Setembro Paulista | Me avise quando for a hora...

busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Breve História do Cinismo Ingênuo
>>> Minha cartomante não curte o Facebook
>>> Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os olhos brancos de Deus
>>> Alívios diamantinos
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Ser intelectual dói
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
Mais Recentes
>>> Aurelio Mirim -Dicionario ilustrado da letra N a R- de Aurelio Buarque pela Positivo (2015)
>>> Dubliners de James Joyce pela Penguin (1996)
>>> As Chaves Perdidas da Maçonaria de Manly P. Hale pela Madras (2006)
>>> Mwtamorphosis and Other Stories - de Franz Kafka pela Penguim (1996)
>>> O Homem em busca de Deus de Varios editores internacionais pela Watch tower (2010)
>>> Os Irmãos Sagrados - de R.Waingarten pela Lubavitch (2012)
>>> Almanaque Ilustrado Símbolos de Mark O'Connell & Raje Airey pela Escala (2017)
>>> Francisco Valdomiro Lorenz - Uma Obra com Vida de Waldomiro Lorenz pela Parma (2000)
>>> O Retorno à Origem de Lex Hixon pela Cultrix (1992)
>>> Episódio da Vida de Tibério de Wera Krijanowsky pela Lake (1999)
>>> Uma Breve História do Mundo de Geoffrey Blainey pela Fundamento (2011)
>>> Férias Pagãs - Na Trilha dos Antigos Turistas Romanos de Tony Perrottet pela Rocco (2006)
>>> A Luz que Cura Oração Pelos Doentes de Agnes Sanford pela Loyola (1985)
>>> Doze Passos Para os Cristãos Jornada Espiritual Com Amor-Exigente de Pe Haroldo J Rahm pela Loyola (2000)
>>> A Águia e a Galinha de Leonardo Boff pela Vozes (1997)
>>> Ele andou entre nós Evidências do Jesus Histórico de Josh Mcdowell pela Candeia (1998)
>>> Contabilidade de Custos de Osni Moura Ribeiro pela Saraiva (2013)
>>> Cachaça artesanal. Do alambique à mesa de Atenéia Feijó & Engels Maciel pela Senac Nacional (2001)
>>> Pirâmides E Soberanos Do Egito de Sérgio Pereira Couto pela Escala (2015)
>>> O Velho Monge do Castelo de Lauro Trevisan pela Mente (2010)
>>> Dinâmica do Desejo de Frei Carmelo Surian pela Vozes (1982)
>>> Testemunho Sem Medo Como Partilhar sua Fé com Segurança de Bill Bright pela Candeia (1988)
>>> Cachaça. The Authentic Brazilian Drink de Diversos Autores pela Abrabe (2010)
>>> Natal a Humanidade e a Jovialidade de Nosso Deus de Leonardo Boff pela Vozes (2000)
>>> Blitzkrieg 1940 de Ward Rutherford pela Bison (1985)
>>> Cantores do Rádio. A trajetória de Nora Ney e Jorge Goulart e o meio artístico de seu tempo de Alcir Lenharo pela Unicamp (1995)
>>> Titeres y marionetas en alemania de Hans R. Purshke pela Neue Darmstädter Verlagsanstalt Darmstadt (1957)
>>> Aritmética da Emília de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Caçadas de Pedrinho de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Histórias Diversas de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Emilia no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Histórias de tia Nastácia de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Saci de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Picapau amarelo de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Os 13 Porquês de Jay Asher pela Ática (2009)
>>> Só o Amor é Real de Brian Weiss pela Sextante (2012)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Ciranda Cultural (2017)
>>> O clamor do Mundo de Oswaldo Smith pela Vida (2009)
>>> DVD Coleção Mazzaropi Tristeza do Jeca vol. 3 de Direção, Amácio Mazzaropi / Milton Amaral pela Pam filmes (1961)
>>> A Cinco Passos de Você de Rachael Lippincott pela Alt (2019)
>>> O Poço do Visconde de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Peter Pan de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Memórias da Emília de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Minotauro de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> História do Mundo para Crianças de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Dom Quixote das Crianças de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> As Aventuras de Hans Staden de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> A chave do Tamanho de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> viagem ao Céu de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Serões de dona Benta de Monteiro Lobato pela Ciranda cultural (2019)
BLOGS >>> Posts

Terça-feira, 12/9/2017
Setembro Paulista
Lais Viajante Barbosa

+ de 600 Acessos

"Era infantil se sentir decepcionado, mas a infantilidade é uma coisa que acontece tão naturalmente a um homem quanto a uma criança..." – Asimov, Fundação.

