobre Regressão De Memória Em Busca De Sua Alma Gêmea de Fausto Oliveira pela Seame (1996)
>>> Livro Psicologia Superando O Cárcere Da Emoção de Augusto Cury pela Planeta do Brasil Ltda. (2015)
>>> Livro Comunicação Como Falar Corretamente E Sem Inibições + CD Áudio de Reinaldo Polito pela Saraiva (2015)
>>> Livro História Geral O Legado Das Deusas de Cristina Balieiro pela Pólen (2014)
>>> Livro Administração Salomão O Homem Mais Rico Que já Existiu de Steven K. Scott pela Sextante (2008)
>>> Livro Infanto Juvenis Branca de Neve Livro Quebra Cabeça de Ciranda Cultural pela Ciranda Cultural (2013)
>>> Livro Literatura Brasileira Para Não Esquecer de Clarice Lispector pela Rocco (1999)
>>> Livro de Bolso Dicionário Melhoramentos da Língua Portuguesa de Melhoramentos pela Melhoramentos (1988)
>>> Livro Esoterismo Buda O Mito e a Realidade de Heródoto Barbeiro pela Madras (2009)
>>> Livro Antropologia A Sociedade Sem Relato Antropologia E Estética Da Iminência de Néstor García Canclini pela Edusp (2012)
>>> Livro Ensino de Idiomas The Stories of King Arthur 5 de Standfor pela Standfor (2016)
>>> Livro Literatura Estrangeira História do Novo Sobrenome de Elena Ferrante pela Biblioteca Azul (2016)
>>> Livro Psicologia He A Chave do Entendimento da Psicologia Masculina de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> Gabinete Secreto, O de Stephen Frey pela Best Seller (2003)
>>> Livro Medicina Nihongo: Curso Elementar de Kanji de Massao Ohno Editor, Fundação Japão pela Massao Ohno (1994)
BLOGS >>> Posts

Terça-feira, 12/9/2017
Setembro Paulista
Lais Viajante Barbosa
+ de 1900 Acessos

"Era infantil se sentir decepcionado, mas a infantilidade é uma coisa que acontece tão naturalmente a um homem quanto a uma criança..." – Asimov, Fundação.

Tantas foram as obras de ficção científica que me causaram profundo impacto como a série Fundação de Isaac Asimov em que a visão periscópica de futuro e de sociedade apresenta ainda que com ressalvas, singular esperança. Tantas, porque particularmente não resisto a uma boa ficção científica, mas essa é precipuamente a melhor delas.

Asimov!

De minha parte, gratidão por obra tão espetacular.

Ainda que me agradem particularmente na literatura contemporânea, a prosa analítica de Umberto Eco, o fantástico de Gabriel Garcia Marquez – a ficção científica clássica de Asimov, me causa um rubor de esperança. Singular esperança, tão acanhada porque os anos nos recrudescem dessa habilidade pueril de acreditar, mas que timidamente se perpetua como quando caminhamos por uma rua tomada pela escuridão e nos solilóquios que se instigam freneticamente disparados pelo medo, pelo escuro, aguardamos a luz fraca do próximo poste, ainda que a distância entre os postes seja tão irregular que caracterize impossível compreendermos um padrão.

Como em Cities in Dust (canção aguda que merece obrigatoriamente em algum momento nesse lapso espaço-tempo, um arranjo pareado num game explosivo) nossas cidades jazem em pó. Nossas estradas espaciais jazem em pó, tão lúgubre e nada matinal essa desesperança nos faz um convite rumo à passividade. Esse desassossego humano, sempre insano rumo ao desconhecido em sua ímpar experiência num ciclo de vida tão passageiro é o que nos persegue simultaneamente tanto e quanto o perseguimos.

Não se trata aqui de uma ode à ciência inabalável, metódica, pois ainda que a Crítica da Razão Pura de Kant tenha me conferido um pouco de racionalidade, devo ignorar que para Kant “toda sensação é suscetível de diminuição, de tal sorte que ela pode decrescer e desaparecer insensivelmente”. Persisto numa auto sabotagem distrativa que me permite ignorar os desvanecimentos das sensações que há tempos me causavam súbito estupor. O fato é que para mim, a ficção científica incorpora o que há de luminescente nessa amplitude vazia a que estou submetida, tal como um vestígio de luz, cuja faísca da Graça adiada, resiste! (Não, não me refiro à graça cristã ululante que berra, estampada no rosto de Teresa de Ávila de Bernini, depois de ter tido a experiência orgásmica com a seta do amor cupido-deus. Blasfêmia? Não! Definitivamente não. Teresa de Ávila era mística e eu no meu ceticismo, não a compreendo. Nem preciso! É óbvio que a questão é quanto ao uso da palavra Graça restringir-se tão somente ao ideário judaico, cristão, católico, não importa. A Grace de Lar Vons Trier me apetece mais do que a graça divina. Reside nesse conceito de Graça, do qual me aproprio, um expurgo da religião e de toda essa fé cinzenta vendida e que não se aproxima ao menos, na minha soberba e intimista opinião, à magnitude do pôr-do-sol, da aurora boreal e da singularidade das marés, ou bem mais óbvia de ser compreendida como a comoção que Hades despertou em Orpheu que decidiu por Eurídice conquistar o reino dos mortos).