Tantas foram as obras de ficção científica que me causaram profundo impacto como a série Fundação de Isaac Asimov em que a visão periscópica de futuro e de sociedade apresenta ainda que com ressalvas, singular esperança. Tantas, porque particularmente não resisto a uma boa ficção científica, mas essa é precipuamente a melhor delas.

Asimov!

De minha parte, gratidão por obra tão espetacular.

Ainda que me agradem particularmente na literatura contemporânea, a prosa analítica de Umberto Eco, o fantástico de Gabriel Garcia Marquez – a ficção científica clássica de Asimov, me causa um rubor de esperança. Singular esperança, tão acanhada porque os anos nos recrudescem dessa habilidade pueril de acreditar, mas que timidamente se perpetua como quando caminhamos por uma rua tomada pela escuridão e nos solilóquios que se instigam freneticamente disparados pelo medo, pelo escuro, aguardamos a luz fraca do próximo poste, ainda que a distância entre os postes seja tão irregular que caracterize impossível compreendermos um padrão.

Como em Cities in Dust (canção aguda que merece obrigatoriamente em algum momento nesse lapso espaço-tempo, um arranjo pareado num game explosivo) nossas cidades jazem em pó. Nossas estradas espaciais jazem em pó, tão lúgubre e nada matinal essa desesperança nos faz um convite rumo à passividade. Esse desassossego humano, sempre insano rumo ao desconhecido em sua ímpar experiência num ciclo de vida tão passageiro é o que nos persegue simultaneamente tanto e quanto o perseguimos.

Não se trata aqui de uma ode à ciência inabalável, metódica, pois ainda que a Crítica da Razão Pura de Kant tenha me conferido um pouco de racionalidade, devo ignorar que para Kant “toda sensação é suscetível de diminuição, de tal sorte que ela pode decrescer e desaparecer insensivelmente”. Persisto numa auto sabotagem distrativa que me permite ignorar os desvanecimentos das sensações que há tempos me causavam súbito estupor. O fato é que para mim, a ficção científica incorpora o que há de luminescente nessa amplitude vazia a que estou submetida, tal como um vestígio de luz, cuja faísca da Graça adiada, resiste! (Não, não me refiro à graça cristã ululante que berra, estampada no rosto de Teresa de Ávila de Bernini, depois de ter tido a experiência orgásmica com a seta do amor cupido-deus. Blasfêmia? Não! Definitivamente não. Teresa de Ávila era mística e eu no meu ceticismo, não a compreendo. Nem preciso! É óbvio que a questão é quanto ao uso da palavra Graça restringir-se tão somente ao ideário judaico, cristão, católico, não importa. A Grace de Lar Vons Trier me apetece mais do que a graça divina. Reside nesse conceito de Graça, do qual me aproprio, um expurgo da religião e de toda essa fé cinzenta vendida e que não se aproxima ao menos, na minha soberba e intimista opinião, à magnitude do pôr-do-sol, da aurora boreal e da singularidade das marés, ou bem mais óbvia de ser compreendida como a comoção que Hades despertou em Orpheu que decidiu por Eurídice conquistar o reino dos mortos).

A ficção científica é a prima-irmã do Iluminismo, a Graça encarnada nas páginas escritas, sonhos da razão, que em seu rastro luminoso, resiste na perspectiva de bonecos humanos de elastômero para a satisfação de desejos, resiste no braço biônico, resiste na publicidade desnecessária do Bóson de Higgs ou para os mais pessimistas como eu, resiste no borralho de ausência de humanidade ou naquela experiência louca de Playtest em Black Mirror. Essa vazão catártica de mim mesma, é o mais próximo que eu consigo chegar do enleio da Graça! Embalada numa Graça agônica à minha própria existência, minha existência se dá porquanto resisto. Resistir. Eu resisto. Todos resistimos nessa vértebra frugal que nos compele diariamente, ainda que o auto engano nos dissimule a infelicidade, nos dissimule o vazio e nos dissimule o medo de nossa finitude. Esse auto engano que me abranda dentro dos convescotes corriqueiros, nos feriados em família, nos acalantos sinceros e naquela sensação entorpecida de que tudo está exatamente onde deveria estar, quando por um tempo esqueço dessa carne que definha pouco a pouco. A ficção científica é a ciência do impalpável que se materializa na literatura de vanguarda, no futurismo da produção cinematográfica, na Arte daquilo é inatingível conceitualmente. A ficção científica nos sublima, quando assumimos nossa identidade como replicantes de nós mesmos e aguardamos tacitamente o aparecimento de um tricorder e nos projeta, quando ousamos um dia sonhar com um pulo paradoxal do tempo num universo paralelo.