A ficção científica é a prima-irmã do Iluminismo, a Graça encarnada nas páginas escritas, sonhos da razão, que em seu rastro luminoso, resiste na perspectiva de bonecos humanos de elastômero para a satisfação de desejos, resiste no braço biônico, resiste na publicidade desnecessária do Bóson de Higgs ou para os mais pessimistas como eu, resiste no borralho de ausência de humanidade ou naquela experiência louca de Playtest em Black Mirror. Essa vazão catártica de mim mesma, é o mais próximo que eu consigo chegar do enleio da Graça! Embalada numa Graça agônica à minha própria existência, minha existência se dá porquanto resisto. Resistir. Eu resisto. Todos resistimos nessa vértebra frugal que nos compele diariamente, ainda que o auto engano nos dissimule a infelicidade, nos dissimule o vazio e nos dissimule o medo de nossa finitude. Esse auto engano que me abranda dentro dos convescotes corriqueiros, nos feriados em família, nos acalantos sinceros e naquela sensação entorpecida de que tudo está exatamente onde deveria estar, quando por um tempo esqueço dessa carne que definha pouco a pouco. A ficção científica é a ciência do impalpável que se materializa na literatura de vanguarda, no futurismo da produção cinematográfica, na Arte daquilo é inatingível conceitualmente. A ficção científica nos sublima, quando assumimos nossa identidade como replicantes de nós mesmos e aguardamos tacitamente o aparecimento de um tricorder e nos projeta, quando ousamos um dia sonhar com um pulo paradoxal do tempo num universo paralelo.

É provável que essa mesma ciência do inacreditável, aquela que causa prostração diante de algo deslumbrante, que cega-nos diante de tanta incandescência, seja a que causou profundo terror aos europeus ao se depararem com civilizações tão desenvolvidas, quanto a dos ameríndios. Daí, a razão de Hernan Cortés em suas cartas sobre a conquista do México relatar com profunda naturalidade a barbárie dos crimes de guerra. “Lutaram conosco bravamente, mas quis Nosso Senhor dar tanta força aos seus que entramos pela água até o peito e fomos conquistando a vitória. Matamos mais de seis mil índios entre homens, mulheres e crianças, número que se tornou considerável em vista da ação dos índios nossos amigos, os quais, vendo como íamos conquistando a vitória, iam matando a torto e a direito. Quando chegou a noite recolhi a minha gente e pus fogo em algumas casas”. Para Cortés que sequer imaginava encontrar numa civilização supostamente primitiva, aspectos de vida inteligente, a imperceptibilidade do ouro enquanto despojo, o sol encapsulado em monumentos astronômicos cravados em rocha, erguidos com perfeição matemática é de se esperar que a única coisa que ao desbravador feroz restava, era primar pela completa dizimação do povo.

A verdade é que em tempos sombrios, (a escuridão é ainda pior que essa luz cinza! – Renato Russo) como já disse, Chine Miéville: “Nunca houve época tão boa para ser fascista”. Somos mesmos todos fascistas com as vontades alheias que sobrepujam as nossas ou nosso altruísmo consegue ser maior que nossas misérias internas? Não sei. O que sei é que o cotidiano, monstro escondido nas frestas da cidade, precipitado no noticiário da manhã, no pó que se intromete na soleira, na geladeira vazia, no painel do elevador, nos humanos com quem não escolheríamos compartilhar nossa existência se tivéssemos tal opção, nos explora... Quem é que suporta o peso dos dias? Eu não consigo mais! Agosto me empurrou ladeira abaixo num soluço doentio permanente como um cozido demorado de miúdos, intragável, nauseante como a minha própria cara esgotada, envelhecida e descoberta.

Setembro chega. Setembro chega com a Primavera e traz consigo o dia sete, Sete de Setembro.

Para mim, as opções que restam são poucas. Duas delas me comovem quase que por inteiro, esconjurar a Independência num grito ensurdecedor de desespero ou aguardar passivamente a segunda-feira que tão logo se avizinha com o prelúdio irônico da minha condição assalariada, (um queniz de trigo por um denário! Argh!) engrenagem descartável. Eu resisto. Todos resistimos. Resisto mais um dia, dois, um mês, toda uma vida! Guardo minha militância sonífera numa caixa de papel para os dias de luta que na medida da minha covardia torço para não acontecer...

Agarro-me à Asimov até dormir, acordo, vocifero contra o pote de biscoitos, fico à espreita do sol que não tarda em secar as flores amarelas caídas do Ipê que floresce tão próximo da janela das minhas tímidas esperanças tardias.

01/09/2017 – Lais Viajante
[email protected]


Postado por Lais Viajante Barbosa
Em 12/9/2017 às 22h05

Mais Me avise quando for a hora...
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Biografia As Caras e as Mascaras
Eduardo Galeano
Nova Fronteira
(1985)



Revista de direito ambiental
Antônio Herman Édis Milaré
Revista dos tribunais
(2006)



Parva Naturalia
Aristóteles
Edipro
(2012)



De Sangue e Cinzas
Jennifer L. Armentrout
Galera Record
(2022)



A história da água
Jacqui Bailey
Dcl
(2003)



Ayrton O Herói Revelado
Ernesto Rodrigues
Objetiva
(2004)



Windows server 2012 R2
Márcio Roberto Seraggi
Senac
(2017)



As Mil e uma Noite
Julieta de Godoy Ladeira
Scipione
(1988)



The Wild Unknown Archetypes - Deck & Guidebook
Kim Krans
Harper One
(2022)



Livro Literatura Estrangeira A Vida, o Universo e Tudo Mais Coleção o Mochileiro das Galáxias Volume 3
Douglas Adams
Arqueiro
(2010)





busca | avançada
53897 visitas/dia
2,4 milhões/mês