É provável que essa mesma ciência do inacreditável, aquela que causa prostração diante de algo deslumbrante, que cega-nos diante de tanta incandescência, seja a que causou profundo terror aos europeus ao se depararem com civilizações tão desenvolvidas, quanto a dos ameríndios. Daí, a razão de Hernan Cortés em suas cartas sobre a conquista do México relatar com profunda naturalidade a barbárie dos crimes de guerra. “Lutaram conosco bravamente, mas quis Nosso Senhor dar tanta força aos seus que entramos pela água até o peito e fomos conquistando a vitória. Matamos mais de seis mil índios entre homens, mulheres e crianças, número que se tornou considerável em vista da ação dos índios nossos amigos, os quais, vendo como íamos conquistando a vitória, iam matando a torto e a direito. Quando chegou a noite recolhi a minha gente e pus fogo em algumas casas”. Para Cortés que sequer imaginava encontrar numa civilização supostamente primitiva, aspectos de vida inteligente, a imperceptibilidade do ouro enquanto despojo, o sol encapsulado em monumentos astronômicos cravados em rocha, erguidos com perfeição matemática é de se esperar que a única coisa que ao desbravador feroz restava, era primar pela completa dizimação do povo.

A verdade é que em tempos sombrios, (a escuridão é ainda pior que essa luz cinza! – Renato Russo) como já disse, Chine Miéville: “Nunca houve época tão boa para ser fascista”. Somos mesmos todos fascistas com as vontades alheias que sobrepujam as nossas ou nosso altruísmo consegue ser maior que nossas misérias internas? Não sei. O que sei é que o cotidiano, monstro escondido nas frestas da cidade, precipitado no noticiário da manhã, no pó que se intromete na soleira, na geladeira vazia, no painel do elevador, nos humanos com quem não escolheríamos compartilhar nossa existência se tivéssemos tal opção, nos explora... Quem é que suporta o peso dos dias? Eu não consigo mais! Agosto me empurrou ladeira abaixo num soluço doentio permanente como um cozido demorado de miúdos, intragável, nauseante como a minha própria cara esgotada, envelhecida e descoberta.

Setembro chega. Setembro chega com a Primavera e traz consigo o dia sete, Sete de Setembro.

Para mim, as opções que restam são poucas. Duas delas me comovem quase que por inteiro, esconjurar a Independência num grito ensurdecedor de desespero ou aguardar passivamente a segunda-feira que tão logo se avizinha com o prelúdio irônico da minha condição assalariada, (um queniz de trigo por um denário! Argh!) engrenagem descartável. Eu resisto. Todos resistimos. Resisto mais um dia, dois, um mês, toda uma vida! Guardo minha militância sonífera numa caixa de papel para os dias de luta que na medida da minha covardia torço para não acontecer...

Agarro-me à Asimov até dormir, acordo, vocifero contra o pote de biscoitos, fico à espreita do sol que não tarda em secar as flores amarelas caídas do Ipê que floresce tão próximo da janela das minhas tímidas esperanças tardias.

01/09/2017 – Lais Viajante
[email protected]


Postado por Lais Viajante Barbosa
Em 12/9/2017 às 22h05


Mais Me avise quando for a hora...
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




JESUS O MAIOR PSICÓLOGO QUE JÁ EXISTIU
MARK W. BAKER
SEXTANTE
R$ 23,00



SÓ O AMOR É REAL COLEÇÃO AUTO ESTIMA
BRIAN WEISS
SEXTANTE
(2009)
R$ 9,76



E POR FALAR EM AMOR
MARINA COLASANTI
SALAMANDRA
(1984)
R$ 29,99



HINOS E CANÇÕES DO BRASIL
AVELINO A CORREA
ATICA
(1984)
R$ 5,00



O LEVANTINO
ERIC AMBLER
ARTENOVA
(1973)
R$ 10,00



UM PORTO SEGURO - NOS MOMENTOS MAIS DIFÍCEIS O AMOR É O ÚNICO REFÚGIO
NICHOLAS SPARKS
NOVO CONCEITO
(2012)
R$ 21,00



VERTIGENS PARA O MÉDICO CLÍNICO
PAULO D FERNANDES E LIS T FERNANDES
ROBE EDITORIAL
(2001)
R$ 5,00



COMO COMPREENDER OS SÍMBOLOS - GUIA RÁPIDO SOBRE SIMBOLOGIA NAS ARTES
CLARE GIBSON
SENAC
(2012)
R$ 34,00



FERNANDO PESSOA POESIA
ADOLFO CASAIS MONTEIRO
AGIR
(1981)
R$ 12,00



MUDAR E VENCER
PAULO GAUDÊNCIO
GENTE
(1999)
R$ 20,00





busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês